Subido por baptistavitus

2 - Maquiavel Pedagogo - Pascal Bernardin

Anuncio
PAS​CAL BER​NAR​DIN
MA​Q UI​A​VEL PE​DA​GO​GO
ou
o mi​nis​t é​rio da
re​f or​m a psi​c o​ló​gi​c a
A Jack Lang,
que mos​t rou com tan​t o brio
o que de​ve​ria ser o mi​nis​t é​rio
da re​f or​m a psi​c o​ló​gi​c a.
SUMÁRIO
Capa
Fo​lha de Ros​t o
De​di​c a​t ó​ria
In​t ro​du​ç ão
As téc​ni​c as de ma​ni​pu​la​ç ão psi​c o​ló​gi​c a
A sub​m is​s ão à au​t o​ri​da​de
O con​f or​m is​m o
Nor​m as de gru​po
Pé na por​t a
“Por​t a na cara”
Dis​s o​nân​c ia cog​ni​t i​va ou o es​pi​ri​t u​a​lis​m o di​a​lé​t i​c o
Não pa​gue a seus em​pre​ga​dos
Você gos​t a de ga​f a​nho​t os fri​t os?
Ini​c i​a​ç ão se​xu​al de mo​ç as
Con​t a​t os ex​t ra​t er​res​t res
Dra​m a​t i​z a​ç ão
De​c i​s ão e dis​c us​s ão de gru​po
A ava​li​a​ç ão (dos alu​nos e dos pro​f es​s o​res)
A apli​c a​ç ão da psi​c o​lo​gia so​c i​al na edu​c a​ç ão
A mo​di​f i​c a​ç ão das ati​t u​des
A apli​c a​ç ão das Ci​ên​c i​as So​c i​ais
Mu​dar a ati​t u​de: da per​s u​a​s ão ao en​ga​ja​m en​t o
Con​du​t as para mu​dar “as idei​as”
A edu​c a​ç ão
A Unes​c o, a edu​c a​ç ão e o con​t ro​le psi​c o​ló​gi​c o
A mo​di​f i​c a​ç ão de ati​t u​des em es​c a​la in​t er​na​c i​o​nal
A apli​c a​ç ão das Ci​ên​c i​as So​c i​ais
A edu​c a​ç ão
To​t a​li​t a​ris​m o?
A ma​ni​pu​la​ç ão da cul​t u​ra
A re​de​f i​ni​ç ão do pa​pel da es​c o​la e o en​s i​no mul​t i​di​m en​s i​o​nal
O en​s i​no não cog​ni​t i​vo e mul​t i​di​m en​s i​o​nal
En​s i​no aca​dê​m i​c o ver​s us apren​di​z a​do so​c i​al
A re​vo​lu​ç ão éti​c a
A es​c o​la con​t ra a fa​m í​lia
O lu​gar da es​c o​la
A re​vo​lu​ç ão cul​t u​ral e in​t er​c ul​t u​ra​lis​m o: ho​m e​na​gem a Grams​c i
Rees​c re​ver a his​t ó​ria
Apren​der a apren​der
Os IUFMS
A for​m a​ç ão dos pro​f es​s o​res
Pe​da​go​gi​as ati​vas e ma​ni​pu​la​ç ões psi​c o​ló​gi​c as nas sa​las de aula
Um pro​je​t o mun​di​al
A des​c en​t ra​li​z a​ç ão
A im​ple​m en​t a​ç ão da re​f or​m a pe​da​gó​gi​c a
A au​t o​no​m ia dos di​re​t o​res es​c o​la​res
Con​c e​der au​t o​no​m ia para dar con​f i​an​ç a aos pro​f es​s o​res
A des​c en​t ra​li​z a​ç ão
Des​c en​t ra​li​z a​ç ão e en​s i​no não cog​ni​t i​vo
A ava​li​a​ç ão e a in​f or​m a​t i​z a​ç ão do sis​t e​m a edu​c a​c i​o​nal mun​di​al
Os Es​t a​dos Uni​dos
As or​ga​ni​z a​ç ões in​t er​na​c i​o​nais
A Fran​ç a
A Eu​ro​pa
A re​vo​lu​ç ão pe​da​gó​gi​c a na Fran​ç a
A re​no​va​ç ão pe​da​gó​gi​c a, os mó​du​los e os ci​c los
‘La dé​c en​nie des mal-ap​pris’ de Fran​ç ois Bay​rou 183
A ava​li​a​ç ão
A for​m a​ç ão con​t i​nu​a​da
A ino​va​ç ão pe​da​gó​gi​c a
A des​c en​t ra​li​z a​ç ão
As pri​m ei​ras me​di​das go​ver​na​m en​t ais
A so​c i​e​da​de dual
O bai​xo ní​vel
O dé​f i​c it de​m o​c rá​t i​c o
A so​c i​e​da​de dual
O to​t a​li​t a​ris​m o psi​c o​pe​da​gó​gi​c o
Con​c lu​s ão
Bi​bli​o​gra​f ia Se​le​t i​va
Cré​di​t os
INTRODUÇÃO
Uma re​vo​lu​ç ão pe​da​gó​gi​c a ba​s e​a​da nos re​s ul​t a​dos da pes​qui​s a psi​c o​pe​da​gó​gi​c a
está em cur​s o no mun​do in​t ei​ro. Ela é con​du​z i​da por es​pe​c i​a​lis​t as em Ci​ên​c i​as da
Edu​c a​ç ão que, for​m a​dos to​dos nos mes​m os mei​os re​vo​lu​c i​o​ná​ri​os, logo do​m i​na​ram os
de​par​t a​m en​t os de edu​c a​ç ão de di​ver​s as ins​t i​t ui​ç ões in​t er​na​c i​o​nais: Unes​c o, Con​s e​lho da
Eu​ro​pa, Co​m is​s ão de Bru​xe​las e OCDE. Na Fran​ç a, o Mi​nis​t é​rio da Edu​c a​ç ão e os IUFMS1
es​t ão igual​m en​t e sub​m e​t i​dos a sua in​f lu​ên​c ia. Essa re​vo​lu​ç ão pe​da​gó​gi​c a visa a im​por
uma “éti​c a vol​t a​da para a cri​a​ç ão de uma nova so​c i​e​da​de”2 e a es​t a​be​le​c er uma so​c i​e​da​de
in​t er​c ul​t u​ral. A nova éti​c a não é ou​t ra coi​s a se​não uma so​f is​t i​c a​da re​a​pre​s en​t a​ç ão da
uto​pia co​m u​nis​t a. O es​t u​do dos do​c u​m en​t os em que tal éti​c a está de​f i​ni​da não dei​xa
mar​gem a qual​quer dú​vi​da: sob o man​t o da éti​c a, e sus​t en​t a​da por uma re​t ó​ri​c a e por
uma di​a​lé​t i​c a fre​quen​t e​m en​t e no​t á​veis, en​c on​t ra-se a ide​o​lo​gia co​m u​nis​t a, da qual ape​nas
a apa​rên​c ia e os mo​dos de ação fo​ram mo​di​f i​c a​dos. A par​t ir de uma mu​dan​ç a de va​lo​res,
de uma mo​di​f i​c a​ç ão das ati​t u​des e dos com​por​t a​m en​t os, bem como de uma ma​ni​pu​la​ç ão
da cul​t u​ra,3 pre​t en​de-se le​var a cabo a re​vo​lu​ç ão psi​c o​ló​gi​c a e, ul​t e​ri​or​m en​t e, a re​vo​lu​ç ão
so​c i​al. Essa nova éti​c a faz hoje par​t e dos pro​gra​m as es​c o​la​res da Fran​ç a,4 e é
obri​ga​t o​ri​a​m en​t e en​s i​na​da em to​dos os ní​veis do sis​t e​m a edu​c a​c i​o​nal.
Es​t an​do cla​ra​m en​t e de​f i​ni​do o ob​je​t i​vo, para atin​gi-lo são uti​li​z a​dos os re​s ul​t a​dos
da pes​qui​s a pe​da​gó​gi​c a ob​t i​dos pe​los so​vi​é​t i​c os e pe​los crip​t o​c o​m u​nis​t as nor​t eame​ri​c a​nos e eu​ro​peus. Tra​t a-se de téc​ni​c as psi​c o​pe​da​gó​gi​c as que se va​lem de mé​t o​dos
ati​vos des​t i​na​dos a in​c ul​c ar nos es​t u​dan​t es os “va​lo​res, as ati​t u​des e os com​por​t a​m en​t os”
de​f i​ni​dos de an​t e​m ão. Por essa ra​z ão fo​ram cri​a​das os IUFMS, que se em​pe​nham em
en​s i​nar es​s as téc​ni​c as de ma​ni​pu​la​ç ão psi​c o​ló​gi​c a aos fu​t u​ros pro​f es​s o​res.
Den​t re os tra​ç os mais re​le​van​t es des​s a re​vo​lu​ç ão pe​da​gó​gi​c a, é pre​c i​s o des​t a​c ar
os se​guin​t es:
◆ tes​t es psi​c o​ló​gi​c os, pro​je​t a​dos ou já re​a​li​z a​dos, em gran​de es​c a​la;
◆ in​f or​m a​t i​z a​ç ão mun​di​al das ques​t ões do en​s i​no e, par​t i​c u​lar​m en​t e, o cen​s o (ora
em cur​s o) de toda a po​pu​la​ç ão es​c o​lar e uni​ver​s i​t á​ria, a pre​t ex​t o de “aper​f ei​ç o​a​m en​t o do
en​s i​no”. Par​t i​c i​pam aí os tes​t es psi​c o​ló​gi​c os. No​ven​t a por cen​t o das cri​an​ç as nor​t eame​ri​c a​nas já fo​ram fi​c ha​das;
◆ as​f i​xia ou su​bor​di​na​ç ão do en​s i​no li​vre;
◆ pre​t en​s ão a anu​lar a in​f lu​ên​c ia da fa​m í​lia.
A re​vo​lu​ç ão pe​da​gó​gi​c a fran​c e​s a, ali​ás re​c en​t e​m en​t e ace​le​ra​da, ins​c re​ve-se nes​s e
qua​dro mun​di​al. Nos úl​t i​m os anos, nu​m e​ro​s as mo​di​f i​c a​ç ões têm sido dis​c re​t a​m en​t e
in​t ro​du​z i​das no sis​t e​m a edu​c a​c i​o​nal fran​c ês ou cons​t i​t u​em, atu​al​m en​t e, ob​je​t o de de​ba​t e.
Os ele​m en​t os de aná​li​s e apre​s en​t a​dos nos ca​pí​t u​los se​guin​t es vi​s am a evi​den​c i​ar a
co​e​rên​c ia do pro​je​t o mun​di​al no qual eles se in​t e​gram.
A pri​m ei​ra des​s as re​f or​m as ocu​pa-se da for​m a​ç ão de pro​f es​s o​res. As es​c o​las
nor​m ais fo​ram subs​t i​t u​í​das pe​los Ins​t i​t u​t os Uni​ver​s i​t á​ri​os de For​m a​ç ão de Mes​t res
(IUFMS). Eles se ca​rac​t e​ri​z am pela im​por​t ân​c ia que ne​les se dá às “ci​ên​c i​as” da edu​c a​ç ão
e à psi​c o​pe​da​go​gia. Es​s es ins​t i​t u​t os pre​pa​ram os pro​f es​s o​res para a sua nova mis​s ão:
re​de​f i​ni​do o pa​pel da es​c o​la, a pri​o​ri​da​de é, já não a for​m a​ç ão in​t e​lec​t u​al, mas o en​s i​no
“não cog​ni​t i​vo” e a “apren​di​z a​gem da vida so​c i​al”. Tam​bém aqui o ob​je​t i​vo é mo​di​f i​c ar os
va​lo​res, as ati​t u​des e os com​por​t a​m en​t os dos alu​nos (e dos pro​f es​s o​res). Para isso, são
uti​li​z a​das téc​ni​c as de ma​ni​pu​la​ç ão psi​c o​ló​gi​c a e de la​va​gem ce​re​bral.
A re​f or​m a na for​m a​ç ão dos pro​f es​s o​res faz-se acom​pa​nhar de um con​s i​de​rá​vel
es​f or​ç o no cam​po da for​m a​ç ão con​t i​nu​a​da de to​das as ca​t e​go​ri​as de pro​f is​s i​o​nais da
edu​c a​ç ão: ad​m i​nis​t ra​do​res, pro​f es​s o​res, di​re​t o​res etc. de​vem igual​m en​t e es​t ar adap​t a​dos
à nova mis​s ão da es​c o​la.
A re​vo​lu​ç ão pe​da​gó​gi​c a está tam​bém pre​s en​t e nos es​t a​be​le​c i​m en​t os es​c o​la​res.
As​s im, a es​t ru​t u​ra das es​c o​las pri​m á​ria e ma​t er​nal5 foi mo​di​f i​c a​da para subs​t i​t uir as
di​ver​s as sé​ri​es por três ci​c los6 que re​ú​nem alu​nos de ní​veis di​f e​ren​t es. Os en​s i​nos for​m al
e in​t e​lec​t u​al são ne​gli​gen​c i​a​dos em pro​vei​t o de um en​s i​no não cog​ni​t i​vo e
mul​t i​di​m en​s i​o​nal, pri​vi​le​gi​an​do o so​c i​al. A re​f or​m a pe​da​gó​gi​c a in​t ro​du​z i​da no En​s i​no Mé​dio
ten​de igual​m en​t e a uma pro​f un​da mo​di​f i​c a​ç ão das prá​t i​c as pe​da​gó​gi​c as e do con​t e​ú​do do
en​s i​no.
Si​m ul​t a​ne​a​m en​t e, um vas​t o dis​po​s i​t i​vo de ava​li​a​ç ão dos alu​nos é im​ple​m en​t a​do.
Por fim, ele deve ser in​f or​m a​t i​z a​do, para ser uti​li​z a​do em ca​rá​t er per​m a​nen​t e, e abran​ge​rá
o en​s i​no não cog​ni​t i​vo, tal como a edu​c a​ç ão éti​c a, cí​vi​c a e so​c i​al.
Essa re​vo​lu​ç ão pe​da​gó​gi​c a, in​t ro​du​z i​da dis​c re​t a​m en​t e, me​di​an​t e dis​c re​t as
ma​no​bras, sem dei​xar ver sua ar​qui​t e​t u​ra ge​ral, pre​c i​s a le​var em con​t a a re​s is​t ên​c ia dos
pro​f es​s o​res, que ja​m ais per​m i​t i​ram o avil​t a​m en​t o de seu ofí​c io e de seus alu​nos. Des​s e
modo, apli​c am-se téc​ni​c as de des​c en​t ra​li​z a​ç ão, oriun​das di​re​t a​m en​t e das téc​ni​c as de
ad​m i​nis​t ra​ç ão e de ges​t ão de “re​c ur​s os hu​m a​nos”. Con​s e​gue-se com isso en​vol​ver, en​ga​jar
psi​c o​lo​gi​c a​m en​t e os pro​f es​s o​res e, por​t an​t o, re​du​z ir a sua opo​s i​ç ão. Os “pro​je​t os
es​c o​la​res” são a apli​c a​ç ão di​re​t a des​s a fi​lo​s o​f ia ma​ni​pu​la​t ó​ria.
Ade​m ais, o ní​vel es​c o​lar con​t i​nu​a​rá de​c ain​do, o que ali​ás não sur​preen​de, já que o
pa​pel da es​c o​la foi re​de​f i​ni​do e que sua mis​s ão prin​c i​pal não con​s is​t e mais na for​m a​ç ão
in​t e​lec​t u​al, e sim na for​m a​ç ão so​c i​al das cri​an​ç as; já que não se pre​t en​de for​ne​c er a elas
fer​ra​m en​t as para a au​t o​no​m ia in​t e​lec​t u​al, mas an​t es se lhes de​s e​ja im​por, subrep​t i​c i​a​m en​t e, va​lo​res, ati​t u​des e com​por​t a​m en​t os por meio de téc​ni​c as de ma​ni​pu​la​ç ão
psi​c o​ló​gi​c a. Com toda ni​t i​dez, vai-se de​s e​nhan​do uma di​t a​du​ra psi​c o​pe​da​gó​gi​c a.
No mo​m en​t o mes​m o em que os de​m o​c ra​t as ma​ra​vi​lham-se de sua vi​t ó​ria so​bre o
co​m u​nis​m o, al​guns ob​s er​va​do​res se ques​t i​o​nam, lem​bran​do-se do que dis​s e Lê​nin: “É
pre​c i​s o [...] es​t ar dis​pos​t o a to​dos os sa​c ri​f í​c i​os e, in​c lu​s i​ve, em​pre​gar – em caso de
ne​c es​s i​da​de – to​dos os es​t ra​t a​ge​m as, ar​dis e pro​c es​s os ile​gais, si​len​c i​ar e ocul​t ar a
ver​da​de”.7 Sé​ri​as in​t er​ro​ga​ç ões sub​s is​t em quan​t o à na​t u​re​z a e a pro​f un​di​da​de das
re​f or​m as em​preen​di​das na an​t i​ga URSS. Es​s as in​t er​ro​ga​ç ões, que não po​de​ri​am ser
abor​da​das no âm​bi​t o des​s e opús​c u​lo, for​m am-lhe, con​t u​do, a tra​m a.
Ou​t ros há que evo​c am a tese da con​ver​gên​c ia en​t re ca​pi​t a​lis​m o e co​m u​nis​m o,
de​f en​di​da ain​da há pou​c o por al​gu​m as or​ga​ni​z a​ç ões in​t er​na​c i​o​nais, por A. Sak​ha​rov e por
tan​t os ou​t ros. Sua pers​pec​t i​va é mais ou me​nos am​pla que a pre​c e​den​t e? É ela, en​f im,
mais jus​t a? Não é nos​s a pre​t en​s ão res​pon​der a es​s as per​gun​t as, li​ga​das in​t i​m a​m en​t e às
sus​pei​t as que pe​s am so​bre a pe​res​t roika.
En​t re​t an​t o, es​s as in​t er​ro​ga​ç ões for​m am o pano de fun​do des​s e es​t u​do. Es​c ri​t o de
cir​c uns​t ân​c ia, cuja re​da​ç ão se res​s en​t e da bre​vi​da​de do tem​po que nos foi atri​bu​í​do, ele
não pre​t en​de ou​t ra coi​s a se​não es​c la​re​c er seus lei​t o​res acer​c a do que re​al​m en​t e está em
jogo nos de​ba​t es atu​ais con​c er​nen​t es à re​f or​m a do sis​t e​m a edu​c a​c i​o​nal. Ele evi​t a​rá,
por​t an​t o, abor​dar fron​t al​m en​t e as ques​t ões de po​lí​t i​c a in​t er​na​c i​o​nal. Cons​t a​t a-se, po​rém,
que tais ques​t ões não po​de​ri​am per​m a​ne​c er por mui​t o tem​po sem res​pos​t a.
Há quem nos cen​s u​re o fato de ha​ver​m os in​s is​t i​do de​m a​s i​a​do no as​pec​t o
crip​t o​c o​m u​nis​t a da re​vo​lu​ç ão pe​da​gó​gi​c a por nós ex​pos​t a, pri​vi​le​gi​an​do de fac​t o a pri​m ei​ra
das duas hi​pó​t e​s es. Con​vi​m os com isso de boa von​t a​de, mas te​m os duas ra​z ões para
ha​ver as​s im pro​c e​di​do. Em pri​m ei​ro lu​gar, o as​pec​t o crip​t o​c o​m u​nis​t a des​s a re​vo​lu​ç ão não
po​de​ria ser se​ri​a​m en​t e con​t es​t a​do. Cul​m i​nân​c ia dos tra​ba​lhos re​a​li​z a​dos des​de há qua​s e
um sé​c u​lo nos mei​os re​vo​lu​c i​o​ná​ri​os nor​t e-ame​ri​c a​nos, re​t o​m a​dos e de​s en​vol​vi​dos
ul​t e​ri​or​m en​t e pela URSS e pela Unes​c o, ela traz em si as mar​c as de sua ori​gem. Além
dis​s o, re​c o​nhe​c er tais ori​gens, ad​m i​t ir que nos en​c on​t ra​m os face a uma te​m í​vel ma​no​bra
crip​t o​c o​m u​nis​t a, não ex​c lui, em ab​s o​lu​t o, a hi​pó​t e​s e glo​ba​lis​t a da con​ver​gên​c ia en​t re
ca​pi​t a​lis​m o e co​m u​nis​m o. Mais ain​da, essa se​gun​da hi​pó​t e​s e na ver​da​de supõe a pre​s en​ç a
de um for​t e ele​m en​t o crip​t o​c o​m u​nis​t a na so​c i​e​da​de pos​t e​ri​or à de​s a​pa​ri​ç ão da cor​t i​na de
fer​ro.
As​s im, ro​ga​m os ao lei​t or que con​s i​de​re como os fa​t os ex​pos​t os nas pá​gi​nas a
se​guir se po​dem in​t e​grar em dois qua​dros di​ver​s os de aná​li​s e e de in​t er​pre​t a​ç ão, os quais
não pre​t en​de​m os dis​c ri​m i​nar. Se​ria isso pos​s í​vel, ali​ás, con​s i​de​ran​do-se que os
acon​t e​c i​m en​t os es​t i​ve​ram su​bor​di​na​dos a re​la​ç ões de for​ç a ex​t re​m a​m en​t e com​ple​xas e
su​t is, ca​pa​z es de ori​en​t ar a his​t ó​ria em uma di​re​ç ão im​pre​vis​t a? E con​s i​de​ran​do que os
pró​pri​os pro​t a​go​nis​t as es​t ão, em sua imen​s a mai​o​ria, tan​t o do Oes​t e quan​t o do Les​t e,
in​c ons​c i​en​t es do sen​t i​do da His​t ó​ria, que trans​c en​de in​f i​ni​t a​m en​t e a di​a​lé​t i​c a
crip​t o​c o​m u​nis​m o ver​s us glo​ba​lis​m o?
As or​ga​ni​z a​ç ões in​t er​na​c i​o​nais pre​s er​vam-se por meio de ex​pe​di​en​t es como este:
“As opi​ni​ões ex​pres​s as no pre​s en​t e es​t u​do são de in​t ei​ra res​pon​s a​bi​li​da​de do au​t or e não
re​f le​t em ne​c es​s a​ri​a​m en​t e o pon​t o de vis​t a da Or​ga​ni​z a​ç ão X”. Se essa res​s al​va é
ver​da​dei​ra, stric​t o sen​s u, é ne​c es​s á​rio, não obs​t an​t e, con​s i​de​rar que a or​ga​ni​z a​ç ão
in​t er​na​c i​o​nal, que edi​t ou tais opi​ni​ões, jul​gou-as su​f i​c i​en​t e​m en​t e pró​xi​m as das suas, já que
não ape​nas dei​xou de cen​s u​rá-las mas, além dis​s o, ga​ran​t iu e fi​nan​c i​ou sua pu​bli​c a​ç ão.
Exa​t a​m en​t e como a mí​dia, as or​ga​ni​z a​ç ões in​t er​na​c i​o​nais exer​c em sua in​f lu​ên​c ia não
tan​t o pe​las opi​ni​ões que de​f en​dem como por meio dos au​t o​res aos quais elas con​c e​dem a
pa​la​vra e pe​las te​s es que elas di​f un​dem, des​s e modo, sob sua au​t o​ri​da​de. Ade​m ais, as
te​s es que ha​ve​m os de ex​por são to​das elas re​pre​s en​t a​t i​vas das cor​ren​t es de idei​as que
per​pas​s am os mei​os glo​ba​lis​t as. Nas re​f e​rên​c i​as, men​c i​o​na​re​m os ex​pli​c i​t a​m en​t e as
pu​bli​c a​ç ões em que não são fei​t as quais​quer re​s er​vas.
1 IUFM: Ins​t i​t u​t o uni​ver​s i​t á​rio de for​m a​ç ão de mes​t res.
2 Par​la​m en​t o eu​ro​peu, Do​c u​m en​t o de ses​s ão, Re​la​t ó​rio da co​m is​s ão da cul​t u​ra, da
ju​ven​t u​de, da edu​c a​ç ão e das mí​di​as so​bre La po​li​t i​que de l’édu​c a​t i​on et de la for​m a​t i​on
dans la pers​pec​t i​ve de 1993, 27 mar. 1992, p. 33. A-3-0139/92.
3 Cf. Se​m i​ná​rio eu​ro​peu de pro​f es​s o​res, Kol​m ar​den, Norrkö​ping, Su​é​c ia, 10-14 jun.
1985, La for​m a​t i​on in​t er​c ul​t u​rel​le des en​s eig​nants, Stras​bourg, Con​s e​lho da Eu​ro​pa, 1987, p.
19 e 20. [DECS/EGT (86) 83-F].
4 Cf. 4ª Con​f e​rên​c ia dos mi​nis​t ros da edu​c a​ç ão dos es​t a​dos-mem​bros da re​gi​ão
Eu​ro​pa, Pers​pec​t i​ve et ta​c hes du dé​ve​lop​pe​m ent de l’édu​c a​t i​on en Eu​ro​pe à l’aube d’un
nou​ve​au mil​le​nai​re, Pa​ris, Unes​c o, 1988, p. 11 (ED-88/MI​NED-EU​RO​PE/3). Do​c u​m en​t o
na​t u​ral​m en​t e pu​bli​c a​do sem re​s er​va so​bre as opi​ni​ões dis​pos​t as pe​los seus au​t o​res.
5 Equi​va​len​t e à fase da cre​c he e da pré-es​c o​la no sis​t e​m a edu​c a​c i​o​nal bra​s i​lei​ro –
N. do T.
6 No sis​t e​m a edu​c a​c i​o​nal fran​c ês, são três os ci​c los das sé​ri​es ini​c i​ais, que
com​por​t am de duas a três eta​pas, as​s im or​ga​ni​z a​dos: ci​c lo dos pri​m ei​ros apren​di​z a​dos:
pe​que​na se​ç ão, mé​dia se​ç ão, se​ç ão mai​or; ci​c lo das apren​di​z a​gens fun​da​m en​t ais: cur​s o
pre​pa​ra​t ó​rio e cur​s o ele​m en​t ar 1; ci​c lo de apro​f un​da​m en​t o: cur​s o ele​m en​t ar 2, cur​s o
mé​dio 1 e cur​s o mé​dio 2 – N. do T.
7 V. Le​ni​ne, La ma​la​die in​f an​t i​le du com​m u​nis​m e, Pa​ris, Edi​t i​ons so​c i​a​les, Mos​c ou,
Edi​t i​ons du pro​grès, 1979, p. 69.
CA​PÍ​T U​LO I
AS TÉCNICAS DE
MANIPULAÇÃO PSICOLÓGICA
As téc​ni​c as de ma​ni​pu​la​ç ão psi​c o​ló​gi​c a tor​na​ram-se ob​je​t o, já há mui​t as dé​c a​das,
de apro​f un​da​dos tra​ba​lhos de pes​qui​s a re​a​li​z a​dos por psi​c ó​lo​gos e psi​c ó​lo​gos so​c i​ais, tan​t o
mi​li​t a​res quan​t o ci​vis. É às ve​z es di​f í​c il, e psi​c o​lo​gi​c a​m en​t e des​c on​f or​t á​vel, ad​m i​t ir sua
te​m í​vel efi​c á​c ia. O ob​je​t i​vo des​t e ca​pí​t u​lo con​s is​t e em cha​m ar a aten​ç ão so​bre tais
téc​ni​c as, que fre​quen​t e​m en​t e pre​f e​ri​m os ig​no​rar, dei​xan​do as​s im o cam​po li​vre àque​les
que não te​m em uti​li​z á-las.
Já há trin​t a anos que as téc​ni​c as de la​va​gem ce​re​bral for​ne​c em re​s ul​t a​dos
no​t á​veis. Des​de en​t ão, elas têm pas​s a​do por sig​ni​f i​c a​t i​vos aper​f ei​ç o​a​m en​t os e,
atu​al​m en​t e, são en​s i​na​das nos IUFMS de ma​nei​ra se​m i​ve​la​da. Ain​da que bre​ve​m en​t e,
tra​t a​re​m os de apre​s en​t á-las aqui, pois elas nos per​m i​t em per​c e​ber os ver​da​dei​ros ris​c os
por trás da que​re​la dos IUFMS e da in​t ro​du​ç ão dos mé​t o​dos pe​da​gó​gi​c os ati​vos. Tais
téc​ni​c as apói​am-se es​s en​c i​al​m en​t e so​bre o be​ha​vi​o​ris​m o e a psi​co​lo​gia do
en​ga​ja​m en​to.8
A submissão à autoridade
Em uma sé​rie de ex​pe​ri​ên​c i​as cé​le​bres, o pro​f es​s or Stan​ley Mil​gram evi​den​c i​ou de
ma​nei​ra es​pe​t a​c u​lar o pa​pel da sub​m is​s ão à au​t o​ri​da​de no com​por​t a​m en​t o hu​m a​no.
Mil​gram9 re​pe​t iu suas ex​pe​ri​ên​c i​as com 300 mil pes​s o​as, ex​pe​ri​ên​c i​as es​t as que fo​ram
re​pro​du​z i​das em nu​m e​ro​s os pa​í​s es. Os re​s ul​t a​dos ob​t i​dos são in​dis​c u​t í​veis. A ex​pe​ri​ên​c ia
de base en​vol​ve três pes​s o​as: o pes​qui​s a​dor, um su​pos​t o alu​no, que na ver​da​de é um
co​la​bo​ra​dor do pes​qui​s a​dor, e o ver​da​dei​ro ob​je​t o da ex​pe​ri​ên​c ia, o pro​f es​s or. A
ex​pe​ri​ên​c ia pre​t en​de su​pos​t a​m en​t e de​t er​m i​nar a in​f lu​ên​c ia das pu​ni​ç ões no apren​di​z a​do. O
pro​f es​s or deve en​t ão mos​t rar ao su​pos​t o es​t u​dan​t e ex​t en​s as lis​t as de pa​la​vras e, em
se​gui​da, tes​t ar sua me​m ó​ria. Em caso de erro, uma pu​ni​ç ão pre​c i​s a ser im​pos​t a ao
co​la​bo​ra​dor. O ob​je​t o da ex​pe​ri​ên​c ia ig​no​ra, na​t u​ral​m en​t e, o sta​t us real do co​la​bo​ra​dor, e
crê que este, como ele pró​prio, não tem qual​quer re​la​ç ão com a or​ga​ni​z a​ç ão da
ex​pe​ri​ên​c ia. As pu​ni​ç ões con​s is​t em em des​c ar​gas elé​t ri​c as de 15 a 450 volts, as quais o
pró​prio pro​f es​s or deve aci​o​nar con​t ra o su​pos​t o es​t u​dan​t e, si​t u​a​do em uma peça vi​z i​nha.
A vol​t a​gem das des​c ar​gas au​m en​t a a cada erro co​m e​t i​do. O co​la​bo​ra​dor, é cla​ro, não
re​c e​be es​s as des​c ar​gas, con​t ra​ri​a​m en​t e ao que acre​di​t a o pro​f es​s or – este é quem
re​c e​be, no iní​c io do ex​pe​ri​m en​t o, uma des​c ar​ga de 45 volts, para “as​s e​gu​rar-se de que o
ge​ra​dor fun​c i​o​na”. As re​a​ç ões que o co​la​bo​ra​dor deve si​m u​lar são es​t ri​t a​m en​t e
co​di​f i​c a​das: a 75 volts ele co​m e​ç a a mur​m u​rar; a 120 volts, ele re​c la​m a; a 150 volts ele
pede que pa​rem com a ex​pe​ri​ên​c ia e, a 285 volts, ele lan​ç a um gri​t o de ago​nia, de​pois do
qual se cala com​ple​t a​m en​t e. É as​s e​gu​ra​do ao pro​f es​s or que os cho​ques são do​lo​ro​s os mas
não dei​xam se​que​las. O pes​qui​s a​dor deve ze​lar para que a ex​pe​ri​ên​c ia che​gue a seu
ter​m o, tra​t an​do de en​c o​ra​jar o pro​f es​s or, caso este ve​nha a ma​ni​f es​t ar dú​vi​das quan​t o à
ino​c ui​da​de da ex​pe​ri​ên​c ia ou caso de​s e​je en​c er​rá-la. Tam​bém es​s es en​c o​ra​ja​m en​t os são
es​t ri​t a​m en​t e co​di​f i​c a​dos: à pri​m ei​ra ob​je​ç ão do pro​f es​s or, o pes​qui​s a​dor lhe res​pon​de:
“Quei​ra con​t i​nu​ar, por fa​vor”; na se​gun​da vez: “A ex​pe​ri​ên​c ia exi​ge que você con​t i​nue”; na
ter​c ei​ra vez: “É ab​s o​lu​t a​m en​t e es​s en​c i​al que você con​t i​nue”; na quar​t a e úl​t i​m a vez:
“Você não tem es​c o​lha. Deve con​t i​nu​ar”. Se o pro​f es​s or per​s is​t e em suas ob​je​ç ões após o
quar​t o en​c o​ra​ja​m en​t o, a ex​pe​ri​ên​c ia é en​c er​ra​da.
O re​s ul​t a​do da ex​pe​ri​ên​c ia é es​pan​t o​s o: mais de 60% dos pro​f es​s o​res le​vam-na
até o fi​nal, mes​m o con​ven​c i​dos de que es​t ão re​al​m en​t e ad​m i​nis​t ran​do cor​ren​t es de 450
volts. Em al​guns pa​í​s es, a taxa che​ga a al​c an​ç ar 85%. É pre​c i​s o acres​c en​t ar que a
ex​pe​ri​ên​c ia é ex​t re​m a​m en​t e pe​no​s a para os pro​f es​s o​res, e que eles vi​ven​c i​am uma for​t e
pres​s ão psi​c o​ló​gi​c a mas se​guem, não obs​t an​t e, até o fim.
Há algo, po​rém, ain​da mais in​qui​e​t an​t e. No caso de o pro​f es​s or li​m i​t ar-se a
sim​ples​m en​t e ler a lis​t a de pa​la​vras, en​quan​t o as des​c ar​gas são en​vi​a​das por ou​t ra
pes​s oa, mais de 92% dos pro​f es​s o​res che​gam a con​c luir in​t e​gral​m en​t e a ex​pe​ri​ên​c ia.
As​s im, uma or​ga​ni​z a​ç ão cuja ope​ra​ç ão é se​t o​ri​z a​da pode-se tor​nar um cego e te​m í​vel
me​c a​nis​m o: “Esta é tal​vez a li​ç ão fun​da​m en​t al de nos​s o es​t u​do: o co​m um dos mor​t ais,
re​a​li​z an​do sim​ples​m en​t e seu tra​ba​lho, sem qual​quer hos​t i​li​da​de par​t i​c u​lar, pode-se tor​nar
o agen​t e de um pro​c es​s o de des​t rui​ç ão ter​rí​vel”.10
Hou​ve quem con​s i​de​ras​s e a hi​pó​t e​s e de que, em tais ex​pe​ri​m en​t os, os pro​f es​s o​res
da​vam li​vre cur​s o a pulsões sá​di​c as. Mas essa hi​pó​t e​s e é fal​s a. Se o pes​qui​s a​dor se
afas​t a ou dei​xa o lo​c al de ex​pe​ri​ên​c ia, o pro​f es​s or logo di​m i​nui a vol​t a​gem das des​c ar​gas.
Quan​do po​dem es​c o​lher li​vre​m en​t e a vol​t a​gem, a mai​o​ria dos pro​f es​s o​res emi​t e a
vol​t a​gem mais bai​xa pos​s í​vel.
A au​t o​ri​da​de do pes​qui​s a​dor é um fa​t or fun​da​m en​t al. Se já de iní​c io o co​la​bo​ra​dor
pede que pes​qui​s a​dor tro​que de lu​gar con​s i​go, en​c o​ra​jan​do em se​gui​da o pro​f es​s or a
con​t i​nu​ar a ex​pe​ri​ên​c ia, ago​ra so​bre o pes​qui​s a​dor, suas re​c o​m en​da​ç ões não têm efei​t o,
uma vez que ele não está in​ves​t i​do de qual​quer au​t o​ri​da​de.
Quan​do a ex​pe​ri​ên​c ia en​vol​ve dois pro​f es​s o​res, um dos quais, atu​an​do em
co​la​bo​ra​ç ão com o pes​qui​s a​dor, aban​do​na pre​c o​c e​m en​t e a ex​pe​ri​ên​c ia, em 90% dos ca​s os
o ou​t ro pro​f es​s or se​gue-lhe o exem​plo.
Fi​nal​m en​t e, e é isto o que mais cha​m a a aten​ç ão, ne​nhum pro​f es​s or ten​t a de​t er a
ex​pe​ri​ên​c ia ou de​nun​c i​ar o pes​qui​s a​dor. A sub​m is​s ão à au​t o​ri​da​de é, por​t an​t o, mui​t o mais
pro​f un​da do que aqui​lo que os per​c en​t u​ais aci​m a su​ge​rem. A con​t es​t a​ç ão se man​t ém
so​c i​al​m en​t e acei​t á​vel.
Quais con​c lusões se po​dem ti​rar des​s a ex​pe​ri​ên​c ia in​ú​m e​ras ve​z es re​pe​t i​da?
Ini​c i​al​m en​t e, que exis​t em téc​ni​c as mui​t o sim​ples que per​m i​t em mo​di​f i​c ar pro​f un​da​m en​t e
o com​por​t a​m en​t o de adul​t os nor​m ais. Em se​gui​da, que es​s as téc​ni​c as po​dem ser, e são,
ob​je​t o de es​t u​dos ci​en​t í​f i​c os apro​f un​da​dos. En​f im, que se​ria bas​t an​t e sur​preen​den​t e que
tais tra​ba​lhos fos​s em exe​c u​t a​dos por mero amor à ci​ên​c ia, sem qual​quer apli​c a​ç ão
prá​t i​c a.
O conformismo
A ten​dên​c ia ao con​f or​m is​m o foi es​t u​da​da por Asch,11 em sua cé​le​bre ex​pe​ri​ên​c ia.
Ao su​jei​t o ava​li​a​do, apre​s en​t a-se uma li​nha tra​ç a​da so​bre uma fo​lha; além dela, três
ou​t ras li​nhas de com​pri​m en​t os di​ver​s os. Em se​gui​da, se lhe pede para apon​t ar, en​t re
es​s as três li​nhas, aque​la cuja me​di​da é igual à da li​nha-pa​drão. Por exem​plo: esta úl​t i​m a
mede qua​t ro po​le​ga​das, en​quan​t o as li​nhas que de​vem ser a ela com​pa​ra​das me​dem, cada
qual, três, cin​c o e qua​t ro po​le​ga​das. À ex​pe​ri​ên​c ia es​t ão pre​s en​t es in​di​ví​duos as​s o​c i​a​dos
ao pes​qui​s a​dor, que de​vem igual​m en​t e res​pon​der à ques​t ão. Es​t es, cujo pa​pel real na
ex​pe​ri​ên​c ia é ig​no​ra​do pelo ava​li​a​do, dão, nos en​s ai​os vá​li​dos, a mes​m a res​pos​t a er​rô​nea,
com​bi​na​da an​t e​ri​or​m en​t e à ex​pe​ri​ên​c ia. O in​di​ví​duo tes​t a​do tem duas al​t er​na​t i​vas: ou dar
uma res​pos​t a er​rô​nea ou se opor à opi​ni​ão unâ​ni​m e do gru​po. A ex​pe​ri​ên​c ia é re​pe​t i​da
di​ver​s as ve​z es, com di​f e​ren​t es li​nhas-pa​drão e li​nhas para com​pa​rar. Há oca​s i​ões em que
os co​la​bo​ra​do​res res​pon​dem de modo cor​re​t o (en​s ai​os neu​t ros). Apro​xi​m a​da​m en​t e três
quar​t os dos in​di​ví​duos re​al​m en​t e ava​li​a​dos dei​xam-se in​f lu​en​c i​ar nos en​s ai​os vá​li​dos,
dan​do uma ou vá​ri​as res​pos​t as er​rô​ne​as. As​s im, 32% das res​pos​t as da​das são er​rô​ne​as,
mes​m o que a ques​t ão não ofe​re​ç a, na​t u​ral​m en​t e, qual​quer di​f i​c ul​da​de. Na au​s ên​c ia de
pressões, o per​c en​t u​al de res​pos​t as cor​re​t as che​ga a 92%. Ve​ri​f i​c a-se tam​bém que os
in​di​ví​duos con​f or​m is​t as, in​t er​ro​ga​dos após a ex​pe​ri​ên​c ia, de​po​s i​t a​ram sua con​f i​an​ç a na
mai​o​ria, de​c i​din​do-se pelo pa​re​c er des​t a, ape​s ar da evi​dên​c ia per​c ep​t i​va. Sua mo​t i​va​ç ão
prin​c i​pal está na fal​t a de con​f i​an​ç a em si e em seu pró​prio jul​ga​m en​t o. Ou​t ros
con​f or​m a​ram-se à opi​ni​ão do gru​po para não pa​re​c er in​f e​ri​o​res ou di​f e​ren​t es. Eles não têm
cons​c i​ên​c ia de seu com​por​t a​m en​t o. As​s im, a per​c ep​ç ão de uma pe​que​na mi​no​ria de
su​jei​t os ava​li​a​dos foi mo​di​f i​c a​da: seus mem​bros en​xer​ga​ram as li​nhas tais como a
mai​o​ria as des​c re​veu. Lem​bre​m os que o in​di​ví​duo não so​f ria qual​quer san​ç ão caso er​ras​s e
ao res​pon​der, da mes​m a for​m a que, na ex​pe​ri​ên​c ia de Mil​gram, nin​guém se iria opor a
quem de​s e​jas​s e abor​t ar a ex​pe​ri​ên​c ia.
Con​vém no​t ar que, se um dos co​la​bo​ra​do​res dá a res​pos​t a cor​re​t a, o in​di​ví​duo
ava​li​a​do en​t ão se sen​t e li​ber​t o da pres​s ão psi​c o​ló​gi​c a do gru​po e dá, igual​m en​t e, a
res​pos​t a cor​re​t a, re​s ul​t a​do que ilus​t ra bem o pa​pel dos gru​pos mi​no​ri​t á​ri​os. A re​a​li​da​de
so​c i​al, con​t u​do, é para es​t es bem me​nos fa​vo​rá​vel, uma vez que as pressões ou san​ç ões
são aí mui​t o mais in​t en​s as.
Normas de grupo
A cé​le​bre ex​pe​ri​ên​c ia de She​rif12 so​bre o efei​t o au​t o​c i​né​t i​c o evi​den​c ia a in​f lu​ên​c ia
exer​c i​da por um gru​po so​bre a for​m a​ç ão das nor​m as e ati​t u​des de seus mem​bros. A
ex​pe​ri​ên​c ia de​s en​ro​la-se as​s im: ten​do-se ins​t a​la​do um in​di​ví​duo, so​z i​nho, em uma sala
es​c u​ra, pede-se-lhe que des​c re​va os mo​vi​m en​t os de uma pe​que​na fon​t e lu​m i​no​s a, a qual,
na ver​da​de, acha-se imó​vel. O su​jei​t o, não en​c on​t ran​do ne​nhum pon​t o de re​f e​rên​c ia, logo
co​m e​ç a a per​c e​ber mo​vi​m en​t os er​rá​t i​c os (efei​t o au​t o​c i​né​t i​c o). Após al​gum tem​po, pas​s a
a con​s i​de​rar que a am​pli​t u​de dos mo​vi​m en​t os os​c i​la em tor​no de um va​lor mé​dio, que
va​ria de in​di​ví​duo para in​di​ví​duo. Se, ao con​t rá​rio, a ex​pe​ri​ên​c ia é re​a​li​z a​da com vá​ri​os
in​di​ví​duos ob​s er​van​do a mes​m a fon​t e lu​m i​no​s a e par​t i​lhan​do en​t re si suas ob​s er​va​ç ões,
sur​ge logo uma nor​m a de gru​po à qual to​dos se con​f or​m am. No caso de, pos​t e​ri​or​m en​t e,
um in​di​ví​duo ser dei​xa​do só, ele per​m a​ne​c e, ain​da as​s im, con​f or​m a​do àque​la nor​m a de
gru​po. Ten​do-se re​pe​t i​do a ex​pe​ri​ên​c ia, pro​pon​do ago​ra ao su​jei​t o ou​t ras ques​t ões
am​bí​guas (es​t i​m a​t i​vas de tem​pe​ra​t u​ra, jul​ga​m en​t os es​t é​t i​c os etc.), cons​t a​t ou-se que,
quan​t o mais di​f í​c il era for​m u​lar um jul​ga​m en​t o ob​je​t i​vo, mais es​t rei​t a se fa​z ia a
con​f or​m i​da​de à nor​m a de gru​po.
She​rif ge​ne​ra​li​z a es​s es re​s ul​t a​dos até “o es​t a​be​le​c i​m en​t o de nor​m as so​c i​ais, como
os es​t e​re​ó​t i​pos, as mo​das, as con​ven​ç ões, os cos​t u​m es e os va​lo​res”. In​t er​ro​gan​do-se
so​bre a pos​s i​bi​li​da​de de “fa​z er com que o su​jei​t o ado​t e [...] uma nor​m a pres​c ri​t a, di​t a​da
por in​f lu​ên​c i​as so​c i​ais es​pe​c í​f i​c as”, ele sub​m e​t e o in​di​ví​duo em tes​t e à in​f lu​ên​c ia de um
com​pa​nhei​ro pres​t i​gi​o​s o (um uni​ver​s i​t á​rio), e lo​gra ob​t er que o su​jei​t o in​gê​nuo mo​di​f i​que
sua nor​m a e a subs​t i​t ua por aque​la do com​pa​nhei​ro de mais pres​t í​gio.
Pé na porta
Freed​m an e Fra​s er, em 1966,13 tra​z em à luz um fe​nô​m e​no co​nhe​c i​do como pé-napor​t a. Tra​t e​m os bre​ve​m en​t e de duas de suas ex​pe​ri​ên​c i​as.
Com a pri​m ei​ra de​las, se bus​c a​va co​nhe​c er, em fun​ç ão da ma​nei​ra como era
for​m u​la​da a per​gun​t a, o per​c en​t u​al de do​nas de casa dis​pos​t as a res​pon​der a uma en​que​t e
a res​pei​t o de seus há​bi​t os de con​s u​m o. Es​t i​m an​do que tal en​que​t e de​ve​ria ser lon​ga e
abor​re​c i​da, so​m en​t e 22% acei​t a​ram dela par​t i​c i​par quan​do se lhes con​vi​dou a isso
di​re​t a​m en​t e. Mas os au​t o​res, di​ri​gin​do-se a uma se​gun​da amos​t ra​gem, fi​z e​ram pre​c e​der à
per​gun​t a um pro​c es​s o pre​pa​ra​t ó​rio bas​t an​t e sim​ples: três dias an​t es de for​m u​lá-la,
te​le​f o​na​ram aos mem​bros des​s e gru​po, so​li​c i​t an​do-lhes que res​pon​des​s em a oito
per​gun​t as acer​c a de seus há​bi​t os de con​s u​m o em ma​t é​ria de pro​du​t os de lim​pe​z a.
Quan​do, três dias mais tar​de, se lhes pe​diu para que se sub​m e​t es​s em à mes​m a en​que​t e
que fora fei​t a com os mem​bros da pri​m ei​ra amos​t ra​gem, a taxa de acei​t a​ç ão ele​vou-se a
52%. Cha​m a a aten​ç ão o fato de que um pro​c e​di​m en​t o tão sim​ples pos​s ua ta​m a​nho
po​der.
Por​t an​t o, o prin​c í​pio do pé-na-por​t a é o se​guin​t e: co​m e​ç a-se por pe​dir ao su​jei​t o
que faça algo mí​ni​m o (ato ali​c i​a​dor), mas que es​t e​ja re​la​c i​o​na​do ao ob​je​t i​vo real da
ma​ni​pu​la​ç ão, que se tra​t a de algo bem mais im​por​t an​t e (ato cus​t o​s o). As​s im, o su​jei​t o
sen​t e-se en​ga​ja​do, ou seja, psi​c o​lo​gi​c a​m en​t e pre​s o por seu ato mí​ni​m o, an​t e​ri​or ao ato
cus​t o​s o.
Nou​t ra ex​pe​ri​ên​c ia, os mes​m os au​t o​res di​vi​di​ram igual​m en​t e os par​t i​c i​pan​t es em
dois gru​pos. Os mem​bros do pri​m ei​ro não fo​ram sub​m e​t i​dos a qual​quer pre​pa​ra​ç ão
par​t i​c u​lar. Aos mem​bros do se​gun​do gru​po foi so​li​c i​t a​do que co​las​s em (ato ali​c i​a​dor) um
ade​s i​vo na ja​ne​la. Pe​diu-se em se​gui​da aos mem​bros dos dois gru​pos que ins​t a​las​s em,
cada qual em seu jar​dim, uma gran​de pla​c a – que che​ga​va a en​c o​brir par​c i​al​m en​t e a
fa​c ha​da da casa – a qual re​c o​m en​da​va pru​dên​c ia aos mo​t o​ris​t as. En​quan​t o o per​c en​t u​al de
acei​t a​ç ão, no pri​m ei​ro gru​po, foi de ape​nas 16,7%, no se​gun​do esse per​c en​t u​al atin​giu a
mar​c a de 76%. Ain​da, con​vém no​t ar que, con​t ra​ri​a​m en​t e à pes​qui​s a an​t e​ri​or, nes​t a, as
duas ex​pe​ri​ên​c i​as fo​ram con​du​z i​das por duas pes​s o​as di​f e​ren​t es.
E não é só isso. A enor​m e dis​pa​ri​da​de en​t re es​s es per​c en​t u​ais, ci​t a​dos logo aci​m a,
foi ob​t i​da nos ca​s os em que o ade​s i​vo tam​bém exor​t a​va os mo​t o​ris​t as à pru​dên​c ia. A
ati​t u​de era a mes​m a (ser fa​vo​rá​vel a uma con​du​t a mais pru​den​t e), tan​t o no ato ali​c i​a​dor
(fi​xar um ade​s i​vo) quan​t o no ato cus​t o​s o (ins​t a​lar em seu jar​dim uma pla​c a sem gra​ç a).
Acon​t e​c e que, mes​m o que essa con​di​ç ão não seja aten​di​da, po​dem-se ob​t er re​s ul​t a​dos
bas​t an​t e sig​ni​f i​c a​t i​vos. Con​vi​dan​do um ter​c ei​ro gru​po, não para co​lar ade​s i​vos que
re​c o​m en​das​s em uma con​du​t a pru​den​t e, mas para as​s i​nar uma pe​t i​ç ão para man​t er bela a
Ca​li​f ór​nia, os au​t o​res ob​t i​ve​ram uma taxa de acei​t a​ç ão de 47,4% con​t ra – no​t e​m os esse
va​lor – 16,7%, quan​do a de​m an​da não foi pre​c e​di​da de ne​nhum ato ali​c i​a​dor. Nes​s e
pro​t o​c o​lo ex​pe​ri​m en​t al, a ati​t u​de re​f e​ren​t e a esse ato ali​c i​a​dor (ser fa​vo​rá​vel à
pre​s er​va​ç ão da qua​li​da​de am​bi​en​t al) já não é a mes​m a re​la​c i​o​na​da ao ato cus​t o​s o
(es​t i​m u​lar uma con​du​t a mais pru​den​t e). Da mes​m a for​m a, a na​t u​re​z a de um e de ou​t ro
ato, nes​s e caso, di​f e​rem: as​s i​nar uma pe​t i​ç ão re​di​gi​da por um ter​c ei​ro, com​por​t a​m en​t o
pou​c o ati​vo e, de cer​t a for​m a, anô​ni​m o, não pode ser com​pa​ra​do ao fi​xar-se, no pró​prio
jar​dim, uma pla​c a de gran​des di​m ensões, com​por​t a​m en​t o ati​vo e per​s o​na​li​z a​do. As​s im,
fa​vo​re​c er as di​ver​s as as​s o​c i​a​ç ões e or​ga​ni​z a​ç ões não go​ver​na​m en​t ais co​lo​c a a po​pu​la​ç ão
no pa​pel – ilu​s ó​rio – de ator14 e mo​di​f i​c a suas ati​t u​des, le​van​do-a, em se​gui​da, a
em​preen​der atos cada vez mais cus​t o​s os.
“Porta na cara”
Téc​ni​c a com​ple​m en​t ar à pre​c e​den​t e, a “por​t a na cara”15 con​s is​t e em apre​s en​t ar,
de iní​c io, um pe​di​do exor​bi​t an​t e, que na​t u​ral​m en​t e será re​c u​s a​do, de​pois do que se
for​m u​la um se​gun​do pe​di​do, en​t ão acei​t á​vel. Em uma ex​pe​ri​ên​c ia clás​s i​c a, Ci​t al​di​ni et al.
so​li​c i​t a​ram a al​guns es​t u​dan​t es que acom​pa​nhas​s em, por duas ho​ras, um gru​po de jo​vens
de​lin​quen​t es em uma vi​s i​t a ao zo​o​ló​gi​c o. For​m u​la​da di​re​t a​m en​t e, essa so​li​c i​t a​ç ão ob​t e​ve
so​m en​t e 16,7% de acei​t a​ç ão. En​t re​t an​t o, co​lo​c an​do-a após um pe​di​do exor​bi​t an​t e, a taxa
ele​vou-se a 50%. Na​t u​ral​m en​t e, um “pé na por​t a” ou uma “por​t a na cara” po​dem ser úteis
para se ex​t or​quir um ato cus​t o​s o, o qual, por sua vez, con​s is​t i​rá em um ato ali​c i​a​dor, no
caso de um pró​xi​m o pé na por​t a. Com tal ex​pe​di​en​t e, é pos​s í​vel ob​t er com​pro​m e​t i​m en​t os
cada vez mais sig​ni​f i​c a​t i​vos. Essa téc​ni​c a de “bola de neve” é efe​t i​va​m en​t e apli​c a​da.
Dissonância cognitiva ou o espiritualismo dialético
A te​o​ria da dis​s o​nân​c ia cog​ni​t i​va, ela​bo​ra​da em 1957 por Fes​t in​ger,16 per​m i​t e
per​c e​ber o quan​t o nos​s os atos po​dem in​f lu​en​c i​ar nos​s as ati​t u​des, cren​ç as, va​lo​res ou
opi​ni​ões. Se é evi​den​t e que nos​s os atos, em me​di​da mais ou me​nos vas​t a, são
de​t er​m i​na​dos por nos​s as opi​ni​ões, bem me​nos cla​ro nos pa​re​c e que o in​ver​s o seja
ver​da​dei​ro, ou seja, que nos​sos atos pos​sam mo​di​fi​car nos​sas opi​ni​ões. A im​por​t ân​c ia
des​s a cons​t a​t a​ç ão leva-nos a des​t a​c á-la, para que, a par​t ir dela, se tor​nem vi​s í​veis as
ra​z ões pro​f un​das da re​f or​m a do sis​t e​m a edu​c a​c i​o​nal mun​di​al. Ve​ri​f i​c a​m os an​t e​ri​or​m en​t e
que é pos​s í​vel in​du​z ir di​ver​s os com​por​t a​m en​t os, ape​lan​do-se à au​t o​ri​da​de, à ten​dên​c ia ao
con​f or​m is​m o ou às téc​ni​c as do “pé na por​t a” ou da “por​t a na cara”. Os fun​da​m en​t os que
ser​vem de base a es​s es atos in​du​z i​dos re​per​c u​t em em se​gui​da so​bre as opi​ni​ões do
su​jei​t o, mo​di​f i​c an​do-as (di​a​lé​t i​c a psi​c o​ló​gi​c a). As​s im, en​c on​t ra​m o-nos di​an​t e de um
pro​c es​s o ex​t re​m a​m en​t e po​de​ro​s o, que per​m i​t e a mo​de​la​gem do psi​quis​m o hu​m a​no e que,
além dis​s o, cons​t i​t ui a base das téc​ni​c as de la​v a​gem ce​re​bral.
Uma dis​s o​nân​c ia cog​ni​t i​va é uma con​t ra​di​ç ão en​t re dois ele​m en​t os do psi​quis​m o
de um in​di​ví​duo, se​jam eles: va​lor, sen​t i​m en​t o, opi​ni​ão, re​c or​da​ç ão de um ato,
co​nhe​c i​m en​t o etc. Não é nada di​f í​c il pro​vo​c ar dis​s o​nân​c i​as cog​ni​t i​vas. As téc​ni​c as de “pé
na por​t a” e “por​t a na cara” têm a ca​pa​c i​da​de de ex​t or​quir a al​guém atos em con​t ra​di​ç ão
com seus va​lo​res e sen​t i​m en​t os. O exer​c í​c io do po​der ou da au​t o​ri​da​de (de um pro​f es​s or,
por exem​plo) per​m i​t e que se al​c an​c e fa​c il​m en​t e o mes​m o re​s ul​t a​do. A “cla​ri​f i​c a​ç ão de
va​lo​res”, téc​ni​c a pe​da​gó​gi​c a lar​ga​m en​t e uti​li​z a​da, pro​vo​c a, sem qual​quer apa​rên​c ia de
co​a​ç ão, dis​s o​nân​c i​as cog​ni​t i​vas. (Exem​plo: você está, em com​pa​nhia de seu pai e de sua
mãe, a bor​do de uma em​bar​c a​ç ão que nau​f ra​ga; há dis​po​ní​vel so​m en​t e um co​le​t e sal​vavi​das. O que você faz?) A ex​pe​ri​ên​c ia pro​va que um in​di​ví​duo numa si​t u​a​ç ão de
dis​s o​nân​c ia cog​ni​t i​va apre​s en​t a​rá for​t e ten​dên​c ia a re​or​ga​ni​z ar seu psi​quis​m o, a fim de
re​du​z i-la. Em par​t i​c u​lar, se um in​di​ví​duo é le​va​do a co​m e​t er pu​bli​ca​m en​te (na sala de
aula, por exem​plo) ou fre​quen​t e​m en​t e (ao lon​go do cur​s o) um ato em con​t ra​di​ç ão com
seus va​lo​res, sua ten​dên​c ia será a de mo​di​f i​c ar tais va​lo​res, para di​m i​nuir a ten​s ão que
lhe opri​m e. Em ou​t ros ter​m os, se um in​di​ví​duo foi ali​ci​a​do a um cer​t o tipo de
com​por​t a​m en​t o, é mui​t o pro​vá​vel que ele ve​nha a ra​ci​o​na​li​zá-lo. Con​vém no​t ar que,
nes​s e caso, tra​t a-se de uma ten​dên​c ia es​t a​t ís​t i​c a evi​den​t e, e não de um fe​nô​m e​no
sis​t e​m a​t i​c a​m en​t e ob​s er​va​do; as te​o​ri​as que re​f e​ri​m os não pre​t en​dem re​s u​m ir a to​t a​li​da​de
da psi​c o​lo​gia hu​m a​na, mas sim for​ne​c er téc​ni​c as de ma​ni​pu​la​ç ão apli​c á​veis na prá​t i​c a.
Dispõe-se, as​s im, de uma téc​ni​c a ex​t re​m a​m en​t e po​de​ro​s a e de fá​c il apli​c a​ç ão, que
per​m i​t e que se mo​di​f i​quem os va​lo​res, as opi​ni​ões e os com​por​ta​m en​tos e ca​pa​c i​t a a
pro​du​z ir uma in​te​ri​o​ri​za​ção dos va​lo​res que se pre​t en​de in​c ul​c ar. Tais téc​ni​c as re​que​rem
a par​t i​c i​pa​ç ão ati​v a do su​jei​t o, que deve re​a​li​z ar atos ali​c i​a​do​res os quais, por sua vez, os
le​va​rão a ou​t ros, con​t rá​ri​os às suas con​vic​ç ões. Tal é a jus​t i​f i​c a​ç ão te​ó​ri​c a tan​t o dos
mé​to​dos pe​da​gó​gi​cos ati​v os como das téc​ni​c as de la​va​gem ce​re​bral.
“Os mé​t o​dos ati​vos, fun​da​dos so​bre a par​t i​c i​pa​ç ão, são par​t i​c u​lar​m en​t e
ap​t os a ga​ran​t ir essa aqui​s i​ç ão [de va​lo​res úteis].” (De​c la​ra​ç ão mun​di​al so​bre
a edu​c a​ç ão para to​dos).17
No​t e​m os, de pas​s a​gem, pois não se​ria oca​s i​ão de apro​f un​dar esse as​pec​t o, o pa​pel
fun​da​m en​t al de​s em​pe​nha​do pelo sen​t i​m en​t o de li​ber​da​de ex​pe​ri​m en​t a​do pelo in​di​ví​duo
du​ran​t e uma ex​pe​ri​ên​c ia. Na au​s ên​c ia des​s e sen​t i​m en​t o, não se pro​duz qual​quer
dis​s o​nân​c ia cog​ni​t i​va e, con​s e​quen​t e​m en​t e, ne​nhu​m a mo​di​f i​c a​ç ão de va​lor, já que o su​jei​t o
tem cons​c i​ên​c ia de agir sob cons​t ran​gi​m en​t o e não se sen​t e mi​ni​m a​m en​t e en​ga​ja​do.
Es​s as con​s i​de​ra​ç ões, bem como ou​t ras si​m i​la​res, no do​m í​nio da di​nâ​m i​c a de gru​po, po​dem
lan​ç ar uma nova luz so​bre im​por​t an​t es pro​c es​s os po​lí​t i​c os ocor​ri​dos nes​s es úl​t i​m os anos.
Pas​s e​m os em re​vis​t a al​gu​m as ex​pe​ri​ên​c i​as ou ob​s er​va​ç ões cé​le​bres a res​pei​t o da
dis​s o​nân​c ia cog​ni​t i​va.
Não pague a seus empregados
A ex​pe​ri​ên​c ia de Fes​t in​ger e Carls​m i​t h18 pode ser as​s im re​s u​m i​da: num pri​m ei​ro
mo​m en​t o, os exa​m i​nan​dos de​vem re​a​li​z ar uma ta​re​f a ma​nu​al re​pe​t i​t i​va e ex​t re​m a​m en​t e
te​di​o​s a. Em se​gui​da, o pes​qui​s a​dor – pre​t ex​t an​do uma in​dis​po​ni​bi​li​da​de de seu co​la​bo​ra​dor
– lhes pede que apre​s en​t em a ta​re​f a a ou​t ros exa​m i​nan​dos, mos​t ran​do-a como um
exer​c í​c io in​t e​res​s an​t e, pra​z e​ro​s o. Para que re​a​li​z em essa apre​s en​t a​ç ão, a uns é ofe​re​c i​do
um dó​lar, a ou​t ros são ofe​re​c i​dos vin​t e dó​la​res. Ao ter​m o da ex​pe​ri​ên​c ia, os in​di​ví​duos
des​s es dois gru​pos são tes​t a​dos, a fim de se co​nhe​c er suas ati​t u​des re​ais em re​la​ç ão
àque​la ta​re​f a ini​c i​al. Aque​les aos quais fo​ram pa​gos vin​t e dó​la​res des​c re​ve​ram-na como
te​di​o​s a, en​quan​t o os de​m ais, que re​c e​be​ram um dó​lar, mo​di​f i​c a​ram sua cog​ni​ç ão
re​la​t i​va​m en​t e à ta​re​f a e pas​s am não so​m en​t e a con​s i​de​rá-la in​t e​res​s an​t e e pra​z e​ro​s a,
mas, ain​da, mos​t ram-se dis​pos​t os a par​t i​c i​par de ou​t ras ex​pe​ri​ên​c i​as se​m e​lhan​t es. Os
pri​m ei​ros jus​t i​f i​c am sua men​t i​ra ad​m i​t in​do ha​ver agi​do por in​t e​res​s e na re​t ri​bui​ç ão, o que
já não po​dem fa​z er os do ou​t ro gru​po, aos quais se ha​via pro​m e​t i​do um dó​lar ape​nas.
Co​lo​c a​dos em si​t u​a​ç ão de dis​s o​nân​c ia cog​ni​t i​va, pro​vo​c a​da pela con​t ra​di​ç ão en​t re sua
per​c ep​ç ão ini​c i​al da ex​pe​ri​ên​c ia e o ato que fo​ram le​va​dos a co​m e​t er (men​t ir a res​pei​t o
do ca​rá​t er da ex​pe​ri​ên​c ia), sen​t em-se im​pe​li​dos a re​du​z ir a dis​s o​nân​c ia, e a ma​nei​ra mais
na​t u​ral con​s is​t e em mo​di​f i​c ar sua opi​ni​ão em re​la​ç ão àque​la per​c ep​ç ão ini​c i​al.
As​s im, uma pres​s ão fra​c a (ofe​re​c er um dó​lar como prê​m io), quer di​z er, uma
pres​s ão ape​nas su​f i​c i​en​t e para in​du​z ir ao com​por​t a​m en​t o bus​c a​do, tem efei​t os cog​ni​t i​vos
mui​t o mais ex​t en​s os que uma pres​s ão mais for​t e (ofe​re​c er vin​t e dó​la​res). Esse fe​nô​m e​no
é bem co​nhe​c i​do do “me​na​gers”, que não ig​no​ram que os di​ri​gen​t es que per​c e​bem sa​lá​ri​os
me​no​res são mais com​pro​m e​t i​dos com o tra​ba​lho e na sua re​la​ç ão com a em​pre​s a. Da
mes​m a for​m a, os pe​da​go​gos pu​de​ram cons​t a​t ar que uma ame​a​ç a fra​c a, ape​nas su​f i​c i​en​t e
para ge​rar o com​por​t a​m en​t o de​s e​ja​do, é fre​quen​t e​m en​t e mais efi​c az a lon​go pra​z o do que
uma ame​a​ç a mais for​t e. Nes​s e úl​t i​m o caso, a cri​an​ç a, cons​c i​en​t e de que cede a uma
for​t e pres​s ão, con​s er​va seu de​s e​jo ini​c i​al, o qual ela de​ve​rá sa​t is​f a​z er logo que pos​s í​vel.
En​t re​t an​t o, no pri​m ei​ro caso dá-se o con​t rá​rio: a cri​an​ç a ten​de​rá a en​t rar em dis​s o​nân​c ia
cog​ni​t i​va in​du​z i​da pela con​t ra​di​ç ão en​t re seu de​s e​jo ini​c i​al e seu com​por​t a​m en​t o efe​t i​vo,
pro​du​z i​do pela pres​s ão psi​c o​ló​gi​c a li​ga​da à ame​a​ç a fra​c a. Exa​t a​m en​t e como no caso dos
in​di​ví​duos sub​m e​t i​dos às ex​pe​ri​ên​c i​as de Fes​t in​ger e Carls​m i​t h, impõe-se a ne​c es​s i​da​de
de re​du​z ir essa dis​s o​nân​c ia, o que se pode ob​t er me​di​an​t e o ex​pe​di​en​t e de des​va​lo​ri​z ar o
com​por​t a​m en​t o proi​bi​do. A mo​di​f i​c a​ç ão de ati​t u​de e de com​por​t a​m en​t o é en​t ão du​ra​dou​ra,
uma vez que, nes​s e caso, ocor​reu uma in​te​ri​o​ri​za​ção da proi​bi​ção.
Você gosta de gafanhotos fritos?
Sob o pre​t ex​t o de di​ver​s i​f i​c ar o menu de um co​lé​gio mi​li​t ar, in​c lu​í​ram-se nele
ga​f a​nho​t os fri​t os,19 o que, con​vém no​t ar, não agra​dou a nin​guém. Mas a apre​s en​t a​ç ão
des​s a no​vi​da​de foi re​a​li​z a​da de duas ma​nei​ras di​ver​s as: um gru​po foi con​vi​da​do a dela
par​t i​c i​par por um su​jei​t o sim​pá​t i​c o, en​quan​t o o se​gun​do gru​po foi con​f i​a​do a um ho​m em
de​s a​gra​dá​vel, que ti​nha mes​m o por ob​je​t i​vo for​jar-se numa fi​gu​ra an​t i​pá​t i​c a, efei​t o que
ob​t i​nha – a par de ou​t ros re​c ur​s os – ao tra​t ar seu as​s is​t en​t e de modo gros​s ei​ro. Re​a​li​z a​da
a ex​pe​ri​ên​c ia, cons​t a​t ou-se que, en​t re as pes​s o​as que re​al​m en​t e co​m e​ram ga​f a​nho​t os
fri​t os, o per​c en​t u​al de mem​bros do se​gun​do gru​po que de​c la​ra​ram ha​ver gos​t a​do era
sig​ni​f i​c a​t i​va​m en​t e mai​or que o do pri​m ei​ro gru​po. En​quan​t o es​t es po​di​am jus​t i​f i​c ar
in​t e​ri​or​m en​t e seu ato, já que ha​vi​am agi​do mo​t i​va​dos pela sim​pa​t ia do apre​s en​t a​dor, os
mem​bros do se​gun​do gru​po vi​ram-se obri​ga​dos a en​c on​t rar uma jus​t i​f i​c a​ç ão do
com​por​t a​m en​t o que lhes fora ex​t or​qui​do. Para re​du​z ir a dis​s o​nân​c ia cog​ni​t i​va pro​vo​c a​da
pela con​t ra​di​ç ão en​t re sua aver​s ão por ga​f a​nho​t os fri​t os e o ato de comê-los, só lhes
res​t a​va mu​dar sua opi​ni​ão a res​pei​t o da​que​la aver​s ão.
Iniciação sexual de moças
Para par​t i​c i​par de dis​c ussões em gru​po acer​c a da psi​c o​lo​gia se​xu​al, al​gu​m as
jo​vens fo​ram le​va​das a pas​s ar por di​ver​s as “pro​vas ini​c i​á​t i​c as”.20 Ao pri​m ei​ro gru​po
im​pôs-se uma ini​c i​a​ç ão se​ve​ra e fas​t i​di​o​s a, psi​c o​lo​gi​c a​m en​t e ali​c i​a​do​ra, por​t an​t o. Ao
se​gun​do, im​pôs-se uma ini​c i​a​ç ão su​per​f i​c i​al. O gru​po tes​t e​m u​nho, por fim, foi ad​m i​t i​do
sem qual​quer ini​c i​a​ç ão. A dis​c us​s ão fora pre​pa​ra​da para ser ex​t re​m a​m en​t e te​di​o​s a e
de​s in​t e​res​s an​t e. Cons​t a​t ou-se, ao fi​nal, que as jo​vens que de​c la​ra​ram ha​ver gos​t a​do da
dis​c us​s ão fo​ram jus​t a​m en​t e aque​las que pas​s a​ram pela ini​c i​a​ç ão mais se​ve​ra. Nes​s e
caso, a dis​s o​nân​c ia cog​ni​t i​va era pro​vo​c a​da pela con​t ra​di​ç ão en​t re o in​ves​t i​m en​t o
psi​c o​ló​gi​c o ne​c es​s á​rio para su​por​t ar uma ini​c i​a​ç ão se​ve​ra e a au​s ên​c ia de qual​quer
be​ne​f í​c io daí ob​t i​do.
Contatos extraterrestres
A se​nho​ra Kee​c h,21 fun​da​do​ra de uma pe​que​na sei​t a, di​z ia re​c e​ber men​s a​gens
ex​t ra​t er​res​t res que a in​f or​m a​vam so​bre a imi​nên​c ia do fim do mun​do. Ten​do sido
anun​c i​a​do o dia da ca​t ás​t ro​f e, con​vi​da​ram-se os mem​bros da sei​t a a se reu​ni​rem, na
vés​pe​ra, para se​rem con​du​z i​dos à se​gu​ran​ç a do in​t e​ri​or de um OVNI, que ali​ás nun​c a veio.
Fes​t in​ger es​t u​da​va o gru​po e se in​t e​res​s a​va pelo modo se​gun​do o qual seus mem​bros
re​a​li​z a​ri​am a re​du​ç ão da dis​s o​nân​c ia cog​ni​t i​va após o re​s ul​t a​do, pre​vi​s í​vel, des​s e
mo​m en​t o crí​t i​c o. (Com efei​t o, sabe-se que é bas​t an​t e sig​ni​f i​c a​t i​vo o in​ves​t i​m en​t o
psi​c o​ló​gi​c o que ocor​re em sei​t as; a dis​s o​nân​c ia cog​ni​t i​va que se gera em tais si​t u​a​ç ões é
con​s i​de​rá​vel.) Ten​do já pas​s a​do a hora fa​t í​di​c a, a se​nho​ra Kee​c h de​c la​rou ter re​c e​bi​do
uma nova men​s a​gem, pela qual era in​f or​m a​da de que a fé e o fer​vor de seus dis​c í​pu​los
ha​vi​am per​m i​t i​do que a ca​t ás​t ro​f e fos​s e evi​t a​da. En​t ão es​t es, sub​m e​t i​dos a uma for​t e
dis​s o​nân​c ia cog​ni​t i​va, apres​s a​ram-se a acei​t ar tal ex​pli​c a​ç ão, que lhes pro​por​c i​o​na​va, a
um cus​t o bai​xo, re​du​z ir aque​la dis​s o​nân​c ia. Além dis​s o, pas​s a​ram ao pro​s e​li​t is​m o, ati​t u​de
que ha​vi​am cui​da​do​s a​m en​t e evi​t a​do nos dias que pre​c e​de​ram o dia fa​t í​di​c o.
Dramatização
Cons​t a​t ou-se ex​pe​ri​m en​t al​m en​t e que uma dra​m a​t i​z a​ç ão, em que pese seu ca​rá​t er
apa​ren​t e​m en​t e lú​di​c o, é ca​paz de pro​vo​c ar dis​s o​nân​c i​as cog​ni​t i​vas e as sub​s e​quen​t es
al​t e​ra​ç ões de va​lor. A iden​t i​f i​c a​ç ão ati​v a ao pa​pel as​s u​m i​do é su​f i​c i​en​t e​m en​t e for​t e para
ali​c i​ar o ator. Esse sur​preen​den​t e re​s ul​t a​do é in​c on​t es​t á​vel e fir​m e​m en​t e es​t a​be​le​c i​do. Ao
obri​gar os in​di​ví​duos a agir em opo​s i​ç ão às suas con​vic​ç ões, sem cons​t ran​gê-los
for​m al​m en​t e a isso, fa​c i​li​t a-se o sur​gi​m en​t o de dis​s o​nân​c i​as cog​ni​t i​vas e a con​s e​quen​t e
or​ga​ni​z a​ç ão do uni​ver​s o cog​ni​t i​vo do ator. A dra​m a​t i​z a​ç ão é a base do psi​c o​dra​m a, téc​ni​c a
psi​c o​ló​gi​c a cor​ren​t e​m en​t e uti​li​z a​da. Igual​m en​t e, a dra​m a​t i​z a​ç ão cons​t i​t ui uma das
psi​c o​pe​da​go​gi​as ati​vas mais po​de​ro​s as e de uso mais co​m um; é en​s i​na​da nos IUFMS, por
exem​plo.
Para que as ex​pe​ri​ên​c i​as mul​t i​c ul​t u​rais dos alu​nos não se​jam dei​xa​das
ao aca​s o dos en​c on​t ros, pode-se mes​m o si​m u​lar, nas dra​m a​ti​za​ções, as
quais se ins​pi​ram na di​nâ​m i​ca de gru​pos, o en​c on​t ro de pes​s o​as
per​t en​c en​t es a cul​t u​ras di​ver​s as. Já são pro​pos​t as es​t ra​t é​gi​as de en​s i​no e
téc​ni​c as que ofe​re​c em aos alu​nos a pos​s i​bi​li​da​de de ex​plo​rar
sis​t e​m a​t i​c a​m en​t e si​t u​a​ç ões stan​dard, de exer​c er me​t o​di​c a​m en​t e seu
jul​ga​m en​t o (o que per​m i​t e des​c o​brir como fun​c i​o​nam os me​c a​nis​m os de
jul​ga​m en​t o), de cla​ri​fi​car os va​lo​res que eles en​c on​t ram ou des​c o​brem e de
co​lo​c ar à pro​va os prin​c í​pi​os das di​ver​s as cren​ç as. Há quem sus​t en​t e que
es​s as téc​ni​c as po​dem ser in​t ro​du​z i​das nas es​c o​las, e que já é hora de fazê-lo;
ou​t ros há que sus​t en​t am opi​ni​ão con​t rá​ria, con​de​nan​do essa in​f le​xão do en​s i​no
para um sen​t i​do sub​je​t i​vis​t a e qua​s e te​ra​pêu​ti​co.22
Essa úl​t i​m a fra​s e é um exem​plo no​t á​vel da di​a​lé​t i​c a uti​li​z a​da cons​t an​t e​m en​t e
pe​las or​ga​ni​z a​ç ões in​t er​na​c i​o​nais.
As​s i​na​le​m os um as​pec​t o fre​quen​t e​m en​t e pou​c o co​nhe​c i​do da dra​m a​t i​z a​ç ão: a
re​da​ç ão de tex​t os, que se pode le​var até à es​c ri​t a de con​f issões. Ex​pe​ri​m en​t al​m en​t e,
pro​vou-se que tais ex​pe​di​en​t es tem a ca​pa​c i​da​de de pro​m o​ver uma mu​dan​ç a nas ati​t u​des
de seus au​t o​res. Sabe-se, além dis​s o, que eles são par​t e in​t e​gran​t e das téc​ni​c as de
la​va​gem ce​re​bral.
Decisão e discussão de grupo
As de​c isões e dis​c ussões de gru​po, por seu ine​gá​vel ca​rá​t er pú​bli​c o, tem um alto
po​t en​c i​al para pro​m o​ver o en​ga​ja​m en​t o. Elas cons​t i​t u​em uma das mais po​de​ro​s as téc​ni​c as
para in​t ro​du​z ir dis​s o​nân​c i​as cog​ni​t i​vas. A te​ra​pia de gru​po, téc​ni​c a psi​c o​t e​ra​pêu​t i​c a
clás​s i​c a, tem ne​las um de seus ele​m en​t os cons​t i​t u​t i​vos fun​da​m en​t ais. Elas são tam​bém
uti​li​z a​das pela pe​da​go​gia ati​va, que fre​quen​t e​m en​t e as apre​s en​t a como exer​c í​c i​os de
co​m u​ni​c a​ç ão. E são en​s i​na​das nos IUFMS.
Cla​ro está que a di​nâ​m i​c a de gru​pos apóia-se ain​da so​bre ou​t ros ele​m en​t os,
prin​c i​pal​m en​t e afe​t i​vos, mas não se​ria per​t i​nen​t e de​t a​lhá-los aqui.
A avaliação (dos alunos e dos professores)
A ava​li​a​ç ão23 con​s is​t e em ou​t ro meio ex​t re​m a​m en​t e efi​c az para con​du​z ir à
in​t e​ri​o​ri​z a​ç ão de va​lo​res e de ati​t u​des. Não é pos​s í​vel es​c la​re​c er os seus fun​da​m en​t os
re​c or​ren​do-se a ou​t ras te​o​ri​as da psi​c o​lo​gia so​c i​al que não a do en​ga​ja​m en​t o. Suas
con​c lusões po​dem ser re​s u​m i​das em pou​c as pa​la​vras, di​z en​do-se que, por for​ç a do
exer​cí​cio do po​der per​so​ni​fi​ca​do pelo ava​li​a​dor, o su​jei​t o da ava​li​a​ç ão é le​va​do a
in​te​ri​o​ri​zar nor​m as so​c i​ais. Esse pro​c es​s o está na base da re​pro​du​ç ão so​c i​al ou – se se
al​t e​ra a es​c a​la da ava​li​a​ç ão – da mo​di​f i​c a​ç ão de va​lo​res. A ava​li​a​ç ão for​m a​t i​va, con​f or​m e
seu nome in​di​c a, visa ex​pres​s a​m en​t e a en​s i​nar o su​jei​t o. Quan​do apli​c a​da ao do​m í​nio da
éti​c a, leva a in​t e​ri​o​ri​z ar va​lo​res e ati​t u​des. Sob a for​m a de au​t o​a​va​li​a​ç ão, ela acres​c en​t a o
en​ga​ja​m en​t o do su​jei​t o à sua ava​li​a​ç ão. O es​t u​do das di​ver​s as for​m as de ava​li​a​ç ão
(te​o​ri​as da ava​li​a​ç ão) cons​t i​t ui um com​po​nen​t e im​por​t an​t e da psi​c o​pe​da​go​gia e do en​s i​no
dis​pen​s a​do nos IUFMS.
Im​por​t a ago​ra ver como es​s as téc​ni​c as são uti​li​z a​das no en​s i​no e, de modo mais
ge​ral, em toda a so​c i​e​da​de.
8 Nos​s a su​m á​ria ex​po​s i​ç ão das téc​ni​c as de ma​ni​pu​la​ç ão psi​c o​ló​gi​c a de​ve​rá
ba​s e​ar-se prin​c i​pal​m en​t e so​bre três obras re​le​van​t es: D. Winn. The Ma​ni​pu​la​t ed Mind.
Lon​don, The Oc​t a​gon press, 1984; R.V. Jou​le, J.L. Be​au​vois. Sou​m is​s i​on et idé​o​lo​gi​es. Pa​ris,
PUF, 1981; R.V. Jou​le, J.L. Be​au​vois. Pe​t it trai​t é de ma​ní​pu​la​t i​on à l’usa​ge des hon​nê​t es
gens. Gre​no​ble, Pres​s es uni​ver​s i​t ai​res de Gre​no​ble, 1987.
9 S. Mil​gram. Sou​m is​s i​on à I’au​t o​ri​t é. Pa​ris, Cal​m ann-Lévy, 1974.
10 S. Mil​gram. Obe​di​en​c e to Au​t ho​rity. New York, Har​per & Row, 1974. Ci​t a​do por
Winn, Op. cit., p. 47.
11 S.E. Asch, ln​f lu​en​c e in​t er​per​s on​nel​le. Les ef​f ets de la pres​s i​on de grou​pe sur la
mo​di​f i​c a​t i​on et la dis​t or​s i​on des ju​ge​m ents, In: C. Fau​c heux, S. Mos​c o​vi​c i (eds.).
Psy​c ho​lo​gie so​c i​a​le thé​o​ri​que et ex​pé​ri​m en​t a​le. Mou​t on Edi​t eur, Pa​ris, 1971, p. 235-245.
12 M. She​rif. ln​f lu​en​c es du grou​pe sur la for​m a​t i​on des nor​m es et des at​t i​t u​des.
In: C. Fau​c heux, S. Mos​c o​vi​c i (eds.), ibid., p.207-226.
13 Freed​m an, J.L., Fra​s er, S.C. Com​pli​an​c e wi​t hout pres​s u​re: the foot-in-the-door
te​c h​ni​que, Jour​nal of Per​s o​na​lity and So​c i​al Psy​c ho​logy, vol. 4, n°2, p.195-202,1966.
14 Le​van​do-a, tam​bém ilu​s o​ri​a​m en​t e, a “in​t er​na​li​z ar” o lo​c al de con​t ro​le (lo​c us of
con​t rol).
15 R.B. Ci​al​di​ni, J.E. Vin​c ent, S.K. Lewis, J. Ca​t a​lan, D. Whee​ler, B.L. Darby,
Re​c i​pro​c al con​c es​s i​ons pro​c e​du​re for in​du​c ing com​pli​an​c e: the door-in-the-face te​c h​ni​que,
Jour​nal of Per​s o​na​lity and So​c i​al Psy​c ho​logy, vol. 31 , n° 2, p.2O6-215, 1975.
16 L. Fes​t in​ger. A the​ory of cog​ni​t i​ve dis​s o​nan​c e. Stan​f ord Uni​ver​s ity Press, 1968.
Ver tam​bém: Be​au​vois et Jou​le. Sou​m is​s i​on et idé​o​lo​gi​es. Op. cit., p. 49 sq.
17 WCE​FA, Con​f é​ren​c e mon​di​a​le sur l’édu​c a​t i​on pour tous, 5-9 mars 1990, Jom​t i​en,
Thaï​lan​de, Dé​c la​ra​t i​on mon​di​a​le sur l’édu​c a​t i​on pour tous, New York, 1990, Uni​c ef, p. 5.
Essa de​c la​ra​ç ão e o Pla​no de ação para sa​t is​f a​z er as ne​c es​s i​da​des bá​s i​c as de
apren​di​z a​gem, que te​re​m os oca​s i​ão de ci​t ar ain​da vá​ri​as ve​z es, fo​ram ado​t a​dos
una​ni​m e​m en​t e pe​los par​t i​c i​pan​t es da Con​f e​rên​c ia mun​di​al so​bre edu​c a​ç ão para to​dos.
Or​ga​ni​z a​da pelo PNUD, Unes​c o, Uni​c ef e pelo Ban​c o Mun​di​al, ela reu​niu de​le​ga​dos de 155
pa​í​s es e de vin​t e or​ga​ni​z a​ç ões in​t er​go​ver​na​m en​t ais. En​t re tais pa​í​s es e or​ga​ni​z a​ç ões,
en​c on​t ram-se os se​guin​t es: Bra​s il, Ca​na​dá, Chi​na, Fran​ç a, RFA, Ín​dia, Itá​lia, Ja​pão, Rei​no
Uni​do, URSS, USA, ONU, FAO, UNI​CEF, UNES​CO, UNHCR, OMS, Co​m is​s ão das co​m u​ni​da​des
eu​ro​pei​as, OCDE. Na​t u​ral​m en​t e, esse do​c u​m en​t o foi pu​bli​c a​do sem ne​nhu​m a re​s er​va
acer​c a das opi​ni​ões ex​pos​t as por seus au​t o​res.
18L. Fes​t in​ger, J.M. Carls​m i​t h. Cog​ni​t i​ve con​s e​quen​c es of for​c ed com​pli​an​c e,
Jour​nal of Ab​nor​m al So​c i​al Psy​c ho​logy, 58, p. 203-21 0, 1959. Ver​s i​on fran​ç ai​s e dans: C.
Fau​c heux, S. Mos​c o​vi​c i. Psy​c ho​lo​gie so​c i​a​le thé​o​ri​que et ex​pé​ri​m en​t a​le. Pa​ris, Mou​t on
édi​t eur, 1971.
19Ver: Winn. The Ma​ni​pu​la​t ed Mind. Op. cit., p. 121.
20E. Aron​s on, J. Mills. The ef​f ect of se​ve​rity of ini​t i​a​t i​on on liking for a group, The
Jour​nal of Ab​nor​m al and So​c i​al Psy​c ho​logy, vol. 59, sept. 1959, n 2, p. 177-181.
21L. Fes​t in​ger. A the​ory of cog​ni​t i​ve dís​s o​nan​c e. Op. cit., p.252-259.
22OCDE/CERI. L’éco​le et les cul​t u​res. Pa​ris, OCDE, 1989, p. 73. Ad​ver​t i​m os para o
fato de que as re​t i​c ên​c i​as fo​ram aban​do​na​das des​de en​t ão. Essa obra foi re​di​gi​da por um
mem​bro do Se​c re​t a​ri​a​do do Cen​t ro de Pes​qui​s as e Ino​va​ç ão do En​s i​no (CERI) da OCDE. Ela
“apre​s en​t a os re​s ul​t a​dos das aná​li​s es efe​t u​a​das pelo Se​c re​t a​ri​a​do dos pro​gra​m as de
en​s i​no im​ple​m en​t a​dos por di​ver​s os pa​í​s es, a fim de res​pon​der ao de​s a​f io mul​t i​c ul​t u​ral,
mul​t i​ét​ni​c o e plu​ri​lin​guís​t i​c o das so​c i​e​da​des con​t em​porâ​ne​as” (p. 3). O pre​f á​c io des​s e
do​c u​m en​t o é de au​t o​ria do di​re​t or do CERI.
23 Be​au​vois et Jou​le. Sou​m is​s i​on et idé​o​lo​gi​es, Op. cit., p. 162 sq.
CA​PÍ​T U​LO II
A APLICAÇÃO DA PSICOLOGIA
SOCIAL NA EDUCAÇÃO
Edu​c ar e for​m ar24 foi pu​bli​c a​do em 1989 por Jean-Marc Mon​t eil, pro​f es​s or de
Psi​c o​lo​gia na Uni​ver​s i​da​de de Cler​m ont-Fer​rand, onde di​ri​ge o la​bo​ra​t ó​rio de Psi​c o​lo​gia
So​c i​al. Sua obra bus​c a “pro​por aos do​c en​t es, aos edu​c a​do​res, aos res​pon​s á​veis pela
for​m a​ç ão, al​gu​m as ori​en​t a​ç ões para a ação, e, aos es​t u​dan​t es e pes​qui​s a​do​res em
Ci​ên​c i​as So​c i​ais e Hu​m a​nas, uma fon​t e de in​f or​m a​ç ão útil”.25 O ob​je​t o de tal tra​ba​lho
con​s is​t e, por​t an​t o, na edu​c a​ç ão, e nele po​de​m os en​c on​t rar, com pro​vei​t o para a nos​s a
in​ves​t i​ga​ç ão, as téc​ni​c as ex​pos​t as no ca​pí​t u​lo an​t e​ri​or.
A modificação das atitudes
Tal como nas si​t u​a​ç ões des​c ri​t as no ca​pí​t u​lo an​t e​ri​or, o foco aqui são as
dis​po​s i​ç ões, as cog​ni​ç ões, as per​c ep​ç ões etc.: “Por trás des​s es jo​gos de in​f lu​ên​c i​as, o que
se bus​c a é a mu​dan​ç a das dis​po​s i​ç ões e dos com​por​t a​m en​t os, a mo​di​f i​c a​ç ão das
cog​ni​ç ões do su​jei​t o” (p. 118).
“Os pro​c es​s os de in​f lu​ên​c ia so​c i​al po​dem ser de​f i​ni​dos, em sua acep​ç ão
mais es​pe​c í​f i​c a, como pro​c es​s os que re​gem as mo​di​f i​c a​ç ões de per​c ep​ç ões,
ju​í​z os, opi​ni​ões, dis​po​s i​ç ões ou com​por​t a​m en​t os de um in​di​ví​duo, mo​di​f i​c a​ç ões
es​s as pro​vo​c a​das por seu co​nhe​c i​m en​t o das per​c ep​ç ões, ju​í​z os, opi​ni​ões, etc.
de ou​t ros in​di​ví​duos.” (Doi​s e,26 1982, p. 87) (p. 116).
O ca​pí​t u​lo se​guin​t e exa​m i​na al​guns fun​da​m en​t os das mu​dan​ç as de ati​t u​des, de
opi​ni​ões, de cren​ç as, de com​por​t a​m en​t os ou de con​du​t as; de​f ron​t a​re​m os en​t ão a
com​ple​xi​da​de dos pro​c es​s os de in​f lu​ên​c ia so​c i​al, sua va​ri​e​da​de, e as múl​t i​plas vias pe​las
quais se es​t a​be​le​c em no​vas opi​ni​ões, ati​t u​des ou con​du​t as (p.11).
“Con​s e​quen​t e​m en​t e, com​preen​de-se fa​c il​m en​t e o in​t e​res​s e em mo​di​f i​c ar
a ati​t u​de de uma pes​s oa se hou​ver a in​t en​ç ão, em re​la​ç ão a tal ou qual ob​je​t o,
de vê-la ado​t ar uma nova con​du​t a.” (p. 127).
A aplicação das Ciências Sociais
As téc​ni​c as uti​li​z a​das são aque​las ob​t i​das atra​vés da psi​c o​lo​gia so​c i​al. O au​t or se
apóia prin​c i​pal​m en​t e so​bre tra​ba​lhos já ci​t a​dos aqui: a ex​pe​ri​ên​c ia de She​rif so​bre as
nor​m as de gru​po (p. 118), os tra​ba​lhos de Asch so​bre a con​f or​m i​da​de (p. 119), os
tra​ba​lhos de Fes​t in​ger, Be​au​vois e Jou​le so​bre a dis​s o​nân​c ia cog​ni​t i​va (p. 133) e os de
Ki​es​ler so​bre o en​ga​ja​m en​t o (p. 142). As téc​ni​c as clás​s i​c as de ma​ni​pu​la​ç ão são
de​t a​lha​das: en​ga​ja​m en​t o, dis​s o​nân​c ia cog​ni​t i​va, di​nâ​m i​c a de gru​po (cap. 4), in​f lu​ên​c ia do
pres​t í​gio (p. 122), dra​m a​t i​z a​ç ão.
Mudar a atitude: da persuasão ao engajamento
Não ha​ve​ria como mu​dar de tema ao mu​dar de ru​bri​c a. Com efei​t o, é sem​pre de
in​f lu​ên​c ia e de pro​c es​s os de in​f lu​ên​c ia que irá se tra​t ar, mas nos apli​c a​re​m os aqui a um
com​po​nen​t e par​t i​c u​lar do alvo de in​f lu​ên​c ia: a ati​t u​de (p. 126).
Dito sem ro​dei​os, o su​jei​t o ade​re à sua de​c i​s ão e, as​s im, quan​t o mai​or o seu
en​ga​ja​m en​t o em um com​por​t a​m en​t o, tan​t o “mai​or será a mu​dan​ç a de ati​t u​des caso o
com​por​t a​m en​t o di​vir​ja das con​vic​ç ões an​t e​ri​o​res do su​jei​t o, e tan​t o mai​or será a
re​s is​t ên​c ia às pro​pa​gan​das ul​t e​ri​o​res caso esse com​por​t a​m en​t o con​c or​de com as opi​ni​ões
pré​vi​as...” (Ki​es​ler27, 1971, p.32). Que me per​do​em a ex​pres​s ão tau​t o​ló​gi​c a, mas o
en​ga​ja​m en​t o nos en​ga​ja.
Ou​t ro pon​t o im​por​t an​t e a ser aqui apre​s en​t a​do ao lei​t or para a boa com​preen​s ão
dos pro​pó​s i​t os que se se​gui​rão con​s is​t e no fato de que al​guns fa​t o​res per​m i​t em ma​ni​pu​lar
o en​ga​ja​m en​t o: o ca​rá​t er ex​plí​c i​t o do ato, sua im​por​t ân​c ia, seu grau de ir​re​vo​ga​bi​li​da​de, o
nú​m e​ro de ve​z es em que foi re​a​li​z a​do, e, so​bre​t u​do, o sen​t i​m en​t o de li​ber​da​de quan​do de
sua re​a​li​z a​ç ão (p. 143).
Nos dois exem​plos es​c o​lhi​dos, os in​di​ví​duos fo​ram in​du​z i​dos a pra​t i​c ar uma
con​du​t a cus​t o​s a em um con​t ex​t o de li​ber​da​de. As​s im, as cir​c uns​t ân​c i​as se​ri​am
apa​ren​t e​m en​t e ali​c i​an​t es a pon​t o de con​du​z ir um in​di​ví​duo a ma​ni​f es​t ar com​por​t a​m en​t os
con​t rá​ri​os às suas con​vic​ç ões ou mo​t i​va​ç ões; com​por​t a​m en​t os aos quais lhe será
ne​c es​s á​rio for​ne​c er jus​t i​f i​c a​ç ões. Tam​bém se com​preen​de que, en​ga​ja​do pe​las
cir​c uns​t ân​c i​as, um in​di​ví​duo pos​s a, hoje, en​xer​gar vir​t u​des onde an​t es não as via.
Apoi​a​do so​bre ele​m en​t os des​s a na​t u​re​z a, Jou​le lo​gra de​m ons​t rar, por via
ex​pe​ri​m en​t al, que uma si​t u​a​ç ão de sub​m is​s ão, as​s o​c i​a​da a um sen​t i​m en​t o de li​ber​da​de,
con​duz os su​jei​t os a se en​ga​jar em um ato e, ul​t e​ri​or​m en​t e, os im​pe​le a uma
ra​c i​o​na​li​z a​ç ão cog​ni​t i​va ou a uma ra​c i​o​na​li​z a​ç ão em ato. Fe​nô​m e​no que mos​t ra “que é por
um novo ato que os exa​m i​nan​dos con​s e​guem re​c o​brar al​gum equi​lí​brio cog​ni​t i​vo, equi​lí​brio
esse aba​la​do pela re​a​li​z a​ç ão de um pri​m ei​ro com​por​t a​m en​t o de sub​m is​s ão... sen​do a
fun​ç ão pri​m ei​ra de um tal fe​nô​m e​no a de fa​z er apa​re​c er como ra​c i​o​nal um
com​por​t a​m en​t o ou uma de​c i​s ão pro​ble​m á​t i​c a” (Jou​le,28 1986, p. 351). En​f im, como se
ob​s er​va, as cir​c uns​t ân​c i​as re​ais ou ha​bil​m en​t e ma​ni​pu​la​das são ca​pa​z es de de​s en​c a​de​ar
com​por​t a​m en​t os con​t rá​ri​os às nos​s as con​vic​ç ões e, por​t an​t o, de nos le​var a mo​di​f i​c ar
nos​s as po​s i​ç ões ini​c i​ais para con​f or​m á-las às nos​s as con​du​t as.
O con​jun​t o des​s es da​dos su​ge​re, pois, de ma​nei​ra as​s az evi​den​t e, o peso não
ne​gli​gen​c i​á​vel das cir​c uns​t ân​c i​as e das si​t u​a​ç ões so​bre a exe​c u​ç ão dos nos​s os
com​por​t a​m en​t os, so​bre as cog​ni​ç ões que em se​gui​da cons​t ru​í​m os e so​bre os
com​por​t a​m en​t os fu​t u​ros que de​las sur​gem como con​s e​quên​c ia (p. 145).
Condutas para mudar “as ideias”
Como in​di​c a o tí​t u​lo des​t e pa​rá​gra​f o, en​t ra​m os aqui numa pro​ble​m á​t i​c a que propõe
uma in​ver​s ão de re​la​ç ão en​t re ati​t u​de e con​du​t a, com a pri​m ei​ra apa​re​c en​do como o
pro​du​t o even​t u​al da se​gun​da. A mu​dan​ç a de ati​t u​de se tor​na en​t ão a con​s e​quên​c ia de uma
sub​m is​s ão com​por​t a​m en​t al. Com efei​t o, logo que as cir​c uns​t ân​c i​as nos in​du​z em a ado​t ar
tal ou qual com​por​t a​m en​t o que, fora des​s as cir​c uns​t ân​c i​as, pro​va​vel​m en​t e não te​rí​a​m os
ado​t a​do, sen​t i​m os ne​c es​s i​da​de – a me​nos que de​s en​vol​va​m os, acer​c a de “nos​s a fra​que​z a”,
uma cul​pa​bi​li​da​de de​f i​ni​t i​va pró​xi​m a da pa​t o​lo​gia – de en​c on​t rar um meio de res​t a​be​le​c er
um uni​ver​s o co​e​ren​t e, mo​m en​t a​ne​a​m en​t e cin​di​do por uma con​t ra​di​ç ão vi​vi​da en​t re o fa​z er
e o pen​s ar. (p. 132).
Após ter obe​de​c i​do, e com a sen​s a​ç ão de tê-lo fei​t o li​vre​m en​t e, os in​di​ví​duos
ge​ral​m en​t e ado​t am o con​t e​ú​do, a mai​o​ria das ve​z es ava​li​a​t i​vo, do ato que eles aca​bam de
exe​c u​t ar. Mais am​pla​m en​t e, as si​t u​a​ç ões de dis​s o​nân​c ia cog​ni​t i​va con​du​z i​ri​am a uma
sub​m is​s ão dos in​di​ví​duos, por exem​plo, à jus​t i​f i​c a​ç ão de sua obe​di​ên​c ia por uma
mo​di​f i​c a​ç ão ava​li​a​t i​va de suas po​s i​ç ões ini​c i​ais. Dito de ou​t ro modo, e por ex​t en​s ão, após
ter pra​t i​c a​do um com​por​t a​m en​t o con​t rá​rio às suas ati​t u​des, o in​di​ví​duo, por um pro​c es​s o
de ra​c i​o​na​li​z a​ç ão, se es​f or​ç a​ria por con​f or​m á-lo às suas ati​t u​des e opi​ni​ões. Mais do que
isso, é pro​vá​vel que uma con​du​t a pos​s a com​pro​m e​t er a pon​t o de de​t er​m i​nar no​vas
con​du​t as e não so​m en​t e mo​di​f i​c ar as po​s i​ç ões ati​t u​di​nais (p. 149).
A educação
Re​c or​de​m os que essa obra, in​t i​t u​la​da Edu​c ar e for​m ar, di​ri​ge-se aos do​c en​t es, aos
edu​c a​do​res e aos res​pon​s á​veis pela for​m a​ç ão. As téc​ni​c as des​t a​c a​das abai​xo são, des​s e
modo, apre​s en​t a​das para fins ex​pli​c i​t a​m en​t e edu​c a​t i​vos:
A abor​da​gem edu​c a​t i​va, ne​c es​s a​ri​a​m en​t e prag​m á​t i​c a, de​ve​ria, pa​re​c eme, po​der util​m en​t e se ins​pi​rar em uma con​c ep​ç ão des​s a na​t u​re​z a [que
ul​t ra​pas​s a “a or​dem fic​t í​c ia das apa​rên​c i​as, (...) para es​c la​re​c er as ca​m a​das
des​s e pro​c es​s o”29 de in​f lu​ên​c ia so​c i​al]. Tra​t an​do-se igual​m en​t e dos jo​gos de
in​f lu​ên​c ia es​pe​ra​m os ter-lhes ao me​nos for​ne​c i​do o gos​t o. (p. 126).
Ora, tais di​nâ​m i​c as [de de​s en​vol​vi​m en​t o e de mu​dan​ç as in​di​vi​du​ais e
co​le​t i​vas] es​t ão, en​quan​t o ob​je​t o de es​t u​dos, ins​t a​la​das no co​ra​ç ão da
ati​vi​da​de ci​en​t í​f i​c a dos psi​c ó​lo​gos so​c i​ais. Por isso, pa​re​c e-me que nada
im​pe​de, an​t es o con​t rá​rio, de for​ne​c er aos ato​res da edu​c a​ç ão, a to​dos os
ato​res da edu​c a​ç ão, sa​be​res fun​da​dos so​bre o in​di​ví​duo en​quan​t o ser
so​c i​al​m en​t e in​s e​ri​do e so​bre os com​por​t a​m en​t os que de​t er​m i​nam ou que
de​c or​rem des​s as in​s er​ç ões (p. 10).
Se to​m ar​m os, por exem​plo, as pe​da​go​gi​as não di​re​t i​vas, os tra​ba​lhos
con​du​z i​dos no con​t ex​t o da te​o​ria do en​ga​ja​m en​t o as re​c on​du​z em ao que elas
sem dú​vi​da não dei​xa​ram ja​m ais de ser: a apli​c a​ç ão ca​m u​f la​da de uma
di​re​t riz que, em cer​t a épo​c a, tí​nha​m os al​gu​m a di​f i​c ul​da​de para ad​m i​t ir
aber​t a​m en​t e (p. 198).
En​f im, o au​t or não se es​que​c e de acres​c en​t ar al​gu​m as pa​la​vras so​bre a for​m a​ç ão
dos do​c en​t es:
Para a efi​c á​c ia de sua ação, o pro​f is​s i​o​nal [de edu​c a​ç ão ou for​m a​ç ão]
deve, pois, con​s i​de​rar, si​m ul​t a​ne​a​m en​t e ou su​c es​s i​va​m en​t e, abor​da​gens
di​ver​s as. Uma tal con​du​t a supõe, para que te​nha al​gu​m a chan​c e de su​c es​s o, a
ad​m is​s ão e a as​s i​m i​la​ç ão da ideia de um pro​f is​s i​o​nal con​t i​nu​a​m en​t e
in​f or​m a​do so​bre os de​s en​vol​vi​m en​t os das dis​c i​pli​nas que es​t ão re​la​c i​o​na​das
com seu se​t or de ati​vi​da​de. Essa ati​t u​de não ocor​re sem em​ba​ra​ç os: ela
impõe po​s i​ç ões drás​t i​c as que con​s is​t em em con​s i​de​rar como ne​c es​s á​ria a
von​t a​de, por par​t e do pro​f is​s i​o​nal, de man​t er-se in​f or​m a​do, a von​t a​de dos
pes​qui​s a​do​res de ven​c er as pró​pri​as re​t i​c ên​c i​as, de di​f un​dir o mais am​pla e
aces​s i​vel​m en​t e pos​s í​vel os sa​be​res que eles pro​du​z em. Essa ati​t u​de impõe,
ain​da, às res​pec​t i​vas ins​t i​t ui​ç ões , o co​lo​c a​rem em prá​t i​c a uma ver​da​dei​ra
po​lí​t i​c a de for​m a​ç ão pro​f is​s i​o​nal con​t í​nua. Pa​re​c e que ain​da es​t a​m os,
in​f e​liz​m en​t e, as​s az lon​ge de uma tal si​t u​a​ç ão. Sem de​s es​pe​rar do tem​po,
con​vém, to​da​via, que não nos aban​do​ne​m os a ele (p. 28).
Des​de que es​s as li​nhas fo​ram es​c ri​t as (1989), os IUFMS fo​ram cri​a​dos para
preen​c her essa la​c u​na. Eles ago​ra abar​c am, além dos do​c en​t es do se​t or pú​bli​c o, um
gran​de nú​m e​ro dos do se​t or pri​va​do.
24 Edu​quer et for​m er, J.M Mon​t eil, Gre​no​ble, Pres​s es uni​ver​s i​t ai​res de Gre​no​ble,
1990.
25 Ci​t a​do na se​gun​da par​t e da ore​lha do li​vro.
26 W. Doi​s e, L’ex​pli​c a​t i​on en psy​c ho​lo​gie so​c i​a​le, Pa​ris, PUF, 1982.
27 C.A. Ki​es​ler, The psy​c ho​logy of com​m it​m ent ex​pe​ri​m ents linking be​ha​vi​or to
be​li​ef, New York, Aca​de​m ic Press, 1971.
28 R.V. Jou​le, Ra​t i​o​na​li​s a​t i​on et en​ga​ge​m ent dans la sou​m is​s i​on li​bre​m ent
con​s en​t ie, Thè​s e de doc​t o​rat d’état, Uni​ver​s i​t é de Gre​no​ble, 1986.
29 S. Mos​c o​vi​c i, Psy​c ho​lo​gie so​c i​a​le, Pa​ris, PUF, 1984, p. 166.
CA​PÍ​T U​LO III
A UNESCO, A EDUCAÇÃO E O
CONTROLE PSICOLÓGICO
Em 1964, a Unes​c o pu​bli​c ou um im​por​t an​t e tra​ba​lho, in​t i​t u​la​do A mo​di​f i​c a​ç ão das
ati​t u​des.30 Em prin​c í​pio, tal obra tra​t a das ati​t u​des in​t er​gru​pos – ra​c i​ais, re​li​gi​o​s as e
ét​ni​c as –, mas as téc​ni​c as ali des​c ri​t as, as mes​m as que vi​m os an​t e​ri​or​m en​t e, são
per​f ei​t a​m en​t e apli​c á​veis a vá​ri​os ou​t ros do​m í​ni​os, como o au​t or mes​m o re​c o​nhe​c e. Após
ha​ver des​c ri​t o a ex​pe​ri​ên​c ia de She​rif so​bre as nor​m as de gru​po, acres​c en​t a:
No que con​c er​ne à for​m a​ç ão e à mo​di​f i​c a​ç ão das ati​t u​des da so​c i​e​da​de
em ge​ral, os co​ro​lá​ri​os dos re​s ul​t a​dos aci​m a men​c i​o​na​dos são evi​den​t es (p.
24; gri​f o nos​s o).
Igual​m en​t e, ten​do des​c ri​t o uma ex​pe​ri​ên​c ia de Brehm e Co​hen, ele as​s e​ve​ra que:
Os co​ro​lá​ri​os des​s es re​s ul​t a​dos, para a mo​di​f i​c a​ç ão das ati​t u​des no
pla​no da vida da so​c i​al, são evi​den​t es (p. 40).
As​s im, não é por aca​s o que esse tra​ba​lho se in​t i​t u​le A mo​di​f i​c a​ç ão das ati​t u​des, e
não A mo​di​f i​c a​ç ão das ati​t u​des in​t er​gru​pos. A ex​t en​s ão do cam​po de apli​c a​ç ão des​s as
téc​ni​c as de ma​ni​pu​la​ç ão psi​c o​ló​gi​c a, que atu​al​m en​t e abran​ge o sis​t e​m a edu​c a​c i​o​nal
fran​c ês, jus​t i​f i​c a a im​por​t ân​c ia que da​m os a tal obra. Con​vém fri​s ar nos​s a in​t en​ç ão: não é
o ob​je​t i​vo des​s a pu​bli​c a​ç ão – o aper​f ei​ç o​a​m en​t o das re​la​ç ões in​t er​gru​pos – que
de​nun​c i​a​m os, mas sim os mé​t o​dos em​pre​ga​dos para ob​t er esse re​s ul​t a​do, sus​c e​t í​veis de
ser uti​li​z a​dos para fins mui​t o di​ver​s os, con​f or​m e já vi​m os e vol​t a​re​m os a ver. Ade​m ais, a
fi​lo​s o​f ia po​lí​t i​c a cla​ra​m en​t e ma​ni​pu​la​t ó​ria que fun​da​m en​t a tais prá​t i​c as pres​s upõe um
des​pre​z o ab​s o​lu​t o pela li​ber​da​de e dig​ni​da​de hu​m a​nas e pela de​m o​c ra​c ia. Ver-se-á que o
au​t or visa ex​pli​c i​t a​m en​t e à di​f u​s ão das téc​ni​c as de ma​ni​pu​la​ç ão psi​c o​ló​gi​c a nas es​c o​las.
Com​preen​de-se fa​c il​m en​t e que um dis​po​s i​t i​vo as​s im, uma vez es​t a​be​le​c i​do, po​de​rá ser
apli​c a​do para mu​dar as “ati​t u​des so​c i​ais em ge​ral”, ao ar​bí​t rio dos in​t e​res​s es dos
go​ver​nan​t es. E, de fato, as pu​bli​c a​ç ões das or​ga​ni​z a​ç ões in​t er​na​c i​o​nais dis​c or​rem
fre​quen​t e​m en​t e so​bre a mo​di​f i​c a​ç ão de ati​t u​des éti​c as, cul​t u​rais, so​c i​ais, po​lí​t i​c as e
es​pi​ri​t u​ais.
O pre​f á​c io (não as​s i​na​do) des​s a obra pro​c e​de cla​ra​m en​t e da Unes​c o. Lê-se aí, em
par​t i​c u​lar:
A Unes​c o, que per​s e​ve​ra na sua ação em fa​vor dos di​rei​t os do ho​m em e
que, ain​da, par​t i​c i​pa com tra​ba​lhos ci​en​t í​f i​c os na luta con​t ra o pre​c on​c ei​t o e a
dis​c ri​m i​na​ç ão, já há tem​pos con​s i​de​ra a im​por​t ân​c ia que tem o es​t u​do da
mo​di​f i​c a​ç ão das ati​t u​des para as ati​vi​da​des edu​c a​t i​vas que vi​s em a com​ba​t er
to​das as for​m as de dis​c ri​m i​na​ç ão. [...] Dr. Da​vis é mem​bro do De​par​t a​m en​t o
de Psi​c o​lo​gia da Uni​ver​s i​da​de de Il​li​nois, onde ele exer​c e as fun​ç ões de
pro​f es​s or e de pes​qui​s a​dor. Após es​pe​c i​a​li​z ar-se em psi​c o​lo​gia so​c i​al e em
saú​de men​t al – aí com​preen​di​dos os as​pec​t os pe​da​gó​gi​c os des​s as dis​c i​pli​nas
–, tem-se de​di​c a​do a pes​qui​s as so​bre a mo​di​f i​c a​ç ão das ati​t u​des em es​c a​la
in​t er​na​c i​o​nal (p. 3; gri​f o nos​s o).
Fra​s es bas​t an​t e sig​ni​f i​c a​t i​vas, que con​den​s am em pou​c as pa​la​vras os se​guin​t es
te​m as: mo​di​f i​c a​ç ão de ati​t u​des em es​c a​la in​t er​na​c i​o​nal, Pe​da​go​gia e Edu​c a​ç ão, Psi​c o​lo​gia
So​c i​al. Al​gu​m as li​nhas adi​an​t e, o mes​m o pre​f á​c io acres​c en​t a (um pon​t o cuja im​por​t ân​c ia
tor​nar-se-á mais evi​den​t e adi​an​t e nes​t e ca​pí​t u​lo):
Ain​da que o con​t e​ú​do do pre​s en​t e in​ven​t á​rio im​pli​que uni​c a​m en​t e, cla​ro
está, a res​pon​s a​bi​li​da​de de seu au​t or, que de modo al​gum é o por​t a-voz ofi​c i​al
da Unes​c o, o Se​c re​t a​ri​a​do es​t i​m a que a im​por​t ân​c ia das pes​qui​s as
so​c i​o​psi​c o​ló​gi​c as em ques​t ão bas​t a para jus​t i​f i​c ar a pu​bli​c a​ç ão des​t e tra​ba​lho,
o qual, pos​s i​vel​m en​t e, con​s is​t i​rá em um es​t í​m u​lo aos es​pe​c i​a​lis​t as de
di​f e​ren​t es áre​as a dar pros​s e​gui​m en​t o às suas pes​qui​s as ou, tal​vez, a
em​preen​der no​vas (p. 3; gri​f o nos​s o).
A modificação de atitudes em escala internacional
Po​de​m os por​t an​t o con​c luir que, in​c on​t es​t a​vel​m en​t e, pos​s u​í​m os
co​nhe​c i​m en​t os cuja apli​c a​ç ão ge​ne​ra​li​z a​da nos per​m i​t e atin​gir nos​s os
ob​je​t i​vos, a sa​ber: aper​f ei​ç o​ar as ati​t u​des in​t er​gru​pos e as re​la​ç ões en​t re
gru​pos. Evi​den​t e​m en​t e, a ques​t ão que se co​lo​c a é a de sa​ber como se po​dem
apli​c ar es​s es mé​t o​dos em lar​ga es​c a​la. [...]
Pode-se en​t ão di​z er que pos​s u​í​m os, pelo me​nos, vá​ri​os des​s es
co​nhe​c i​m en​t os ne​c es​s á​ri​os, mas que o que im​por​t a é tor​nar tais
co​nhe​c i​m en​t os fa​c il​m en​t e aces​s í​veis, bem como as​s e​gu​rar a sua apli​c a​ç ão.
Esse pro​c es​s o não se dará sem di​f i​c ul​da​des, mas tais di​f i​c ul​da​des não são
in​s u​pe​rá​veis (págs. 48-49).
Os es​t u​dos ori​en​t a​dos para a co​m u​ni​da​de, os quais le​vam em con​t a
esse fato [a ten​dên​c ia à con​f or​m i​da​de aos cos​t u​m es es​t a​be​le​c i​dos], vi​s am à
“re​c on​ver​s ão”, em cer​t o sen​t i​do, de co​m u​ni​da​des in​t ei​ras, nas quais é
ne​c es​s á​ria a mo​di​f i​c a​ç ão das nor​m as e das prá​t i​c as es​t a​be​le​c i​das, a fim de
aper​f ei​ç o​ar as ati​t u​des in​t er​gru​pos e de co​lo​c ar to​dos os gru​pos em pé de
igual​da​de. Para tan​t o, faz-se ne​c es​s á​rio ape​lar ao au​xí​lio de po​lí​t i​c os, de
lí​de​res co​m u​ni​t á​ri​os, de emis​s o​ras de rá​dio, da im​pren​s a lo​c al e de ou​t ros
“for​m a​do​res de opi​ni​ão”, a fim de pro​vo​c ar as mu​dan​ç as na co​m u​ni​da​de
in​t ei​ra (p. 55).
A aplicação das Ciências Sociais
Não se po​de​ria che​gar a tais re​s ul​t a​dos, a uma mo​di​f i​c a​ç ão de ati​t u​des e de
com​por​t a​m en​t os em es​c a​la in​t er​na​c i​o​nal, sem co​lo​c ar em prá​t i​c a téc​ni​c as con​f ir​m a​das
ci​en​t i​f i​c a​m en​t e; tal é, efe​t i​va​m en​t e, a po​s i​ç ão de​f en​di​da pelo au​t or:
[...] pois, as​s im como nos​s o mun​do tec​no​ló​gi​c o se​ria in​c on​c e​bí​vel sem o
pro​gres​s o das ci​ên​c i​as, exa​t as e na​t u​rais, do mes​m o modo pa​re​c e evi​den​t e
que as ci​ên​c i​as so​c i​ais têm um pa​pel im​por​t an​t e a de​s em​pe​nhar na re​s o​lu​ç ão
dos pro​ble​m as hu​m a​nos de nos​s a épo​c a (p. 7).
En​t re​t an​t o, vá​ri​as des​s as ques​t ões, oriun​das dos re​s ul​t a​dos de pes​qui​s as
ex​pe​ri​m en​t ais, re​pre​s en​t am não so​m en​t e um in​t e​res​s e te​ó​ri​c o, mas, além
dis​s o, im​pli​c a​ç ões, de gran​de in​t e​res​s e prá​t i​c o para a to​m a​da de de​c isões de
or​dem ge​ral, que de​m an​dam pro​gra​m as de ação. Por​t an​t o, tra​t a​re​m os aqui,
bre​ve​m en​t e, de al​guns pro​ble​m as te​ó​ri​c os le​van​t a​dos por pes​qui​s as re​c en​t es,
e de suas im​pli​c a​ç ões prá​t i​c as.
Não se li​m i​t an​do a es​t u​dar os nu​m e​ro​s os fa​t o​res as​s o​c i​a​dos à
mo​di​f i​c a​ç ão de ati​t u​des, vá​ri​os pes​qui​s a​do​res con​c en​t ra​ram-se tam​bém na
ques​t ão do pro​c es​s o mes​m o de mu​dan​ç a, ou seja, na te​o​ria da mo​di​f i​c a​ç ão de
ati​t u​des. En​t re as te​o​ri​as re​la​t i​va​m en​t e re​c en​t es que têm es​t i​m u​la​do as
pes​qui​s as, en​c on​t ra-se a da “dis​s o​nân​c ia cog​ni​t i​va”, de Fes​t in​ger (1957) (p.
39).
Além dos já ci​t a​dos tra​ba​lhos de Fes​t in​ger e de She​rif, o au​t or apoia-se so​bre os
de Asch (p. 20 e 24) e de Lewin (p. 26). As téc​ni​c as clás​s i​c as de ma​ni​pu​la​ç ão psi​c o​ló​gi​c a
são re​qui​s i​t a​das: dra​m a​t i​z a​ç ão ou psi​c o​dra​m a, ma​ni​pu​la​ç ão de gru​pos etc.:
Um dos co​ro​lá​ri​os da te​o​ria de Fes​t in​ger é o fato de que uma de​c la​ra​ç ão
ou ação pú​bli​c as em de​s a​c or​do com a opi​ni​ão pri​va​da do su​jei​t o po​dem ge​rar
nele uma dis​s o​nân​c ia cog​ni​t i​va e, as​s im, em di​ver​s os ca​s os, acar​re​t ar uma
mo​di​f i​c a​ç ão de ati​t u​de. Ja​nis e King (1954, 1956) de​m ons​t ra​ram que os
exa​m i​nan​dos, quan​do le​va​dos a de​s em​pe​nhar uma ati​vi​da​de psi​c o​dra​m á​t i​c a
em de​s a​c or​do com sua opi​ni​ão pri​va​da, po​dem so​f rer, por cau​s a des​s e
com​por​t a​m en​t o, uma mo​di​f i​c a​ç ão de ati​t u​de. As​s im, um psi​c o​dra​m a
im​pro​vi​s a​do ten​de a ser mais efi​c az que um psi​c o​dra​m a de​t er​m i​na​do
pre​vi​a​m en​t e (p. 40).
Ou​t ras pro​vas des​s a re​s is​t ên​c ia [a se dei​xar in​f lu​en​c i​ar pe​los mé​t o​dos
de in​t ros​pec​ç ão] fo​ram apre​s en​t a​das por Cul​bert​s on (1955) em um es​t u​do
so​bre a mo​di​f i​c a​ç ão de ati​t u​des de base afe​t i​va me​di​an​t e o psi​c o​dra​m a. Esse
au​t or des​c o​briu que o psi​c o​dra​m a cons​t i​t ui um meio ge​ral​m en​t e mais efi​c az
para mo​di​f i​c ar tais ati​t u​des (p. 19).
A ex​pe​ri​ên​c ia es​c o​lar pode de​s em​pe​nhar um pa​pel ca​pi​t al, ao
de​s en​vol​ver par​t i​c u​lar​m en​t e aque​les as​pec​t os da per​s o​na​li​da​de re​la​c i​o​na​dos às
in​t e​ra​ç ões so​c i​ais da cri​an​ç a. A apli​c a​ç ão das pes​qui​s as so​bre gru​pos
apre​s en​t a igual​m en​t e uma im​por​t ân​c ia par​t i​c u​lar, uma vez que, como se sabe,
o pro​c es​s o edu​c a​c i​o​nal não con​s is​t e ape​nas na trans​m is​s ão de in​f or​m a​ç ões,
mas se tra​t a, mais do que isso, de um fe​nô​m e​no al​t a​m en​t e com​ple​xo de
di​nâ​m i​c a de gru​po, no qual in​t er​vêm as re​la​ç ões, de di​f í​c il aná​li​s e, en​t re alu​no
e pro​f es​s or, e so​bre​t u​do en​t re o alu​no e seus pa​res. Na me​di​da em que o
gru​po de pa​res re​pre​s en​t a para a cri​an​ç a um qua​dro de re​f e​rên​c ia, ele
con​t ri​bui em lar​ga me​di​da para a mo​di​f i​c a​ç ão das ati​t u​des so​c i​ais (p. 45).
São es​s es fe​nô​m e​nos de di​nâ​m i​c a de gru​po e a ma​ni​pu​la​ç ão psi​c o​ló​gi​c a que lhes
pa​re​c em jus​t i​f i​c ar, como im​pres​c in​dí​vel, a in​t ro​du​ç ão das psi​c o​pe​da​go​gi​as.
Do mes​m o modo, en​t re as pro​vas mais con​c lu​den​t es em fa​vor da
in​f lu​ên​c ia do gru​po so​bre a ati​t u​de do in​di​ví​duo, fi​gu​ram os re​s ul​t a​dos dos
cé​le​bres tra​ba​lhos de Asch (1951, 1952). Es​s as ex​pe​ri​ên​c i​as cen​t ra​ram-se nas
con​di​ç ões sob as quais o in​di​ví​duo ou re​s is​t e ou ter​m i​na por ce​der às
pressões do gru​po, as​s im que es​s as pressões são per​c e​bi​das como con​t rá​ri​as
à re​a​li​da​de dos fa​t os (p. 24).
Flower​m an (1949), con​t es​t an​do as con​c lusões de Rose (1948), de​pre​c ia o
va​lor e a efi​c á​c ia atri​bu​í​das à pro​pa​gan​da de mas​s a como um meio de
di​m i​nuir o pre​c on​c ei​t o, e an​t es pre​c o​ni​z a as téc​ni​c as fun​da​das so​bre as
es​t ru​t u​ras de gru​po e as re​la​ç ões in​t er​pes​s o​ais (p. 35).
Um gran​de nú​m e​ro de pes​qui​s as de​m ons​t ra​ram que, para co​le​gi​ais e
uni​ver​s i​t á​ri​os, o fato de per​t en​c er a gru​pos de pa​res pode ter um efei​t o cada
vez mai​or so​bre a mo​di​f i​c a​ç ão de suas ati​t u​des à me​di​da que, para eles,
es​s es gru​pos se tor​nam mais im​por​t an​t es como gru​pos de re​f e​rên​c ia. A
con​c lu​s ão que se pode ti​rar des​s es es​t u​dos é que, mes​m o que as ati​t u​des
in​t er​gru​pos ne​ga​t i​vas se for​m em, fre​quen​t e​m en​t e me​di​an​t e a ado​ç ão da
nor​m a da cé​lu​la fa​m i​li​ar, gru​po pri​m á​rio – e os pro​gra​m as de ação bem
po​de​ri​am le​var em con​t a os pais, en​quan​t o agen​t es de mo​di​f i​c a​ç ão de ati​t u​des
–, ain​da as​s im não de​ve​m os nos dei​xar de​s en​c o​ra​jar por tais di​f i​c ul​da​des, com
as quais um pro​gra​m a de ação des​s e gê​ne​ro se deve de​f ron​t ar. Com efei​t o, os
gru​pos de pa​res, so​bre​t u​do aque​les que se for​m am no âm​bi​t o da es​c o​la ou da
uni​ver​s i​da​de, po​dem mui​t o bem tor​nar-se gru​pos de re​f e​rên​c ia e pro​m o​ver um
efei​t o po​s i​t i​vo so​bre a mo​di​f i​c a​ç ão das ati​t u​des, con​t ri​bu​in​do des​s a for​m a a
di​ri​m ir o “atra​s o cul​t u​ral”, tão evi​den​t e na so​c i​e​da​de con​t em​porâ​nea (p. 25).
Ao lei​t or de​c er​t o não es​c a​pou o ex​pe​di​en​t e de re​c ru​t a​m en​t o das fa​m í​li​as, ao qual
faz eco esta ou​t ra ci​t a​ç ão:
No que con​c er​ne às re​la​ç ões en​t re pais e fi​lhos, en​c on​t ra​m o-nos di​an​t e
do se​guin​t e pro​ble​m a: para con​du​z ir as cri​an​ç as de modo a aper​f ei​ç o​ar as
re​la​ç ões en​t re gru​pos, ne​c es​s á​rio se​ria co​m e​ç ar pela mo​di​f i​c a​ç ão de seus pais
(p. 45).
Po​rém, mais que dis​po​s i​ç ões e com​por​t a​m en​t os, são os va​lo​res, que
fun​da​m en​t am um e ou​t ro, que de​vem ser sub​ver​t i​dos:
Os te​ó​ri​c os mo​der​nos da edu​c a​ç ão com​preen​de​ram que a trans​m is​s ão
de in​f or​m a​ç ões, por si só, não é su​f i​c i​en​t e para que se atin​jam os ob​je​t i​vos da
edu​c a​ç ão, mas que a to​t a​li​da​de da per​s o​na​li​da​de e, par​t i​c u​lar​m en​t e, a si​t u​a​ç ão
de gru​po ine​ren​t e ao pro​c es​s o de apren​di​z a​gem pos​s u​em uma im​por​t ân​c ia
ca​pi​t al. Kurt Lewin, um dos gran​des pi​o​nei​ros da pes​qui​s a e da ação
com​bi​na​das no cam​po da di​nâ​m i​c a de gru​pos, con​t ri​buiu mui​t o, jun​t o com
seus co​la​bo​ra​do​res, para dar à pe​da​go​gia essa nova ori​en​t a​ç ão. Ele sa​li​en​t ou a
ne​c es​s i​da​de de se con​s i​de​rar a edu​c a​ç ão como um pro​c es​s o de gru​po: o
sen​t i​m en​t o, ex​pe​ri​m en​t a​do pelo in​di​ví​duo, de par​t i​c i​par da vida de um gru​po é,
se​gun​do Lewin, de uma im​por​t ân​c ia fun​da​m en​t al para a aqui​s i​ç ão de idei​as
no​vas. Ele es​c re​veu31 (1948, p. 59): “Con​s i​de​ra​m os mui​t o im​por​t an​t e que o
pro​c es​s o de ree​du​c a​ç ão se dê numa at​m os​f e​ra de li​ber​da​de e de
es​pon​t a​nei​da​de: é de von​t a​de pró​pria que o in​di​ví​duo par​t i​c i​pa das sessões,
isen​t as, ali​ás, de todo for​m a​lis​m o; ele deve sen​t ir-se li​vre para ex​pres​s ar
suas crí​t i​c as, em se​gu​ran​ç a afe​t i​va e li​vre de qual​quer pres​s ão. Se a
ree​du​c a​ç ão sig​ni​f i​c a o es​t a​be​le​c i​m en​t o de um novo su​pe​re​go, de​c or​re daí
ne​c es​s a​ri​a​m en​t e que os ob​je​t i​vos vi​s a​dos só se​rão atin​gi​dos quan​do a nova
sé​rie de va​lo​res apa​re​c er ao in​di​ví​duo como algo que ele te​nha es​c o​lhi​do
li​vre​m en​t e” (p. 47).
Com​preen​de-se fa​c il​m en​t e, por​t an​t o, a aver​s ão ma​ni​f es​t a​da por mui​t os da​que​les
quem veem o nos​s o sis​t e​m a edu​c a​c i​o​nal ser in​va​di​do pe​las psi​c o​pe​da​go​gi​as: uma
mu​dan​ç a de va​lo​res cons​t i​t ui uma re​vo​lu​ç ão – psi​c o​ló​gi​c a – mui​t o mais pro​f un​da que uma
re​vo​lu​ç ão so​c i​al.
A educação
Às ci​t a​ç ões an​t e​ri​o​res, que far​t a​m en​t e de​m ons​t ra​ram o pa​pel que al​guns
pre​t en​dem para as ci​ên​c i​as so​c i​ais na ma​ni​pu​la​ç ão psi​c o​ló​gi​c a das po​pu​la​ç ões,
acres​c en​t e​m os ain​da as se​guin​t es, que tra​t am par​t i​c u​lar​m en​t e da edu​c a​ç ão:
Em sua [Ador​no et al.] opi​ni​ão, os re​s ul​t a​dos de suas pes​qui​s as
po​de​ri​am ser apli​c a​dos à edu​c a​ç ão, à pu​e​ri​c ul​t u​ra e às ati​vi​da​des de gru​po que
se ins​pi​ram nos prin​c í​pi​os da psi​c o​t e​ra​pia co​le​t i​va (p. 16).
Os efei​t os so​bre os sis​t e​m as edu​c a​c i​o​nais sub​m e​t i​dos a tais in​f lu​ên​c i​as são,
na​t u​ral​m en​t e, os já es​pe​ra​dos:
Re​s u​m in​do os efei​t os da edu​c a​ç ão so​bre o pre​c on​c ei​t o, a dis​c ri​m i​na​ç ão
e a acei​t a​ç ão do fim da se​gre​ga​ç ão ra​c i​al no sul dos Es​t a​dos Uni​dos, Tu​m in,
Bar​t on e Bur​rus (1958) as​s e​ve​ram que um au​m en​t o de ins​t ru​ç ão ten​de a
pro​du​z ir des​lo​c a​m en​t os per​c ep​t í​veis:
a) do na​c i​o​na​lis​m o ao in​t er​na​c i​o​na​lis​m o, no pla​no po​lí​t i​c o;
b) do tra​di​c i​o​na​lis​m o ao ma​t e​ri​a​lis​m o, no pla​no da fi​lo​s o​f ia so​c i​al ge​ral;
c) do sen​s o co​m um à ci​ên​c ia, como fon​t es de pro​vas acei​t á​veis;
d) do cas​t i​go à re​c u​pe​ra​ç ão, na te​o​ria dos re​gi​m es pe​ni​t en​c i​á​ri​os;
e) da vi​o​lên​c ia e da ação di​re​t a à le​ga​li​da​de, como mei​os po​lí​t i​c os;
f) da se​ve​ri​da​de à to​lerân​c ia, em ma​t é​ria de edu​c a​ç ão in​f an​t il;
g) do sis​t e​m a pa​t ri​ar​c al à igual​da​de de​m o​c rá​t i​c a, em ma​t é​ria de re​la​ç ões
con​ju​gais;
h) da pas​s i​vi​da​de ao ím​pe​t o cri​a​dor, no que diz res​pei​t o aos di​ver​t i​m en​t os e
ao la​z er.
Esse re​s u​m o pa​re​c e in​di​c ar que a edu​c a​ç ão pro​vo​c a uma lar​ga e
pro​f un​da mo​di​f i​c a​ç ão das ati​t u​des so​c i​ais em ge​ral, num sen​t i​do que deve
con​t ri​buir ao es​t a​be​le​c i​m en​t o de re​la​ç ões cons​t ru​t i​vas e sa​di​as en​t re os
gru​pos (p. 46; gri​f o nos​s o).
Im​pos​s í​vel cons​t a​t ar mais cla​ra​m en​t e que o que aí se bus​c a é, na re​a​li​da​de, uma
“lar​ga e pro​f un​da mo​di​f i​c a​ç ão das ati​t u​des so​c i​ais em ge​ral”, uma vez que di​f i​c il​m en​t e se
en​t en​de de que modo uma sim​ples edu​c a​ç ão des​t i​na​da a aper​f ei​ç o​ar as re​la​ç ões
in​t er​gru​pos po​de​ria pro​vo​c ar essa “lar​ga e pro​f un​da mo​di​f i​c a​ç ão das ati​t u​des so​c i​ais em
ge​ral”. No​t e​m os, con​t u​do, para res​t a​be​le​c er a ver​da​de, que não é um au​m en​t o da edu​c a​ç ão
que leva ao mun​di​a​lis​m o, ao ma​t e​ri​a​lis​m o e à per​m is​s i​vi​da​de – o que con​duz a isso é um
au​m en​t o da edu​c a​ç ão re​vo​lu​c i​o​ná​ria. Te​ria es​que​c i​do o au​t or que os sé​c u​los pas​s a​dos
pu​de​ram con​t ar com ho​m ens eru​di​t os, cuja cul​t u​ra, essa sim au​t ên​t i​c a, nada ti​nha que
in​ve​jar às pro​du​ç ões de Jack Lang?
Por fim, a ques​t ão da for​m a​ç ão dos edu​c a​do​res é tra​t a​da ex​t en​s i​va​m en​t e:
As idei​as pes​s i​m is​t as de vá​ri​os au​t o​res so​bre a efi​c á​c ia da edu​c a​ç ão
como um meio de aper​f ei​ç o​ar as re​la​ç ões en​t re gru​pos [e as ati​t u​des so​c i​ais
em ge​ral, como aca​ba​m os de ver] jus​t i​f i​c am-se des​de que se fi​que li​m i​t a​do à
con​c ep​ç ão tra​di​c i​o​nal de edu​c a​ç ão e que, nela, note-se tão-so​m en​t e o as​pec​t o
da co​m u​ni​c a​ç ão de in​f or​m a​ç ões. Mas não há quem se opo​nha a que os
co​nhe​c i​m en​t os mo​der​nos se​jam in​c ul​c a​dos ao edu​c a​dor a fim de lhe per​m i​t ir
um de​s em​pe​nho mais efi​c az de sua ta​re​f a. Isso não quer di​z er que to​dos os
pro​f es​s o​res de​vam re​c e​ber uma for​m a​ç ão de psi​c ó​lo​go, de so​c i​ó​lo​go etc., mas
sim que os prin​c í​pi​os fun​da​m en​t ais da Psi​c o​di​nâ​m i​c a, da di​nâ​m i​c a de gru​po e
da So​c i​o​lo​gia bem po​de​ri​am fi​gu​rar no pro​gra​m a de sua for​m a​ç ão. Se​ria
pos​s í​vel – ain​da que isso não seja o es​s en​c i​al de nos​s a pro​pos​t a – apre​s en​t ar
os re​s ul​t a​dos das pes​qui​s as sob uma for​m a apro​pri​a​da, que as tor​nas​s e
in​t e​li​gí​veis aos edu​c a​do​res que pos​s u​em um co​nhe​c i​m en​t o téc​ni​c o li​m i​t a​do da
pes​qui​s a so​c i​o​ló​gi​c a. É cla​ro que, além dis​s o, se​ria pos​s í​vel dar uma
im​por​t ân​c ia mai​or, nos pro​gra​m as das es​c o​las nor​m ais, às dis​c i​pli​nas que se
re​la​c i​o​nam di​re​t a​m en​t e à ques​t ão do aper​f ei​ç o​a​m en​t o das re​la​ç ões en​t re
gru​pos. Wat​s on32 (1956, p. 309) diz com mui​t a pro​pri​e​da​de: “Im​por​t a é
tra​t ar​m os, não de mo​des​t os acrés​c i​m os ao nos​s o atu​al pro​gra​m a de en​s i​no,
mas sim de trans​f or​m a​ç ões pro​f un​das em nos​s o pla​no de es​t u​dos, em nos​s o
modo de se​le​ç ão de pro​f es​s o​res e em toda nos​s a con​c ep​ç ão de en​s i​no pú​bli​c o.
De​ve​m os re​f le​t ir so​bre a ne​c es​s i​da​de, para to​dos os di​ri​gen​t es da área da
edu​c a​ç ão, de uma re​o​ri​en​t a​ç ão e de com​pe​t ên​c i​as de or​dem po​lí​t i​c a” (p. 47).
Totalitarismo?
Em sua ex​pe​ri​ên​c ia de for​m a​ç ão [nas es​c o​las nor​m ais], Taus​c h uti​li​z ou
di​ver​s as no​ç ões pró​pri​as da Psi​c o​lo​gia Co​le​t i​va não Di​re​t i​va (Ro​gers,33 1951) e
de​m ons​t rou que tais prin​c í​pi​os são apli​c á​veis no do​m í​nio da edu​c a​ç ão. Da
mes​m a for​m a, Wi​e​der34 (1951) de​m ons​t rou a apli​c a​bi​li​da​de dos mé​t o​dos de
te​ra​pia co​le​t i​va em um “es​t u​do com​pa​ra​t i​vo da efi​c á​c ia de dois mé​t o​dos de
en​s i​no da Psi​c o​lo​gia, cada cur​s o com 30 ho​ras de du​ra​ç ão, para a mo​di​f i​c a​ç ão
das ati​t u​des as​s o​c i​a​das ao pre​c on​c ei​t o ra​c i​al, re​li​gi​o​s o ou ét​ni​c o”. En​quan​t o o
mé​t o​do tra​di​c i​o​nal, de ex​po​s i​ç ão se​gui​da de dis​c us​s ão, não al​c an​ç ou mo​di​f i​c ar
de modo sig​ni​f i​c a​t i​vo as ati​t u​des in​t er​gru​pos, um se​gun​do mé​t o​do, va​len​do-se
dos prin​c í​pi​os da te​ra​pia co​le​t i​va, das téc​ni​c as não di​re​t i​vas e do so​c i​o​dra​m a,
fa​vo​re​c eu uma aber​t u​ra pes​s o​al (de​s en​vol​vi​m en​t o da in​t ui​ç ão, mai​or acei​t a​ç ão
de si, re​du​ç ão das ati​t u​des li​ga​das ao pre​c on​c ei​t o ra​c i​al, re​li​gi​o​s o ou ét​ni​c o)
(p. 48).
Lem​bre​m os que não são ape​nas as ati​t u​des in​t er​gru​pos que se bus​c a mo​di​f i​c ar,
mas sim as ati​t u​des so​c i​ais em ge​ral. Por ou​t ro lado, co​nhe​c en​do a for​ç a e o te​naz
en​rai​z a​m en​t o dos pre​c on​c ei​t os ra​c i​ais, re​li​gi​o​s os ou ét​ni​c os, que, não obs​t an​t e, o po​der
dos mé​t o​dos de ma​ni​pu​la​ç ão psi​c o​ló​gi​c a em​pre​ga​dos lo​gram su​jei​t ar, não há como dei​xar
de ex​pe​ri​m en​t ar a mais viva in​qui​e​t a​ç ão, ao ver es​s as mes​m as téc​ni​c as em​pre​ga​das
con​t ra ati​t u​des em ge​ral me​nos for​t e​m en​t e en​rai​z a​das, como as ati​t u​des po​lí​t i​c as,
eco​nô​m i​c as, so​c i​ais, eco​ló​gi​c as, éti​c as etc.
A manipulação da cultura
Toda re​vo​lu​ç ão psi​c o​ló​gi​c a re​quer uma re​vo​lu​ç ão cul​t u​ral. Pos​t e​ri​or​m en​t e,
re​t o​m a​re​m os de​t a​lha​da​m en​t e esse as​s un​t o, con​s i​de​ran​do o quan​t o o sis​t e​m a edu​c a​c i​o​nal
trans​f or​m ou-se em um dos mais im​por​t an​t es ve​í​c u​los da re​vo​lu​ç ão cul​t u​ral. Em todo
caso, o au​t or nos dá in​di​c a​ç ões que me​re​c em ser apre​c i​a​das des​de já:
O fato de que a cul​t u​ra e a so​c i​e​da​de, em seu con​jun​t o, se​jam um fa​t or
mui​t o im​por​t an​t e na for​m a​ç ão, na con​s er​va​ç ão e/ou na mo​di​f i​c a​ç ão das
ati​t u​des so​c i​ais é uma evi​dên​c ia à qual já nos re​f e​ri​m os di​ver​s as ve​z es. Mas
em que me​di​da os pro​gra​m as de ação prá​t i​c a são re​a​li​z á​veis, uma vez que
seu com​ba​t e se de​s en​ro​la numa fren​t e tão vas​t a? Como se pode mo​di​f i​c ar
uma cul​t u​ra, que re​pou​s a so​bre tra​di​ç ões se​c u​la​res, ou re​f or​m ar toda uma
so​c i​e​da​de? Sem dú​vi​da, é di​f i​c il​m en​t e ima​gi​ná​vel que uma só pes​s oa ou
mes​m o um pe​que​no gru​po de pes​s o​as pos​s a mu​dar com​ple​t a​m en​t e, do dia
para a noi​t e, uma so​c i​e​da​de mo​der​na, de es​t ru​t u​ra de​m o​c rá​t i​c a e plu​ra​lis​t a.
Por ou​t ro lado, não é im​pro​vá​vel que, me​di​an​t e es​f or​ç os con​c re​t os e com a
apli​c a​ç ão de co​nhe​c i​m en​t os mo​der​nos, gru​pos de in​di​ví​duos pos​s am ace​le​rar a
evo​lu​ç ão so​c i​al de ma​nei​ra a re​di​m ir cer​t os “atra​s os cul​t u​rais”, nem se pode
di​z er que tais gru​pos não de​vam em​preen​der tal ação (p. 57; gri​f o nos​s o).
Os es​t u​dos que aca​ba​m os de re​f e​rir ilus​t ram sim​ples​m en​t e o fato de
que as mais im​por​t an​t es mu​dan​ç as de ati​t u​de e de com​por​t a​m en​t o no
con​jun​t o de uma so​c i​e​da​de são pos​s í​veis ao fi​nal de um cer​t o tem​po.
Po​de​rí​a​m os ci​t ar mui​t os ou​t ros ca​s os que con​f ir​m am essa con​c lu​s ão. Es​s as
mo​di​f i​c a​ç ões são o re​s ul​t a​do cu​m u​la​t i​vo dos es​f or​ç os com​bi​na​dos de di​ver​s as
pes​s o​as e or​ga​ni​z a​ç ões que uti​li​z am mo​dos e mé​t o​dos di​f e​ren​t es de
abor​da​gem. Mas a ques​t ão que aqui nos in​t e​res​s a sa​ber é: em que me​di​da é
pos​s í​vel agir so​bre o con​jun​t o de uma so​c i​e​da​de? Não nos se​ria pos​s í​vel, por
ora, exa​m i​nar em seus de​t a​lhes os vas​t os pro​ble​m as de te​o​ria so​c i​al
le​van​t a​dos por essa ques​t ão, mas gos​t a​rí​a​m os de as​s i​na​lar al​guns mé​t o​dos
apli​c á​veis nes​s e ní​vel. Não há dú​vi​da de que, por exem​plo, as de​c la​ra​ç ões
pú​bli​c as de al​t as per​s o​na​li​da​des do go​ver​no e de ou​t ros di​ri​gen​t es cuja opi​ni​ão
é res​pei​t a​da pela po​pu​la​ç ão po​dem exer​c er uma enor​m e in​f lu​ên​c ia so​bre as
ati​t u​des e o com​por​t a​m en​t o des​s a po​pu​la​ç ão. As me​di​das de or​dem le​gis​la​t i​va
ofe​re​c em à so​c i​e​da​de um ou​t ro meio, um pou​c o mais co​er​c i​t i​vo, de exer​c er
sua von​t a​de so​bre os in​di​ví​duos que a compõem. Do mes​m o modo, aque​las
for​ç as eco​nô​m i​c as que agem so​bre o con​jun​t o da so​c i​e​da​de de​s em​pe​nham um
pa​pel ca​pi​t al na vida quo​t i​di​a​na dos in​di​ví​duos, con​di​c i​o​nan​do, as​s im, suas
ati​t u​des e seu com​por​t a​m en​t o. Por fim, men​c i​o​na​re​m os al​guns dos gran​des
pro​ble​m as li​ga​dos ao em​pre​go dos mei​os de in​f or​m a​ç ão, os quais cons​t i​t u​em
um dos prin​c i​pais ve​í​c u​los dos quais a so​c i​e​da​de se uti​li​z a para co​m u​ni​c ar, a
seus mem​bros, sua nor​m as cul​t u​rais e o com​por​t a​m en​t o que de​les ela es​pe​ra
(p. 58).
Po​rém, se con​s i​de​ra​m os os mei​os de in​f or​m a​ç ão, sob um ân​gu​lo mais
vas​t o, como ins​t ru​m en​t os que per​m i​t em à so​c i​e​da​de mo​di​f i​c ar as ati​t u​des
dos in​di​ví​duos num sen​t i​do de​s e​ja​do, im​por​t a exa​m i​nar a ques​t ão re​la​t i​va à
in​t en​ç ão que ori​en​t a o em​pre​go dos mei​os de co​m u​ni​c a​ç ão; dito de ou​t ra
for​m a: tra​t a-se de sa​ber quem dispõe des​s es mei​os. Evi​den​t e​m en​t e, essa
ques​t ão é bas​t an​t e de​li​c a​da, e traz con​s i​go im​por​t an​t es im​pli​c a​ç ões po​lí​t i​c as,
que não ire​m os pon​de​rar aqui. De qual​quer modo, cabe-nos ob​s er​var que tal
ques​t ão não pode ser ne​gli​gen​c i​a​da in​de​f i​ni​da​m en​t e (p. 59).
A ques​t ão do em​pre​go dos mei​os de co​m u​ni​c a​ç ão como ins​t ru​m en​t os de
mo​di​f i​c a​ç ão de ati​t u​des co​lo​c a, por si só, pro​ble​m as ge​rais que con​vém se​jam
con​s i​de​ra​dos a par​t ir do pon​t o de vis​t a do con​jun​t o da so​c i​e​da​de ou da cul​t u​ra
(p. 29).
30 E.E. Da​vis, La mo​di​f i​c a​t i​on des at​t i​t u​des, Rap​port et do​c u​m ents de sci​en​c es
so​c i​a​les, n° 19, Pa​ris, Unes​c o, 1964.
31K. Lewin, Re​s ol​ving so​c i​al con​f licts, New York, Har​per Bros, 1948.
32 G. Wat​s on, Edu​c a​t i​on and in​t er​group re​la​t i​ons, Co​lum​bia Te​a​c hers Col​le​ge
Re​c ord, 57, p. 305-9, 1956.
33 C.R. Ro​gers, Cli​ent-cen​t e​red the​rapy: its cur​rent prac​t i​c e, im​pli​c a​t i​ons and
the​ory. Bos​t on, Hough​t on, 1951.
34 G.S. Wi​e​der, A com​pa​ra​t i​ve study of the re​la​t i​ve ef​f ec​t i​ve​ness of two me​t hods
of te​a​c hing a thirty-hour cour​s e in psy​c ho​logy in mo​difying at​t i​t u​des as​s o​c i​a​t ed with
ra​c i​al, re​li​gi​ous and ethnic pre​ju​di​c e. Un​pu​blished Ph. D. diss., New York tlni​ver​s ity, New
York, 1951.
CA​PÍ​T U​LO IV
A REDEFINIÇÃO DO PAPEL DA ESCOLA
E O ENSINO MULTIDIMENSIONAL
O ensino não cognitivo e multidimensional
Ar​m a​do das téc​ni​c as men​c i​o​na​das aci​m a, é pos​s í​vel re​de​f i​nir o pa​pel da es​c o​la,
que de​ve​rá en​t ão ofe​re​c er um en​s i​no mul​t i​di​m en​s i​o​nal: in​t e​lec​t u​al, mas so​bre​t u​do éti​c o,
cul​t u​ral, so​c i​al, com​por​t a​m en​t al, e até mes​m o po​lí​t i​c o e es​pi​ri​t u​al:
Qual con​c ep​ç ão do ho​m em su​ben​t en​de a edu​c a​ç ão de hoje? O que pode
ela ofe​re​c er e o que po​dem ofe​re​c er os pro​f es​s o​res a seus es​t u​dan​t es? O
edu​c a​dor do fu​t u​ro de​ve​rá tra​ba​lhar mui​t o mais para es​t a​be​le​c er e
de​s en​vol​ver re​la​ç ões hu​m a​nas e uma rede so​c i​al em sua clas​s e, abs​t en​do-se
da ori​en​t a​ç ão me​di​an​t e o en​s i​no ex​c lu​s i​va​m en​t e in​t e​lec​t u​al. Cabe aos
pro​f es​s o​res tan​t o trans​m i​t ir os sa​be​res quan​t o com​preen​der seus alu​nos, bem
como as ati​t u​des des​t es para com a edu​c a​ç ão, as ati​vi​da​des re​c re​a​t i​vas, o
tra​ba​lho e as re​la​ç ões se​xu​ais.
O pro​f es​s or deve es​t ar aber​t o ao di​á​lo​go com os jo​vens e lhes fa​lar das
re​la​ç ões hu​m a​nas, da éti​c a, dos va​lo​res, das ati​t u​des e das mo​di​f i​c a​ç ões de
ati​t u​des, das ide​o​lo​gi​as, das mi​no​ri​da​des ét​ni​c as, das en​f er​m i​da​des, dos ide​ais
e das visões do fu​t u​ro. [...]
Os con​t e​ú​dos edu​c a​c i​o​nais de​vem pre​pa​rar os jo​vens para seus pa​péis
fu​t u​ros (re​la​ç ões se​xu​ais, pa​péis pa​ren​t ais e pro​f is​s i​o​nais, res​pon​s a​bi​li​da​des
cí​vi​c as). (Unes​c o)35
Os pa​í​s es hão de que​rer tal​vez fi​xar seus ob​je​t i​vos es​pe​c í​f i​c os para a
dé​c a​da de 90, re​la​c i​o​nan​do-os a cada um dos as​pec​t os pro​pos​t os abai​xo: [...]
- ex​pan​s ão dos ser​vi​ç os de edu​c a​ç ão fun​da​m en​t al [que abran​ge, se​gun​do
o glos​s á​rio da Unes​c o, for​ne​c i​do em do​c u​m en​t o ane​xo,36 a aqui​s i​ç ão de
co​nhe​c i​m en​t os, de com​pe​t ên​c i​as, de ati​t u​des e de va​lo​res] e de for​m a​ç ões
para ou​t ras com​pe​t ên​c i​as es​s en​c i​ais des​t i​na​das aos ado​les​c en​t es e aos
adul​t os, sen​do a efi​c á​c ia das ações ava​li​a​da em fun​ç ão da mo​di​f i​c a​ç ão dos
com​por​t a​m en​t os e do im​pac​t o so​bre a saú​de, o em​pre​go e a pro​du​t i​vi​da​de;
- uma mai​or aqui​s i​ç ão por par​t e dos in​di​ví​duos e das fa​m í​li​as, em
vir​t u​de do con​c ur​s o de to​dos os ca​nais de edu​c a​ç ão – in​c lu​s i​ve a mí​dia, as
ou​t ras for​m as de co​m u​ni​c a​ç ão mo​der​nas e tra​di​c i​o​nais e a ação so​c i​al –, de
co​nhe​c i​m en​t os, com​pe​t ên​c i​as e va​lo​res ne​c es​s á​ri​os para uma vida me​lhor e
um de​s en​vol​vi​m en​t o ra​c i​o​nal e du​rá​vel, sen​do a efi​c i​ên​c ia des​s as in​t er​ven​ç ões
ava​li​a​da em fun​ç ão da mo​di​f i​c a​ç ão dos com​por​t a​m en​t os. (De​c la​ra​ç ão mun​di​al)
37
No en​t an​t o, es​s es re​s ul​t a​dos não de​vem pro​vo​c ar re​s ig​na​ç ão nos
edu​c a​do​res ou levá-los a con​c luir que a es​c o​la não pode ter ne​nhu​m a
in​f lu​ên​c ia real so​bre as idei​as po​lí​t i​c as e men​t ais da cri​an​ç a. Nada dis​s o é
ver​da​de: a in​f lu​ên​c ia da es​c o​la deve tam​bém ser ava​li​a​da em seu jus​t o va​lor.
(Con​s e​lho da Eu​ro​pa)38
Note-se que no Rei​no Uni​do foi fei​t o um es​f or​ç o para de​f i​nir oito
do​m í​ni​os ge​rais que for​m a​ri​am a base de um tron​c o co​m um: “A cri​a​ç ão
ar​t ís​t i​c a, a éti​c a, as lín​guas, as ma​t e​m á​t i​c as, a Fí​s i​c a, as Ci​ên​c i​as Na​t u​rais, a
edu​c a​ç ão so​c i​al e a ins​t ru​ç ão cí​vi​c a, a edu​c a​ç ão es​pi​ri​t u​al” [OCDE,39 1983, p.
62]. Nes​s e caso, tra​t a-se de um ato nor​m a​t i​vo e de uma es​t ru​t u​ra cur​ri​c u​lar
que põem em evi​dên​c ia a im​por​t ân​c ia da edu​c a​ç ão es​pi​ri​t u​al. (Unes​c o)40
Pre​o​c u​pa​dos com es​s as ta​re​f as bem mais pro​gres​s is​t as que os en​s i​na​m en​t os
clás​s i​c os, os pro​f es​s o​res não pos​s u​em mais, evi​den​t e​m en​t e, nem tem​po, nem as
com​pe​t ên​c i​as, nem o de​s e​jo de pres​t ar um en​s i​no só​li​do. O des​m o​ro​na​m en​t o do ní​vel
es​c o​lar é, pois, a con​s e​quên​c ia ine​lu​t á​vel des​s a re​de​f i​ni​ç ão da es​c o​la:
Essa vi​s ão ex​pan​di​da das res​pon​s a​bi​li​da​des do se​t or edu​c a​c i​o​nal não
im​pli​c a so​m en​t e uma mai​or re​levân​c ia dos con​t e​ú​dos de for​m a​ç ão e sua
ade​qua​ç ão ao am​bi​en​t e so​c i​o​e​c o​nô​m i​c o, mas tam​bém uma mo​di​f i​c a​ç ão
ra​di​c al das fi​na​li​da​des dos sis​t e​m as edu​c a​c i​o​nais. É pre​c i​s o rom​per com uma
con​c ep​ç ão eli​t is​t a, pro​f un​da​m en​t e an​c o​ra​da nas men​t a​li​da​des, tan​t o da par​t e
dos edu​c a​do​res quan​t o da dos pais, que pri​vi​le​gia os as​pec​t os mais
aca​dê​m i​c os de en​s i​no, e se​gun​do a qual a es​c o​la pri​m á​ria pre​pa​ra para o
en​s i​no se​c un​dá​rio, o qual, por sua vez, pre​pa​ra para os es​t u​dos su​pe​ri​o​res. A
es​c o​la para to​dos de​ve​ria ser o ins​t ru​m en​t o do de​s en​vol​vi​m en​t o in​di​vi​du​al e
do de​s en​vol​vi​m en​t o eco​nô​m i​c o e so​c i​al, e não da mera re​pro​du​ç ão so​c i​al a
ser​vi​ç o de uma mi​no​ria.
Em re​la​ç ão a isso, a mesa re​don​da trou​xe à luz a ne​c es​s i​da​de de uma
edu​c a​ç ão “mul​t i​di​m en​s i​o​nal”, que leve em con​s i​de​ra​ç ão to​dos os as​pec​t os da
cri​an​ç a em seu am​bi​en​t e e não se li​m i​t e à in​c ul​c a​ç ão so​m en​t e de
com​pe​t ên​c i​as cog​ni​t i​vas. As​s e​gu​rar o êxi​t o de to​dos sig​ni​f i​c a an​t es mo​di​f i​c ar
as fi​na​li​da​des dos sis​t e​m as de en​s i​no que pri​vi​le​gi​am a com​pe​t i​ç ão e a
se​le​ç ão, e, por​t an​t o, mo​di​f i​c ar os ob​je​t i​vos e os cri​t é​ri​os de ava​li​a​ç ão dos
alu​nos, para evi​t ar que um fra​c as​s o no exa​m e não con​du​z a à ex​c lu​s ão so​c i​al.
[...]
O es​f or​ç o de rees​t ru​t u​ra​ç ão dos pro​gra​m as e mé​t o​dos es​c o​la​res, além
de ob​je​t i​var sua mai​or re​levân​c ia, de​ve​ria igual​m en​t e se apli​c ar, na me​di​da do
pos​s í​vel, em es​t a​be​le​c er um me​lhor equi​lí​brio en​t re di​ver​s os ti​pos de
ati​vi​da​des, es​pe​c i​al​m en​t e aque​las de ca​rá​t er cog​ni​t i​vo, as de ca​rá​t er prá​t i​c o e
até uti​li​t á​rio (como o tra​ba​lho pro​du​t i​vo) e as que fa​vo​re​ç am o
de​s en​vol​vi​m en​t o das ca​pa​c i​da​des pes​s o​ais da cri​an​ç a (cri​a​t i​vi​da​de, ini​c i​a​t i​va,
cu​ri​o​s i​da​de, des​t re​z a, re​s is​t ên​c ia, so​c i​a​bi​li​da​de), as ati​vi​da​des ar​t ís​t i​c as e
cri​a​t i​vas, a edu​c a​ç ão fí​s i​c a, as ati​vi​da​des a ser​vi​ç o da co​m u​ni​da​de. Fa​z er com
que todo alu​no pos​s a en​c on​t rar su​c es​s o numa dada ati​vi​da​de, e, as​s im,
mul​t i​pli​c ar as for​m as de ex​c e​lên​c ia, é uma con​di​ç ão es​s en​c i​al para pro​vo​c ar
na cri​an​ç a uma ati​t u​de po​s i​t i​va para com a ins​t i​t ui​ç ão es​c o​lar, for​ne​c er-lhe
uma mo​t i​va​ç ão e, des​s e modo, au​m en​t ar suas chan​c es de êxi​t o. (Unes​c o)41
O en​s i​no mul​t i​di​m en​s i​o​nal com​preen​de duas par​t es prin​c i​pais: um en​s i​no éti​c o,
des​t i​na​do a mo​di​f i​c ar os va​lo​res, as ati​t u​des e os com​por​t a​m en​t os; e um en​s i​no
mul​t i​c ul​t u​ral, de​pois in​t er​c ul​t u​ral,42 des​t i​na​do a re​m a​t ar essa re​vo​lu​ç ão psi​c o​ló​gi​c a
me​di​an​t e uma re​vo​lu​ç ão cul​t u​ral. De​t a​lha​re​m os es​s es ti​pos de en​s i​no nos dois ca​pí​t u​los
se​guin​t es.
Ensino acadêmico versus aprendizado social
Os pro​f es​s o​res e ad​m i​nis​t ra​do​res de to​das as ca​t e​go​ri​as e de to​dos os
ní​veis de​ve​ri​am es​t ar cons​c i​en​t es do pa​pel que exer​c em no sis​t e​m a
edu​c a​c i​o​nal atu​al e fu​t u​ro. Eles de​ve​ri​am com​preen​der que seus pa​péis e suas
fun​ç ões não são fi​xos e imu​t á​veis, mas que evo​lu​em sob a in​f lu​ên​c ia das
mu​dan​ç as que se pro​du​z em na so​c i​e​da​de e no pró​prio sis​t e​m a edu​c a​c i​o​nal.
Ape​s ar da di​ver​s i​da​de dos sis​t e​m as edu​c a​c i​o​nais e das dis​po​s i​ç ões que
con​c er​nem à for​m a​ç ão dos pro​f es​s o​res no mun​do, há uma ne​c es​s i​da​de ge​ral
de um exa​m e na​c i​o​nal cui​da​do​s o e ino​va​dor, con​du​z i​do de ma​nei​ra re​a​lis​t a,
das fun​ç ões e ta​re​f as atri​bu​í​das aos pro​f es​s o​res em ter​m os de po​lí​t i​c a e
le​gis​la​ç ão na​c i​o​nais. Tais aná​li​s es em ní​vel na​c i​o​nal, con​du​z i​das com a
par​t i​c i​pa​ç ão dos pró​pri​os pro​f es​s o​res [en​ga​ja​m en​t o], de​ve​ri​am le​var à cri​a​ç ão
de per​f is pro​f is​s i​o​nais edu​c a​c i​o​nais com uma cla​ra de​f i​ni​ç ão dos pa​péis e
fun​ç ões que a so​c i​e​da​de lhes as​s i​na​la.
Me​di​das de​ve​ri​am ser to​m a​das para as​s e​gu​rar que se​jam aten​di​das as
con​di​ç ões ne​c es​s á​ri​as a que os atu​ais e os fu​t u​ros pro​f es​s o​res es​t e​jam
cons​c i​en​t es das mu​dan​ç as em seu pa​pel e es​t e​jam pre​pa​ra​dos para es​s es
no​vos pa​péis e fun​ç ões:
a) O pro​f es​s or está hoje cada vez mais en​ga​ja​do na exe​c u​ç ão dos no​vos
pro​c e​di​m en​t os edu​c a​c i​o​nais, ex​plo​ran​do to​dos os re​c ur​s os dos mei​os e
mé​t o​dos edu​c a​c i​o​nais mo​der​nos. Ele é um edu​c a​dor e um con​s e​lhei​ro que
ten​t a de​s en​vol​ver as ca​pa​c i​da​des de seus alu​nos e alar​gar seus cen​t ros
de in​t e​res​s e, e não uma sim​ples fon​t e de in​f or​m a​ç ões ou um
trans​m is​s or do sa​ber; o pro​f es​s or atua em um pa​pel fun​da​m en​t al ao dar
a seus alu​nos uma vi​s ão ci​en​t í​f i​c a do mun​do.
b) Uma vez que o pa​pel da es​c o​la não mais es​t e​ja li​m i​t a​do à ins​t ru​ç ão, deve
en​t ão o pro​f es​s or, além de suas obri​ga​ç ões li​ga​das à es​c o​la, as​s u​m ir
mais res​pon​s a​bi​li​da​des, em co​la​bo​ra​ç ão com ou​t ros agen​t es de edu​c a​ç ão
da co​m u​ni​da​de, a fim de pre​pa​rar os jo​vens para a vida em co​m u​ni​da​de,
a vida fa​m i​li​ar, as ati​vi​da​des de pro​du​ç ão etc. O pro​f es​s or de​ve​ria ter
mais pos​s i​bi​li​da​des de se en​ga​jar em ati​vi​da​des no ex​t e​ri​or da es​c o​la e
fora do cur​ri​c u​lum, de gui​ar e de acon​s e​lhar os alu​nos e seus pais, e de
or​ga​ni​z ar as ati​vi​da​des de seus alu​nos du​ran​t e o la​z er.
c) Os pro​f es​s o​res de​ve​ri​am es​t ar cons​c i​en​t es do pa​pel im​por​t an​t e que são
cha​m a​dos a exer​c er nas co​m u​ni​da​des lo​c ais como pro​f is​s i​o​nais e
ci​da​dãos, como agen​t es de de​s en​vol​vi​m en​t o e de mu​dan​ç a, e lhes
de​ve​ri​am ser ofe​re​c i​das as pos​s i​bi​li​da​des de de​s em​pe​nhar esse pa​pel.
(Unes​c o)43
Na​t u​ral​m en​t e, es​s as idei​as fi​z e​ram eco na Fran​ç a. Louis Le​grand, ins​t i​ga​dor da
re​vo​lu​ç ão pe​da​gó​gi​c a fran​c e​s a, pro​f es​s or de Ci​ên​c i​as da Edu​c a​ç ão na Uni​ver​s i​da​de de
Stras​bourg, an​t i​go di​re​t or do Ins​t i​t u​t o Na​c i​o​nal de Pes​qui​s a Pe​da​gó​gi​c a e au​t or de um
re​la​t ó​rio ao mi​nis​t ro da Edu​c a​ç ão da Fran​ç a in​t i​t u​la​do Por um co​lé​gio de​m o​c rá​t i​c o,44 que
teve uma pro​f un​da in​f lu​ên​c ia so​bre o sis​t e​m a edu​c a​c i​o​nal fran​c ês, es​c re​via:
[Ba​s il Berns​t ein] cha​m a có​di​go de sé​rie um sis​t e​m a de re​la​ç ões
es​s en​c i​al​m en​t e hi​e​rár​qui​c as en​t re os par​c ei​ros. Nes​s e sis​t e​m a, o mais
pro​pa​la​do na Eu​ro​pa con​t i​nen​t al, o edu​c a​dor está só em face do gru​po de
alu​nos que lhe é con​f i​a​do. Ele fun​da​m en​t a seu en​s i​no so​bre os pro​gra​m as e
ins​t ru​ç ões na​c i​o​nais, fun​da​m en​t a​dos eles mes​m os so​bre as dis​c i​pli​nas
uni​ver​s i​t á​ri​as de re​f e​rên​c ia. Es​s as dis​c i​pli​nas uni​ver​s i​t á​ri​as fun​da​m en​t am, por
sua vez, a le​gi​t i​m i​da​de dos edu​c a​do​res na me​di​da em que es​t es ad​qui​ri​ram
di​plo​m as, jus​t i​f i​c an​do sua com​pe​t ên​c ia em suas dis​c i​pli​nas. [...]
Em opo​s i​ç ão a esse sis​t e​m a ge​ral​m en​t e pro​pa​la​do na Eu​ro​pa con​t i​nen​t al,
de​f i​ne-se o que Berns​t ein cha​m a de có​di​go in​t e​gra​do. Em um sis​t e​m a
edu​c a​c i​o​nal re​gi​do por esse có​di​go, o es​s en​c i​al é a co​m u​ni​da​de de base que
de​f i​ne li​vre​m en​t e e lo​c al​m en​t e suas nor​m as e seus re​gu​la​m en​t os. O es​s en​c i​al
aqui não são mais as dis​c i​pli​nas uni​ver​s i​t á​ri​as e sua tra​du​ç ão para os
di​f e​ren​t es ní​veis de en​s i​no, mas o pró​prio apren​diz e as con​di​ç ões de um
apren​di​z a​do hic et nunc a par​t ir de sua ex​pe​ri​ên​c ia pró​pria. É o en​c on​t ro dos
ob​je​t i​vos ge​rais de na​t u​re​z a fun​da​m en​t al​m en​t e edu​c a​c i​o​nal e trans​f e​rí​vel com
a re​a​li​da​de lo​c al dos alu​nos e de seu meio que per​m i​t i​rá de​f i​nir a na​t u​re​z a dos
pro​gra​m as e dos mé​t o​dos. [...]
De um pon​t o de vis​t a es​t ri​t a​m en​t e pe​da​gó​gi​c o, le​var em con​t a as
pre​o​c u​pa​ç ões lo​c ais e a re​a​li​da​de dos apren​di​z es sig​ni​f i​c a pri​vi​le​gi​ar o es​t u​do
do meio e de​s en​vol​ver pro​je​t os in​t er​dis​c i​pli​na​res. As dis​c i​pli​nas uni​ver​s i​t á​ri​as
per​dem as​s im sua si​t u​a​ç ão do​m i​nan​t e e tor​nam-se au​xi​li​a​res ins​t ru​m en​t ais de
uma abor​da​gem in​t er​dis​c i​pli​nar, ou an​t es trans​dis​c i​pli​nar, da re​a​li​da​de
es​t u​da​da.
Mas, ao mes​m o tem​po, os cri​t é​ri​os de ava​li​a​ç ão se obs​c u​re​c em na
me​di​da em que esse tipo de es​t u​do te​m á​t i​c o pri​vi​le​gia o tra​ba​lho de equi​pe e
ob​je​t i​vos afe​t i​vos di​f i​c il​m en​t e ava​li​á​veis. Esse as​pec​t o, que po​de​rá ser
con​s i​de​ra​do como ne​ga​t i​vo, tem con​s e​quên​c i​as so​bre a es​t ru​t u​ra da es​c o​la. A
se​le​ç ão ten​de a de​s a​pa​re​c er em pro​vei​t o de um en​s i​no bas​t an​t e
in​di​vi​du​a​li​z a​do [in​t ro​du​z i​do re​c en​t e​m en​t e sob a for​m a de mó​du​los nos li​c eus e
de ci​c los no pri​m á​rio] em gru​pos de ida​des he​t e​ro​gê​ne​as [ci​c los agru​pan​do
di​ver​s as clas​s es no pri​m á​rio], o es​s en​c i​al sen​do aqui a for​m a​ç ão so​c i​al e a
au​s ên​c ia de se​gre​ga​ç ão. Além dis​s o, as nor​m as se acham ne​c es​s a​ri​a​m en​t e
re​la​t i​vi​z a​das, a fim de con​s i​de​rar a na​t u​re​z a da po​pu​la​ç ão es​c o​lar aco​lhi​da em
sua to​t a​li​da​de.45
Mas os pais jul​gam es​s es “en​s i​nos” não cog​ni​t i​vos em seu jus​t o va​lor e sa​bem
que as re​f or​m as em cur​s o pe​na​li​z a​rão suas cri​an​ç as, que che​ga​rão à ida​de adul​t a
des​pro​vi​das de re​c ur​s os cul​t u​rais. Com​preen​de-se sem di​f i​c ul​da​de que eles se er​gam
con​t ra esse avil​t a​m en​t o dos in​di​ví​duos e da edu​c a​ç ão que, lon​ge de ser de​m o​c rá​t i​c a, pri​va
as ca​m a​das mais hu​m il​des de toda pers​pec​t i​va de eman​c i​pa​ç ão in​t e​lec​t u​al e so​c i​al,
en​quan​t o re​f or​ç a mais e mais as fa​c i​li​da​des fi​nan​c ei​ras e in​t e​lec​t u​ais que pos​s u​em as
ca​m a​das su​pe​ri​o​res para ins​t ruir suas cri​an​ç as:
Fre​quen​t e​m en​t e, faz-se ne​c es​s á​rio sus​t en​t ar a ação dos pais e da
co​m u​ni​da​de atra​vés de uma in​f or​m a​ç ão per​m a​nen​t e e de ati​vi​da​des de
for​m a​ç ão, pois a in​t er​ven​ç ão das fa​m í​li​as num âm​bi​t o que elas não do​m i​nam
pode se re​ve​lar ne​f as​t a. Em um país afri​c a​no onde a in​t ro​du​ç ão do tra​ba​lho
pro​du​t i​vo ha​via con​du​z i​do a um modo de ava​li​a​ç ão mul​t i​di​m en​s i​o​nal fa​vo​rá​vel
ao su​c es​s o dos alu​nos, os pais, ha​bi​t u​a​dos a uma se​le​ç ão ori​en​t a​da pelo
fra​c as​s o, exi​gi​ram o re​t or​no ao exa​m e tra​di​c i​o​nal que pri​vi​le​gi​a​va o cog​ni​t i​vo,
me​nos fa​vo​rá​vel a suas cri​an​ç as. (Unes​c o)46
35 In​t er​na​t i​o​nal sym​po​s ium and round ta​ble, 27 nov. – 2 dec. 1989, Bei​jing, Chi​na,
Qua​li​t i​es re​qui​red of edu​c a​t i​on to​day to meet fo​re​s ee​a​ble de​m ands in the twenty-first
cen​t ury, Pro​c ee​dings, Unes​c o, p. 12 e 13 (ED-89/CONF.810). Este se​m i​ná​rio, de al​t ís​s i​m o
ní​vel, foi hon​ra​do com a pre​s en​ç a, en​t re ou​t ras per​s o​na​li​da​des, de Co​lin. N. Power,
as​s is​t en​t e do di​re​t or ge​ral da Unes​c o en​c ar​re​ga​do da edu​c a​ç ão, as​s im como da pre​s en​ç a
de um ex-mi​nis​t ro chi​nês das re​la​ç ões ex​t e​ri​o​res.
36 WCE​FA, Con​f é​ren​c e mon​di​a​le sur l’édu​c a​t i​on pour tous, 5-9 mars 1990, Jom​t i​en,
Taïl​lan​de, Do​c u​m ent de ré​f é​ren​c e, Pa​ris, WCE​FA, 1990, p. ix.
37 WCE​FA, Dé​c la​ra​t i​on mon​di​a​le sur l’édu​c a​t i​on pour tous, Op. cit., Ca​dre d’ac​t i​on,
Art. 5 et 6, p. 4; gri​f o nos​s o.
38 34º sé​m i​nai​re eu​ro​péen d’en​s eig​nants du Con​s eil de l’Eu​ro​pe, Do​nau​es​c hin​gen,
17-21 no​vem​bre 1986, L’en​s eig​ne​m ent des droi​t s de l’hom​m e et de l’édu​c a​t i​on so​c i​a​le,
ci​vi​que et po​li​t i​que, Stras​bourg, Con​s eil de l’Eu​ro​pe, 1987, p. 5. [DECS/EGT (86) 74-F].
Do​c u​m en​t o pu​bli​c a​do sem re​s e​va so​bre as opi​ni​ões ex​pos​t as pe​los au​t o​res.
39 OCDE, L’en​s eig​ne​m ent obli​ga​t oi​re face à l’évo​lu​t i​on de la so​c i​é​t é, Pa​ris, OCDE,
1983.
40 S. Ras​s ekh, G. Vai​de​a​nu, Les con​t e​nus de l’édu​c a​t i​on, Pa​ris, Unes​c o, 1987, p.125.
Bem que não re​f le​t in​do “ne​c es​s a​ri​a​m en​t e a vi​s ão da Or​ga​ni​z a​ç ão”, esse tra​ba​lho
im​por​t an​t e é fre​quen​t e​m en​t e ci​t a​do.
41 Col​lo​que Réu​s ir à l’éco​le, Lis​bon​ne/Es​t o​ril, Por​t u​gal, 20-24 mai 1991. Rap​port
fi​nal, Unes​c o, p. 55 e 36; su​bli​nha​m os. Esse co​ló​quio foi aber​t o pelo Pri​m ei​ro Mi​nis​t ro
por​t u​guês. O do​c u​m en​t o ci​t a​do não pre​c e​de de ne​nhu​m a re​s er​va so​bre as opi​ni​ões
ex​pos​t as pe​los seus au​t o​res.
42 Mul​t i​c ul​t u​ral: onde vá​ri​as cul​t u​ras co​e​xis​t em; In​t er​c ul​t u​ral: onde es​s as
di​ver​s as cul​t u​ras fu​s i​o​na​ram-se para dar nas​c i​m en​t o a uma nova cul​t u​ra.
43 J. C. Pau​vert, Se​ni​or edu​c a​t i​o​nal per​s on​nel: new func​t i​ons and trai​ning, vol. 1,
Edu​c a​t i​o​nal stu​di​es and do​c u​m ents, nº 52, Pa​ris, Unes​c o, 1988, p. 13. Su​bli​nha​m os. O au​t or
cita aqui a Re​c o​m en​da​ç ão nº 69 ado​t a​da pela In​t er​na​t i​o​nal con​f e​ren​c e on edu​c a​t i​on, 35th
ses​s i​on, Ge​ne​va, 27 Au​gust – 4 Sep​t em​ber 1975, The chan​ging role of the te​a​c her and its
in​f lu​en​c e on pre​pa​ra​t i​on for the pro​f es​s i​on and on in-ser​vi​c e trai​ning, Pa​ris, Unes​c o, 1975.
(ED/IBE/CON​FIN​T ED. 35/4 + Add.) Ele men​c i​o​na igual​m en​t e um do​c u​m en​t o de re​f e​rên​c ia
da mes​m a con​f e​rên​c ia: Te​a​c hers and other pro​f es​s i​o​nals in edu​c a​t i​on: new pro​f i​les and
new sta​t us. (ED/IBE/CON​FIN​T ED.35/Ref.4.).
44 L. Le​grand, Pour un collè​ge dé​m o​c ra​t i​que, Pa​ris, La Do​c u​m en​t a​t i​on fran​ç ai​s e,
1983.
45 L. Le​grand, Les po​li​t i​ques de l´édu​c a​t i​on, Pa​ris, P.U.F, 1988, p. 58 sq.
46 Col​lo​que Réus​s ir à l’éco​le, Op. Cit., p. 41.
CA​PÍ​T U​LO V
A REVOLUÇÃO ÉTICA
“Quan​t o aos prin​c í​pi​os ge​rais, a lei na​t u​ral, ao me​nos em sua
ín​do​le ge​né​ri​c a, não pode em ab​s o​lu​t o ser apa​ga​da dos co​ra​ç ões
dos ho​m ens. Con​t u​do, pode ser abo​li​da em al​gum caso con​c re​t o
quan​do, por efei​t o da con​c u​pis​c ên​c ia ou de ou​t ra pai​xão, a ra​z ão
se acha im​pe​di​da de apli​c ar o prin​c í​pio ge​ral a um as​s un​t o
par​t i​c u​lar. Mas no que con​c er​ne aos pre​c ei​t os se​c un​dá​ri​os, a lei
na​t u​ral pode ser apa​ga​da do co​ra​ç ão dos ho​m ens seja por
per​s u​asões per​ver​s as – da mes​m a for​m a como tam​bém ocor​rem
er​ros nas con​c lusões ne​c es​s á​ri​as de or​dem es​pe​c u​la​t i​va –, seja
por cos​t u​m es de​pra​va​dos e há​bi​t os cor​rom​pi​dos”.47
Os dois ele​m en​t os da re​vo​lu​ç ão psi​c o​ló​gi​c a que es​t u​da​re​m os nes​t e ca​pí​t u​lo são a
re​vo​lu​ç ão éti​c a – a sub​ver​s ão dos va​lo​res – e a re​vo​lu​ç ão cul​t u​ral. No ins​t an​t e em que
vo​z es cada vez mais nu​m e​ro​s as se er​guem, na Fran​ç a, para exi​gir uma re​no​va​ç ão da
edu​c a​ç ão cí​vi​c a e éti​c a, im​por​t a to​m ar co​nhe​c i​m en​t o da es​t ra​t é​gia do ad​ver​s á​rio.
Os ele​m en​t os cons​t i​t u​t i​vos da nova éti​c a são os se​guin​t es:
◆ os di​rei​t os hu​m a​nos (es​t en​di​dos ao di​rei​t o so​c i​al: di​rei​t o à ha​bi​t a​ç ão, à
ali​m en​t a​ç ão, ao tra​ba​lho etc.);
◆ a bi​o​é​t i​c a;
◆ os di​rei​t os das cri​an​ç as (te​m í​vel arma con​t ra a fa​m í​lia);
◆ a edu​c a​ç ão para a paz, a con​c ór​dia en​t re as na​ç ões, o de​s ar​m a​m en​t o, o
ci​vis​m o pa​c í​f i​c o, a fra​t er​ni​da​de hu​m a​na, a cons​c i​ên​c ia da in​t er​de​pen​dên​c ia en​t re as
na​ç ões (Unes​c o);48
◆ a edu​c a​ç ão para o meio am​bi​en​t e (Co​m is​s ão de Bru​xe​las, Unes​c o);
◆ a cri​a​ç ão de um “mun​do mais jus​t o e so​li​dá​rio, pi​lar da nova or​dem
in​t er​na​c i​o​nal” (Par​la​m en​t o Eu​ro​peu);49
◆ a “ex​pe​ri​ên​c ia da vida em uma so​c i​e​da​de mul​t i​c ul​t u​ral” (Par​la​m en​t o Eu​ro​peu;50
te​m as si​m i​la​res na Co​m is​s ão de Bru​xe​las e na Unes​c o);
◆ a to​lerân​c ia (Unes​c o);
◆ a “pas​s a​gem da com​pe​t i​ç ão à co​o​pe​ra​ç ão” (Unes​c o);51
◆ o de​s en​vol​vi​m en​t o da cons​c i​ên​c ia po​lí​t i​c a (Par​la​m en​t o Eu​ro​peu,52 Unes​c o 53);
◆ a “paz no es​pí​ri​t o dos ho​m ens” (Unes​c o);54
◆ etc.
Per​c e​be-se aí, sob uma há​bil apre​s en​t a​ç ão, a re​t ó​ri​c a crip​t o​c o​m u​nis​t a. As duas
ci​t a​ç ões a se​guir dis​s i​pam as úl​t i​m as dú​vi​das:
O pro​f es​s or ra​di​c al (no sen​t i​do nor​t e​a​m e​ri​c a​no) de​f en​de que o mun​do é
in​jus​t o e que, onde rei​na uma paz su​per​f i​c i​al, a “vi​o​lên​c ia es​t ru​t u​ral” é
en​dê​m i​c a. A ex​pres​s ão “vi​o​lên​c ia es​t ru​t u​ral” foi cri​a​da por Jo​han Gal​t ung
(di​re​t or do Ins​t i​t u​t o In​t er​na​c i​o​nal de Pes​qui​s as so​bre a Paz, em Oslo), para
des​c re​ver as con​di​ç ões de opres​s ão e de ex​plo​ra​ç ão, con​di​ç ões nas quais são
vi​o​la​dos os di​rei​t os hu​m a​nos.
Ade​m ais, uma vez que, nes​s a pers​pec​t i​va, paz, jus​t i​ç a e equi​da​de são
vir​t u​al​m en​t e si​nô​ni​m os, não pa​re​c e pos​s í​vel que o es​t u​do não seja se​gui​do de
ação. A edu​c a​ç ão não pode per​m a​ne​c er neu​t ra. Adam Cur​le, ti​t u​lar pre​c e​den​t e
da cá​t e​dra de Es​t u​dos para a Paz da Uni​ver​s i​da​de de Brat​f ord, de​c la​rou: “Se
fa​la​m os des​s a luta nas ins​t i​t ui​ç ões de en​s i​no, cor​re​m os o ris​c o de a
bu​ro​c ra​c ia, aper​c e​ben​do-se su​bi​t a​m en​t e de que re​a​li​z a​m os algo de
ex​t re​m a​m en​t e sub​ver​s i​vo, ve​nha a for​ç ar sua pe​s a​da mão so​bre nós. É um
pe​ri​go que eu co​nhe​ç o e ao qual es​t ou pes​s o​al​m en​t e ex​pos​t o. No mo​m en​t o
crí​t i​c o, de​ve​m os con​s i​de​rar o que po​de​m os fa​z er. Creio re​al​m en​t e que a
edu​c a​ç ão pela paz, em cer​t o sen​t i​do, é uma ati​vi​da​de re​vo​lu​c i​o​ná​ria”.55 É
pre​c i​s o subs​t i​t uir “edu​c a​ç ão pela paz” por “edu​c a​ç ão para os di​rei​t os
hu​m a​nos”. [...] É cla​ro que ne​nhum pro​f es​s or de​ve​ria ini​c i​ar um pro​gra​m a de
en​s i​no ba​s e​a​do so​bre um con​jun​t o de ob​je​t i​vos ra​di​c ais sem uma es​t i​m a​t i​va
com​ple​t a das pro​f un​das im​pli​c a​ç ões de uma ação des​s e tipo. [...]
Os es​t u​dan​t es de​vem as​s i​m i​lar a va​li​da​de sem​pre atu​al des​s es di​rei​t os
[li​ber​da​de re​li​gi​o​s a e po​lí​t i​c a], mas, ao mes​m o tem​po, pre​c i​s am to​m ar
cons​c i​ên​c ia da cres​c en​t e im​por​t ân​c ia atri​bu​í​da pe​los pa​í​s es do Ter​c ei​ro Mun​do
aos di​rei​t os eco​nô​m i​c os e so​c i​ais, como a pre​vi​dên​c ia so​c i​al, o per​t en​c i​m en​t o
a sin​di​c a​t os e um ní​vel de vida acei​t á​vel. (Con​s e​lho da Eu​ro​pa)56
Mas os as​pec​t os do pro​gra​m a que con​c er​nem à mo​ral e à edu​c a​ç ão
cí​vi​c a são con​s i​de​ra​dos igual​m en​t e im​por​t an​t es, uma vez que não há
re​no​va​ç ão so​c i​al sem que haja no​vas re​la​ç ões en​t re os ho​m ens, no​vas
or​ga​ni​z a​ç ões e es​t ru​t u​ras so​c i​ais, bem como no​vas uti​li​z a​ç ões e apli​c a​ç ões do
sa​ber no mun​do do tra​ba​lho. (OCDE)57
A es​c o​la deve, por​t an​t o, vei​c u​lar um en​s i​no de or​dem éti​c a:
As​s im, é ab​s o​lu​t a​m en​t e im​pres​c in​dí​vel e es​s en​c i​al in​c luir a ques​t ão dos
va​lo​res e aca​t ar sua dis​c us​s ão no âm​bi​t o da Es​c o​la, dos sa​be​res que ela
trans​m i​t e e que fa​c ul​t a aos alu​nos cons​t ruir, das con​di​ç ões des​s a trans​m is​s ão
e des​s a cons​t ru​ç ão, do seu fun​c i​o​na​m en​t o como ins​t i​t ui​ç ão.58 (Con​s e​lho da
Eu​ro​pa)
Tra​t a-se de uma nova mo​ral, pre​t en​s a​m en​t e uni​ver​s al, e a qual se con​s i​de​ra como
ela​bo​ra​da ci​en​t i​f i​c a​m en​t e:
Acei​t ar essa com​ple​xi​da​de de exi​gên​c i​as éti​c as que já não se po​dem
li​m i​t ar a có​di​gos mo​rais vá​li​dos para um gru​po, mas que são trans​c en​di​das
por im​pe​ra​t i​vos ad​m i​t i​dos uni​ver​s al​m en​t e, e to​m ar, de fato, cons​c i​ên​c ia da
im​por​t ân​c ia so​c i​o​e​c o​nô​m i​c a e po​lí​t i​c a des​s es im​pe​ra​t i​vos, eis os dois
ele​m en​t os de uma edu​c a​ç ão que, “le​van​do em con​s i​de​ra​ç ão as ca​rac​t e​rís​t i​c as
afe​t i​vas e cog​ni​t i​vas do in​di​ví​duo, deve co​lo​c á-lo em con​di​ç ões de as​s i​m i​lar os
prin​c í​pi​os que cons​t i​t u​em uma con​quis​t a da éti​c a uni​ver​s al”.59 (Unes​c o)60
Por​t an​t o, é uma nova éti​c a que se deve de​s en​vol​ver, com o au​xí​lio da
edu​c a​ç ão e da in​f or​m a​ç ão [tan​t o isso é ver​da​dei​ro, que a ob​je​t i​vi​da​de des​t a é
um ide​al de ou​t ra era], a fim de mo​di​f i​c ar as ati​t u​des e os com​por​t a​m en​t os.
Pos​s uir uma con​c ep​ç ão glo​bal do nos​s o mun​do é pen​s ar glo​bal​m en​t e para agir
lo​c al​m en​t e. (Unes​c o)61
Toda ado​ç ão de va​lo​res mo​rais e de cren​ç as deve ser re​a​li​z a​da
ci​en​t i​f i​c a​m en​t e. De​ve​m os co​lo​c ar e re​s ol​ver to​dos os pro​ble​m as a par​t ir da
pes​qui​s a ci​en​t í​f i​c a; par​t i​c u​lar​m en​t e, a ques​t ão da es​c o​lha e da ado​ç ão das
idei​as e das cren​ç as deve ser con​s i​de​ra​da de ma​nei​ra ci​en​t í​f i​c a e com
ati​t u​des ci​en​t í​f i​c as. (Unes​c o)62
Se​ria ne​c es​s á​rio sa​li​en​t ar que os va​lo​res re​li​gi​o​s os – de to​das as re​li​gi​ões – são
os pri​m ei​ros vi​s a​dos? E que já não será pos​s í​vel trans​m i​t i-los?
A escola contra a família
O en​s i​no da éti​c a deve vei​c u​lar no​vos va​lo​res. Ini​c i​al​m en​t e, po​rém, deve blo​que​ar
a trans​m is​s ão dos an​t i​gos va​lo​res de uma ge​ra​ç ão a ou​t ra:
O pa​ra​do​xo re​s i​de jus​t a​m en​t e em con​s e​guir dar lu​gar à trans​m is​s ão e à
re​c ep​ç ão de nor​m as e va​lo​res her​da​dos, bem como à for​m a​ç ão de
ca​pa​c i​da​des crí​t i​c as para cons​t ruir e de​s en​vol​ver li​vre​m en​t e nor​m as e va​lo​res.
(Con​s e​lho da Eu​ro​pa)63
Com efei​t o, exis​t e atu​al​m en​t e uma enor​m e exi​gên​c ia, da par​t e da
so​c i​e​da​de, re​la​t i​va​m en​t e aos sis​t e​m as de edu​c a​ç ão, a fim de que eles
au​xi​li​em mais a ju​ven​t u​de a ad​qui​rir com​por​t a​m en​t os e va​lo​res que lhes
per​m i​t am en​f ren​t ar com êxi​t o as di​f i​c ul​da​des do mun​do mo​der​no. As fa​m í​li​as
sen​t em-se cada vez me​nos ca​pa​z es de as​s u​m ir suas ta​re​f as edu​c a​t i​vas
tra​di​c i​o​nais, face à com​ple​xi​da​de dos pro​ble​m as e a uma mas​s a ina​bar​c á​vel
de in​f or​m a​ç ões; elas de​s e​jam, por​t an​t o, que uma mai​or im​por​t ân​c ia seja dada
aos as​pec​t os éti​c os, mo​rais e cí​vi​c os da ins​t ru​ç ão edu​c a​t i​va. Essa evo​lu​ç ão na
di​vi​s ão das res​pon​s a​bi​li​da​des está li​ga​da ao de​s e​jo de uma des​c en​t ra​li​z a​ç ão e
de uma mai​or par​t i​c i​pa​ç ão de to​dos os ato​res, dos pais em par​t i​c u​lar, no
fun​c i​o​na​m en​t o da ins​t i​t ui​ç ão. (Unes​c o, 4a Con​f e​rên​c ia dos Mi​nis​t ros da
Edu​c a​ç ão)64
A des​c en​t ra​li​z a​ç ão e a par​t i​c i​pa​ç ão per​m i​t em en​ga​jar os pais em po​lí​t i​c as às
quais, de ou​t ro modo, eles se opo​ri​am. Vol​t a​re​m os a esse tema em ca​pí​t u​lo ul​t e​ri​or.
Des​t a​c a​m os so​m en​t e que, no ní​vel pré-es​c o​lar, uma edu​c a​ç ão que
pri​vi​le​gie o as​pec​t o afe​t i​vo, e que, não obs​t an​t e, for​ne​ç a o co​nhe​c i​m en​t o de
cer​t os da​dos e no​ç ões ele​m en​t a​res, de​ve​ria ser par​t e do pro​c es​s o edu​c a​c i​o​nal.
Por sua vez, as di​ver​s as for​m as de edu​c a​ç ão ex​t ra​es​c o​lar, par​t i​c u​lar​m en​t e os
pro​gra​m as edu​c a​t i​vos di​f un​di​dos pela mí​dia, po​de​ri​am con​t ri​buir para a
neu​t ra​li​z a​ç ão da trans​m is​s ão “fa​m i​li​ar” dos pre​c on​c ei​t os. (Unes​c o, 4a
Con​f e​rên​c ia dos Mi​nis​t ros da Edu​c a​ç ão)65
No caso da edu​c a​ç ão fa​m i​li​ar, na mai​or par​t e do tem​po, essa
trans​m is​s ão não é cons​c i​en​t e. Os con​s e​lhos e as or​dens da​dos pe​los pais,
pe​los avós, pe​los vi​z i​nhos, além de pos​s i​vel​m en​t e con​t ra​di​t ó​ri​os, não tor​nam o
in​di​ví​duo, as​s im edu​c a​do, cons​c i​en​t e de sua li​ber​da​de pes​s o​al e das es​c o​lhas
éti​c as que ele po​de​ria fa​z er. Ade​m ais, essa trans​m is​s ão im​plí​c i​t a com​preen​de
os va​lo​res tra​di​c i​o​nais li​ga​dos ao meio so​c i​al ou a um meio re​li​gi​o​s o em
par​t i​c u​lar. En​f im, em nos​s o mun​do con​t em​porâ​neo, eco​nô​m i​c a e po​li​t i​c a​m en​t e
tu​m ul​t u​a​do, onde a mí​dia, co​brin​do o mun​do in​t ei​ro, in​f or​m a sem to​m ar em
con​s i​de​ra​ç ão quais​quer re​f e​rên​c i​as mo​rais, es​s es va​lo​res nem sem​pre são
trans​m i​t i​dos, e, quan​do o são, so​f rem o im​pac​t o de​s es​t a​bi​li​z a​dor des​s a
“su​pe​rin​f or​m a​ç ão”.
Em re​s u​m o, para su​pe​rar esse modo pou​c o se​gu​ro de trans​m is​s ão, para
se​guir rumo a uma to​m a​da de cons​c i​ên​c ia pes​s o​al e a uma es​c o​lha de va​lo​res
uni​ver​s al​m en​t e vá​li​dos, é ne​c es​s á​ria uma edu​c a​ç ão for​m al que ex​pli​c i​t e es​s es
va​lo​res. Essa ex​pli​c i​t a​ç ão pode e deve ser fei​t a pela es​c o​la. O es​pí​ri​t o crí​t i​c o
[das cri​an​ç as], ten​do por ob​je​t o os va​lo​res mo​rais, e a re​f le​xão éti​c a são,
por​t an​t o, os ob​je​t i​vos da edu​c a​ç ão for​m al nas ins​t i​t ui​ç ões es​c o​la​res, a fim de
que cada cri​an​ç a, cada jo​vem pos​s a, li​vre​m en​t e, for​m ar uma cons​c i​ên​c ia
éti​c a, a qual lhe per​m i​t a dis​c er​nir o jus​t o do in​jus​t o e de​s en​vol​ver ati​t u​des e
com​por​t a​m en​t os fun​da​dos so​bre o res​pei​t o ao ou​t ro, so​bre a com​preen​s ão do
bem co​m um à hu​m a​ni​da​de: os di​rei​t os hu​m a​nos e a paz. (Unes​c o)66
Essa pseu​do​li​ber​da​de deve, por​t an​t o, con​du​z ir ine​lu​t a​vel​m en​t e a in​t e​ri​o​ri​z ar os
mes​m os va​lo​res: os do crip​t o​c o​m u​nis​m o. Além dis​s o, duas pá​gi​nas adi​an​t e, o au​t or
men​c i​o​na ex​pli​c i​t a​m en​t e os di​rei​t os da cri​an​ç a, os quais, nada acres​c en​t an​do aos di​rei​t os
hu​m a​nos e ao di​rei​t o ci​vil e pe​nal, não têm, e não po​de​ri​am ter, ou​t ra fi​na​li​da​de se​não um
ata​que à fa​m í​lia.
O lugar da escola
Sub​ja​c en​t e a es​s as ques​t ões está a do lu​gar da es​co​la em re​la​ção às ou​tras
ins​ti​tui​ções so​ci​ais. O jo​vem está in​s e​ri​do em uma rede de ins​t i​t ui​ç ões e de po​de​res que
con​t ri​bu​em para a sua for​m a​ç ão e que, ao mes​m o tem​po, co​la​bo​ram e dis​pu​t am en​t re si
para im​por sua in​f lu​ên​c ia, seu modo de pen​s ar, suas nor​m as. Por co​m o​di​da​de, far-se-á
opo​s i​ç ão en​t re o que con​c er​ne à fa​m í​lia e o que con​c er​ne ao Es​ta​do, à so​ci​e ​da​de
[amál​ga​m a re​ve​la​dor]; es​f e​ra do pri​v a​do, do in​di​ví​duo e de seu gru​po so​c i​al em opo​s i​ç ão
a uma es​f e​ra pú​bli​ca, co​le​t i​va. Hoje em dia, essa du​a​li​da​de tor​na-se com​ple​xa em vir​t u​de
do cres​c en​t e peso da mí​dia e do gru​po de pa​res como ve​t o​res mui​t o efi​c a​z es de
trans​m is​s ão cul​t u​ral. A mí​dia, prin​c i​pal​m en​t e, vi​o​la as fron​t ei​ras en​t re o pú​bli​c o e o
pri​va​do, in​t ro​du​z in​do, aí, uma in​dis​t in​ç ão que nem o car​ré blanc nem o zap​ping con​s e​guem
re​s ol​ver, a fim de res​t i​t uir a cada um a sua li​ber​da​de.67
Essa dis​t in​ç ão pú​bli​co-pri​v a​do pos​s ui um va​lor ope​ra​t ó​rio bem di​ver​s o con​f or​m e
os Es​t a​dos eu​ro​peus. Do pon​t o de vis​t a his​t ó​ri​c o, to​dos fo​ram mar​c a​dos prin​c i​pal​m en​t e
pela in​f lu​ên​c ia das igre​jas cris​t ãs, mas tam​bém pelo ju​da​ís​m o e, al​guns, cada vez mais
nu​m e​ro​s os, pelo Islã, ao mes​m o tem​po que uma cor​ren​t e lai​c a, agin​do de mo​dos di​ver​s os,
vem-se igual​m en​t e afir​m an​do, so​bre​t u​do na Fran​ç a. A tra​di​ç ão ins​t i​t u​c i​o​nal des​s a opo​s i​ç ão
pú​bli​c o-pri​va​do e des​s a di​ver​s i​da​de his​t ó​ri​c a re​s i​de na exis​t ên​c ia de uma ins​t i​t ui​ç ão ou de
uma edu​c a​ç ão re​li​gi​o​s a mais ou me​nos in​t e​gra​da nos ho​rá​ri​os es​c o​la​res e en​c ar​re​ga​da,
ex​c lu​s i​va​m en​t e ou não, de uma edu​c a​ç ão para a vida so​c i​al e os va​lo​res. O que aqui está
em jogo é de es​pe​c i​al in​t e​res​s e: tra​t a-se da pos​s í​vel de​f i​ni​ç ão co​le​t i​va de prin​c í​pi​os
co​m uns para a vida em so​c i​e​da​de e da in​c um​bên​c ia, pe​las ins​t i​t ui​ç ões es​c o​la​res, de sua
trans​m is​s ão. Se​jam quais fo​rem os de​s en​vol​vi​m en​t os do en​s i​no re​li​gi​o​s o e de sua
pre​s en​ç a nos sis​t e​m as es​c o​la​res, a edu​c a​ç ão cí​vi​c a, em uma di​m en​s ão eu​ro​peia, exi​ge
uma abor​da​gem con​ver​gen​t e das re​gras da vida em co​m um, ain​da que o res​pei​t o à
li​ber​da​de in​di​vi​du​al, par​t i​c u​lar​m en​t e à li​ber​da​de de cons​c i​ên​c ia, seja um ele​m en​t o
cons​t i​t u​t i​vo da iden​t i​da​de eu​ro​peia.
Na me​di​da em que a edu​c a​ç ão cí​vi​c a é tam​bém um en​si​na​m en​to de va​lo​res,
não pode es​t ar isen​t a das ques​t ões acer​c a de sua ori​gem, de sua de​fi​ni​ção, da
le​gi​ti​m i​da​de da​que​les que têm a in​c um​bên​c ia de en​s i​ná-la. Para uns, a es​c o​lha dos
va​lo​res e dos prin​c í​pi​os que se​rão en​s i​na​dos de​pen​de da fa​m í​lia, de suas cren​ç as,
so​bre​t u​do re​li​gi​o​s as, a úni​c a ga​ran​t ia con​t ra os to​t a​li​t a​ris​m os de Es​t a​do e ide​o​ló​gi​c os;
para ou​t ros, so​m en​t e uma ins​t i​t ui​ç ão fun​da​da so​bre prin​c í​pi​os e va​lo​res pro​c la​m a​dos
uni​ver​s ais ga​ran​t e uma edu​c a​ç ão para a li​ber​da​de, ofe​re​c e a cada um a pos​s i​bi​li​da​de de
aces​s o ao ou​t ro e pre​s er​va a co​e​s ão do cor​po so​c i​al, para além das cren​ç as par​t i​c u​la​res.
(Con​s e​lho da Eu​ro​pa)68
As​s im, pou​c o nos es​pan​t a cons​t a​t ar o que o au​t or es​c re​ve, al​gu​m as pá​gi​nas
adi​an​t e, co​lo​c an​do o ha​bi​t u​al pre​t ex​t o da co​e​s ão do cor​po so​c i​al aci​m a dos ris​c os do
to​t a​li​t a​ris​m o:
In​s is​t o mais uma vez que é ur​gen​t e e in​dis​pen​s á​vel de​ba​t er [a ques​t ão
dos va​lo​res e do lai​c is​m o], que to​dos os sis​t e​m as de en​s i​no de​vem con​c or​dar
em ex​pli​c i​t ar e tra​t ar po​s i​t i​va​m en​t e a ques​t ão dos va​lo​res, que o lai​c is​m o
re​vi​s i​t a​do é a ori​en​t a​ç ão mais apro​pri​a​da para pen​s ar nos​s as re​gras de vida
em co​m um e o fun​c i​o​na​m en​t o das es​c o​las, no res​pei​t o às li​ber​da​des
in​di​vi​du​ais e aos di​rei​t os hu​m a​nos, em luta con​t ra todo tipo de dis​c ri​m i​na​ç ão.
(Con​s e​lho da Eu​ro​pa)69
Duas pá​gi​nas an​t es, o au​t or não evi​t a​ra men​c i​o​nar os mé​t o​dos pe​da​gó​gi​c os ati​vos:
Pa​re​c e que a mai​or par​t e das re​c o​m en​da​ç ões in​s is​t em, des​de há mui​to
tem​po, na ne​ces​si​da​de de apli​car mé​to​dos pe​da​gó​gi​cos ati​v os, de
de​s en​vol​ver o sen​s o de res​pon​s a​bi​li​da​de en​t re os alu​nos, de lhes en​s i​nar a
au​t o​no​m ia, de di​f e​ren​c i​ar as abor​da​gens. (Con​s e​lho da Eu​ro​pa)70
Há au​t o​res que são mais ex​plí​c i​t os:
Na ori​gem des​s a re​f le​xão de or​dem pe​da​gó​gi​c a, de​c er​t o en​c on​t rar-se-á a
clás​s i​c a opo​s i​ç ão en​t re ins​t ru​ç ão e edu​c a​ç ão, en​t re es​c o​la e fa​m í​lia. Será
pre​c i​s o dei​xar à es​f e​ra pri​va​da da fa​m í​lia o en​c ar​go e a res​pon​s a​bi​li​da​de de
edu​car, apoi​an​do-se para tal numa éti​c a? Agir de ou​t ro modo não se​ria
rom​per com a neu​t ra​li​da​de da es​c o​la, com sua fun​ç ão es​s en​c i​al de
trans​m is​s ão de co​nhe​c i​m en​t os ob​je​t i​vos? Con​t u​do, a es​c o​la não pode li​m i​t arse a en​s i​nar. De ma​nei​ra im​plí​c i​t a ou ex​plí​c i​t a, ela é por​t a​do​ra de va​lo​res e os
trans​m i​t e. Ela edu​c a, por​t an​t o. Vale dizê-lo e afir​m á-lo cla​ra​m en​t e. (Con​s e​lho
da Eu​ro​pa)71
En​f im, con​c lu​í​m os com uma ci​t a​ç ão es​pan​t o​s a:
Os de​ba​t es, as pes​qui​s as e mes​m o as he​s i​t a​ç ões dos res​pon​s á​veis pela
edu​c a​ç ão ou dos re​pre​s en​t an​t es dos pro​f es​s o​res mos​t ram que, se a pro​m o​ç ão
da edu​c a​ç ão mo​ral nos pro​gra​m as es​c o​la​res pa​re​c e cada vez mais ne​c es​s á​ria,
a im​ple​m en​t a​ç ão de uma ação des​s a na​t u​re​z a cons​t i​t ui para mui​t os pa​í​s es
um pro​ble​m a ao mes​m o tem​po pri​o​ri​t á​rio e ain​da sem so​lu​ç ão, tan​t o no
to​c an​t e aos que con​c e​bem os pla​nos de es​t u​dos quan​t o no to​c an​t e às
con​di​ç ões do pro​c es​s o de for​m a​ç ão dos pro​f es​s o​res; todo edu​c a​dor
in​s u​f i​c i​en​t e​m en​t e pre​pa​ra​do para pro​por dis​c ussões de ca​rá​t er éti​c o fi​c a​rá
re​t i​c en​t e, pela jus​t a ra​z ão de tal em​preen​di​m en​t o lhe pa​re​c er ao mes​m o
tem​po im​por​t an​t e, com​pli​c a​do e cri​va​do de ar​m a​di​lhas. Se​ria, por​t an​t o,
con​ve​ni​en​t e fa​z er a de​vi​da dis​t in​ç ão en​t re he​s i​t a​ç ão e in​di​f e​ren​ç a, ou en​t re o
tem​po ne​c es​s á​rio ao per​f ei​t o con​t ro​le da mo​di​f i​c a​ç ão dos va​lo​res e um
su​pos​t o eclip​s e da mo​ra​li​da​de e da edu​c a​ç ão mo​ral. (Unes​c o)72
Es​pan​t o​s a con​f is​s ão na qual o au​t or re​c o​nhe​c e que a de​c a​dên​c ia mo​ral de nos​s os
dias, que se po​de​ria atri​buir a uma “in​di​f e​ren​ç a mo​ral” ou a um “su​pos​t o eclip​s e da
mo​ra​li​da​de”, está, na re​a​li​da​de, re​la​c i​o​na​da ao “tem​po ne​c es​s á​rio ao per​f ei​t o con​t ro​le da
mo​di​f i​c a​ç ão dos va​lo​res”, à re​vo​lu​ç ão psi​c o​ló​gi​c a. Ou, ain​da, que a ru​í​na dos va​lo​res
mo​rais é tão so​m en​t e uma con​s e​quên​c ia, es​c o​lhi​da de​li​be​ra​da​m en​t e e cons​c i​en​t e​m en​t e
as​s u​m i​da, de um pro​je​t o de sub​ver​s ão dos va​lo​res que não se pode re​a​li​z ar em pra​z o
mui​t o bre​ve. Des​s e modo, a es​c a​la​da da cri​m i​na​li​da​de, da in​s e​gu​ran​ç a, da de​lin​quên​c ia, do
con​s u​m o de dro​gas, a de​s es​t ru​t u​ra​ç ão psi​c o​ló​gi​c a dos in​di​ví​duos que se se​guiu ao
avil​t a​m en​t o mo​ral e à con​s e​quen​t e des​t rui​ç ão do te​c i​do so​c i​al são as con​s e​quên​c i​as de
uma po​lí​t i​c a cons​c i​en​t e. Por​t an​t o, a ma​no​bra des​t i​na​da a mo​di​f i​c ar os va​lo​res ar​t i​c u​la-se
as​s im: ini​c i​al​m en​t e, im​pe​dir a trans​m is​s ão, es​pe​c i​al​m en​t e por meio da fa​m í​lia, dos
va​lo​res tra​di​c i​o​nais; face ao caos éti​c o e so​c i​al daí re​s ul​t an​t es, tor​na-se im​pe​ra​t i​vo o
re​t or​no a uma edu​c a​ç ão éti​c a – con​t ro​la​da pe​los Es​t a​dos e pe​las or​ga​ni​z a​ç ões
in​t er​na​c i​o​nais, e não mais pela fa​m í​lia. Pode-se, en​t ão, in​du​z ir e con​t ro​lar a mo​di​f i​c a​ç ão
dos va​lo​res. Es​que​m a re​vo​lu​c i​o​ná​rio clás​s i​c o: tese, an​t í​t e​s e e sín​t e​s e, que ex​pli​c a a ra​z ão
por que, che​ga​da a hora, os re​vo​lu​c i​o​ná​ri​os se fa​z em os de​f en​s o​res da or​dem mo​ral. E por
que, no​lens, vo​lens, os par​t i​dá​ri​os de uma or​dem mo​ral ins​t i​t u​c i​o​na​li​z a​da se en​c on​t ram
fre​quen​t e​m en​t e lado a lado com os re​vo​lu​c i​o​ná​ri​os.
47 São To​m ás de Aqui​no, Som​m e thé​o​lo​gi​que, la-2ae, qu. 94, ar. 6, Pa​ris, Edi​t i​ons
de la re​vue des jeu​nes (tra​t a​do La Loi), 1935.
48 Ver: S. Ras​s ekh, G. Vai​de​a​nu, Les con​t e​nus de l’édu​c a​t i​on, Op. cit., Unes​c o.
49 Par​la​m en​t o eu​ro​peu, La po​li​t i​que de l’édu​c atìon et de la for​m a​t i​on dans la
pers​pec​t i​ve de 1993, Op. cit., p.33.
50 Par​la​m en​t o eu​ro​peu, La po​li​t i​que de l’édu​c atìon et de la for​m a​t i​on dans la
pers​pec​t i​ve de 1993, Op. cit., p. 18.
51 Sim​pó​s io in​t er​na​c i​o​nal e mesa re​don​da: Qua​li​t i​es re​qui​red of edu​c a​t i​on to​day...,
Op. cit., Unes​c o, p. III 7.
52 Ver: Par​la​m en​t o eu​ro​peu, La po​li​t i​que de l’édu​c a​t i​on et de la for​m a​t i​on dans la
pers​pec​t i​ve de 1993, Op. cit., p. 19.
53 S. Ras​s ekh, G. Vai​de​a​nu, Les con​t e​nus de I’édu​c a​t i​on, Op.cit., Unes​c o, p. 169,
196. Ver tam​bém: Con​grès in​t er​na​t i​o​nal sur La paix dans l’es​prit des hom​m es, 26 juin 1er juil​let 1989, Ya​m ous​s ouk​ro, Côte d’lvoi​re, Re​la​t ó​rio fi​nal, Unes​c o, p. 43. Esse con​gres​s o
reu​niu uma plêi​a​de de per​s o​na​li​da​des.
54 Ibid.
55 A. Cur​le, Con​t ri​bu​t i​on of edu​c a​t i​on to free​dom and jus​t i​c e, in M. Ha​a​vels​rud
(ad.) Edu​c a​t i​on for pe​a​c e: re​f lec​t i​on and ac​t i​on, LPC Sci​en​c e and Te​c h​no​logy Press,
Guil​f ord, 1976, p. 75.
56 De​rek He​a​ler, Hu​m an righ​t s edu​c a​t i​on in scho​ols: con​c epts, at​t i​t u​des and skills,
Stras​bourg, Con​s e​lho da Eu​ro​pa, 1984, p.6 et 7. [DECS/EGT (84) 26].
57 OCDE/CERI, La ré​f or​m e des pro​gram​m es sco​lai​res, Pa​ris, OCDE, 1990, p. 43.
Re​la​t ó​rio “pu​bli​c a​do sob a res​pon​s a​bi​li​da​de do Se​c re​t a​ri​a​do ge​ral da OCDE” (p. 3) que
“cons​t i​t ui o re​s ul​t a​do de um es​t u​do so​bre a evo​lu​ç ão dos pro​gra​m as de es​t u​dos,
em​preen​di​do em 1987 pelo Co​m i​t ê Di​re​t or do Cen​t ro para Pes​qui​s a e Ino​va​ç ão no En​s i​no
(CERI)” (p. 7).
58 F. Au​di​gi​er, En​s eig​ner la so​c íé​t é, trans​m et​t re des va​leurs, Stras​bourg, Con​s eil
de l’Eu​ro​pe, 1992, p. 9 [DECS/SE/Sec (91) 12]. Gri​f o no ori​gi​nal.
59 Cf. Con​f é​ren​c e in​t er​gou​ver​ne​m en​t a​le de 1983 pour la co​o​pé​ra​t i​on in​t er​na​t i​o​na​le,
la com​pré​hen​s i​on et la paix.
60 G. Beis, Pour une édu​c a​t í​on aux va​leurs éthi​ques, Pa​ris, Unes​c o, 1987, p.41
(BEP/GPI/3 et BEP-87/WS/5).
61 Con​grès in​t er​na​t i​o​nal sur la paix dans I’es​prit des hom​m es, Re​la​t ó​rio fi​nal, Op.
cit., Unes​c o, p. 43.
62 Sim​pó​s io in​t er​na​c i​o​nal e mesa re​don​da: Qua​li​t i​es re​qui​red of edu​c a​t i​on to​day...,
Op. cit., Unes​c o, p. 67.
63 F. Au​di​gi​er, En​s eig​ner la so​c i​é​t é, trans​m ef​t re des va​leurs, Op. cit., Stras​bourg,
Con​s eil de l’Eu​ro​pe, 1992, p. 10.
64 Qua​t riè​m e con​f é​ren​c e des mi​nis​t res de I’Edu​c a​t i​on, Pers​pec​t i​ve et tâ​c hes, Op.
cit., Unes​c o, p. 11.
65 Ibid, p. 14.
66 F. Best, Edu​c a​t i​on, cul​t u​re, droi​t s de I’hom​m e et com​pré​hen​s i​on in​t er​na​t i​o​na​le,
Pa​ris, Unes​c o, p. 2. Sem data.
67 O car​ré blanc é um si​nal uti​li​z a​do pe​las re​des de te​le​vi​s ão fran​c e​s as para
ad​ver​t ir aos te​les​pec​t a​do​res que um pro​gra​m a é ina​de​qua​do para me​no​res de ida​de; já o
zap​ping é o fe​nô​m e​no ini​c i​a​do com o ad​ven​t o do con​t ro​le re​m o​t o, com o qual os
te​les​pec​t a​do​res pas​s ei​am por di​ver​s os ca​nais da TV – N. do T.
68 F. Au​di​gi​e​ri, En​s eig​ner la so​c i​é​t é, trans​m et​t re des va​leurs, Op. cit., p. 11. Gri​f o
no ori​gi​nal; gri​f os nos​s os.
69 Ibid., p. 15. Gri​f o no ori​gi​nal.
70 Ibid., p. 13. Gri​f o no ori​gi​nal.
71 48° Se​m i​nai​re du Con​s eil de I’Eu​ro​pe pour en​s eig​nants, Do​nau​es​c hin​gen, 25-30
juin 1990, Sci​en​c es, éthi​que, droi​t s de I’hom​m e et édu​c a​t i​on, Stras​bourg, Con​s eil de
I’Eu​ro​pe, 1991, p. 10 [DECS/EGT (90) 23]. Gri​f o no ori​gi​nal.
72 S. Ras​s ekh, G. Vai​de​a​nu, Les con​t e​nus de l’édu​c a​t i​on, Op. cit. Unes​c o, p. 165.
CA​PÍ​T U​LO VI
A REVOLUÇÃO CULTURAL E
INTERCULTURALISMO:
HOMENAGEM A GRAMSCI
O mul​t i​c ul​t u​ra​lis​m o está sen​do in​t ro​du​z i​do nos IUFMS e no en​s i​no es​c o​lar, como o
pro​va, en​t re ou​t ros do​c u​m en​t os, o ca​t á​lo​go do CNDP (Cen​t ro Na​c i​o​nal de Do​c u​m en​t a​ç ão
Pe​da​gó​gi​c a). A cul​t u​ra fran​c e​s a é co​lo​c a​da no mes​m o ní​vel que as dos po​vos mais
dis​t an​t es de nós, tan​t o fi​s i​c a​m en​t e quan​t o psi​c o​lo​gi​c a​m en​t e. As ci​t a​ç ões em se​gui​da
mos​t ram a ver​da​dei​ra face do mul​t i​c ul​t u​ra​lis​m o:
A Áfri​c a do Sul, o Ca​na​dá e a Re​pú​bli​c a Fe​de​ral da Ale​m a​nha, en​t re
ou​t ros pa​í​s es, ofe​re​c em o exem​plo do modo como um go​ver​no pode ma​ni​pu​lar
a cul​t u​ra. Co​lo​c am-se en​t ão ques​t ões ca​pi​t ais so​bre o pla​no te​ó​ri​c o: uma
edu​c a​ç ão mul​t i​c ul​t u​ral para quê? Quais são os al​vos e os ob​je​t i​vos des​s as
me​di​das? Que tipo de so​c i​e​da​de se tem em vis​t a? (Con​s e​lho da Eu​ro​pa)73
Con​f or​m e já vi​m os, pode-se en​s i​nar a cul​t u​ra des​de um pon​t o de vis​t a
clás​s i​c o, como uma soma de co​nhe​c i​m en​t os bem es​t a​be​le​c i​dos e que de​vem
ser co​m u​ni​c a​dos, ou ver nela algo de mais fle​xí​vel e mais adap​t a​do à vida
con​t em​porâ​nea. Al​gu​m as ve​z es, os pro​f es​s o​res mos​t ra​ram-se len​t os em
com​preen​der essa di​f e​ren​ç a. Des​de al​guns anos, os gru​pos ul​t ra​c on​s er​va​do​res
de di​f e​ren​t es pa​í​s es, dos Es​t a​dos Uni​dos à Is​lân​dia, pas​s an​do pela Nova
Ze​lân​dia, a Aus​t rá​lia e o Rei​no Uni​do, com​preen​de​ram a im​por​t ân​c ia po​lí​t i​c a do
que po​de​m os cha​m ar de abor​da​gem cul​t u​ral dos pro​gra​m as es​c o​la​res. Isso se
tra​duz – e con​t i​nu​a​rá pro​va​vel​m en​t e a as​s im se tra​du​z ir – por meio de
con​f ron​t a​ç ões di​ver​s as, prin​c i​pal​m en​t e a res​pei​t o dos as​pec​t os so​c i​ais,
ci​en​t í​f i​c os e mo​rais dos pro​gra​m as. (OCDE)74
Não se deve su​bes​t i​m ar, po​rém, o ris​c o de nos fe​c har​m os em uma cer​t a
fa​t a​li​da​de ét​ni​c a quan​do cul​t i​va​m os a pree​m i​nên​c ia do co​le​t i​vo so​bre o
in​di​vi​du​al. Al​guns de​f en​s o​res da edu​c a​ç ão mul​t i​c ul​t u​ral es​t ão bem cons​c i​en​t es
des​s e pe​ri​go e da ne​c es​s i​da​de de ul​t ra​pas​s ar os par​t i​c u​la​ris​m os ét​ni​c os se se
quer atin​gir o ple​no de​s a​bro​c ha​m en​t o da per​s o​na​li​da​de de cada um en​quan​t o
ho​m em, no sen​t i​do uni​ver​s al des​s a pa​la​vra. (OCDE)75
Essa ori​en​t a​ç ão ge​ral com​por​t a ao me​nos uma ex​c e​ç ão: a abor​da​gem
in​t er​c ul​t u​ral. Esta visa a um ob​je​t i​vo am​bi​c i​o​s o: a for​m a​ç ão de uma
iden​t i​da​de cul​t u​ral nova, aber​t a, não mais mar​c a​da pelo eu​ro​c en​t ris​m o ou pelo
et​no​c en​t ris​m o, ou por um vín​c u​lo cego a suas pró​pri​as cren​ç as e va​lo​res.
(OCDE)76
As so​c i​e​da​des con​t em​porâ​ne​as po​dem sub​s is​t ir e fun​c i​o​nar so​m en​t e se
a co​e​xis​t ên​c ia de cul​t u​ras di​f e​ren​t es for pos​s í​vel e se os in​di​ví​duos pu​de​rem,
se​gun​do as cir​c uns​t ân​c i​as e se​gun​do suas ne​c es​s i​da​des, pas​s ar de uma
cul​t u​ra a ou​t ra, e mes​m o ter aces​s o a vá​ri​as cul​t u​ras. O pro​gra​m a de
edu​c a​ç ão mul​t i​c ul​t u​ral toma, à luz des​s a re​f le​xão, uma am​pli​t u​de, e mes​m o
uma pro​f un​di​da​de di​ver​s a, pois sua ra​z ão de ser não se jus​t i​f i​c a mais
uni​c a​m en​t e por ar​gu​m en​t os éti​c os (com​ba​t er as des​c ri​m i​na​ç ões pro​du​z i​das
pelo ra​c is​m o ou et​no​c en​t ris​m o) ou ju​rí​di​c os (res​pei​t ar os di​rei​t os do ho​m em),
mas tam​bém epis​t e​m o​ló​gi​c os (di​f e​ren​c i​ar a ma​nei​ra de pen​s ar, as for​m as da
in​t e​li​gi​bi​li​da​de e a es​t ru​t u​ra do sa​ber). Esse en​ri​que​c i​m en​t o do dis​po​s i​t i​vo
con​c ep​t u​al per​m i​t e con​s i​de​rar a cons​t ru​ç ão de uma te​o​ria ci​en​t í​f i​c a da
edu​c a​ç ão mul​t i​c ul​t u​ral e, por​t an​t o, o de​s en​vol​vi​m en​t o de pro​gra​m as de
edu​c a​ç ão mul​t i​c ul​t u​ral fun​da​dos so​bre ba​s es ci​en​t í​f i​c as. (OCDE)77
En​f im, é sur​preen​den​t e no​t ar a au​s ên​c ia, em qua​s e to​dos os do​c u​m en​t os
so​bre a edu​c a​ç ão mul​t i​c ul​t u​ral, de aná​li​s es epis​t e​m o​ló​gi​c as acer​c a do al​c an​c e
cog​ni​t i​vo da cul​t u​ra es​c o​lar. Cada cul​t u​ra abran​ge uma or​ga​ni​z a​ç ão es​pe​c í​f i​c a
das re​la​ç ões en​t re o in​di​ví​duo e a na​t u​re​z a, ou dos in​di​ví​duos en​t re si. No
in​t e​ri​or de cada sis​t e​m a cul​t u​ral está ins​c ri​t a uma re​pre​s en​t a​ç ão de​t er​m i​na​da
do es​pa​ç o e do tem​po que es​t ru​t u​ra tan​t o a or​ga​ni​z a​ç ão e a clas​s i​f i​c a​ç ão dos
co​nhe​c i​m en​t os quan​t o a da me​m ó​ria in​di​vi​du​al e co​le​t i​va. As in​t e​ra​ç ões en​t re
a cul​t u​ra de um povo e suas prá​t i​c as de aqui​s i​ç ão e trans​m is​s ão dos
co​nhe​c i​m en​t os são pro​f un​das. A or​ga​ni​z a​ç ão do en​s i​no for​m al, tal como ele se
de​s en​vol​ve, e a con​c ep​ç ão da pró​pria es​c o​la de​pen​dem do mo​de​lo cul​t u​ral, da
im​por​t ân​c ia e da sig​ni​f i​c a​ç ão atri​bu​í​das ao sa​ber em cada cul​t u​ra, da
re​pre​s en​t a​ç ão des​t e mes​m o sa​ber em uma so​c i​e​da​de, em uma co​m u​ni​da​de
de​t er​m i​na​da. Por exem​plo, o con​c ei​t o do “sa​ber” na cul​t u​ra mu​ç ul​m a​na ou na
cul​t u​ra tra​di​c i​o​nal ja​po​ne​s a é bem di​f e​ren​t e do con​c ei​t o pro​du​z i​do pe​las
cul​t u​ras oci​den​t ais na épo​c a das Lu​z es. As​s im, cada cul​t u​ra in​t er​f e​re so​bre a
or​ga​ni​z a​ç ão das ex​pe​ri​ên​c i​as, so​bre a for​m a​ç ão das com​pe​t ên​c i​as cog​ni​t i​vas e
en​gen​dra um mo​de​lo de en​s i​no que lhe é pró​prio. (OCDE)78
Que pode fa​z er a es​c o​la em face das cren​ç as e do ima​gi​ná​rio co​le​t i​vos
que nu​t rem as cul​t u​ras e cons​t i​t u​em seu nú​c leo duro? (OCDE)79
A or​ga​ni​z a​ç ão da edu​c a​ç ão mul​t i​c ul​t u​ral com a in​t ro​du​ç ão em pro​gra​m as
de cur​s os de lín​gua e de cul​t u​ra de ori​gem le​van​t a, pois, um pro​ble​m a
cog​ni​t i​vo par​t i​c u​lar. A ado​ç ão da edu​c a​ç ão mul​t i​c ul​t u​ral não se re​duz, de fato,
a uma sim​ples ope​ra​ç ão de atu​a​li​z a​ç ão dos pro​gra​m as nos quais se ins​c re​vem
no​vos co​nhe​c i​m en​t os ou mes​m o no​vas dis​c i​pli​nas. A edu​c a​ç ão mul​t i​c ul​t u​ral é
mais que isso: ela dá aces​s o, em graus di​f e​ren​t es, a ou​t ras for​m as de
co​nhe​c i​m en​t o e a ou​t ras tra​di​ç ões cul​t u​rais, de​po​s i​t á​ri​as de ti​pos de sa​ber
di​f e​ren​t es, em seus con​t e​ú​dos e em sua es​t ru​t u​ra in​t er​na, da​que​le da tra​di​ç ão
es​c o​lar. A apos​t a cog​ni​t i​va re​pre​s en​t a​da pe​los pro​gra​m as de edu​c a​ç ão
mul​t i​c ul​t u​ral não deve ser su​bes​t i​m a​da, pois ela é de gran​de al​c an​c e so​bre o
pla​no epis​t e​m o​ló​gi​c o. O agen​c i​a​m en​t o da edu​c a​ç ão mul​t i​c ul​t u​ral nos sis​t e​m as
de edu​c a​ç ão é de​li​c a​do, pois ele toca em um pon​t o sen​s í​vel da or​ga​ni​z a​ç ão do
en​s i​no: as for​m as de co​nhe​c i​m en​t o e a hi​e​rar​quia dos sa​be​res. (OCDE)80
Não se po​de​ria re​c o​nhe​c er mais cla​ra​m en​t e que a edu​c a​ç ão mul​t i​c ul​t u​ral visa a
uma re​vo​lu​ç ão psi​c o​ló​gi​c a, cu​jas con​s e​quên​c i​as são di​f i​c il​m en​t e ava​li​á​veis. Os mei​os
em​pre​ga​dos de​vem, por​t an​t o, es​t ar à al​t u​ra da apos​t a:
O in​t er​c ul​t u​ral afe​t a, as​s im, o con​jun​t o da ins​t i​t ui​ç ão edu​c a​c i​o​nal: o
en​s i​no pré-es​c o​lar, as lín​guas, a ela​bo​ra​ç ão dos pro​gra​m as, os ma​nu​ais e
ou​t ras fer​ra​m en​t as pe​da​gó​gi​c as, a ad​m i​nis​t ra​ç ão, os exa​m es, o con​t ro​le e a
ava​li​a​ç ão, as ati​vi​da​des ex​t ra​es​c o​la​res, os la​ç os en​t re a es​c o​la e a
co​m u​ni​da​de, os ser​vi​ç os de ori​en​t a​ç ão e os ser​vi​ç os au​xi​li​a​res, a pre​pa​ra​ç ão
para a vida adul​t a, a for​m a​ç ão ini​c i​al e con​t í​nua dos pro​f es​s o​res, a luta con​t ra
a xe​no​f o​bia e o ra​c is​m o. (Con​s e​lho da Eu​ro​pa)81
A exis​t ên​c ia, na Su​é​c ia, de uma de​c i​s ão go​ver​na​m en​t al que obri​ga to​dos
os pro​f es​s o​res a par​t i​c i​par do de​s en​vol​vi​m en​t o da edu​c a​ç ão in​t er​c ul​t u​ral é um
fato ca​pi​t al, de vez que de​li​m i​t a um ce​ná​rio e con​c re​t i​z a as as​pi​ra​ç ões à
mu​dan​ç a. (Con​s e​lho da Eu​ro​pa)82
Não pode se com​preen​der o in​t er​c ul​t u​ra​lis​m o a não ser na pers​pec​t i​va glo​ba​lis​t a,
tal como ex​pres​s a no Do​c u​m en​t o de re​f e​rên​c ia da Con​f e​rên​c ia mun​di​al so​bre a edu​c a​ç ão
para to​dos:
Cons​c i​ên​c ia mun​di​al: a emer​gên​c ia da edu​c a​ç ão mun​di​al e da edu​c a​ç ão
para o de​s en​vol​vi​m en​t o
Pre​s en​t e​m en​t e, no nor​t e como no sul, os edu​c a​do​res co​m e​ç am a
re​c o​nhe​c er a ne​c es​s i​da​de de con​s i​de​rar a edu​c a​ç ão numa pers​pec​t i​va mais
mun​di​al. Os pro​gra​m as de edu​c a​ç ão para o de​s en​vol​vi​m en​t o e de edu​c a​ç ão
mun​di​al con​t ri​bu​em para in​c ul​c ar nos alu​nos uma ati​t u​de mun​di​a​lis​t a,
en​s i​nan​do-lhes prin​c i​pal​m en​t e a re​c o​nhe​c er e a evi​t ar os pre​c on​c ei​t os
cul​t u​rais e a en​c a​rar com to​lerân​c ia as di​f e​ren​ç as ét​ni​c as e na​c i​o​nais. Es​s es
pro​gra​m as se es​f or​ç am por vin​c u​lar os gran​des pro​ble​m as às re​a​li​da​des de
ca​rá​t er mun​di​al, prin​c i​pal​m en​t e as ques​t ões con​c er​nen​t es ao meio am​bi​en​t e, à
paz e à se​gu​ran​ç a, à dí​vi​da in​t er​na​c i​o​nal, às me​di​das con​t ra a po​bre​z a, etc.,
em to​dos os con​t e​ú​dos es​pe​c í​f i​c os da edu​c a​ç ão fun​da​m en​t al.
No Ca​na​dá, o pro​je​t o de edu​c a​ç ão mun​di​al de Al​ber​t a [...], aju​da os
pro​f es​s o​res a iden​t i​f i​c ar e de​li​m i​t ar os ele​m en​t os do pro​gra​m a es​c o​lar e as
téc​ni​c as es​pe​c í​f i​c as que de​s en​vol​ve​rão nos alu​nos a ca​pa​c i​da​de de abor​dar as
ques​t ões mun​di​ais. [...]
A edu​c a​ç ão mun​di​al e a edu​c a​ç ão para o de​s en​vol​vi​m en​t o co​m e​ç am a
sur​gir tam​bém nos pa​í​s es em de​s en​vol​vi​m en​t o. [...]
Nas Fi​li​pi​nas, as es​c o​las nor​m ais e a Uni​ver​s i​da​de das Fi​li​pi​nas
tra​ba​lham atu​al​m en​t e no aper​f ei​ç o​a​m en​t o de no​vos con​t e​ú​dos cur​ri​c u​la​res que
for​ne​c e​rão uma ideia abran​gen​t e das ques​t ões mun​di​ais, e em par​t i​c u​lar das
que in​f lu​em na so​c i​e​da​de fi​li​pi​na. Uma vez con​c lu​í​do, o pro​gra​m a será
uti​li​z a​do tan​t o na edu​c a​ç ão for​m al quan​t o na edu​c a​ç ão não for​m al. Para esse
efei​t o, as ins​t i​t ui​ç ões pú​bli​c as e as ins​t i​t ui​ç ões não go​ver​na​m en​t ais
es​t a​be​le​c em uma ali​an​ç a para pro​m o​ver e em​pre​gar os no​vos con​t e​ú​dos e
mé​t o​dos [e em par​t i​c u​lar a mí​dia]. (Con​f e​rên​c ia Mun​di​al)83
Esse pro​c es​s o de mun​di​a​li​z a​ç ão de​ve​rá se de​s en​ro​lar até seu re​s ul​t a​do ló​gi​c o: a
ado​ç ão de uma lín​gua in​t er​na​c i​o​nal, pre​lú​dio da des​t rui​ç ão das cul​t u​ras e das men​t a​li​da​des
lo​c ais.
Uma das ques​t ões que de​vem ser exa​m i​na​das é a do de​s en​vol​vi​m en​t o,
para essa so​c i​e​da​de glo​bal, de uma lín​gua in​t er​na​c i​o​nal que re​f or​c e e pro​m o​va
uma cul​t u​ra in​t er​na​c i​o​nal. A Unes​c o de​ve​ria re​a​li​z ar um es​t u​do es​pe​c í​f i​c o
so​bre esse as​s un​t o. (Unes​c o)84
Tal​vez não seja in​ú​t il re​c or​dar das pa​la​vras que Orwell co​lo​c a​va na boca de um de
seus per​s o​na​gens e que se apli​c am per​f ei​t a​m en​t e ao jar​gão mun​di​a​lis​t a e à fu​t u​ra lín​gua
in​t er​na​c i​o​nal. Por ana​lo​gia, es​t en​di​das tam​bém à nova cul​t u​ra mun​di​al:
“Vós não ve​des que o ver​da​dei​ro alvo da no​vi​lín​gua é de res​t rin​gir os
li​m i​t es do pen​s a​m en​t o? No fim, nós tor​na​re​m os li​t e​ral​m en​t e im​pos​s í​vel o
cri​m e pelo pen​s a​m en​t o, pois não ha​ve​rá mais pa​la​vras para o ex​pres​s ar. [...]
A cada ano, me​nos e me​nos pa​la​vras, e o cam​po da cons​c i​ên​c ia mais e mais
res​t ri​t o. [...] A Re​vo​lu​ç ão es​t a​rá com​ple​t a quan​do a lín​gua for per​f ei​t a. A
no​vi​lín​gua é o ang​s oc [so​c i​a​lis​m o in​glês] e o ang​s oc é a no​vi​lín​gua”,
acres​c en​t ou ele com uma sor​t e de sa​t is​f a​ç ão mís​t i​c a. (Orwell, 1984)85
73 Sé​m i​nai​re eu​ro​péen d’en​s eig​nants, La for​m a​t i​on in​t er​c ul​t u​rel​le des en​s eig​nants,
Op. cit., Con​s eil de l’Eu​ro​pe, p. 19.
74 OCDE/CERI, La ré​f or​m e des pro​gram​m es, Op. cit., p. 43.
75 OCDE/CERI, L’éco​le et les cul​t u​res, Op. cit., p. 69.
76 Ibid., p. 8.
77Ibid., p. 21.
78 Ibid., p. 70.
79
80
81
82
Ibid., p. 72.
Ibid., p. 86.
La for​m a​t i​on in​t er​c ul​t u​rel​le des en​s eig​nants, Op. cit., p. 12.
Ibid., p. 32.
83 WCE​FA, Con​f é​ren​c e mon​di​a​le sur l’édu​c a​t i​on pour tous, 5-9 mars 1990,
Jom​t i​em, Thaï​lan​de, Do​c u​m ent de ré​f é​ren​c e, Pa​ris, WCE​FA, 1990, p. 12. Itá​li​c os nos​s os. De
acor​do com uma téc​ni​c a ex​pe​ri​m en​t a​da, o pre​f á​c io des​s e do​c u​m en​t o men​c i​o​na que “o
pre​s en​t e do​c u​m en​t o não ex​pres​s a ne​c es​s a​ri​a​m en​t e uma to​m a​da de po​s i​ç ão por par​t e da
Co​m is​s ão in​t e​rins​t i​t ui​ç ões nem das or​ga​ni​z a​ç ões que, a tí​t u​lo prin​c i​pal ou as​s o​c i​a​do,
apa​dri​nha​ram ou co​a​pa​dri​nha​ram a Con​f e​rên​c ia mun​di​al”. No en​t an​t o, nas li​nhas an​t e​ri​o​res,
des​c o​bri​m os que: “Para es​t a​be​le​c er o pre​s en​t e do​c u​m en​t o de re​f e​rên​c ia, o Se​c re​t a​ri​a​do
exe​c u​t i​vo da Co​m is​s ão in​t e​rins​t i​t ui​ç ões (cons​t i​t u​í​da pelo Ban​c o mun​di​al, o PNUD, a Unes​c o
e o Uni​c ef em vis​t a da or​ga​ni​z a​ç ão da Con​f e​rên​c ia mun​di​al) se ins​pi​rou de nu​m e​ro​s os
re​la​t ó​ri​os e es​t u​dos, su​ges​t ões de três ofi​c i​nas téc​ni​c as das quais par​t i​c i​pa​ram
es​pe​c i​a​lis​t as de cin​c o con​t i​nen​t es” (p. iii).
84 In​t er​na​t i​o​nal sym​po​s ium and round ta​ble, Qua​li​t i​es re​qui​red of edu​c a​t i​on
to​day…, Op. cit., Unes​c o, p. II 8.
85 G. Orwell, 1984, Fo​lio, Gal​li​m ard, p. 79-80.
CA​PÍ​T U​LO VII
REESCREVER A HISTÓRIA
A edu​c a​ç ão para a paz, a con​c ór​dia en​t re as na​ç ões, o de​s ar​m a​m en​t o, o ci​vis​m o
pa​c í​f i​c o, a fra​t er​ni​da​de hu​m a​na, a cons​c i​ên​c ia da in​t er​de​pen​dên​c ia en​t re as na​ç ões e “a
ex​pe​ri​ên​c ia da vida em uma so​c i​e​da​de mul​t i​c ul​t u​ral” não se po​de​ri​am sa​t is​f a​z er com o
en​s i​no da his​t ó​ria como é fei​t o atu​al​m en​t e. De​s e​jar-se-ia eli​m i​nar os di​ver​s os con​f li​t os
en​t re na​ç ões, et​ni​as ou re​li​gi​ões que, com ou sem pre​t en​s a ra​z ão, con​s is​t i​ri​am um
obs​t á​c u​lo à edu​c a​ç ão para a paz. Con​vém, por​t an​t o, rees​c re​ver a his​t ó​ria, pro​je​t o
es​s en​c i​al​m en​t e to​t a​li​t á​rio. Na​t u​ral​m en​t e, con​t u​do, não se po​de​ria com​preen​der a his​t ó​ria
quan​do se bus​c a sis​t e​m a​t i​c a​m en​t e ocul​t ar to​dos os ele​m en​t os que, opos​t os à ide​o​lo​gia
ofi​c i​al, são não obs​t an​t e um de seus au​t ên​t i​c os mo​t o​res. As​s im, pre​t en​de-se co​m e​t er
uma ver​da​dei​ra mu​t i​la​ç ão psi​c o​ló​gi​c a, que deve am​pu​t ar, das ge​ra​ç ões fu​t u​ras, as suas
ra​í​z es, bem como lhes im​pos​s i​bi​li​t ar toda a ver​da​dei​ra com​preen​s ão po​lí​t i​c a:
No que con​c er​ne às me​di​das a to​m ar, fo​ram fei​t as as se​guin​t es
pro​po​s i​ç ões:
- ela​bo​ra​ç ão de um ma​nu​al de his​t ó​ria ge​ral da Eu​ro​pa, bem como um
ma​nu​al de his​t ó​ria uni​ver​s al, com a ati​va par​t i​c i​pa​ç ão de co​m i​t ês de
his​t o​ri​a​do​res dos pa​í​s es in​t e​res​s a​dos. (Unes​c o, 4a Con​f e​rên​c ia dos Mi​nis​t ros
da Edu​c a​ç ão)86
Não obs​t an​t e, con​vém não su​bes​t i​m ar a ne​c es​s i​da​de de um
aper​f ei​ç o​a​m en​t o no en​s i​no da His​t ó​ria, da Ge​o​gra​f ia, da Li​t e​ra​t u​ra e de ou​t ras
dis​c i​pli​nas cul​t u​rais que fa​vo​re​c em o des​per​t ar do in​t e​res​s e e a me​lhor
com​preen​s ão de ou​t ras co​m u​ni​da​des, a fim de im​preg​nar tal in​t e​res​s e de um
es​pí​ri​t o de ob​je​t i​vi​da​de ci​en​t í​f i​c a e de to​lerân​c ia, eli​m i​nan​do tudo o que pos​s a
ha​ver de des​c on​f i​an​ç a e de des​pre​z o re​la​t i​va​m en​t e a ou​t ros po​vos. Sabe-se
que a na​t u​re​z a mes​m a da his​t ó​ria da re​gi​ão não fa​c i​li​t a a con​s e​c u​ç ão de um
ob​je​t i​vo as​s im. A sim​ples apre​sen​ta​ção ob​je​ti​v a dos fa​tos, sen​do, de
res​to, in​su​fi​ci​e n​te para pro​du​z ir a ati​t u​de de​s e​ja​da, deve além dis​s o ser
re​a​li​z a​da den​t ro de um ver​da​dei​ro es​pí​ri​t o de to​lerân​c ia, de modo a fa​z er
com​preen​der que os ad​ver​s á​ri​os de on​t em são os par​c ei​ros de hoje, e que sua
co​la​bo​ra​ç ão em uma obra co​m um só pode be​ne​f i​c i​ar a to​dos. Na me​di​da em
que se pos​s a cri​ar uma tal at​m os​f e​ra, os te​m as re​la​t i​vos à paz, ao
de​s ar​m a​m en​t o, à co​o​pe​ra​ç ão e aos di​rei​t os hu​m a​nos se impõem como uma
obri​ga​ç ão. (Unes​c o, 4a Con​f e​rên​c ia dos Mi​nis​t ros da Edu​c a​ç ão)87
Re​c or​de​m os que as pu​bli​c a​ç ões das ins​t i​t ui​ç ões in​t er​na​c i​o​nais com fre​quên​c ia
es​t en​dem os di​rei​t os hu​m a​nos – que não são de​f i​ni​dos em par​t e al​gu​m a – aos di​rei​t os
so​c i​ais: di​rei​t o à ha​bi​t a​ç ão, ao tra​ba​lho, à ali​m en​t a​ç ão etc.
É re​vol​t an​t e a pou​c a im​por​t ân​c ia que se dá à apre​s en​t a​ç ão ob​je​t i​va dos fa​t os,
quan​do, seis li​nhas an​t es, os au​t o​res di​z i​am:
No mais das ve​z es, um tal ori​en​t a​ç ão [“que ten​de ao for​t a​le​c i​m en​t o da
co​o​pe​ra​ç ão, da con​c ór​dia e da paz in​t er​na​c i​o​nais ou à ga​ran​t ia dos di​rei​t os
hu​m a​nos” – não cog​ni​t i​va, por​t an​t o] pro​duz uma mo​di​f i​c a​ç ão e um
en​ri​que​c i​m en​t o dos con​t e​ú​dos e das dis​c i​pli​nas tra​di​c i​o​nais, dis​c i​pli​nas cuja
atu​a​li​z a​ç ão de​ve​ria ser as​s e​gu​ra​da me​di​an​t e um es​f or​ç o con​t í​nuo de pes​qui​s a
pe​da​gó​gi​c a e com base em uma uti​li​z a​ç ão sis​t e​m á​t i​c a dos re​s ul​t a​dos das
ci​ên​c i​as so​c i​ais e hu​m a​nas [par​t i​c u​lar​m en​t e a psi​c o​lo​gia e a so​c i​o​lo​gia], a fim
de re​f or​ç ar o im​pac​t o pre​t en​di​do. (Ibid.)
Os tra​ba​lhos de re​vi​s ão dos ma​nu​ais es​c o​la​res se mul​t i​pli​c am em
es​c a​la na​c i​o​nal e bi​la​t e​ral; a atu​al at​m os​f e​ra, de me​nor ten​s ão, não per​m i​t i​ria
avan​ç ar mais e pre​t en​der, para as dis​c i​pli​nas mais sen​s í​veis, uma co​o​pe​ra​ç ão
mul​t i​la​t e​ral, ca​paz de de​f i​nir ori​en​t a​ç ões co​m uns no que tan​ge aos pro​gra​m as
e aos ma​nu​ais es​c o​la​res? (Unes​c o, 4a Con​f e​rên​c ia dos Mi​nis​t ros da
Edu​c a​ç ão)88
Aprender a aprender
As so​c i​e​da​des e, mais par​t i​c u​lar​m en​t e, suas ins​t i​t ui​ç ões go​ver​na​m en​t ais
de​vem ser con​s i​de​ra​das es​s en​c i​al​m en​t e como “sis​t e​m as apren​di​z es”. As
so​c i​e​da​des mais ap​t as a apre​s en​t ar su​c es​s o se​rão aque​las cuja ca​pa​c i​da​de de
apren​di​z a​gem é alta: fle​xí​veis, elas são ca​pa​z es de an​t e​c i​par e de
com​preen​der as mu​dan​ç as, bem como de se adap​t ar a elas. Tais so​c i​e​da​des
se be​ne​f i​c i​am da par​t i​c i​pa​ç ão ati​va dos ci​da​dãos no pro​c es​s o de
apren​di​z a​gem. Ao lon​go des​s a apren​di​z a​gem, a his​t ó​ria de​ve​rá ser rees​c ri​t a e
rein​t er​pre​t a​da. (Unes​c o)89
Esse pro​c es​s o con​t í​nuo de al​t e​ra​ç ões apli​c a​va-se não so​m en​t e a jor​nais,
mas tam​bém a li​vros, pe​ri​ó​di​c os, pan​f le​t os, car​t a​z es, fo​lhe​t os, fil​m es,
re​gis​t ros so​no​ros, ca​ri​c a​t u​ras, fo​t o​gra​f i​as; era apli​c a​do a toda es​pé​c ie de
li​t e​ra​t u​ra ou do​c u​m en​t a​ç ão que ti​ves​s e qual​quer sig​ni​f i​c a​do po​lí​t i​c o ou
ide​o​ló​gi​c o. Dia a dia, e qua​s e mi​nu​t o a mi​nu​t o, o pas​s a​do era atu​a​li​z a​do. Des​t a
for​m a, era pos​s í​vel de​m ons​t rar, com pro​va do​c u​m en​t al, a cor​re​ç ão de to​das
as pro​f e​c i​as do Par​t i​do. Ja​m ais per​m a​ne​c ia no ar​qui​vo qual​quer no​t í​c ia, ar​t i​go
ou opi​ni​ão que en​t ras​s e em con​f li​t o com as ne​c es​s i​da​des do mo​m en​t o. Toda a
his​t ó​ria era um pa​limp​s es​t o, ras​pa​do e rees​c ri​t o tan​t as ve​z es quan​t as fos​s em
ne​c es​s á​ri​as. Em ne​nhum caso se​ria pos​s í​vel, uma vez fei​t a a ope​ra​ç ão, que se
pro​vas​s e qual​quer frau​de. (Orwell, 1984)90
86Qua​t riè​m e con​f é​ren​c e des mi​nis​t res de l’Edu​c a​t i​on des états mem​bres de la
ré​gi​on Eu​ro​pe, Rap​port fi​nal, Pa​ris, Unes​c o, 1988, p. 17. (ED-88/MI​NE​DEU​RO​PE). Do​c u​m en​t o
pu​bli​c a​do na​t u​ral​m en​t e sem re​s er​vas acer​c a das opi​ni​ões ex​pos​t as por seus au​t o​res.
87 Qua​t riè​m e Con​f e​rên​c ia dos Mi​nis​t ros da Edu​c a​ç ão, Pers​pec​t i​ves et tâ​c hes, Op.
cit., Unes​c o, p. 12. Gri​f o nos​s o.
88 3. Ibid., p. 16.
89 In​t er​na​t i​o​nal sym​po​s ium and round ta​ble, Qua​li​t i​es re​qui​red of edu​c a​t i​on
to​day..., Op. cit., Unes​c o, p. 34. No​t ar-se-á, de pas​s a​gem, que as ra​z ões pe​las quais se
deve “apren​der a apren​der” apa​re​c em igual​m en​t e. Cria-se uma men​t a​li​da​de pri​va​da de de
qual​quer re​f e​rên​c ia es​t á​vel, aber​t a à ino​va​ç ão, à mu​dan​ç a, ou seja, à sim​ples moda, de
ma​nei​ra que, a essa nova men​t a​li​da​de, a mera no​ç ão de ver​da​de seja algo es​t ra​nho e, por
isso mes​m o, fa​c il​m en​t e ma​ni​pu​lá​vel.
90 G. Orwell, 1984, Fo​lio, Ga​li​m ard, p. 62.
CA​PÍ​T U​LO VIII
OS IUFMS
A formação dos professores
Os ob​je​t i​vos pre​c e​den​t es são mui​t o am​bi​c i​o​s os e re​que​rem dos pro​f es​s o​res uma
for​m a​ç ão em Psi​c o​pe​da​go​gia. Na Fran​ç a, os IUFMS fo​ram cri​a​dos ex​pli​c i​t a​m en​t e para esse
fim. As​s im, o de​c re​t o de 18 de ou​t u​bro de 1991,91 que fixa as mo​da​li​da​des do
re​c ru​t a​m en​t o dos alu​nos dos IUFMS, es​t i​pu​la que:
Numa pri​m ei​ra eta​pa da pro​va [de fran​c ês], o can​di​da​t o fará a sín​t e​s e
de tex​t os e do​c u​m en​t os re​la​t i​vos à aqui​s i​ç ão e ao en​s i​no da lín​gua fran​c e​s a e
deve re​s ol​ver uma ques​t ão de Gra​m á​t i​c a ou de vo​c a​bu​lá​rio; numa se​gun​da
eta​pa, ele ana​li​s a​rá e cri​t i​c a​rá do​c u​m en​t os pe​da​gó​gi​c os re​la​t i​vos a esse
en​s i​no na es​c o​la pri​m á​ria. [...]
Numa pri​m ei​ra eta​pa da pro​va [de Ma​t e​m á​t i​c a], o can​di​da​t o ana​li​s a​rá
si​t u​a​ç ões [!] ou re​s ol​ve​rá pro​ble​m as; numa se​gun​da eta​pa, ele ana​li​s a​rá e
cri​t i​c a​rá do​c u​m en​t os pe​da​gó​gi​c os re​la​t i​vos ao en​s i​no da Ma​t e​m á​t i​c a na es​c o​la
pri​m á​ria. [...]
[O con​c ur​s o ex​t er​no com​preen​de uma] pro​va oral [de ad​m is​s ão],
per​m i​t in​do ao can​di​da​t o:
- de​m ons​t rar sua ap​t i​dão para ar​t i​c u​lar seus co​nhe​c i​m en​t os, sua
ca​pa​c i​da​de de re​f le​xão e sua ex​pe​ri​ên​c ia no do​m í​nio da Edu​c a​ç ão: Fi​lo​s o​f ia da
Edu​c a​ç ão, de​s en​vol​vi​m en​t o fi​s i​o​ló​gi​c o e psi​c o​ló​gi​c o das cri​an​ç as e dos
ado​les​c en​t es, abor​da​gem psi​c o​ló​gi​c a e so​c i​o​ló​gi​c a dos pro​c es​s os de
apren​di​z a​gem e da vida na es​c o​la e na so​c i​e​da​de [...]
Cada uma des​s as pro​vas [do se​gun​do con​c ur​s o in​t er​no] pos​s i​bi​li​t a
ve​ri​f i​c ar se o can​di​da​t o ava​lia cor​re​t a​m en​t e as abor​da​gens di​dá​t i​c as e os
pro​c e​di​m en​t os pe​da​gó​gi​c os re​la​t i​vos ao en​s i​no, na es​c o​la pri​m á​ria, da
dis​c i​pli​na da pro​va, e se ele do​m i​na os co​nhe​c i​m en​t os ci​en​t í​f i​c os ne​c es​s á​ri​os.
A pro​va con​s is​t e na aná​li​s e de do​c u​m en​t os pe​da​gó​gi​c os re​la​t i​vos a
ques​t ões que ne​c es​s a​ri​a​m en​t e fa​z em re​f e​rên​c ia aos con​t e​ú​dos en​s i​na​dos pela
es​c o​la pri​m á​ria no âm​bi​t o de cada dis​c i​pli​na.
Os IUFMS fran​c e​s es in​t e​gram, por​t an​t o, um pro​je​t o mun​di​al de for​m a​ç ão de
pro​f es​s o​res sus​t en​t a​do por pe​da​go​gi​as ati​vas e que visa a mo​di​f i​c ar pro​f un​da​m en​t e o
pa​pel da es​c o​la:
Como já se pode pres​s en​t ir, a pro​m o​ç ão dos no​vos con​t e​ú​dos (know-
how, va​lo​res, ati​t u​des, con​c ep​ç ão do mun​do) e a sua in​t e​gra​ç ão nos pla​nos de
es​t u​dos im​pli​c am uma re​vi​s ão vas​t a e pro​f un​da do sis​t e​m a edu​c a​c i​o​nal, já
que isso afe​t a, a um só tem​po, as es​t ru​t u​ras, a for​m a​ç ão de pro​f es​s o​res, as
ati​t u​des e as men​t a​li​da​des. (Unes​c o)92
O aper​f ei​ç o​a​m en​t o da for​m a​ç ão dos pro​f es​s o​res, tan​t o a ini​c i​al quan​t o a
con​t i​nu​a​da, a re​vi​s ão dos ma​nu​ais [mais par​t i​c u​lar​m en​t e de his​t ó​ria] e a
pro​du​ç ão de no​vos ma​t e​ri​ais e de pu​bli​c a​ç ões pe​da​gó​gi​c as au​xi​li​a​res,
in​t er​dis​c i​pli​na​res e atu​a​li​z a​dos, são de uma im​por​t ân​c ia cru​c i​al em se
tra​t an​do de in​c ul​c ar nos alu​nos os va​lo​res e prin​c í​pi​os enun​c i​a​dos na
Re​c o​m en​da​ç ão so​bre a Edu​c a​ç ão para a Com​preen​s ão, a Co​o​pe​ra​ç ão e a Paz
In​t er​na​c i​o​nais e a Edu​c a​ç ão Re​la​t i​va aos Di​rei​t os do ho​m em e às Li​ber​da​des
Fun​da​m en​t ais ado​t a​da pela Unes​c o em 1974 [em seu pe​rí​o​do aber​t a​m en​t e próco​m u​nis​t a]. Im​por​t a que os pro​f es​s o​res de to​das as ma​t é​ri​as re​c e​bam uma
for​m a​ç ão que os tor​ne ap​t os a pro​c e​der se​gun​do uma abor​da​gem hu​m a​nis​t a.
(Unes​c o, 4ª Con​f e​rên​c ia dos Mi​nis​t ros da Edu​c a​ç ão)93
Não é pos​s í​vel – não mais – pen​s ar em es​t en​der os pro​gra​m as de
edu​c a​ç ão mul​t i​c ul​t u​ral a to​das as cri​an​ç as se o con​jun​t o do cor​po do​c en​t e não
re​c e​ber uma só​li​da for​m a​ç ão te​ó​ri​c a so​bre os pro​ble​m as le​van​t a​dos pe​las
in​t e​ra​ç ões en​t re cul​t u​ras di​f e​ren​t es, o que im​pli​c a es​t u​dos em Fi​lo​s o​f ia, em
An​t ro​po​lo​gia Cul​t u​ral, em Lin​guís​t i​c a, em So​c i​o​lo​gia da Edu​c a​ç ão e em
Psi​c o​lo​gia do Co​nhe​c i​m en​t o. Não bas​t a de​m ons​t rar que a edu​c a​ç ão bi​lín​gue ou
os cur​s os de L1 e L2 são, sob cer​t as con​di​ç ões, efi​c a​z es; tam​bém é pre​c i​s o
que as es​c o​las co​m uns – e não so​m en​t e as es​c o​las ex​pe​ri​m en​t ais ou de
van​guar​da – dis​po​nham de equi​pa​m en​t os, de re​c ur​s os, de mei​os que lhes
per​m i​t i​rão aten​der a es​s as con​di​ç ões. (OCDE)94
A for​m a​ç ão deve per​m i​t ir que os es​t u​dan​t es to​m em cons​c i​ên​c ia de seus
pró​pri​os com​por​t a​m en​t os e va​lo​res. É pre​c i​s o in​c i​t á-los a ana​li​s ar e a
mo​di​f i​c ar es​t es na pers​pec​t i​va de seu de​s en​vol​vi​m en​t o pes​s o​al. ...
Se​ria ne​c es​s á​rio que a for​m a​ç ão apri​m o​ras​s e a ap​t i​dão dos es​t u​dan​t es
para in​c u​t ir uma in​t e​li​gên​c ia in​t er​na​c i​o​nal em seus alu​nos e pre​pa​rá-los para
tra​ba​lhar numa so​c i​e​da​de mul​t i​c ul​t u​ral. (Con​s e​lho da Eu​ro​pa)95
Os pro​ble​m as se co​lo​c a​ri​am en​t ão em ter​m os de con​t e​ú​do e de mé​t o​do,
in​s is​t in​do-se par​t i​c u​lar​m en​t e nas ma​nei​ras de in​f lu​en​c i​ar as ati​t u​des e os
jul​ga​m en​t os dos alu​nos-pro​f es​s o​res. (Con​s e​lho da Eu​ro​pa)96
[A] re​f le​xão [se apoia] nas ca​rac​t e​rís​t i​c as de um pro​gra​m a de for​m a​ç ão
pe​da​gó​gi​c a cujo ob​je​t i​vo é pre​pa​rar o fu​t u​ro pro​f es​s or para exer​c er sua
pro​f is​s ão em uma es​c o​la cada vez mais mul​t i​c ul​t u​ral. (Con​s e​lho da Eu​ro​pa)97
Esse con​t ex​t o, con​t u​do, cria um es​pa​ç o pri​vi​le​gi​a​do no qual se pode lu​t ar
con​t ra es​s es ele​m en​t os ne​ga​t i​vos, ace​le​rar as ini​c i​a​t i​vas em cur​s o no cam​po
da edu​c a​ç ão para uma so​c i​e​da​de mul​t i​c ul​t u​ral, in​c lu​in​do aque​las que tan​gem à
for​m a​ç ão dos pro​f es​s o​res e se ba​s ei​am no plu​ra​lis​m o cul​t u​ral e na
equi​pa​ra​ç ão das opor​t u​ni​da​des. (Con​s e​lho da Eu​ro​pa)98
To​dos, dos di​re​t o​res e ad​m i​nis​t ra​do​res aos em​pre​ga​dos de es​c ri​t ó​rio e
os de​m ais não do​c en​t es, têm ne​c es​s i​da​de de uma re​c i​c la​gem [no que
con​c er​ne ao in​t er​c ul​t u​ra​lis​m o]. Esse gru​po em​pre​gou, em se​gui​da, um cer​t o
nú​m e​ro de es​t ra​t é​gi​as vi​s an​do a ven​c er a re​s is​t ên​c ia à mu​dan​ç a, e pro​pôs
mo​de​los de pro​gra​m as de for​m a​ç ão de pes​s o​al. (Con​s e​lho da Eu​ro​pa)99
A for​m a​ç ão de pes​s o​al do​c en​t e pre​t en​de igual​m en​t e abri-los às ino​va​ç ões
per​m a​nen​t es em ma​t é​ria de Pe​da​go​gia e con​t e​ú​dos edu​c a​t i​vos e fa​z er de​les agen​t es
dó​c eis de po​lí​t i​c as edu​c a​t i​vas cada vez mais re​vo​lu​c i​o​ná​ri​as:
Quais​quer que se​jam as mu​dan​ç as vi​s a​das nos sis​t e​m as edu​c a​c i​o​nais,
ha​ve​rá sem​pre a ne​c es​s i​da​de da es​t rei​t a co​o​pe​ra​ç ão dos pro​f es​s o​res para
pre​pa​rar e exe​c u​t ar es​s as re​f or​m as e ino​va​ç ões. A con​t ri​bui​ç ão e a acei​t a​ç ão,
por par​t e dos pro​f es​s o​res, des​s as mu​dan​ç as são uma con​di​ç ão ne​c es​s á​ria
para sua di​f u​s ão e efi​c á​c ia. Tor​nou-se evi​den​t e que a for​m a​ç ão dos
pro​f es​s o​res de​ve​ria ter la​ç os mais es​t rei​t os e mais bem or​ga​ni​z a​dos com a
pes​qui​s a edu​c a​c i​o​nal [tra​m a​das na Fran​ç a por meio dos IUFM], a con​c ep​ç ão
dos cur​rí​c u​los e a pro​du​ç ão de ma​t e​ri​ais pe​da​gó​gi​c os de tal modo que, ao
lon​go de suas car​rei​ras, pos​s am os pro​f es​s o​res ser par​t e ati​va no pro​c es​s o
com​ple​xo gra​ç as ao qual as ino​va​ç ões pe​da​gó​gi​c as vêm à luz (mes​m o no
mo​des​t o ní​vel da prá​t i​c a do en​s i​no) e se di​f un​dem.100
Abor​da​m os ain​da o tema da for​m a​ç ão con​t í​nua dos pro​f es​s o​res, dos di​re​t o​res e
ou​t ros pro​f is​s i​o​nais de en​s i​no dos sis​t e​m as edu​c a​c i​o​nais. Em nada di​f e​rin​do do tema dos
IUFMS e já ten​do sido por nós en​c on​t ra​do vá​ri​as ve​z es, tra​t a​re​m os ra​pi​da​m en​t e do
as​s un​t o: o dou​t ri​na​m en​t o e a ma​ni​pu​la​ç ão de​vem tor​nar-se per​m a​nen​t es e não se li​m i​t ar
à for​m a​ç ão ini​c i​al.
A in​t ro​du​ç ão, nos pro​gra​m as, dos te​m as de edu​c a​ç ão com vo​c a​ç ão
in​t er​na​c i​o​nal, a ela​bo​ra​ç ão de ma​nu​ais es​c o​la​res e gui​as so​bre es​s es te​m as
para os pro​f es​s o​res são men​c i​o​na​dos por mui​t os pa​í​s es. Es​s as ati​vi​da​des são
sus​t en​t a​das por toda uma sé​rie de pes​qui​s as – de que par​t i​c i​pam as
uni​ver​s i​da​des – e por se​m i​ná​ri​os e co​ló​qui​os de es​pe​c i​a​lis​t as. Nu​m e​ro​s os
pa​í​s es men​c i​o​nam o seu in​t e​res​s e pe​las pu​bli​c a​ç ões das Na​ç ões Uni​das e da
Unes​c o so​bre es​s es te​m as. A re​c i​c la​gem para pre​pa​rar os pro​f es​s o​res para
es​s as no​vas ta​re​f as é uma pre​o​c u​pa​ç ão co​m um a mui​t os Es​t a​dos.
(Unes​c o)101
Pe​da​go​gi​as ati​vas e ma​ni​pu​la​ç ões psi​c o​ló​gi​c as nas sa​las de aula
No tér​m i​no de sua for​m a​ç ão, os pro​f es​s o​res de​vem en​s i​nar o novo cur​ri​c u​lum
com a aju​da de pe​da​go​gi​as ati​vas. Es​c on​den​do-se atrás dos di​rei​t os hu​m a​nos, cuja
de​f i​ni​ç ão eles se fur​t am a dar – di​rei​t os que, es​t en​di​dos, dis​s i​m u​lam as rei​vin​di​c a​ç ões
co​m u​nis​t as –, os psi​c o​pe​da​go​gos que​rem in​c ul​c ar em seus alu​nos uma men​t a​li​da​de
co​le​t i​vis​t a:
Ao pro​c u​rar for​m a​t ar as ati​t u​des de seus alu​nos, os pro​f es​s o​res
con​f ron​t am-se com uma das ta​re​f as mais di​f í​c eis. Quais são os mé​t o​dos de
en​s i​no mais ade​qua​dos para con​du​z ir ao su​c es​s o? O pon​t o fun​da​m en​t al cabe à
es​c o​la, que deve co​lo​c ar em prá​t i​c a o que ela pre​ga. Se​gun​do as pa​la​vras da
com​pi​la​ç ão de su​ges​t ões da Unes​c o, o en​s i​no dos di​rei​t os hu​m a​nos deve an​dar
a par da prá​t i​c a quo​t i​di​a​na dos di​rei​t os e dos de​ve​res na vida quo​t i​di​a​na.
As​s im, a at​m os​f e​ra de uma es​c o​la deve ser aque​la de uma co​m u​ni​da​de na
qual to​dos os in​di​ví​duos re​c e​bam o mes​m o tra​t a​m en​t o. Os prin​c í​pi​os dos
di​rei​t os do ho​m em de​vem ser vi​s í​veis na or​ga​ni​z a​ç ão e na con​du​t a da es​c o​la,
nos mé​t o​dos uti​li​z a​dos nas sa​las de aula, nas re​la​ç ões en​t re os pro​f es​s o​res e
os seus alu​nos e en​t re os pró​pri​os pro​f es​s o​res, as​s im como em sua
con​t ri​bui​ç ão para o bem-es​t ar de toda a co​m u​ni​da​de ex​t ra​es​c o​lar.102
As ati​vi​da​des prá​t i​c as [pe​da​go​gi​as ati​vas] são mais efi​c a​z es que o
en​s i​no pas​s i​vo, com os alu​nos co​la​dos às car​t ei​ras, so​bre​t u​do se há nos
alu​nos um ma​ni​f es​t o in​t e​res​s e pela co​m u​ni​da​de lo​c al. Se uma ati​vi​da​de des​s e
tipo não for pos​s í​vel, de​vem ser re​c o​m en​da​das ati​vi​da​des de subs​t i​t ui​ç ão tais
como o jogo e a si​m u​la​ç ão [dra​m a​t i​z a​ç ão]. As​s im, a for​m a​t a​ç ão das ati​t u​des
e a aqui​s i​ç ão de know-how tor​nam-se in​dis​s o​c i​á​veis dos mé​t o​dos de en​s i​no
uti​li​z a​dos. (Con​s e​lho da Eu​ro​pa)103
Os con​s e​lhos de um gru​po de pa​res po​dem ser pro​pos​t os pelo psi​c ó​lo​go
es​c o​lar, em lu​gar de uma in​t er​ven​ç ão pre​ven​t i​va. Os va​lo​res po​dem ser
trans​m i​t i​dos gra​ç as aos no​vos mei​os de co​m u​ni​c ar. Os va​lo​res não são
trans​m i​t i​dos pelo es​t u​dan​t e quan​do são im​pos​t os, mas sim quan​do
ex​pe​ri​m en​t a​dos e apre​c i​a​dos na vida quo​t i​di​a​na. En​t re os no​vos mei​os de
co​m u​ni​c ar va​lo​res há, por exem​plo, a dra​m a​t i​z a​ç ão e o tra​ba​lho em gru​po
onde os va​lo​res po​dem ser apre​s en​t a​dos ao es​t u​dan​t e de uma ma​nei​ra mais
ex​pe​ri​m en​t al e mais com​preen​s í​vel. (Unes​c o)104
Pes​qui​s as re​a​li​z a​das com alu​nos per​t en​c en​t es a um ex​t en​s o le​que de
pa​í​s es de​s en​vol​vi​dos ou em vias de de​s en​vol​vi​m en​t o mos​t ra​ram que, em
ge​ral, os en​s i​na​m en​t os re​c e​bi​dos na es​c o​la têm pou​c a in​f lu​ên​c ia so​bre as
cren​ç as an​t e​ri​o​res. Os alu​nos po​dem se​guir com su​c es​s o os en​s i​na​m en​t os
dis​pen​s a​dos pelo sis​t e​m a edu​c a​c i​o​nal e ob​t er seus di​plo​m as sem, con​t u​do,
re​la​c i​o​nar es​s es en​s i​na​m en​t os com suas idei​as an​t e​ri​o​res nem con​s i​de​rá-los
úteis ou ne​c es​s á​ri​os para gui​ar a sua vida quo​t i​di​a​na.
A im​por​t ân​c ia do en​vol​vi​m en​t o das idei​as an​t e​ri​o​res do alu​no no
pro​c es​s o edu​c a​c i​o​nal está ago​ra em vias de se tor​nar mais am​pla​m en​t e
acei​t a. Ao in​vés de ser ig​no​ra​das, es​s as idei​as são cada vez mais
con​s i​de​ra​das como re​c ur​s os para o en​s i​no. Além dis​s o, o pró​prio en​s i​no é
con​c e​bi​do com o in​t ui​t o de mu​dar as cren​ç as do alu​no e de​s en​vol​ver mo​dos
al​t er​na​t i​vos de com​preen​s ão das si​t u​a​ç ões.
Além do re​c o​nhe​c i​m en​t o da im​por​t ân​c ia do en​vol​vi​m en​t o dos
co​nhe​c i​m en​t os e cren​ç as an​t e​ri​o​res do alu​no, essa nova pers​pec​t i​va so​bre o
en​s i​no in​s is​t e igual​m en​t e so​bre a cen​t ra​li​da​de do apren​diz no pro​c es​s o do
en​s i​no. A mai​or par​t e dos en​s i​na​m en​t os, para se​rem as​s i​m i​la​dos, exi​gem
in​di​ví​duos que te​nham for​t es mo​t i​va​ç ões para apren​der e que se​jam
ati​va​m en​t e en​vol​vi​dos, fí​s i​c a e/ou men​t al​m en​t e, no tra​t a​m en​t o de
in​f or​m a​ç ões. Sob tais con​di​ç ões, os en​s i​na​m en​t os po​dem re​or​ga​ni​z ar as idei​as
dos alu​nos e agir so​bre elas.
O re​c o​nhe​c i​m en​t o da cen​t ra​li​da​de da res​pon​s a​bi​li​da​de dos alu​nos em seu
pró​prio en​s i​no ori​en​t a a re​f or​m a que con​duz a am​bi​en​t es de en​s i​no mais
aber​t os e mais fle​xí​veis, no âm​bi​t o da es​c o​la e no da for​m a​ç ão per​m a​nen​t e.
Tais am​bi​en​t es de en​s i​no en​f a​t i​z am as se​guin​t es ca​rac​t e​rís​t i​c as:
- Dar aos alu​nos a pos​s i​bi​li​da​de de ne​go​c i​ar e de fi​xar os pró​pri​os
ob​je​t i​vos [en​ga​ja​m en​t o];
- For​ne​c er aces​s o fle​xí​vel e aber​t o aos re​c ur​s os;
- In​s is​t ir mais so​bre os en​s i​nos ex​pe​ri​m en​t ais;
- Uti​li​z ar nos pro​gra​m as de apren​di​z a​gem no​vas tec​no​lo​gi​as e ou​t ros
re​c ur​s os de ma​nei​ra in​t e​ra​t i​va e não “trans​m is​s i​va” [clás​s i​c a];
- For​ne​c er pos​s i​bi​li​da​des de es​c la​re​c er idei​as e pers​pec​t i​vas no​vas e
al​t er​na​t i​vas, bem como re​f le​t ir so​bre isso (quer essa ati​vi​da​de se dê
in​di​vi​du​al​m en​t e ou em gru​po, por meio de dis​c ussões e de​ba​t es) [cla​ri​f i​c a​ç ão
dos va​lo​res];
- In​s is​t ir mais na ação como re​s ul​t a​do dos en​s i​na​m en​t os (isto é, opor o
que os jo​vens po​dem fa​z er ao que eles po​dem co​nhe​c er);
A ado​ç ão des​s as ca​rac​t e​rís​t i​c as nas es​c o​las e nas sa​las de aula, as​s im
como nos ou​t ros am​bi​en​t es de en​s i​no, exi​gi​rá gran​des mu​dan​ç as em nos​s o
pen​s a​m en​t o e em nos​s as prá​t i​c as edu​c a​t i​vas.
Per​c e​be​m os, du​ran​t e pro​gra​m as de edu​c a​ç ão de adul​t os em re​la​ç ão à
saú​de e ao de​s en​vol​vi​m en​t o agrí​c o​la, que as idei​as an​t e​ri​o​res das pes​s o​as
de​vem ser tra​t a​das se​ri​a​m en​t e e que é ne​c es​s á​ria uma abor​da​gem do en​s i​no
mais ori​en​t a​da para a ação/ob​je​t i​vo [be​ha​vi​o​ris​m o]. Per​c e​be-se que a mai​or
par​t e das idei​as das pes​s o​as, as​s im como as prá​t i​c as que se es​t en​dem por
toda uma vida, não se​rão mo​di​f i​c a​das ao se lhes in​c ul​c ar um novo sa​ber. A
ex​pe​ri​ên​c ia pro​va que, para ocor​rer uma mu​dan​ç a, as cren​ç as pre​c i​s am ser
re​ve​la​das e re​c o​nhe​c i​das, e que as mu​dan​ç as têm mais chan​c es de se
pro​du​z ir quan​do as pes​s o​as es​t ão en​vol​vi​das nos pro​gra​m as de ação nos quais
ta​re​f as são em​preen​di​das. (Unes​c o)105
Essa úl​t i​m a ci​t a​ç ão, de im​por​t ân​c ia ca​pi​tal, re​ve​la os ob​je​t i​vos re​ais da
pe​da​go​gia cen​tra​da no alu​no (“cen​t ra​m en​t o” no alu​no).
Um projeto mundial
Os IUFMS fran​c e​s es in​t e​gram, por​t an​t o, um pro​je​t o mun​di​al, tal como o
mos​t ra​ram as ci​t a​ç ões pre​c e​den​t es, e em par​t i​c u​lar aque​las ex​t ra​í​das da De​c la​ra​ç ão
mun​di​al so​bre a edu​c a​ç ão para to​dos:
A fim de re​s ol​vê-los, cabe a nós não so​m en​t e re​c o​nhe​c er a
in​t er​de​pen​dên​c ia dos di​ver​s os se​t o​res de nos​s a eco​no​m ia e de nos​s a vida
co​t i​di​a​na, mas tam​bém ad​m i​t ir a ne​c es​s i​da​de de ado​t ar no​vas abor​da​gens e
no​vas ati​t u​des. A so​c i​e​da​de fu​t u​ra deve po​der con​t ar com seu sis​t e​m a
edu​c a​c i​o​nal para os in​c ul​c ar, se qui​s er​m os en​c on​t rar so​lu​ç ões vá​li​das para
es​s es múl​t i​plos pro​ble​m as. Ao mes​m o tem​po, é ne​c es​s á​rio que
com​preen​da​m os que es​s es pro​ble​m as não são so​m en​t e in​t er​dis​c i​pli​na​res, mas
tam​bém in​t er​na​c i​o​nais e que eles não po​dem, por​t an​t o, ser re​s ol​vi​dos em
ní​vel na​c i​o​nal. (Unes​c o. 4ª Con​f e​rên​c ia dos Mi​nis​t ros da Edu​c a​ç ão)106
As ini​c i​a​t i​vas de for​m a​ç ão [de pro​f es​s o​res] em ní​vel ex​c lu​s i​va e
me​ra​m en​t e na​c i​o​nal não bas​t am: não po​dem dar su​f i​c i​en​t e im​pul​s o para a
com​preen​s ão in​t er​na​c i​o​nal de​s e​ja​da pela Unes​c o tan​t o no do​m í​nio da
Pe​da​go​gia como no da éti​c a e dos di​rei​t os hu​m a​nos. (Unes​c o)107
O pon​t o mais im​por​t an​t e é que de​ve​ria ha​ver um cur​rí​c u​lo uni​ver​s al,
in​t er​na​c i​o​nal e pa​drão, es​t a​be​le​c i​do sob os aus​pí​c i​os das Na​ç ões Uni​das. Em
par​t i​c u​lar, esse cur​rí​c u​lo pa​drão de​ve​ria ser di​f un​di​do a par​t ir das sé​ri​es de
ma​nu​ais es​c o​la​res pa​dro​ni​z a​dos ela​bo​ra​dos sob os aus​pí​c i​os da Na​ç ões
Uni​das. [...]
Isso pro​va ain​da a ne​c es​s i​da​de de sé​ri​es de ma​nu​ais in​t er​na​c i​o​nais
pa​dro​ni​z a​dos e de um cur​rí​c u​lo in​t er​na​c i​o​nal pa​drão en​s i​na​do pe​los
pro​f es​s o​res que re​c e​be​ram uma for​m a​ç ão pa​dro​ni​z a​da.
[...]
En​quan​t o uma ge​ra​ç ão não ti​ver re​c e​bi​do os en​s i​na​m en​t os de um
cur​rí​c u​lo in​t er​na​c i​o​nal pa​drão, to​dos ra​c i​o​c i​na​rão se​gun​do os ve​lhos es​que​m as
men​t ais que, por fim, são fa​t ais para a hu​m a​ni​da​de. As​s im, de​s e​ja​m os
re​c e​ber a anu​ên​c ia vo​lun​t á​ria dos di​f e​ren​t es par​c ei​ros da edu​c a​ç ão, fa​m í​li​as,
or​ga​ni​z a​ç ões pro​f is​s i​o​nais, as​s o​c i​a​ç ões re​li​gi​o​s as e cul​t u​rais, ad​m i​nis​t ra​ç ões e
exér​c i​t o. Para o bem de to​dos, de​s e​ja​m os re​c e​ber seu apoio na
in​t er​na​c i​o​na​li​z a​ç ão e pa​dro​ni​z a​ç ão da edu​c a​ç ão. (Unes​c o)108
Es​pe​ra​m os, por​t an​t o, que o Co​m i​t ê Na​c i​o​nal do En​s i​no Ca​t ó​li​c o seja le​va​do a
re​c on​s i​de​rar os acor​dos que es​t a​be​le​c eu com o go​ver​no, os quais en​t re​gam a for​m a​ç ão
dos pro​f es​s o​res do en​s i​no pri​va​do aos IUFMS. Quem sabe che​gue a ques​t i​o​nar tam​bém a
“tra​di​ç ão de ino​va​ç ões pe​da​gó​gi​c as” do en​s i​no ca​t ó​li​c o, que seu se​c re​t á​rio ge​ral de en​t ão,
o pa​dre Clou​pet, de​f en​dia du​ran​t e as as​s em​blei​as na​c i​o​nais em maio de 1993.
91 J.O. de 20 de ou​t u​bro de 1991, p. 13.770 sq.
92 S. Ras​s ekh, G. Vai​de​a​nu, Les con​t e​nus de l’édu​c a​t i​on, Op. cit., p. 15.
93 Quar​t a con​f e​rên​c ia dos mi​nis​t ros da Edu​c a​ç ão, Rap​port fi​nal, Op. cit., p. 16.
94 OCDE/CERI, L’éco​le et les cul​t u​res, Op. cit., p. 85.
95 Se​m i​ná​rio eu​ro​peu de pro​f es​s o​res/do​c en​t es, Lon​dres, 20-25 de mar​ç o de 1989,
L’édu​c a​t i​on in​t er​c ul​t u​rel​le, Rap​port, Es​t ras​bur​go, Con​s e​lho da Eu​ro​pa, 1989, p. 8 [DECS/EGT
(89) 13].
96
97
98
99
La for​m a​t i​on in​t er​c ul​t u​rel​le des en​s eig​nants, Op. cit., Con​s e​lho da Eu​ro​pa, p. 4.
Ibid., p. 5. Pa​la​vras do Chan​c e​ler C. G. An​dren re​pro​du​z i​das pelo au​t or.
Ibid., p. 21.
Ibid., p. 36.
100 J. C. Pau​vert, Op. cit., p. 9. O au​t or cita aqui: Unes​c o, Me​dium-Term Plan
(1977-1982), Pa​ris, Unes​c o, 1977, 5506-9. Des​t a​que do au​t or.
101 Quar​t a con​f e​rên​c ia dos mi​nis​t ros da Edu​c a​ç ão, Pers​pec​t i​ves et tâ​c hes, Op.
cit., Unes​c o, p. 10.
102 Unes​c o, Sug​ges​t i​ons on te​a​c hing about hu​m an righ​t s, Pa​ris, Unes​c o, 1968, p.
19.
103 De​rek He​a​t er, Hu​m an righ​t s edu​c a​t i​on in scho​ols, Op. cit., Con​s e​lho da Eu​ro​pa,
p. 20.
104 In​t er​na​t i​o​nal sym​po​s ium and round ta​ble, Qua​li​t i​es re​qui​red of edu​c a​t i​on
to​day…, Op. cit., Unes​c o, p. 15.
105 Ibid., p. 26; des​t a​c a​m os.
106 Quar​t a con​f e​rên​c ia dos mi​nis​t ros da Edu​c a​ç ão, Re​la​t ó​rio Fi​nal, Op. Cit.,
Unes​c o, Ane​xo 2, p. 12.
107 F. Best, Op. Cit., p. 11.
108 In​t er​na​t i​o​nal sym​po​s ium and round ta​ble, Qua​li​t i​es re​qui​red of edu​c a​t i​on
to​day…, Unes​c o, p. 40 e 42.
CA​PÍ​T U​LO IX
A DESCENTRALIZAÇÃO
Nu​m e​ro​s as vo​z es se ele​va​ram, tan​t o na di​rei​t a como na es​quer​da, para pre​gar a
des​c en​t ra​li​z a​ç ão ou a des​c on​c en​t ra​ç ão do sis​t e​m a edu​c a​c i​o​nal fran​c ês. Os pon​t os
prin​c i​pais des​t a re​f or​m a são os se​guin​t es:
◆ con​c e​der au​t o​no​m ia aos che​f es de es​t a​be​le​c i​m en​t o;
◆ des​c en​t ra​li​z ar para per​m i​t ir a par​t i​c i​pa​ç ão das co​le​t i​vi​da​des ter​ri​t o​ri​ais e dos
agen​t es eco​nô​m i​c os;
◆ do​t ar os pro​f es​s o​res de uma mai​or con​f i​an​ç a.
Es​s es prin​c í​pi​os po​dem pa​re​c er sa​lu​t a​res e ca​pa​z es de con​t ri​buir para a me​lho​ria
da si​t u​a​ç ão do sis​t e​m a edu​c a​c i​o​nal fran​c ês, em​bo​ra não ex​pli​quem por que o atu​al
sis​t e​m a cen​t ra​li​z a​do brus​c a​m en​t e dei​xou de pa​re​c er sa​t is​f a​t ó​rio, pou​c o após o iní​c io da
re​vo​lu​ç ão pe​da​gó​gi​c a. No en​t an​t o, é pre​c i​s o con​s i​de​rar as cir​c uns​t ân​c i​as de sua apli​c a​ç ão;
em par​t i​c u​lar não po​de​ri​am ser ne​gli​gen​c i​a​das a in​f lu​ên​c ia das Ci​ên​c i​as da Edu​c a​ç ão e das
pe​da​go​gi​as ati​vas, por um lado, e a das ins​t i​t ui​ç ões in​t er​na​c i​o​nais, por ou​t ro lado.
As ins​t i​t ui​ç ões in​t er​na​c i​o​nais com​pe​t en​t es em ma​t é​ria de edu​c a​ç ão (Con​s e​lho da
Eu​ro​pa, Unes​c o e OCDE) tra​ba​lham des​de há mui​t os anos em co​la​bo​ra​ç ão es​t rei​t a com os
nu​m e​ro​s os mi​nis​t é​ri​os da Edu​c a​ç ão, e em par​t i​c u​lar com o mi​nis​t é​rio fran​c ês. Com a
aju​da da pro​xi​m i​da​de ge​o​grá​f i​c a, os fun​c i​o​ná​ri​os fran​c e​s es in​t er​vêm fre​quen​t e​m en​t e na
qua​li​da​de de ex​perts jun​t o a tais ins​t i​t ui​ç ões. Exis​t e, des​s e modo, um con​s en​s o pro​f un​do
en​t re to​das as ad​m i​nis​t ra​ç ões na​c i​o​nais – mais par​t i​c u​lar​m en​t e a fran​c e​s a – e
in​t er​na​c i​o​nais.
Não po​de​m os, pois, ne​gli​gen​c i​ar o peso des​s as úl​t i​m as em um pro​je​t o de re​f or​m a
na​c i​o​nal, ain​da mais quan​do o tra​t a​do de Ma​as​t ri​c ht (Art. 165, 3) es​t i​pu​la que “A
Co​m u​ni​da​de e os Es​t a​dos mem​bros fa​vo​re​c em a co​o​pe​ra​ç ão com os pa​í​s es ter​c ei​ros e as
or​ga​ni​z a​ç ões in​t er​na​c i​o​nais com​pe​t en​t es em ma​t é​ria de edu​c a​ç ão, e em par​t i​c u​lar com o
Con​s e​lho da Eu​ro​pa”. Ora, es​t as ins​t i​t ui​ç ões que tra​ba​lham des​de há mui​t os anos so​bre o
tema da des​c en​t ra​li​z a​ç ão des​na​t u​ram pro​f un​da​m en​t e os ob​je​t i​vos des​t a.109
A implementação da reforma pedagógica
Como já o vi​m os, a re​f or​m a pe​da​gó​gi​c a que ocor​re atu​al​m en​t e em nu​m e​ro​s os
pa​í​s es quer subs​t i​t uir os en​s i​na​m en​t os clás​s i​c os e cog​ni​t i​vos por um en​s i​no
“mul​t i​di​m en​s i​o​nal e não cog​ni​t i​vo” que to​que em to​dos os com​po​nen​t es da per​s o​na​li​da​de:
éti​c o, afe​t i​vo, so​c i​al, cí​vi​c o, po​lí​t i​c o, es​t é​t i​c o, psi​c o​ló​gi​c o. Tra​t a-se de es​va​z i​ar os
en​s i​na​m en​t os de seus con​t e​ú​dos (cog​ni​t i​vos) para subs​t i​t uí-los por um dou​t ri​na​m en​t o
crip​t o​c o​m u​nis​t a e glo​ba​lis​t a, que vise a mo​di​f i​c ar os va​lo​res, as ati​t u​des e os
com​por​t a​m en​t os. Es​s as re​f or​m as pe​da​gó​gi​c as do​ra​van​t e go​z am de um am​plo con​s en​s o
en​t re os di​ri​gen​t es da Edu​c a​ç ão Na​c i​o​nal e são vei​c u​la​das pe​los IUFMS,110 o INRP,111 o
CNDP,112 os CRDP113 e os pro​f is​s i​o​nais das ci​ên​c i​as da edu​c a​ç ão com o acor​do tá​c i​t o da
FEN. Fal​t a, no en​t an​t o, a acei​t a​ç ão do con​jun​t o da so​c i​e​da​de e do cor​po do​c en​t e, o qual,
até o mo​m en​t o, sem​pre opôs uma re​s is​t ên​c ia pas​s i​va, mas de​t er​m i​na​da, a toda ten​t a​t i​va
que ten​de a es​va​z i​ar o en​s i​no de seu con​t e​ú​do. A des​c en​t ra​li​z a​ç ão é o ins​t ru​m en​t o pelo
qual isso é al​c an​ç a​do, cri​an​do-se uma di​nâ​m i​c a de gru​po em es​c a​la es​c o​lar e co​m u​nal,
uti​li​z an​do-se da psi​c o​lo​gia do en​ga​ja​m en​t o e das téc​ni​c as de ma​ni​pu​la​ç ão clás​s i​c as.
O “pro​je​t o de es​c o​la” per​m i​t e a apli​c a​ç ão con​c re​t a des​s as idei​as no en​s i​no
pri​m á​rio. To​dos as es​c o​las são atu​al​m en​t e obri​ga​das a im​ple​m en​t ar tal pro​je​t o. Eis a
de​f i​ni​ç ão dada a ele por uma pu​bli​c a​ç ão do Cen​t ro Re​gi​o​nal de Do​c u​m en​t a​ç ão Pe​da​gó​gi​c a
de Nan​t es:
O pro​je​t o pe​da​gó​gi​c o en​ga​ja co​le​t i​va e in​di​vi​du​al​m en​t e os pro​f es​s o​res de
uma es​c o​la, de um ci​c lo ou de um mes​m o ní​vel de en​s i​no... Cen​t ra-se nos
apren​di​z a​dos e se re​f e​re aos tex​t os ofi​c i​ais. Seu cam​po de apli​c a​ç ão se
es​t en​de para além da sala de aula, na es​c o​la, e mes​m o [para além] de seu
am​bi​en​t e pró​xi​m o ou dis​t an​t e. [...]
O pro​je​t o edu​c a​c i​o​nal en​ga​ja tan​t o os pro​f es​s o​res quan​t o os não
pro​f es​s o​res da co​m u​ni​da​de edu​c a​c i​o​nal. Não diz res​pei​t o ape​nas ao alu​no, mas
à cri​an​ç a en​quan​t o in​di​ví​duo, cuja me​lhor in​s er​ç ão pos​s í​vel na es​c o​la e na
so​c i​e​da​de é vi​s a​da atra​vés da aber​t u​ra para uma mai​or res​pon​s a​bi​li​da​de e
au​t o​no​m ia... Seu cam​po de apli​c a​ç ão se am​plia para uma rede mais ou me​nos
es​t en​di​da em tor​no da es​c o​la.
O pro​je​t o de es​c o​la per​m i​t e a re​a​li​z a​ç ão dos ob​je​t i​vos na​c i​o​nais em
con​t ex​t os es​pe​c í​f i​c os: com​preen​de tan​t o os pro​je​t os pe​da​gó​gi​c os de​f i​ni​dos
pe​los pro​f es​s o​res quan​t o os pro​je​t os edu​c a​c i​o​nais que con​gre​gam to​dos os
par​c ei​ros da es​c o​la.114
A autonomia dos diretores escolares
Como todo o “pes​s o​al mul​t i​pli​c a​dor”, os di​re​t o​res es​c o​la​res são ob​je​t o de gran​de
aten​ç ão por par​t e dos po​de​res pú​bli​c os fran​c e​s es115 ou in​t er​na​c i​o​nais; o Con​s e​lho da
Eu​ro​pa lhes con​s a​grou vá​ri​os es​t u​dos. As con​c lusões são sem​pre as mes​m as: é pre​c i​s o
con​c e​der au​t o​no​m ia aos di​re​t o​res es​c o​la​res para que eles pos​s am agir. Mas os
fun​c i​o​ná​ri​os fran​c e​s es e in​t er​na​c i​o​nais dão um sen​t i​do bem par​t i​c u​lar a essa pro​po​s i​ç ão.
Para eles, o di​re​t or é o agen​te de mu​dan​ça (chan​ge agent) por ex​c e​lên​c ia, que deve
uti​li​z ar sua “ha​bi​li​da​de” psi​c o​ló​gi​c a e sua ci​ên​c ia de ma​ni​pu​la​ç ões de gru​po para fa​z er a
equi​pe de pro​f es​s o​res acei​t ar as re​f or​m as pe​da​gó​gi​c as des​c ri​t as an​t e​ri​or​m en​t e, as quais
de ou​t ro modo ela re​c u​s ar-se-ia sem​pre a apli​c ar. Con​c e​be-se, pois, fa​c il​m en​t e que o
di​re​t or da es​c o​la deva dis​por de uma gran​de au​t o​no​m ia para adap​t ar sua po​lí​t i​c a aos
par​t i​c u​la​res em​ba​ra​ç os lo​c ais que en​c on​t re. Por ou​t ro lado, con​c e​der au​t o​no​m ia ao di​re​t or
o en​vol​ve na re​f or​m a; par​t i​c i​pan​do nela ati​va​m en​t e, ele se en​c on​t ra em uma si​t u​a​ç ão
psi​c o​ló​gi​c a que não lhe per​m i​t e se opor, cri​t i​c ar o que ele mes​m o foi le​va​do a fa​z er pas​s o
a pas​s o, pé na por​t a após pé na por​t a.
Tor​na-se evi​den​t e a par​t ir dos es​t u​dos de ca​s os que um dos prin​c i​pais
obs​t á​c u​los para a ino​va​ç ão é a re​s is​t ên​c ia à mu​dan​ç a, par​t i​c u​lar​m en​t e da
par​t e da​que​les que têm por mis​s ão im​ple​m en​t ar o pro​je​t o no meio es​c o​lar.
Al​guns fa​z em no​t ar que a ino​va​ç ão tro​pe​ç a nas ten​dên​c i​as con​s er​va​do​ras da
co​le​t i​vi​da​de; isso não im​pe​de que, em cada gru​po – pais ou pro​f es​s o​res –,
al​guns se​jam sem​pre fa​vo​rá​veis a uma mu​dan​ç a po​s i​t i​va, e o apoio de uns
ser​vi​rá para com​pen​s ar as re​a​ç ões ne​ga​t i​vas de ou​t ros. É pre​c i​s o igual​m en​t e
con​t ar com as for​ç as in​t er​nas ex​t re​m a​m en​t e po​de​ro​s as que gui​am cada um
de nós e que nos im​pe​lem a re​s is​t ir à mu​dan​ç a. Os sen​t i​m en​t os di​f e​ren​t es
ex​pe​ri​m en​t a​dos pe​los par​t i​dá​ri​os e ad​ver​s á​ri​os da ino​va​ç ão po​dem
fre​quen​t e​m en​t e ser fon​t e de con​f li​t os no in​t e​ri​or da pró​pria es​c o​la.
Dis​s o de​ri​va a ne​c es​s i​da​de de os di​re​t o​res, con​s e​lhei​ros e ins​pe​t o​res
co​nhe​c e​rem e do​m i​na​rem me​lhor es​s es fe​nô​m e​nos a fim de po​der aju​dar o
cor​po do​c en​t e a su​pe​rar tais obs​t á​c u​los, por exem​plo, co​lo​c an​do em evi​dên​c ia
seus sen​t i​m en​t os e re​la​ç ões. É pre​c i​s o que os di​re​t o​res apren​dam,
par​t i​c u​lar​m en​t e, a tra​t ar tais si​t u​a​ç ões com ha​bi​li​da​de e de​li​c a​de​z a, para
re​f or​ç ar no seio da equi​pe do​c en​t e (e ou​t ros pro​f es​s o​res e par​c ei​ros) o
es​pí​ri​t o de co​o​pe​ra​ç ão e o sen​t i​m en​t o de um ob​je​t i​vo co​m um a ser atin​gi​do
[di​nâ​m i​c a de gru​po]. Os tra​ba​lhos de pes​qui​s a mos​t ram cla​ra​m en​t e que os
di​re​t o​res de​s em​pe​nham um pa​pel de todo im​por​t an​t e com re​la​ç ão a isso,
des​de que es​t e​jam con​ven​c i​dos. (Con​s e​lho da Eu​ro​pa)116
Quan​do o di​re​t or sabe como os pro​f es​s o​res mu​dam, quan​do co​nhe​c e as
cau​s as de re​s is​t ên​c ia à mu​dan​ç a, as con​di​ç ões pro​pí​c i​as ao su​c es​s o das
mu​dan​ç as e os pos​t u​la​dos e va​ri​á​veis li​ga​dos à mu​dan​ç a, pode-se con​s i​de​rar
que ele – ou ela – está em boa po​s i​ç ão para es​f or​ç ar-se por in​t ro​du​z ir as
ino​va​ç ões em sua es​c o​la. É evi​den​t e que no prin​c í​pio o di​re​t or de​ve​rá uti​li​z arse con​c re​t a​m en​t e de cer​t as es​t ra​t é​gi​as, mé​t o​dos e me​di​das para ser efi​c az.
Quan​do exa​m i​na​m os as es​t ra​t é​gi​as e os mé​t o​dos de um pon​t o de vis​t a
mais ge​ral, po​de​m os re​t er a ti​po​lo​gia das es​t ra​t é​gi​as de ino​va​ç ão pro​pos​t a por
Chin e seus dis​c í​pu​los.117 Se​gun​do essa ti​po​lo​gia, exis​t em três ti​pos de
es​t ra​t é​gi​as:
a) es​t ra​t é​gi​as co​er​c i​t i​vas que de​pen​dem do aces​s o aos re​c ur​s os
po​lí​t i​c os, ju​rí​di​c os, ad​m i​nis​t ra​t i​vos e eco​nô​m i​c os;
b) es​t ra​t é​gi​as em​pí​ri​c o-ra​c i​o​nais ba​s e​a​das no pos​t u​la​do de que o ho​m em
é ra​c i​o​nal e será so​bre​t u​do sen​s í​vel às ex​pli​c a​ç ões e de​m ons​t ra​ç ões ló​gi​c as;
c) es​t ra​t é​gi​as nor​m a​t i​vas e ree​du​c a​t i​vas que su​po​nham que toda
ino​va​ç ão efi​c az pas​s e por uma mu​dan​ç a de ati​t u​des, de re​la​ç ões, de va​lo​res e
de com​pe​t ên​c i​as e, por​t an​t o, pela ati​va​ç ão de for​ç as no in​t e​ri​or do sis​t e​m a
cli​en​t e. (Con​s e​lho da Eu​ro​pa)118
É evi​den​t e que as ins​t i​t ui​ç ões in​t er​na​c i​o​nais tra​ba​lham prin​c i​pal​m en​t e, e mes​m o
ex​c lu​s i​va​m en​t e, apoi​a​das nas es​t ra​t é​gi​as do ter​c ei​ro tipo, que são na ver​da​de téc​ni​c as de
ma​ni​pu​la​ç ão psi​c o​ló​gi​c a.
No​t e​m os, en​f im, que o “pro​je​t o de es​c o​la” cons​t i​t ui um pas​s o con​s i​de​rá​vel em
di​re​ç ão à au​t o​no​m ia dos di​re​t o​res.
Conceder autonomia para dar confiança aos professores
O di​re​t or es​c o​lar não pode, no en​t an​t o, mal​gra​do toda sua “ha​bi​li​da​de”, ga​ran​t ir
so​z i​nho o su​c es​s o das re​f or​m as. É pre​c i​s o ne​c es​s a​ri​a​m en​t e en​vol​ver os pro​f es​s o​res, o
que é pos​s í​vel na Edu​c a​ç ão na​c i​o​nal e alhu​res em vir​t u​de da des​c en​t ra​li​z a​ç ão na
ad​m i​nis​t ra​ç ão es​c o​lar (au​t o​no​m ia) que per​m i​t e uti​li​z ar a di​nâ​m i​c a de gru​po, a psi​c o​lo​gia
do en​ga​ja​m en​t o, a in​t e​ra​ç ão e a ne​go​c i​a​ç ão. Con​s e​gue-se as​s im a acei​t a​ç ão das “re​f or​m as
pe​da​gó​gi​c as” pe​los pro​f es​s o​res, que es​va​z i​am seus cur​s os de seu con​t e​ú​do aca​dê​m i​c o e o
subs​t i​t u​em por um en​s i​no mul​t i​di​m en​s i​o​nal e não cog​ni​t i​vo. Tra​t a-se de um re​s ul​t a​do
no​t á​vel, pois nu​m e​ro​s as re​f or​m as da edu​c a​ç ão, na Fran​ç a ou no ex​t e​ri​or, fra​c as​s a​ram por
cau​s a da opo​s i​ç ão pas​s i​va dos pro​f es​s o​res que se re​c u​s a​vam a re​nun​c i​ar aos con​t e​ú​dos
aca​dê​m i​c os. No​va​m en​t e, par​t i​lha des​s a pers​pec​t i​va o “pro​je​t o de es​c o​la”, que in​s is​t e no
tra​ba​lho em equi​pe dos pro​f es​s o​res para cri​ar uma di​nâ​m i​c a de gru​po e en​ga​já-los na
po​lí​t i​c a da es​c o​la. Eis al​gu​m as con​s i​de​ra​ç ões bas​t an​t e es​c la​re​c e​do​ras do Con​s e​lho Eu​ro​peu
so​bre es​s es pon​t os:
Lem​bre​m os que, ao lon​go des​s e ca​pí​t u​lo, as idei​as cen​t rais de in​t e​ra​ç ão
e ne​go​c i​a​ç ão de​vem es​t ar pre​s en​t es ao es​pí​ri​t o. A ino​va​ç ão, para ser co​ro​a​da
de êxi​t o, exi​ge a par​t i​c i​pa​ç ão ati​va da​que​les que são seus agen​t es, e mais
am​pla​m en​t e de to​dos os que se​rão afe​t a​dos por sua apli​c a​ç ão e suas
con​s e​quên​c i​as. [...]
No ane​xo IV do pre​s en​t e re​la​t ó​rio, o Pro​f es​s or R. Van​der​berg​he
apre​s en​t a a no​ç ão de abor​da​gem re​gres​s i​va (backward map​ping), na qual vê
um meio de pro​m o​ver a par​t i​c i​pa​ç ão dos in​t e​res​s a​dos nas di​ver​s as eta​pas
pre​pa​ra​t ó​ri​as à ino​va​ç ão. Em vez de par​t ir do pon​t o de vis​t a dos que têm
po​der de de​c i​s ão na ad​m i​nis​t ra​ç ão cen​t ral, essa abor​da​gem toma como base
de par​t i​da a opi​ni​ão da​que​les que se​rão de​f i​ni​t i​va​m en​t e cha​m a​dos a tra​du​z ir a
ino​va​ç ão em fa​t os. [...]
Dis​s o de​c or​re que as ini​c i​a​t i​vas só te​rão chan​c e de êxi​t o caso to​das as
ins​t ân​c i​as do sis​t e​m a edu​c a​c i​o​nal não se con​t en​t em em “acei​t ar” as
mu​dan​ç as pre​vis​t as, mas “se en​ga​jem” a dar pros​s e​gui​m en​t o a tais
mu​dan​ç as. De fato, é pou​c o pro​vá​vel que um sim​ples as​s en​t i​m en​t o seja
su​f i​c i​en​t e para mo​di​f i​c ar os me​c a​nis​m os no sen​t i​do de​s e​ja​do pela ino​va​ç ão.
Por ou​t ro lado, se to​das as par​t es se en​ga​ja​rem, pre​ga​rão em toda par​t e e em
con​c er​t o a cau​s a do novo pro​gra​m a.
Ve​m os que uma coi​s a é acei​t ar, ou​t ra, se en​ga​jar: aque​le que se en​ga​ja
com​preen​de e me​di​t a os prin​c í​pi​os que gui​a​rão a ino​va​ç ão, en​quan​t o aque​le
que acei​t a res​t rin​ge-se a en​dos​s ar as pro​po​s i​ç ões fei​t as, con​di​ç ão às ve​z es
ne​c es​s á​ria à ma​nu​t en​ç ão de seu em​pre​go ou a uma pro​m o​ç ão. (Con​s e​lho
Eu​ro​peu)119
A descentralização
Para os al​t os fun​c i​o​ná​ri​os in​t er​na​c i​o​nais, a des​c en​t ra​li​z a​ç ão em es​c a​la re​gi​o​nal ou
co​m u​nal não deve so​m en​t e per​m i​t ir a in​t er​f e​rên​c ia às co​le​t i​vi​da​des ter​ri​t o​ri​ais e aos
agen​t es eco​nô​m i​c os. Ela visa fun​da​m en​t al​m en​t e a cri​ar, em es​c a​la na​c i​o​nal, um con​s en​s o
acer​c a das re​f or​m as pe​da​gó​gi​c as des​c ri​t as an​t e​ri​or​m en​t e, e de fato ina​c ei​t á​veis, ne​las
en​vol​ven​do toda a so​c i​e​da​de. Ela ten​de igual​m en​t e a fa​z er da edu​c a​ç ão um dos te​m as
ide​o​ló​gi​cos uni​fi​ca​do​res da so​ci​e ​da​de, por isso mes​m o sus​c e​t í​vel de uti​li​z a​ç ões e
des​vi​os bem vas​t os. Tra​t a-se, por​t an​t o, de uma ma​no​bra to​ta​li​tá​ria.
Con​c e​be​m os en​t ão que tam​bém aqui ha​ve​rá “re​s is​t ên​c i​as à mu​dan​ç a” e que será
ne​c es​s á​rio mos​t rar “ha​bi​li​da​de”. Mais uma vez, tal re​s ul​t a​do não pode ser ob​t i​do sem o
com​pro​m e​t i​m en​t o das pes​s o​as en​vol​vi​das, e a psi​c o​lo​gia do en​ga​ja​m en​t o é no​va​m en​t e
cha​m a​da a con​t ri​buir, mas des​t a vez na es​c a​la da co​le​t i​vi​da​de lo​c al:
Sen​do com​ple​xas e va​ri​a​das as ne​c es​s i​da​des edu​c a​c i​o​nais fun​da​m en​t ais,
fa​z em-se ne​c es​s á​ri​as, a fim de sa​t is​f a​z ê-las, es​t ra​t é​gi​as e ações
mul​t is​s e​t o​ri​ais que es​t e​jam in​t e​gra​das no es​f or​ç o de de​s en​vol​vi​m en​t o glo​bal.
Se qui​s er​m os que a edu​c a​ç ão fun​da​m en​t al seja no​va​m en​t e per​c e​bi​da como
res​pon​s a​bi​li​da​de da so​c i​e​da​de in​t ei​ra, mui​t os par​c ei​ros de​vem as​s o​c i​ar seus
es​f or​ç os aos que as au​t o​ri​da​des do en​s i​no, os pro​f es​s o​res e de​m ais
pro​f is​s i​o​nais do en​s i​no fa​z em para de​s en​vol​vê-la. Isso supõe que par​c ei​ros
mui​t o va​ri​a​dos – fa​m í​lia, pro​f es​s o​res, co​m u​ni​da​des lo​c ais, em​pre​s as pri​va​das
[par​t i​c u​lar​m en​t e aque​las do se​t or da in​for​m a​ção e da co​m u​ni​ca​ção],
or​ga​ni​z a​ç ões go​ver​na​m en​t ais e não go​ver​na​m en​t ais etc. – par​t i​c i​pem
ati​va​m en​t e da pla​ni​f i​c a​ç ão, ges​t ão e ava​li​a​ç ão das múl​t i​plas for​m as de que se
re​ves​t e a edu​c a​ç ão fun​da​m en​t al. (De​c la​ra​ç ão mun​di​al)120
Eis al​guns ex​t ra​t os do re​la​t ó​rio fi​nal de um co​ló​quio de alto ní​vel or​ga​ni​z a​do pela
Unes​c o em Por​t u​gal que tra​t am da des​c en​t ra​li​z a​ç ão:
O Co​ló​quio trou​xe à luz a ne​c es​s i​da​de de uma edu​c a​ç ão
“mul​t i​di​m en​s i​o​nal” que leve em con​s i​de​ra​ç ão to​dos os as​pec​t os do in​di​ví​duo
em seu am​bi​en​t e e não se li​m i​t e so​m en​t e ao in​c ul​c a​m en​t o das com​pe​t ên​c i​as
cog​ni​t i​vas. As​s e​gu​rar o su​c es​s o de to​dos sig​ni​f i​c a an​t es trans​f or​m ar o
es​pí​ri​t o dos sis​t e​m as de en​s i​no que pri​vi​le​gi​am a com​pe​t i​ç ão e se​le​ç ão e
en​t ão mu​dar os ob​je​t i​vos e cri​t é​ri​os da ava​li​a​ç ão dos alu​nos para evi​t ar que
um fra​c as​s o no exa​m e con​du​z a à ex​c lu​s ão so​c i​al.
A con​c lu​s ão es​s en​c i​al des​s e re​la​t ó​rio está na afir​m a​ç ão da ne​c es​s i​da​de
de es​t ra​t é​gi​as glo​bais e in​t ers​s e​t o​ri​ais que, so​z i​nhas, per​m i​t am ar​t i​c u​lar en​t re
si as di​f e​ren​t es ações dos po​de​res pú​bli​c os e en​vol​ver a co​le​t i​vi​da​de in​t ei​ra. A
edu​c a​ç ão de to​dos não po​de​ria ser se​não um em​preen​di​m en​t o de to​dos. Um
tra​t a​m en​t o do fra​c as​s o es​c o​lar pela abor​da​gem uni​c a​m en​t e pe​da​gó​gi​c a é
in​s u​f i​c i​en​t e; con​vém co​or​de​nar ação edu​c a​t i​va e ação so​c i​al. (Unes​c o)121
Na ad​m i​nis​t ra​ç ão lo​c al das mu​ni​c i​pa​li​da​des (Por​t u​gal con​t a 275
con​s e​lhos reu​nin​do nu​m e​ro​s as co​m u​nas), uma equi​pe de ani​m a​ç ão co​lo​c a​da
jun​t o ao Pre​s i​den​t e da mu​ni​c i​pa​li​da​de as​s e​gu​ra, em li​ga​ç ão com to​dos os
agen​t es da co​le​t i​vi​da​de, a exe​c u​ç ão con​c re​t a das ações. Essa equi​pe
plu​ri​dis​c i​pli​nar, di​ri​gi​da por um co​or​de​na​dor elei​t o, com​preen​de, além de
nu​m e​ro​s os edu​c a​do​res-ani​m a​do​res pe​da​gó​gi​c os (to​dos pro​f es​s o​res elei​t os por
seus co​le​gas), es​pe​ci​a​lis​tas em Psi​co​lo​gia, es​por​t es e la​z er [e ha​ve​ria
igual​m en​t e mui​t o a di​z er so​bre os ex​c es​s os que ocor​rem nes​s es dois úl​t i​m os
do​m í​ni​os e seu pa​pel na eli​m i​na​ç ão dos en​s i​na​m en​t os aca​dê​m i​c os], saú​de e
tra​ba​lho so​c i​al, um res​pon​s á​vel ad​m i​nis​t ra​t i​vo, o ins​pe​t or da cir​c uns​c ri​ç ão e o
re​pre​s en​t an​t e das as​s o​c i​a​ç ões de pais de alu​nos. En​c ar​re​ga​da de en​c on​t rar
para cada caso so​lu​ç ões adap​t a​das às re​a​li​da​des lo​c ais, a equi​pe mu​ni​c i​pal é
um po​de​ro​s o agui​lhão da di​na​m i​z a​ç ão das es​c o​las. (Unes​c o)122
A for​m a​ç ão in​t er​na teve igual​m en​t e um gran​de pa​pel ao lon​go do
Pro​gra​m a. Os ani​m a​do​res pe​da​gó​gi​c os do PIP​SE são pro​f es​s o​res es​c o​lhi​dos
en​t re seus pa​res, que re​c e​be​ram for​m a​ç ão com​ple​m en​t ar em do​m í​ni​os tais
como a Lín​gua Por​t u​gue​s a, a Ma​t e​m á​t i​c a, a ani​m a​ç ão e a re​la​ç ão pe​da​gó​gi​c a,
a di​nâ​m i​ca de gru​po, a ges​t ão de pro​je​t o ou a In​f or​m á​t i​c a. A ação des​s es
ani​m a​do​res, e a dos psi​có​lo​gos pre​s en​t es nas equi​pes mu​ni​c i​pais, tra​du​z iu-se
num apoio per​m a​nen​t e aos pro​f es​s o​res e no de​s en​vol​vi​m en​t o de prá​t i​c as de
au​t o​f or​m a​ç ão con​t í​nua, in​di​vi​du​al ou em gru​po, de pre​f e​rên​c ia à prá​t i​c a
tra​di​c i​o​nal de es​t á​gi​os. Tra​t a-se aqui de um mo​de​lo de for​m a​ç ão con​t í​nua pela
in​t e​ra​ç ão en​t re pro​f is​s i​o​nais, que se dis​tin​gue dos mo​de​los cen​tra​li​za​dos
ou in​tei​ra​m en​te cen​tra​dos na con​tri​bui​ção de es​pe​ci​a​lis​tas. (Unes​c o)123
Ter-se-á no​t a​do o pa​pel dos psi​c ó​lo​gos e a con​f is​s ão cí​ni​c a re​la​c i​o​na​da à di​nâ​m i​c a
de gru​po que per​m i​t e exer​c er o con​t ro​le so​c i​al so​bre os in​di​ví​duos, nes​s e caso os
pro​f es​s o​res, por in​t er​m é​dio de seu gru​po de pa​res. Aqui ain​da, os “pro​je​t os de es​c o​la”
fran​c e​s es, que de​vem in​c luir os “par​c ei​ros lo​c ais da es​c o​la”, ins​pi​ram-se nes​s a fi​lo​s o​f ia.
Descentralização e ensino não cognitivo
Em nos​s o país, a des​c en​t ra​li​z a​ç ão é de​f en​di​da em par​t i​c u​lar por Louis Le​grand,
per​s o​na​li​da​de que teve in​f lu​ên​c ia con​s i​de​rá​vel no sis​t e​m a edu​c a​c i​o​nal fran​c ês. A ci​t a​ç ão
se​guin​t e, ex​t ra​í​da de um de seus es​c ri​t os, re​ve​la as li​ga​ç ões pro​f un​das e bas​t an​t e
im​por​t an​t es que exis​t em en​t re des​c en​t ra​li​z a​ç ão e en​s i​nos não cog​ni​t i​vos:
Ba​s il Berns​t ein des​t a​c a duas ca​rac​t e​rís​t i​c as des​s e sis​t e​m a. Em pri​m ei​ro
lu​gar, a ne​c es​s i​da​de de um acor​do ide​o​ló​gi​c o en​t re os par​c ei​ros e o ca​rá​t er
ex​plí​c i​t o des​s e acor​do [don​de a cri​a​ç ão dos IUFMS, des​t i​na​dos a as​s e​gu​rar
esse “acor​do ide​o​ló​gi​c o” e apro​f un​dá-lo]. No có​di​go se​ri​a​do, a ide​o​lo​gia
tam​bém exis​t e, mas per​m a​ne​c e im​plí​c i​t a. No có​di​go in​t e​gra​do, os di​f e​ren​t es
par​c ei​ros de​vem es​t ar de acor​do so​bre as es​c o​lhas de va​lo​res ex​pli​c i​t a​m en​t e
de​f i​ni​dos. [Se​ria exa​ge​ro fa​lar aqui em di​t a​du​ra ide​o​ló​gi​c a e psi​c o​ló​gi​c a?]
Por ou​t ro lado, se o có​di​go se​ri​a​do, pe​las nor​m as im​pos​t as, pode con​vir
a pro​f es​s o​res re​c ém-che​ga​dos, não ocor​re o mes​m o com o có​di​go in​t e​gra​do.
O fun​c i​o​na​m en​t o de um es​t a​be​le​c i​m en​t o re​gi​do por esse có​di​go ne​c es​s i​t a de
um con​s i​de​rá​vel in​ves​t i​m en​t o tem​po​ral e afe​t i​vo, ou seja, de pro​f es​s o​res mais
bem for​m a​dos e mais en​t u​s i​as​m a​dos por um ide​al [in​c ul​c a​do nos IUFMS].
Em ma​t é​ria de en​s i​no, a di​a​lé​t i​c a cen​t ra​li​z a​ç ão-des​c en​t ra​li​z a​ç ão tem,
pois, uma im​por​t ân​c ia con​s i​de​rá​vel na me​di​da em que se liga a con​c ep​ç ões
mui​t o di​f e​ren​t es da edu​c a​ç ão e dos va​lo​res que esta im​ple​m en​t a. Es​s es
va​lo​res po​dem per​t en​c er à per​s o​na​li​da​de de base de uma po​pu​la​ç ão e ser o
fru​t o da his​t ó​ria. Mas, como des​t a​quei no iní​c io des​t e ca​pí​t u​lo, essa es​c o​lha
de va​lor pode se tor​nar po​lí​t i​c a na me​di​da em que está ex​pli​c i​t a​da e ins​c ri​t a
num pro​je​t o de so​c i​e​da​de. Des​s e pon​t o de vis​t a, a cen​t ra​li​z a​ç ão em ma​t é​ria
de edu​c a​ç ão liga-se a um cor​po de dou​t ri​nas agru​pa​do em tor​no de va​lo​res
es​t rei​t a​m en​t e li​ga​dos. Em pri​m ei​ro lu​gar, a uni​da​de na​c i​o​nal tra​du​z in​do-se pela
uni​ver​s a​li​da​de da lei e das nor​m as que ela vei​c u​la. Em se​gun​do lu​gar, a
jus​t i​ç a, na me​di​da em que se pre​s u​m e que essa or​dem apli​c a​da a to​dos cria
as con​di​ç ões de uma igual​da​de de opor​t u​ni​da​des. O có​di​go se​ri​a​do, com seus
pro​gra​m as apli​c á​veis em qual​quer lu​gar e seus exa​m es im​pes​s o​ais vá​li​dos no
con​jun​t o do ter​ri​t ó​rio na​c i​o​nal, emer​ge como a ga​ran​t ia de tal jus​t i​ç a. Liga-se
en​f im, e a con​t rá​rio, ao va​lor do in​di​ví​duo, na me​di​da em que essa jus​t i​ç a
im​pes​s o​al leva à com​pe​t i​ç ão, clas​s i​f i​c a​ç ão se​gun​do o mé​ri​t o e des​s e mes​m o
modo à jus​t i​f i​c a​ç ão da se​le​ç ão. Essa or​dem fi​nal​m en​t e fun​da no ní​vel do
di​rei​t o o ‘eli​t is​m o re​pu​bli​c a​no’, pro​du​t o do mé​ri​t o in​di​vi​du​al e da jus​t i​ç a.
Acres​c en​t e​m os ain​da a im​por​t ân​c ia as​s o​c i​a​da ao sa​ber como ins​t ru​m en​t o de
li​ber​t a​ç ão do ho​m em e pe​nhor do pro​gres​s o co​le​t i​vo.
Por opo​s i​ç ão, a des​c en​t ra​li​z a​ç ão liga-se du​ran​t e a mai​or par​t e do tem​po
a ou​t ros va​lo​res, e pri​vi​le​gia o fun​c i​o​na​m en​t o em có​di​go in​t e​gra​do. Em
pri​m ei​ro lu​gar, a vi​vên​c ia re​la​c i​o​nal e a con​vi​vên​c ia. O que im​por​t a aqui não é
um sa​ber abs​t ra​t o e uni​ver​s al e a com​pe​t i​ç ão pela ex​c e​lên​c ia in​di​vi​du​al; mas
um sa​ber na vida em co​m um e par​t in​do do re​c o​nhe​c i​m en​t o po​s i​t i​vo da
di​ver​s i​da​de. A to​lerân​c ia in​t e​lec​t u​al do có​di​go se​ri​a​do, que ge​ral​m en​t e não é
se​não uma fa​c ha​da que es​c on​de o ca​rá​t er im​pe​ra​t i​vo da “ra​z ão”, cede aqui o
pri​m ei​ro lu​gar a uma to​lerân​c ia afe​t i​va que põe em pri​m ei​ro pla​no as
qua​li​da​des “do co​ra​ç ão”. É por isso que a des​c en​t ra​li​z a​ç ão em ma​t é​ria de
edu​c a​ç ão liga-se a uma ou​t ra sen​s i​bi​li​da​de re​la​t i​va à ‘jus​t i​ç a’. Esta, sem​pre
pre​s en​t e, não é mais im​pes​s o​al. Leva em con​t a as con​di​ç ões so​c i​ais da
apren​di​z a​gem; é sen​s í​vel às ‘de​f i​c i​ên​c ia so​c i​ais’, pro​c u​ra com​pen​s á-las com
téc​ni​c as de apoio que não são so​m en​t e in​t e​lec​t u​ais, mas tam​bém afe​t i​vas e
nas quais a he​t e​ro​ge​nei​da​de dos gru​pos não é se​não um as​pec​t o.
É por isso que a es​c o​la nes​s as con​di​ç ões deve abrir-se ao meio e à
fa​m í​lia, pri​m ei​ro lu​gar de so​c i​a​li​z a​ç ão. O pro​f es​s or não é mais o
re​pre​s en​t an​t e de uma dis​c i​pli​na: é tam​bém o ‘tu​t or’, o au​xí​lio afe​t i​vo à
dis​po​s i​ç ão, laço vi​ven​t e en​t re a fa​m í​lia e a es​c o​la.
Com​preen​de-se en​t ão por que a es​c o​lha de uma po​lí​t i​c a edu​c a​c i​o​nal em
ma​t é​ria de cen​t ra​li​z a​ç ão ou de des​c en​t ra​li​z a​ç ão liga-se es​t rei​t a​m en​t e à
ide​o​lo​gia con​f or​m e foi dito no ca​pí​t u​lo II.124
Al​guns te​rão jul​ga​do as con​s i​de​ra​ç ões pre​c e​den​t es de​m a​s i​a​do te​ó​ri​c as, e fa​da​das
ao fra​c as​s o as téc​ni​c as que elas pre​c o​ni​z am. É pre​c i​s o tam​bém in​s is​t ir no fato de que os
pro​c e​di​m en​t os das ins​t i​t ui​ç ões in​t er​na​c i​o​nais des​c ri​t os an​t e​ri​or​m en​t e são fru​t o de mui​t os
de​c ê​ni​os de tra​ba​lho e de que fo​ram lon​ga​m en​t e tes​t a​dos e aper​f ei​ç o​a​dos por equi​pes de
psi​c ó​lo​gos, pe​da​go​gos e es​pe​c i​a​lis​t as em ci​ên​c i​as hu​m a​nas. São o re​s ul​t a​do de um
“pro​gres​s o ci​en​t í​f i​c o”, tam​bém apli​c a​do com su​c es​s o no cam​po da ad​m i​nis​t ra​ç ão de
em​pre​s as. Se​ria en​t ão de todo ilu​s ó​rio es​qui​var-se do pro​ble​m a fe​c han​do os olhos,
que​ren​do acre​di​t ar que não da​rão os re​s ul​t a​dos pre​vis​t os. A tí​t u​lo de exem​plo,
as​s i​na​le​m os que as téc​ni​c as de des​c en​t ra​li​z a​ç ão fo​ram ex​pe​ri​m en​t a​das na Chi​na e em
Por​t u​gal, onde ver​da​dei​ra​m en​t e re​v o​lu​ci​o​na​ram o sis​t e​m a edu​c a​c i​o​nal.
As téc​ni​c as an​t e​ri​or​m en​t e des​c ri​t as, fru​t o da co​o​pe​ra​ç ão pe​da​gó​gi​c a mun​di​al, são
di​f un​di​das por ins​t i​t ui​ç ões in​t er​na​c i​o​nais. São vei​c u​la​das na Fran​ç a por di​ri​gen​t es da
Edu​c a​ç ão na​c i​o​nal, pe​los IUFM, INRP, CNDP, CRDP e pe​los pro​f is​s i​o​nais de Ci​ên​c i​as da
Edu​c a​ç ão. Se o sis​t e​m a fran​c ês vi​es​s e a ser des​c en​t ra​li​z a​do, con​f or​m e está em ques​t ão,
as téc​ni​c as se​ri​am en​t ão na​t u​ral​m en​t e ado​t a​das no con​jun​t o do ter​ri​t ó​rio sem que
nin​guém se lhes pu​des​s e opor. Im​por​t a con​ven​c er-se tam​bém de que o pro​ble​m a sub​s is​t e,
cer​t a​m en​t e de modo me​nos in​t en​s o, no sis​t e​m a cen​t ra​li​z a​do atu​al.
Se a aná​li​s e aci​m a pode pa​re​c er um tan​t o quan​t o sur​preen​den​t e, com a mai​or
par​t e dos te​m as evo​c a​dos não ten​do sido ain​da ob​je​t o de de​ba​t e pú​bli​c o, é con​t u​do
con​f ir​m a​da ex​pli​c i​t a​m en​t e por An​t oi​ne Prost, au​t or do re​la​t ó​rio ao mi​nis​t ro da Edu​c a​ç ão
so​bre Os li​c eus e seus es​t u​dos125 e an​t i​go con​s e​lhei​ro do sr. Ro​c ard, que es​c re​veu
re​c en​t e​m en​t e:126 “É pre​c i​s o des​cen​tra​li​zar, cer​t a​m en​t e, mas de modo mais ra​di​c al
ain​da: no ní​vel das es​co​las, e não no das re​gi​ões. É o úni​c o modo de per​m i​t ir que a
ins​t i​t ui​ç ão es​c o​lar re​s ol​va a ques​t ão pe​da​gó​gi​ca”. Vin​do de um so​c i​a​lis​t a ex​pert em
ma​t é​ria de Edu​c a​ç ão, que sa​bia, ao es​c re​ver es​s as li​nhas, que seu par​t i​do per​de​ria o
po​der, uma con​f is​s ão de tais di​m ensões me​re​c e ser lon​ga​m en​t e me​di​t a​da.
109 Tra​t a​do da Uni​ão Eu​ro​peia, as​s i​na​do a 7 de Fe​ve​rei​ro de 1992 na ci​da​de
ho​lan​de​s a de Ma​as​t ri​c ht. Con​s i​de​ra-se ‘pa​í​s es ter​c ei​ros’ aque​les que não são mem​bros da
Uni​ão Eu​ro​peia – N do T.
110 IUFM – Ins​t i​t u​t o Uni​ver​s i​t á​rio de For​m a​ç ão de Mes​t res.
111 INRP – Ins​t i​t u​t o Na​c i​o​nal de Pes​qui​s a Pe​da​gó​gi​c a.
112 CNDP – Cen​t ro Na​c i​o​nal de Do​c u​m en​t a​ç ão Pe​da​gó​gi​c a.
113 CRDP – Cen​t ro Re​gi​o​nal de Do​c u​m en​t a​ç ão Pe​da​gó​gi​c a.
114 G. Fau​c on, Gui​da de l’ins​t i​t u​t eur e du pro​f es​s eur d’éco​le, Pa​ris, Cen​t re ré​gi​o​nal
de do​c u​m en​t a​t i​on pé​da​go​gi​que de Nan​t es, Ha​c het​t e, 1991, p. 10.
115 Bul​le​t in of​f i​c i​el du mi​nistè​re de l’Édu​c a​t i​on na​t i​o​nal de 4, 18 e 25 de ju​nho de
1992 e 16 de ju​lho de 1992.
116 Pro​jet nº 8 du CDCC, L’in​no​va​t i​on dans l’en​s eig​ne​m ent pri​m ai​re, Rap​port fi​nal,
Stras​bourg, Con​s eil de l’Eu​ro​pe, 1988, p.54 [CDCC (88) 13 et DCES/EGT (87) 23]. Rap​port
pu​blié sans ré​s er​ve sur les opi​ni​ons ex​po​s ées par ses au​t eurs et qui re​f lè​t e – un ac​c ord
sur cha​que po​int im​por​t ant et sur les op​t i​ons pré​s en​t ées de l’en​s em​ble des mem​bres du
grou​pe de pro​jet (p. 2). Su​bli​nha​do no tex​t o.
117 Chin et al., Ge​ne​ral stra​t e​gi​es in af​f ec​t ing chan​ges in hu​m an sys​t ems, in W.
Ben​nis et al. (edi​t ors), The plan​ning of chan​ge, New York, Holt, 1969.
118 32e sé​m i​nai​re d’en​s eig​nants du Con​s eil de l’Eu​ro​pe, Do​nau​es​c hin​gen, 23-28 juin
1986, Le rôle du chef d’éta​blis​s e​m ent dans l’in​no​va​t i​on à l’éco​le pri​m ai​re, Stras​bourg,
Con​s eil de l’Eu​ro​pe, 1987, p. 13. Rap​port pu​blié sans ré​s er​ve sur les opi​ni​ons ex​po​s ées par
ses au​t eurs [DECS/EGT (86) 72-F].
119 L’in​no​va​t i​on dans l’en​s eig​ne​m ent pri​m ai​re, Op. cit., p. 44 sq. Su​bli​nha​do no
tex​t o.
120 WCE​FA, De​c la​ra​ç ão mun​di​al so​bre a edu​c a​ç ão para to​dos, Op. cit., Qua​dro de
ação, Art. 11, p. 5. Des​t a​c a​m os.
121 Co​ló​quio Réus​s ir à l’éco​le, Op. cit., Unes​c o, p. 3.
122 Ibid., p. 19. Des​t a​c a​m os.
123 Ibid., p. 23. Des​t a​c a​m os.
124 L. Le​grand, Les po​li​t i​ques de l’édu​c a​t i​on, Pa​ris, PUF, 1988, p. 62.
125 A. Prost, Les ly​c ées et leurs étu​des. Au seuil du XXIe siè​c le, Pa​ris, mi​nistè​re
de l’Edu​c a​t i​on na​t i​o​na​le, Ser​vi​c e in​f or​m a​t i​on, 1983.
126La Re​vue des deux Mon​des, Set. 92, p. 20. Ne​gri​t o nos​s o.
CA​PÍ​T U​LO X
A AVALIAÇÃO E A INFORMATIZAÇÃO
DO SISTEMA EDUCACIONAL MUNDIAL
Com o en​s i​no se “aper​f ei​ç o​an​do”, a ava​li​a​ç ão dos es​t u​dan​t es deve ser igual​m en​t e
mo​di​f i​c a​da. Em de​t ri​m en​t o do aca​dê​m i​c o e do cog​ni​t i​vo, o en​s i​no tor​na-se des​de já
“mul​t i​di​m en​s i​o​nal” e in​c um​bi​do, por isso mes​m o, de to​dos os com​po​nen​t es da
per​s o​na​li​da​de: éti​c o, afe​t i​vo, so​c i​al, po​lí​t i​c o, es​t é​t i​c o, psi​c o​ló​gi​c o... Es​t es são os do​m í​ni​os
que pre​c i​s am ser pri​o​ri​t a​ri​a​m en​t e con​t em​pla​dos pe​las po​lí​t i​c as de ava​li​a​ç ão
in​ter​na​ci​o​nais pla​ni​f i​c a​das em es​c a​la mun​di​al. As​s im, nos Es​t a​dos Uni​dos, já se ava​lia o
ci​v is​m o das cri​an​ç as. Tam​bém a Fran​ç a está re​s o​lu​t a​m en​t e en​ga​ja​da nes​s e sen​t i​do, e,
as​s im, den​t re as dis​po​s i​ç ões re​la​t i​vas aos alu​nos às quais os pro​f es​s o​res ti​ve​ram de dar
cum​pri​m en​t o, pela pri​m ei​ra vez, em 1992, en​c on​t ram-se: “As​s u​m ir res​pon​s a​bi​li​da​des nos
ní​veis da clas​s e e da es​c o​la”, “Co​nhe​c er di​ver​s os as​pec​t os do pa​t ri​m ô​nio cul​t u​ral, a
exis​t ên​c ia de ou​t ras ci​vi​li​z a​ç ões e de ou​t ras cul​t u​ras”,127 “Afir​m ar sua es​c o​lhas e seus
gos​t os es​t é​t i​c os: ex​pli​c i​t á-los e par​t i​lhá-los”, “Iden​t i​f i​c ar al​guns dos gran​des pro​ble​m as do
mun​do, mos​t rar-se sen​s í​vel a es​s as ques​t ões”.128
Mas, além da le​gí​t i​m a in​qui​e​t a​ç ão que se​m e​lhan​t e ini​c i​a​t i​va pode sus​c i​t ar, não se
pode es​que​c er que a ava​li​a​ç ão visa fun​da​m en​t al​m en​t e a in​t e​ri​o​ri​z ar os va​lo​res, as ati​t u​des
e os com​por​t a​m en​t os de​s e​ja​dos pe​los go​ver​nan​t es:
Será in​t e​res​s an​t e exa​m i​nar o con​t e​ú​do e os ter​m os dos in​di​c a​do​res de
per​f or​m an​c e à me​di​da que eles se pro​pa​gam de um sis​t e​m a de en​s i​no a
ou​t ro. Os pro​f es​s o​res en​s i​na​rão para res​pon​der às exi​gên​c i​as do sis​t e​m a de
ava​li​a​ç ão e os alu​nos, con​f or​m e​m en​t e, apren​de​rão. As​s im, é de im​por​t ân​c ia
pri​m or​di​al que os dis​po​s i​t i​vos de ava​li​a​ç ão, de acom​pa​nha​m en​t o e de con​t ro​le
pú​bli​c o do fun​c i​o​na​m en​t o do sis​t e​m a re​f li​t am ple​na​m en​t e as re​f or​m as dos
pro​gra​m as e da pe​da​go​gia que se de​s e​ja im​ple​m en​t ar. (OCDE)129
Os Estados Unidos
Ex​po​re​m os ini​c i​al​m en​t e a si​t u​a​ç ão do sis​t e​m a edu​c a​c i​o​nal nor​t e-ame​ri​c a​no, que
está, no que con​c er​ne a essa re​f or​m a, al​guns anos à nos​s a fren​t e. Tra​t a-se, con​vém
in​s is​t ir, de fa​t os pro​va​dos, bem es​t a​be​le​c i​dos, e não de pro​je​t os:
◆ Um nú​m e​ro cres​c en​t e, e já sig​ni​f i​c a​t i​vo, de alu​nos do pri​m á​rio são sub​m e​t i​dos
a tes​t es psi​c o​ló​gi​c os des​t i​na​dos a de​t er​m i​nar tan​t o seus per​f is psi​c o​ló​gi​c os como suas
dis​po​s i​ç ões psi​c o​ló​gi​c as.
◆ Es​s es tes​t es per​m i​t em, da mes​m a for​m a, de​t er​m i​nar a dis​po​s i​ç ão dos pais,
re​f le​t i​das por aque​las per​c e​bi​das nas cri​an​ç as. Per​m i​t em tam​bém, me​di​an​t e a com​pa​ra​ç ão
en​t re o iní​c io e o fim do ano es​c o​lar, ava​li​ar a in​f lu​ên​c ia dos pro​f es​s o​res.
◆ Con​f or​m e os re​s ul​t a​dos que apre​s en​t em em tais tes​t es, os alu​nos são as​s im
sub​m e​t i​dos a “cur​s os” es​pe​c i​ais, ba​s e​a​dos em li​vros e fil​m es con​c e​bi​dos por psi​c ó​lo​gos e
des​t i​na​dos a mo​di​f i​c ar seu com​por​t a​m en​t o de acor​do com as téc​ni​c as ela​bo​ra​das pe​los
be​ha​vi​o​ris​t as. O be​ha​vi​o​ris​m o é uma es​c o​la de Psi​c o​lo​gia que con​c e​be o ho​m em como um
tipo de má​qui​na, à qual bas​t a in​t ro​du​z ir os in​puts cor​re​t os – em par​t i​c u​lar a edu​c a​ç ão –
para ob​t er os “cor​re​t os” out​puts. Tais cur​s os es​pe​c i​ais não são se​não ma​ni​pu​la​ç ão
psi​c o​ló​gi​c a, de res​t o no​c i​va, des​t i​na​da a “de​s en​c o​ra​jar a trans​m is​s ão de cer​t as ati​t u​des
apren​di​das com os pais”.130 Tra​t a-se, por​t an​t o, de uti​li​z ar “a edu​c a​ç ão como ins​t ru​m en​t o
para con​di​c i​o​nar a von​t a​de do povo”.131
◆ Men​c i​o​ne​m os de pas​s a​gem que, se​gun​do as te​o​ri​as be​ha​vi​o​ris​t as, o ní​vel
es​c o​lar de​s e​ja​do deve ser o da “com​pe​t ên​c ia mí​ni​m a”. Isso se tra​duz, de fato, numa bai​xa
ca​t as​t ró​f i​c a do ní​vel es​c o​lar: após es​s as re​f or​m as, o nú​m e​ro de ile​t ra​dos nor​t eame​ri​c a​nos pas​s ou de 18 a 25 mi​lhões em pou​c os anos. Des​de en​t ão, o go​ver​no não mais
for​ne​c eu es​t a​t ís​t i​c as...
◆ Os re​s ul​t a​dos dos tes​t es psi​c o​ló​gi​c os es​t ão alo​c a​dos numa úni​c a base de
da​dos in​f or​m a​t i​z a​da que con​c en​t ra to​das as in​f or​m a​ç ões re​f e​ren​t es aos Es​t a​dos Uni​dos.
◆ Os or​ga​nis​m os nor​t e-ame​ri​c a​nos en​vol​vi​dos ten​c i​o​nam li​gar essa base de
da​dos a ou​t ras si​m i​la​res exis​t en​t es no mun​do. As or​ga​ni​z a​ç ões in​t er​na​c i​o​nais não opõem,
na​t u​ral​m en​t e, qual​quer obs​t á​c u​lo a isso.
◆ Tudo isso foi fei​t o sem que o povo nor​t e-ame​ri​c a​no fos​s e in​f or​m a​do e só foi
des​c o​ber​t o de modo for​t ui​t o.
As organizações internacionais
A po​lí​t i​c a nor​t e-ame​ri​c a​na de ava​li​a​ç ão e de in​f or​m a​t i​z a​ç ão faz par​t e de um
pro​c es​s o mun​di​al. As​s im, já em 1982, po​dia-se ler em uma pu​bli​c a​ç ão “pre​pa​ra​da para o
Ga​bi​ne​t e In​t er​na​c i​o​nal de Edu​c a​ç ão” da Unes​c o:
No do​m í​nio afe​t i​vo, não se dispõe ain​da [1982] de uma ta​xo​no​m ia
sa​t is​f a​t ó​ria. Na mai​or par​t e das pes​qui​s as, só se re​t ém afi​nal o que diz
res​pei​t o às ati​t u​des, en​quan​t o a ava​li​a​ç ão des​t as per​m a​ne​c e via de re​gra
bas​t an​t e ru​di​m en​t ar. Os im​por​t an​t es tra​ba​lhos de J. Ra​ven so​bre o as​s un​t o
não pro​du​z i​ram ecos pro​f un​dos.
Quan​t o ao do​m í​nio psi​c o​m o​t or, a si​t u​a​ç ão é ain​da me​nos sa​t is​f a​t ó​ria.
Sur​preen​de ain​da mais o fato de que exis​t am tra​ba​lhos par​c i​ais de gran​de
pre​c i​s ão mas que, até onde sa​be​m os, ja​m ais fo​ram co​or​de​na​dos ou
ar​t i​c u​la​dos a fim de for​m ar o es​pe​ra​do ins​t ru​m en​t o tan​t o da ava​li​a​ç ão quan​t o
da cons​t ru​ç ão de cur​rí​c u​los [...] [Ve​re​m os ain​da que des​de en​t ão essa la​c u​na
foi preen​c hi​da.]
Uma nova ten​dên​c ia [1982] de pes​qui​s a em ma​t é​ria de aqui​s i​ç ões
mí​ni​m as é exem​pli​f i​c a​da pe​los tra​ba​lhos de J. Ra​ven, que, pela pri​m ei​ra vez,
pa​re​c e-nos, le​van​t a o pro​ble​m a das cha​ves do sa​ber-ser ou, se pre​f e​rir, da
apren​di​z a​gem es​s en​c i​al no do​m í​nio afe​t i​vo. [...]
Stuf​f le​be​am dis​t in​gue sete do​m í​ni​os pri​m á​ri​os [nos quais se deve
pro​c e​der à ava​li​a​ç ão]: in​t e​lec​t u​al, afe​t i​vo, psí​qui​c o, mo​ral, es​t é​t i​c o,
pro​f is​s i​o​nal e so​c i​al; ele se po​s i​c i​o​na cla​ra​m en​t e, as​s im, no ní​vel dos va​lo​res.
[...]
Por com​pe​t ên​c i​as en​t en​dem-se os co​nhe​c i​m en​t os, os sa​be​res, os sa​berser ou, de modo mais ge​ral, os com​por​t a​m en​t os dos quais o es​t u​dan​t e deve
ad​qui​rir o do​m í​nio. Es​s as com​pe​t ên​c i​as são de​f i​ni​das a par​t ir de uma
con​c ep​ç ão ex​plí​c i​t a do pa​pel a cum​prir [be​ha​vi​o​ris​m o]; elas são ava​li​a​das em
ter​m os que per​m i​t em a ava​li​a​ç ão dos com​por​t a​m en​t os do es​t u​dan​t e em
re​la​ç ão a com​pe​t ên​c i​as de​t er​m i​na​das. [...]
Há tam​bém di​ver​gên​c i​as quan​t o à di​m en​s ão dos mó​du​los [nos quais o
en​s i​no deve es​t ar sub​m e​t i​do à ava​li​a​ç ão]. Ora, a di​m en​s ão dos mó​du​los
re​pre​s en​t a um as​pec​t o ca​pi​t al em um sis​t e​m a que bus​c a uni​ver​s a​li​z ar-se, no
in​t e​ri​or de um sis​t e​m a ou de um sub​s is​t e​m a edu​c a​t i​vo par​t i​c u​lar, a prin​c í​pio,
e, de​pois, en​t re sis​t e​m as re​gi​o​nais, na​c i​o​nais, e mes​m o, a se​guir,
in​t er​na​c i​o​nais. [...]
Uma vez que toda pes​qui​s a ci​en​t í​f i​c a com​por​t a uma ava​li​a​ç ão,
quan​t i​t a​t i​va e/ou qua​li​t a​t i​va, não deve cau​s ar sur​pre​s a que tal do​m í​nio [o da
ava​li​a​ç ão] se be​ne​f i​c ie de modo es​pe​c i​al do cres​c en​t e de​s en​vol​vi​m en​t o da
pes​qui​s a em Edu​c a​ç ão em ge​ral, bem como das imen​s as pos​s i​bi​li​da​des
aber​t as pela in​f or​m á​t i​c a. [...]
As​s i​na​le​m os, por fim, que o pri​m ei​ro ban​c o in​t er​na​c i​o​nal de ques​t ões é
atu​al​m en​t e im​ple​m en​t a​do pela As​s o​c i​a​ç ão In​t er​na​c i​o​nal para a Ava​li​a​ç ão do
Ren​di​m en​t o Es​c o​lar (IEA). [...]
Os tes​t es sob me​di​da: rumo à in​di​vi​du​a​li​z a​ç ão dos tes​t es
Esse novo pas​s o adi​an​t e, de uma im​por​t ân​c ia con​s i​de​rá​vel, é tor​na​do
pos​s í​vel gra​ç as à exis​t ên​c ia de ban​c os de ques​t ões e pelo ace​le​ra​do
de​s en​vol​vi​m en​t o da in​f or​m á​t i​c a.
O prin​c í​pio ge​ral é o se​guin​t e: um in​di​ví​duo en​t ra em in​t e​ra​ç ão com um
ban​c o de ques​t ões por meio de um ter​m i​nal; seu ní​vel apro​xi​m a​t i​vo de
ap​t i​dões e de co​nhe​c i​m en​t os é ava​li​a​do por um tes​t e de en​t ra​da. [...]
Se​gun​do Car​roll, o tes​t e sob me​di​da não traz pro​gres​so sig​ni​fi​ca​ti​v o
para a ava​li​a​ç ão das ap​t i​dões in​te​lec​tu​ais. Com acer​t o, ele nota “que o
pro​c e​di​m en​t o é há tem​pos uti​li​z a​do em tes​t es in​di​vi​du​ais como a es​c a​la de
Bi​net”.132
Por ou​t ro lado, fica cada vez mais evi​den​t e que essa téc​ni​c a pode ser de
mui​t o pro​vei​t o para a prá​t i​c a edu​c a​c i​o​nal, so​bre​t u​do para:
– a ava​li​a​ç ão for​m a​t i​va (di​ag​nós​t i​c a);
– a ava​li​a​ç ão so​m a​t i​va;
– a cons​t ru​ç ão pra​t i​c a​m en​t e ins​t an​t â​nea, pe​los mes​t res, de tes​t es
adap​t a​dos às suas li​ç ões em um dado mo​m en​t o e para de​ter​m i​na​dos
alu​nos;
– a au​t o​a​va​li​a​ç ão. [...]
[Vi​m os que a ava​li​a​ç ão for​m a​t i​va – da qual o au​t or nos dá uma de​f i​ni​ç ão
res​t ri​t a, de​f i​ni​ç ão que a de​no​m i​na​ç ão mes​m a con​t ra​diz – e a au​t o​a​va​li​a​ç ão
cons​t i​t u​em po​de​ro​s os mei​os de in​t e​ri​o​ri​z a​ç ão de va​lo​res e ati​t u​des.]
De 1966 a 1973, uma vis​t o​ria re​a​li​z a​da em seis dis​c i​pli​nas e ati​vi​da​des
(lei​t u​ra, in​glês ou fran​c ês como se​gun​da lín​gua, ci​ên​c i​as, ci​v is​m o, aná​li​s e de
tex​t os) en​vol​veu 22 pa​í​s es e reu​niu 150 mi​lhões de in​f or​m a​ç ões. [...]
Além dis​s o, a ex​pe​ri​ên​c ia ope​ra​c i​o​nal ad​qui​ri​da em ma​t é​ria de vis​t o​ri​as
nor​m a​t i​vas e a cons​t i​t ui​ç ão, em di​ver​s os pa​í​s es, de equi​pes es​pe​c i​a​li​z a​das na
ma​t é​ria, abri​ram ca​m i​nho à “pi​lo​t a​gem” (mo​ni​t o​ring) sis​t e​m á​t i​c a dos
sis​t e​m as es​c o​la​res. Tra​t a-se de or​ga​ni​z ar vis​t o​ri​as per​m a​nen​t es, ou
re​c or​ren​t es, per​m i​t in​do es​t a​be​le​c er em que me​di​da os ob​je​t i​vos co​lo​c a​dos são
atin​gi​dos e, as​s im, ob​t er uma ava​li​a​ç ão per​m a​nen​t e, ou qua​s e per​m a​nen​t e,
das ne​c es​s i​da​des.
Atu​al​m en​t e, a re​a​li​z a​ç ão mais com​ple​t a nes​s e âm​bi​t o é a da Na​t i​o​nal
As​s ess​m ent of Edu​c a​t i​o​nal Pro​gress (NAEP), nos Es​t a​dos Uni​dos. A NAEP
em​preen​deu uma pes​qui​s a na​c i​o​nal cen​t ra​da nos co​nhe​c i​m en​t os, nas
ha​bi​li​da​des e nas ati​tu​des dos jo​vens nor​t e-ame​ri​c a​nos nos prin​c i​pais
do​m í​ni​os da apren​di​z a​gem es​c o​lar. [...]
Con​c re​t a​m en​t e fa​lan​do, os ob​je​t i​vos bus​c a​dos são: [...]
3. Re​a​li​z ar son​da​gens par​t i​c u​la​res acer​c a de cer​t os as​pec​t os das
per​f or​m an​c es es​c o​la​res. Por exem​plo, no que con​c er​ne à com​preen​s ão da
lei​t u​ra ou às ha​bi​li​da​des a se​rem ad​qui​ri​das para fa​z er face às ne​c es​s i​da​des
vi​t ais es​s en​c i​ais, para es​t u​dar os há​bi​t os de con​s u​m o etc.
4. Reu​nir da​dos, ana​li​s á-los e re​di​gir a seu pro​pó​s i​t o re​la​t ó​ri​os
des​t i​na​dos a vá​ri​os pú​bli​c os [...]
5. En​c o​ra​jar e pres​t ar as​s is​t ên​c ia às pes​qui​s as que se apoi​am nos da​dos
reu​ni​dos pelo NAEP, es​pe​ran​do que as con​c lusões des​s es es​t u​dos ve​nham a
ser úteis tan​t o àque​les que de​vem to​m ar de​c isões em ma​t é​ria de edu​c a​ç ão
como aos exe​c u​t o​res [...]
Atu​al​m en​t e, a ava​li​a​ç ão é fei​t a [pelo NAEP] para qua​t ro fai​xas etá​ri​as (9
anos, 13 anos, 17 anos e adul​tos en​tre 26 e 35 anos). Até o mo​m en​t o, dez
dis​c i​pli​nas e ati​vi​da​des fo​ram ob​je​t o de ava​li​a​ç ão: as ci​ên​c i​as, a ex​pres​s ão
es​c ri​t a, o ci​v is​m o, a com​preen​s ão da lei​t u​ra, a Li​t e​ra​t u​ra, a Mú​s i​c a, a
His​t ó​ria, a Ge​o​gra​f ia, as ma​t e​m á​t i​c as, a for​m a​ç ão pro​f is​s i​o​nal e a edu​c a​ç ão
ar​t ís​t i​c a [...]
Na psi​c o​m e​t ria pro​pri​a​m en​t e dita, os pro​gres​s os são tam​bém
ex​pres​s i​vos. [...] Mais con​c re​t a​m en​t e, e em com​pa​ra​ç ão com as an​t i​gas
téc​ni​c as de cor​re​ç ão de res​pos​t as adi​vi​nha​das, o sis​t e​m a de au​t o​a​va​li​a​ç ão dos
graus de cer​t e​z a da res​pos​t a dada, le​va​do ao es​t a​do ope​ra​c i​o​nal por Le​c lercq,
for​ne​c e não so​m en​t e uma so​lu​ç ão sa​t is​f a​t ó​ria a um pro​ble​m a há anos mal
re​s ol​vi​do, mas abre, ain​da, pers​pec​t i​vas edu​c a​t i​vas con​s i​de​rá​veis. (Unes​c o)133
Os ex​t ra​t os pre​c e​den​t es cons​t am de uma pu​bli​c a​ç ão de 1982. De lá para cá, a
in​f or​m a​t i​z a​ç ão do sis​t e​m a edu​c a​c i​o​nal mun​di​al foi pla​ni​f i​c a​da. O Pla​no de ação ado​t a​do
du​ran​t e a Con​f e​rên​c ia mun​di​al so​bre a edu​c a​ç ão para to​dos – ain​da que evi​t an​do
cui​da​do​s a​m en​t e a pa​la​vra in​f or​m a​t i​z a​ç ão – es​t i​pu​la que:
Em to​dos os pa​í​s es, os ser​vi​ç os e pro​c e​di​m en​t os téc​ni​c os de co​le​t a, de
pro​c es​s a​m en​t o e de aná​li​s e de da​dos so​bre edu​c a​ç ão fun​da​m en​t al po​dem ser
me​lho​ra​dos a bem de sua uti​li​da​de. [...] Des​de que se com​preen​de a
im​por​t ân​c ia des​s as aqui​s i​ç ões [de da​dos], faz-se ne​c es​s á​rio ela​bo​rar sis​t e​m as
que pos​s i​bi​li​t em a ava​li​a​ç ão da per​f or​m an​c e de cada um dos es​tu​dan​tes e
dos me​c a​nis​m os de for​m a​ç ão, ou aper​f ei​ç o​ar, vi​s an​do a esse fim, os
sis​t e​m as já exis​t en​t es. Os da​dos pro​ve​ni​en​t es da ava​li​a​ç ão dos pro​c es​s os e
re​s ul​t a​dos de​ve​ri​am cons​t i​t uir a base de um sis​t e​m a in​te​gra​do de
in​f or​m a​ç ão so​bre a ges​t ão da edu​c a​ç ão fun​da​m en​t al. (De​c la​ra​ç ão mun​di​al)134
Se​gun​do o glos​s á​rio for​ne​c i​do pelo Do​c u​m en​t o de re​f e​rên​c ia da Con​f e​rên​c ia
mun​di​al so​bre a edu​c a​ç ão para to​dos,135 “edu​ca​ção bá​si​ca se re​f e​re à edu​c a​ç ão cujo
ob​je​t i​vo é su​prir as ne​c es​s i​da​des edu​c a​c i​o​nais bá​s i​c as”. Por ou​t ro lado, de acor​do com o
mes​m o glos​s á​rio, “Ne​ces​si​da​des edu​ca​ci​o​nais bá​si​cas re​f e​rem-se aos co​nhe​c i​m en​t os,
com​pe​t ên​c i​as, ati​t u​des e va​lo​res ne​c es​s á​ri​os à so​bre​vi​vên​c ia das pes​s o​as, à me​lho​ria de
sua qua​li​da​de de vida e à con​t i​nui​da​de de seu apren​di​z a​do”.
O lei​t or ha​ve​rá no​t a​do que não se tra​t a de sim​ples es​t a​t ís​t i​c as – que, re​f e​rin​do-se
à psi​c o​lo​gia dos alu​nos, se​ri​am já bas​t an​t e in​qui​e​t an​t es –, mas sim de da​dos in​di​vi​du​ais
re​la​t i​vos “a cada um dos es​t u​dan​t es”. Es​s es da​dos de​vem ser reu​ni​dos em es​c a​la
in​t er​na​c i​o​nal:
São nu​m e​ro​s as as ati​vi​da​des que os pa​í​s es po​dem exer​c er
con​jun​t a​m en​t e, em apoio aos es​f or​ç os que re​a​li​z am em âm​bi​t o na​c i​o​nal para
im​ple​m en​t ar seus pla​nos de ação em fa​vor da edu​c a​ç ão bá​s i​c a. [...] Essa
for​m a de co​la​bo​ra​ç ão re​gi​o​nal [quer di​z er, con​t i​nen​t al, se​gun​do a ter​m i​no​lo​gia
das ins​t i​t ui​ç ões in​t er​na​c i​o​nais] pa​re​c e par​t i​c u​lar​m en​t e apro​pri​a​da aos seis
do​m í​ni​os [...] (II) o aper​f ei​ç o​a​m en​t o da co​le​t a e da aná​li​s e de in​f or​m a​ç ão.
(De​c la​ra​ç ão mun​di​al)136
Para que es​s es pro​je​t os não ter​m i​nem como le​t ra mor​t a, o Pla​no de ação pre​vê
uma co​la​bo​ra​ç ão in​t er​na​c i​o​nal des​t i​na​da a aju​dar os pa​í​s es mais po​bres:
O apoio in​t er​na​c i​o​nal po​de​ria pro​ver a for​m a​ç ão e o de​s en​vol​vi​m en​t o
ins​t i​t u​c i​o​nal nos do​m í​ni​os da co​le​t a de da​dos, da aná​li​s e e da pes​qui​s a; da
ino​va​ç ão tec​no​ló​gi​c a e dos mé​t o​dos pe​da​gó​gi​c os. Tal apoio po​de​ria ain​da
fa​c i​li​t ar a im​ple​m en​t a​ç ão de sis​t e​m as de ges​t ão in​f or​m a​t i​z a​dos. (De​c la​ra​ç ão
mun​di​al)137
As ins​t i​t ui​ç ões mul​t i​la​t e​rais e bi​la​t e​rais de​ve​ri​am se em​pe​nhar em
apoi​ar [fi​nan​c ei​ra​m en​t e], des​de que ins​t a​das pe​los go​ver​nos, as ini​c i​a​t i​vas de
ca​rá​t er pri​o​ri​t á​rio em​preen​di​das, prin​c i​pal​m en​t e em ní​vel na​c i​o​nal [...], em
se​t o​res como os se​guin​t es:
a) Ela​bo​ra​ç ão de pla​nos de ação mul​t is​s e​t o​ri​ais, na​c i​o​nais e
in​f ra​na​c i​o​nais, ou a atu​a​li​z a​ç ão dos pla​nos já exis​t en​t es [...] des​de os iní​c i​os
dos anos no​ven​t a. Mui​t os pa​í​s es em de​s en​vol​vi​m en​t o têm ne​c es​s i​da​de tan​t o
de aju​da fi​nan​c ei​ra quan​t o de au​xí​lio téc​ni​c o, par​t i​c u​lar​m en​t e para a co​le​t a e a
aná​li​s e de da​dos e para a or​ga​ni​z a​ç ão de con​s ul​t as in​t er​nas. (De​c la​ra​ç ão
mun​di​al)138
A co​le​t a de da​dos tem, por​t an​t o, a mais alta pri​o​ri​da​de (a) em um pla​no de oito
itens (a-h).
A Eu​ro​pa
A Eu​ro​pa se​guiu do​c il​m en​t e es​s as re​c o​m en​da​ç ões, ado​t an​do uma “Re​s o​lu​ç ão do
Con​s e​lho e dos Mi​nis​t ros de Edu​c a​ç ão reu​ni​dos no Con​s e​lho [de] 25 de no​vem​bro de 1991,
a res​pei​t o da pes​qui​s a e das es​t a​t ís​t i​c as em ma​t é​ria de edu​c a​ç ão na Co​m u​ni​da​de
Eu​ro​peia”:
O Con​s e​lho das Co​m u​ni​da​des Eu​ro​pei​as e os mi​nis​t ros de Edu​c a​ç ão,
reu​ni​dos no Con​s e​lho:
cons​t a​t am a ne​c es​s i​da​de de uma base só​li​da de in​f or​m a​ç ões, de
es​t a​t ís​t i​c as ade​qua​das e de pes​qui​s as com​pa​ra​t i​vas, com o fim de apro​f un​dar
a co​o​pe​ra​ç ão em ma​t é​ria de edu​c a​ç ão que foi por eles ins​t i​t u​í​da me​di​an​t e a
Re​s o​lu​ç ão de 9 de fe​ve​rei​ro de 1976;
con​s i​de​ran​do que, para tal fim, se​ria in​di​c a​do:
[...]
- in​t en​s i​f i​c ar os es​f or​ç os para es​t a​be​le​c er es​t a​t ís​t i​c as ade​qua​das e
com​pa​rá​v eis so​bre edu​c a​ç ão no âm​bi​t o da Co​m u​ni​da​de Eu​ro​peia;
[...]
con​s i​de​ran​do a pes​qui​s a em ma​t é​ria edu​c a​ç ão já re​a​li​z a​da não so​m en​t e
em ní​vel na​c i​o​nal, mas tam​bém as que fo​ram em​preen​di​das pe​las
or​ga​ni​z a​ç ões in​t er​na​c i​o​nais e eu​ro​pei​as, tan​t o go​ver​na​m en​t ais como não
go​ver​na​m en​t ais:
es​t i​m u​lam uma di​f u​s ão mais vas​t a, na Eu​ro​pa, dos re​s ul​t a​dos dos
pro​je​t os de pes​qui​s a no ní​vel de Es​t a​dos-mem​bros e no ní​vel da Co​m u​ni​da​de,
as​s im como en​t re as or​ga​ni​z a​ç ões in​t er​na​c i​o​nais e as eu​ro​pei​as, so​bre te​m as
de in​t e​res​s e para a po​lí​t i​c a de edu​c a​ç ão dos Es​t a​dos e des​t a​c an​do os
do​m í​ni​os pri​o​ri​t á​ri​os para a co​o​pe​ra​ç ão;
[...]
es​t i​m u​lam a con​t i​nui​da​de e o aper​f ei​ç o​a​m en​t o da atu​a​ç ão dos ser​vi​ç os
da Co​m is​s ão, es​pe​c i​al​m en​t e da Eu​ros​t at, em es​t rei​t a co​la​bo​ra​ç ão com os
ser​vi​ç os dos Es​t a​dos-mem​bros, da Or​ga​ni​z a​ç ão de Co​o​pe​ra​ç ão e de
De​s en​vol​vi​m en​t o Eco​nô​m i​c os (OCDE) e da Or​ga​ni​z a​ç ão das Na​ç ões Uni​das
para a Edu​c a​ç ão, a Ci​ên​c ia e a Cul​t u​ra (Unes​c o). Onde a exis​t ên​c ia de
es​t a​t ís​t i​c as per​m i​t is​s e, essa ação po​de​ria ser con​s a​gra​da par​t i​c u​lar​m en​t e ao
es​t u​do dos in​di​c a​do​res e à co​le​t a de es​t a​t ís​t i​c as que des​t a​quem os do​m í​ni​os
pri​o​ri​t á​ri​os para a co​o​pe​ra​ç ão em ma​t é​ria de edu​c a​ç ão. (Gri​f o nos​s o)
As pes​qui​s as alu​di​das pela re​s o​lu​ç ão su​pra​c i​t a​da são de​c er​t o me​nos pe​ri​go​s as que
a pos​s e dos da​dos in​di​vi​du​ais. Não obs​t an​t e, é pre​c i​s o con​s i​de​rar que elas cons​t i​t u​em um
pri​m ei​ro pas​s o rumo ao es​t a​be​le​c i​m en​t o de ar​qui​vos in​di​vi​du​a​li​z a​dos e que, além dis​s o,
elas per​m i​t em de​t er​m i​nar a mé​dia dos per​f is psi​c o​ló​gi​c os e di​f e​ren​c i​ar a pe​da​go​gia de
acor​do com as re​gi​ões, os li​c eus e mes​m o as clas​s es. A pe​da​go​gia cen​t ra​da no alu​no não
é se​não a úl​t i​m a eta​pa.
A rede eu​ro​peia de ban​c os de da​dos so​bre a edu​c a​ç ão é igual​m en​t e men​c i​o​na​da:
A co​o​pe​ra​ç ão eu​ro​peia en​t re ope​ra​do​res de ban​c os de da​dos so​bre a
edu​c a​ç ão e a for​m a​ç ão foi con​s o​li​da​da pela cri​a​ç ão, em 1988, da As​s o​c i​a​ç ão
Eu​ro​peia para o De​s en​vol​vi​m en​t o dos Ban​c os de Da​dos so​bre a For​m a​ç ão e a
Edu​c a​ç ão (EU​DAT), re​la​c i​o​nan​do en​t re si os ope​ra​do​res de ban​c os de da​dos
na​c i​o​nais. Em 1989, um sis​t e​m a ex​pe​ri​m en​t al de aces​s o di​re​t o a di​ver​s os
ban​c os na​c i​o​nais de da​dos con​s a​gra​dos à for​m a​ç ão (cur​s os e qua​li​f i​c a​ç ão) foi
cri​a​do me​di​an​t e o apor​t e de um CD-ROM, in​t i​t u​la​do “RO​MEO”. Ele foi ob​je​t o
de uma de​m ons​t ra​ç ão du​ran​t e a con​f e​rên​c ia so​bre “A Eu​ro​pa e suas
com​pe​t ên​c i​as”. (Co​m is​s ão das Co​m u​ni​da​des Eu​ro​pei​as)139
A Co​m is​s ão das Co​m u​ni​da​des Eu​ro​pei​as “apoia o de​s en​vol​vi​m en​t o”140 des​s e
sis​t e​m a.
A França
Isso tudo pode pa​re​c er meio ir​re​al; a mes​m a si​t u​a​ç ão, con​t u​do, está em vias de
se es​t a​be​le​c er na Fran​ç a, com a in​t ro​du​ç ão, não de es​t a​t ís​t i​c as, mas de da​dos in​di​vi​du​ais.
Ve​ja​m os, como exem​plo, o que in​di​c a uma pu​bli​c a​ç ão ofi​c i​al do Mi​nis​t é​rio da Edu​c a​ç ão
Na​c i​o​nal, pre​f a​c i​a​do por Li​o​nel Jos​pin, ao fi​nal do ano de 1991:
- ava​li​a​ç ões de ini​c i​a​t i​va lo​c al ou re​gi​o​nal efe​t u​a​das so​bre​t u​do a par​t ir
de ban​c os de da​dos ela​bo​ra​dos nos ní​veis aca​dê​m i​c o e de​par​t a​m en​t al, se
exis​t en​t es, ou da​que​les ban​c os que atin​gem pro​gres​s i​va​m en​t e o ní​vel na​c i​o​nal
me​di​an​t e gru​pos de tra​ba​lho que as​s o​c i​am os res​pon​s á​veis, os pes​qui​s a​do​res
e os exe​c u​t o​res.141
As​s im, des​de o fim do ano es​c o​lar de 1991-1992, os pro​f es​s o​res ti​ve​ram de
res​pon​der a 160 ques​t ões para cada alu​no. En​t re es​s as ques​t ões, a pri​m ei​ras di​z i​am
res​pei​t o às ati​tu​des da cri​an​ç a, ou seja, à sua psi​c o​lo​gia e à sua in​s er​ç ão so​c i​al,
ava​li​a​das de acor​do com cri​t é​ri​os so​c i​a​lis​t as e glo​ba​lis​t as. No​t e​m os, além dis​s o, que o
acen​t o das no​vas di​re​t i​vas para o en​s i​no pri​m á​rio re​c ai for​t e​m en​t e so​bre a so​c i​a​li​z a​ç ão
das cri​an​ç as. Eis al​gu​m as das in​f or​m a​ç ões que os pro​f es​s o​res de​vem atu​al​m en​t e for​ne​c er
por cada alu​no do ter​c ei​ro ci​c lo do pri​m á​rio. Cons​t a​t ar-se-á a im​por​t ân​c ia dada ao en​s i​no
não cog​ni​t i​vo e mul​t i​di​m en​s i​o​nal e à so​c i​a​li​z a​ç ão:
Com​pe​t ên​c i​as trans​ver​s ais [não cog​ni​t i​vas e mul​t i​di​m en​s i​o​nais]:
Aqui​s i​ç ão da au​t o​no​m ia; apren​di​z a​do da vida so​c i​al;
– co​nhe​c er e exer​c er as res​pon​s a​bi​li​da​des pes​s o​ais;
– enun​c i​ar re​gras;
– iden​t i​f i​c ar al​guns im​por​t an​t es pro​ble​m as mun​di​ais; ma​ni​f es​t ar
sen​s i​bi​li​da​de em vis​t a de tais pro​ble​m as;
– de​m ons​t rar cri​a​t i​vi​da​de, in​ven​t i​vi​da​de, cu​ri​o​s i​da​de;
– afir​m ar suas es​c o​lhas e seus gos​t os es​t é​t i​c os: ex​pli​c i​t á-los e
com​par​t i​lhá-los;
[...]
Com​pe​t ên​c i​as de or​dem dis​c i​pli​nar:
[...]
Edu​c a​ç ão Cí​vi​c a;
– co​nhe​c er os de​ve​res e di​rei​t os das cri​an​ç as, do ho​m em e do ci​da​dão;
– co​nhe​c er o fun​c i​o​na​m en​t o de uma as​s o​c i​a​ç ão, de uma co​o​pe​ra​t i​va;
– co​nhe​c er as ins​t i​t ui​ç ões po​lí​t i​c as da Fran​ç a e uma ins​t i​t ui​ç ão
in​t er​na​c i​o​nal;
– co​nhe​c er um im​por​t an​t e ser​vi​ç o pú​bli​c o;
[...]
Edu​c a​ç ão ar​t ís​t i​c a;
– edu​c a​ç ão mu​s i​c al;
[...]
– ana​li​s ar e co​di​f i​c ar os ele​m en​t os so​no​ros;
– re​a​li​z ar pro​du​ç ões pes​s o​ais ou co​le​t i​vas;
[...]
Ar​t es plás​t i​c as
[...]
– en​c on​t rar re​gras de or​ga​ni​z a​ç ão
[...]
– co​nhe​c er as​pec​t os do con​jun​t o de pro​c e​di​m en​t os do ar​t is​t a;
– ex​por seu pró​prio con​jun​t o de pro​c e​di​m en​t os;
Edu​c a​ç ão fí​s i​c a e es​por​t i​va [...]
As​s u​m ir di​f e​ren​t es pa​péis:
– de or​ga​ni​z a​dor;
– de jo​ga​dor;
– de ár​bi​t ro;
Co​nhe​c er a apli​c ar as re​gras:
– de prá​t i​c a es​por​t i​va;
– de ati​vi​da​des de ex​pres​s ão.142
Lem​bre​m os que tais en​s i​na​m en​t os não-cog​ni​t i​vos e so​c i​ais se fa​z em em
de​t ri​m en​t o da for​m a​ç ão in​t e​lec​t u​al, com vin​t e por cen​t o das pes​s o​as abai​xo dos 25 anos
não al​c an​ç an​do o do​m í​nio da lei​t u​ra e da es​c ri​t a. As​s im, as ge​ra​ç ões fu​t u​ras são pri​va​das
dos ins​t ru​m en​t os in​t e​lec​t u​ais que lhes te​ri​am per​m i​t i​do do​m i​nar, sem di​f i​c ul​da​des, e em
seu de​vi​do tem​po, as ques​t ões abor​da​das no en​s i​no não cog​ni​t i​vo. Além dis​s o, elas
po​de​ri​am tê-lo re​a​li​z a​do com toda in​de​pen​dên​c ia de es​pí​ri​t o, li​vres para for​m ar elas
mes​m as uma opi​ni​ão sem so​f rer uma dou​t ri​na​ç ão pre​c o​c e. Pois nem to​dos têm,
ne​c es​s a​ri​a​m en​t e, a mes​m a opi​ni​ão que o go​ver​no so​bre os “im​por​t an​t es pro​ble​m as do
mun​do”, os “di​rei​t os da cri​an​ç a”, as “ins​t i​t ui​ç ões in​t er​na​c i​o​nais” e o mo​vi​m en​t o
as​s o​c i​a​t i​vo, para não fa​lar no do​m í​nio ar​t ís​t i​c o, onde a pas​s a​gem de Jack Lang está viva
na lem​bran​ç a de to​dos. Es​t a​m os, com isso, au​t o​ri​z a​dos a pen​s ar que, ul​t ra​pas​s a​do cer​t o
li​m i​t e, já não se tra​t a da so​c i​a​li​z a​ç ão das cri​an​ç as, mas sim da co​le​t i​vi​z a​ç ão dos
es​pí​ri​t os?
Apli​c an​do a po​lí​t i​c a pre​c o​ni​z a​da pela De​c la​ra​ç ão Mun​di​al so​bre a Edu​c a​ç ão para
To​dos, o Mi​nis​t é​rio da Edu​c a​ç ão Na​c i​o​nal143 im​ple​m en​t ou igual​m en​t e a ava​li​a​ç ão do
alu​nos no se​gun​do ano do li​c eu:
Do​m í​ni​os ava​li​a​dos:
– as dis​c i​pli​nas con​c er​nen​t es ao in​gres​s o no se​gun​do ano – ge​ral ou
tec​no​ló​gi​c o – do li​c eu são: Fran​c ês, Ma​t e​m á​t i​c a, His​t ó​ria-ge​o​gra​f ia, 1ª lín​gua
viva (li​m i​t a​da ao fran​c ês e ao ale​m ão em 1992). [Ibid.]
– é im​por​t an​t e que um tra​ba​lho de ex​pli​c a​ç ão seja con​du​z i​do jun​t o [aos
alu​nos] e que eles en​c on​t rem aí uma for​m a de au​t o​a​va​li​a​ç ão, con​t ri​bu​in​do,
as​s im, a lhes fa​z er to​m ar cons​c i​ên​c ia de suas for​ç as e de suas fra​gi​li​da​des,
bem como a in​c i​t á-los a uma pri​m ei​ra re​f le​xão so​bre seu pro​je​t o de
for​m a​ç ão; [Ibid.]
– o tra​t a​m en​t o dos da​dos oriun​dos da ava​li​a​ç ão será re​a​li​z a​do pe​los
pró​pri​os pro​f es​s o​res: para esse efei​t o, pre​vê-se o de​s en​vol​vi​m en​t o de um
sis​t e​m a in​f or​m a​t i​z a​do co​lo​c a​do à dis​po​s i​ç ão de cada li​c eu, o que per​m i​t i​rá a
cons​t ru​ç ão de “per​f is” dos alu​nos (no que tan​ge às com​pe​t ên​c i​as ava​li​a​das),
“per​f is” de clas​s e, a cons​t i​t ui​ç ão de gru​pos de alu​nos com afi​ni​da​de de per​f il,
e per​m i​t i​rá, en​f im, para a es​c o​la, dis​por do con​jun​t o das di​visões do se​gun​do
ano. [Ibid.]
– os re​s ul​t a​dos per​m a​ne​c e​rão de co​nhe​c i​m en​t o so​m en​t e da clas​s e e da
es​c o​la; tan​t o em ní​vel na​c i​o​nal como aca​dê​m i​c o, não ocor​re​rá o for​ne​c i​m en​t o
des​s as in​f or​m a​ç ões (exaus​t i​va​m en​t e ou por amos​t ra​gem). [Ibid.]
Um ano mais tar​de, em mar​ç o de 1993,144 fo​ram pu​bli​c a​dos dois tex​t os re​la​t i​vos
à ava​li​a​ç ão em CE2145 e 6e146, bem como so​bre a “am​pli​a​ç ão do ban​c o de ins​t ru​m en​t os
de ava​li​a​ç ão para o pri​m á​rio e o ci​c lo de ob​s er​va​ç ão dos co​lé​gi​os”. Nota-se aí uma
evo​lu​ç ão sig​ni​f i​c a​t i​va:
Como se ha​via pre​vis​t o ini​c i​al​m en​t e, de​c i​diu-se, em con​c ordân​c ia com a
di​re​ç ão das es​c o​las, es​t en​der a ela​bo​ra​ç ão des​s es ins​t ru​m en​t os de ava​li​a​ç ão a
ou​t ras dis​c i​pli​nas (His​t ó​ria, Ge​o​gra​f ia, edu​ca​ção cí​v i​ca, Bi​o​lo​gia [à Bi​o​é​t i​c a,
en​f im], ci​ên​c i​as fí​s i​c as e Tec​no​lo​gia. (Gri​f o nos​s o)
En​f im, uma vez que o êxi​t o da ope​ra​ç ão de​pen​de de con​di​ç ões téc​ni​c as –
prin​c i​pal​m en​t e das dis​po​s i​ç ões im​ple​m en​t a​das a fim de fa​vo​re​c er sua
uti​li​z a​ç ão pe​los pro​f es​s o​res –, a fa​c i​li​t a​ç ão do cál​c u​lo con​t i​nu​a​rá sen​do
au​xi​li​a​da me​di​an​t e a dis​po​s i​ç ão do pro​gra​m a CA​SI​MIR 2, aper​f ei​ç o​a​do em
al​guns de​t a​lhes, de acor​do com as ob​s er​va​ç ões e pro​pos​t as re​a​li​z a​das por vós
a esse res​pei​t o. Isso deve per​m i​t ir a co​le​t a, o pro​c es​s a​m en​t o, a aná​li​s e e o
apro​vei​t a​m en​t o dos re​s ul​t a​dos em Lín​gua Fran​c e​s a e Ma​t e​m á​t i​c a, de modo
se​pa​ra​do ou con​jun​t o, a fim de efe​t u​ar cru​z a​m en​t os en​t re as duas dis​c i​pli​nas.
(Ibid.)
Es​s es re​s ul​t a​dos se​rão es​t a​be​le​c i​dos à base de amos​tra​gens
re​pre​sen​ta​ti​v as em ní​v el na​ci​o​nal das es​c o​las que pos​s u​em alu​nos nos
ní​veis con​s i​de​ra​dos. A re​a​li​z a​ç ão das amos​t ra​gens será re​a​li​z a​da ao fi​nal de
se​t em​bro; será con​ve​ni​en​t e, por​t an​t o, que o con​jun​t o dos es​t a​be​le​c i​m en​t os
pú​bli​c os e pri​va​dos, li​ga​dos a vos​s a aca​de​m ia, se​jam in​f or​m a​dos so​bre a
ne​c es​s i​da​de de con​s er​var os ca​der​nos dos alu​nos após a res​t i​t ui​ç ão dos
re​s ul​t a​dos às fa​m í​li​as; em tem​po con​ve​ni​en​t e, se​rão da​das ins​t ru​ç ões às
ins​t i​t ui​ç ões de pes​qui​s a para o en​vio dos ca​der​nos ao DEP; tais ca​der​nos
de​ve​rão ser res​t i​t u​í​dos aos es​t a​be​le​c i​m en​t os após a co​le​t a in​f or​m a​t i​z a​da de
da​dos. (Ibid. – gri​f o nos​s o)
As​s im, pôde-se no​t ar a in​t ro​du​ç ão, em um es​pa​ç o de um ano, da ava​li​a​ç ão em
Edu​c a​ç ão Cí​vi​c a e o “for​ne​c i​m en​t o sis​t e​m á​t i​c o de in​f or​m a​ç ões” em ní​vel na​c i​o​nal.
Na​t u​ral​m en​t e, as eta​pas ul​t e​ri​o​res da ge​ne​ra​li​z a​ç ão do sis​t e​m a são a sua ex​t en​s ão ao
en​s i​no não cog​ni​t i​vo, já ini​c i​a​da me​di​an​t e a ava​li​a​ç ão no do​m í​nio da edu​c a​ç ão cí​vi​c a, e a
cons​t i​t ui​ç ão de uma rede in​f or​m a​t i​z a​da abran​gen​do to​dos os com​pu​t a​do​res dos
es​t a​be​le​c i​m en​t os es​c o​la​res. Além dis​s o, bus​c a-se de​s en​vol​ver a ava​li​a​ç ão, até tor​ná-la
per​m a​nen​t e. Ora, sabe-se que ela cons​t i​t ui – so​bre​t u​do na for​m a da au​t o​a​va​li​a​ç ão – uma
téc​ni​c a po​de​ro​s a de in​t e​ri​o​ri​z a​ç ão de va​lo​res e de ati​t u​des.
[As fer​ra​m en​t as de ava​li​a​ç ão] de​ve​ri​am tam​bém per​m i​t ir o
de​s en​vol​vi​m en​t o, em nos​s o sis​t e​m a edu​c a​c i​o​nal, além das ope​ra​ç ões pon​t u​ais
de ava​li​a​ç ão das aqui​s i​ç ões dos alu​nos ao iní​c io dos anos re​f e​ren​t es ao CE2,
ao 6e e ao 2e,147 de uma ver​da​dei​ra cul​t u​ra de ava​li​a​ç ão. A cul​m i​nân​c ia des​s e
pro​c es​s o po​de​ria de​c er​t o evi​t ar a re​pe​t i​ç ão sob sua for​m a atu​al de ope​ra​ç ões
pon​t u​ais. (Ibid.)
Para per​m i​t ir a im​ple​m en​t a​ç ão de um modo de uti​li​z a​ç ão mais fle​xí​vel e
ca​paz de pro​gres​s os, te​m os es​t u​da​do a pos​s i​bi​li​da​de de co​lo​c ar es​s es
ins​t ru​m en​t os à dis​po​s i​ç ão dos pro​f es​s o​res, va​len​do-nos das no​vas tec​no​lo​gi​as.
(Ibid.)
Nas​c i​das da von​t a​de co​m um da Di​re​ç ão de Ava​li​a​ç ão e Pros​pec​t i​va e da
di​re​ç ão das Es​c o​las, es​s es ins​t ru​m en​t os são des​t i​na​dos a au​xi​li​ar os
pro​f es​s o​res no acom​pa​nha​m en​t o do apren​di​z a​do de seus alu​nos, bem como a
es​c la​re​c er suas es​c o​lhas e suas es​t ra​t é​gi​as pe​da​gó​gi​c as. (Ibid.)
Um ou​t ro do​c u​m en​t o, pu​bli​c a​do em 1992, tra​z ia o se​guin​t e em seu pre​f á​c io,
as​s i​na​do pelo di​re​t or de Ava​li​a​ç ão e Pros​pec​t i​va e pelo di​re​t or das es​c o​las:
A dis​po​ni​bi​li​z a​ç ão, aos pro​f es​s o​res, dos ins​t ru​m en​t os de ava​li​a​ç ão é uma
das missões con​f i​a​das à Di​re​ç ão de Ava​li​a​ç ão e Pros​pec​t i​va.
Ela tem por ob​je​t i​vo o de​s en​vol​vi​m en​t o em nos​s o sis​t e​m a edu​c a​c i​o​nal,
além das ope​ra​ç ões pon​t u​ais so​bre as aqui​s i​ç ões dos alu​nos, de uma
ver​da​dei​ra cul​t u​ra de ava​li​a​ç ão.
A cri​a​ç ão de um ban​co de ins​tru​m en​tos de ava​li​a​ç ão, des​t i​na​do aos
pro​f is​s i​o​nais das es​c o​las ma​ter​nais [!] e ele​m en​ta​res, ins​c re​ve-se nes​s a
po​lí​t i​c a.
Li​m i​t a​da por en​quan​to em seu cam​po, vis​t o que tem vi​s a​do so​m en​t e à
Lín​gua Fran​c e​s a e à Ma​t e​m á​t i​c a, e por​que não pre​t en​de ser exaus​t i​va em seu
modo de apre​s en​t a​ç ão, uma vez que se acha im​pres​s o so​bre o su​por​t e
tra​di​c i​o​nal do pa​pel, esse ban​c o, não obs​t an​t e, é vis​t o des​de já como uma útil
fer​ra​m en​t a, ain​da que es​te​ja, é cla​ro, em aper​fei​ço​a​m en​to.148
Em ter​m os de psi​c o​lo​gia so​c i​al, tal modo de pro​c e​der equi​va​le a um “pé na por​t a”.
Por ou​t ro lado, con​c e​be-se sem di​f i​c ul​da​de que a ava​li​a​ç ão do en​s i​no de ní​vel ma​t er​nal não
dirá res​pei​t o aos en​s i​nos aca​dê​m i​c os, mas prin​c i​pal​m en​t e à Psi​c o​lo​gia, à afe​t i​vi​da​de e à
in​s er​ç ão so​c i​al das cri​an​ç as.
A in​t ro​du​ç ão de uma cul​t u​ra de ava​li​a​ç ão per​m a​nen​t e – que per​m i​t i​rá que se evi​t e
a re​pe​t i​ç ão de ope​ra​ç ões pon​t u​ais –, de um modo de uti​li​z a​ç ão fle​xí​vel e evo​lu​t i​vo dos
ins​t ru​m en​t os de ava​li​a​ç ão, não pode se dar sem que os es​t a​be​le​c i​m en​t os te​nham aces​s o
a “no​vas tec​no​lo​gi​as”. Com essa es​t ru​t u​ra já in​f or​m a​t i​z a​da, ob​vi​a​m en​t e se de​ve​rá dis​por
as in​f or​m a​ç ões em re​des a fim de per​m i​t ir o seu aces​s o a par​t ir de um úni​c o ban​c o
in​f or​m a​t i​z a​do de ins​t ru​m en​t os de ava​li​a​ç ão. Atu​al​m en​t e, a cada pro​f es​s or é atri​bu​í​do, pelo
Mi​nis​t é​rio da Edu​c a​ç ão, um nú​m e​ro de iden​t i​f i​c a​ç ão, se​c re​t o, que deve ser​vir de cha​ve
in​f or​m á​t i​c a para o aces​s o a essa rede.149 Pode-se te​m er, com ra​z ão, que os da​dos das
ava​li​a​ç ões, es​t en​di​dos ao en​s i​no não cog​ni​t i​vo, como a edu​c a​ç ão cí​vi​c a, se​jam em bre​ve
aces​s í​veis me​di​an​t e essa rede in​f or​m á​t i​c a úni​c a. Bas​t a​rá, en​t ão, ape​nas es​t o​c á-los em
um ban​c o de da​dos úni​c o, tal como já acon​t e​c e nos Es​t a​dos Uni​dos. O ab​s ur​do de re​c o​lher
por duas ve​z es os da​dos, pri​m ei​ro em ní​vel dos es​t a​be​le​c i​m en​t os es​c o​la​res e, de​pois, em
ní​vel na​c i​o​nal, a par​t ir de amos​t ra​gens, não po​de​ria sub​s is​t ir por mui​t o tem​po. Os
es​pe​c i​a​lis​t as em Ci​ên​c i​as Hu​m a​nas e So​c i​ais te​rão em mãos um te​m í​vel ins​t ru​m en​t o para
o es​t u​do e a mo​di​f i​c a​ç ão dos com​por​t a​m en​t os. Um ar​t i​go pu​bli​c a​do por Le Fi​ga​ro (7 de
ou​t u​bro de 1992), in​t i​t u​la​do Os es​t u​dan​t es re​gis​t ra​dos em fi​c has, só pode fa​z er cres​c er
esse re​c eio:
Fi​c har os es​t u​dan​t es do co​lé​gio e os do li​c eu é uma das pre​o​c u​pa​ç ões de
Jack Lang, que, para esse fim, lan​ç ou uma vas​t a ope​ra​ç ão ex​pe​ri​m en​t al em
di​ver​s os es​t a​be​le​c i​m en​t os de en​s i​no. Mas o ex​t re​m a​do mi​nis​t ro da Edu​c a​ç ão,
no ca​lor da ação, pa​re​c e não ha​ver res​pei​t a​do a le​gis​la​ç ão em vi​gor. [...]
Ofi​c i​al​m en​t e, o ob​je​t i​vo ale​ga​do pelo mi​nis​t ro, a fim de jus​t i​f i​c ar a
ins​t i​t ui​ç ão des​s es ar​qui​vos in​f or​m a​t i​z a​dos cen​tra​li​za​dos, se​ria a re​a​li​z a​ç ão
de es​t a​t ís​t i​c as de​m o​grá​f i​c as e so​ci​ais que po​de​ri​am, em se​gui​da, por
exem​plo, ser cru​za​dos com os re​sul​ta​dos es​co​la​res [par​t i​c u​lar​m en​t e, não
cog​ni​t i​vos]. [...]
O Mi​nis​t é​rio da Edu​c a​ç ão Na​c i​o​nal, nes​s e epi​s ó​dio, dá mos​t ras de uma
cu​ri​o​s a obs​t i​na​ç ão: “O pro​c es​s o in​gres​s ou em sua úl​t i​m a eta​pa”, es​c re​veu um
rei​t or a seus di​re​t o​res e su​per​vi​s o​res. “Tra​t a-se de um ato es​s en​c i​al, e se faz
ne​c es​s á​rio que to​dos os es​t a​be​le​c i​m en​t os pro​du​z am, em tem​po útil, os da​dos
re​f e​ren​t es à es​c o​la​ri​da​de, de acor​do com a for​m a re​que​ri​da”. Ou​t ro há que
che​ga ao pon​t o de ame​a​ç ar seus su​bor​di​na​dos: “Os se​nho​res não pro​c e​de​ram
ao tra​ba​lho de cons​t ru​ç ão da base de da​dos dos alu​nos... As​s im, fi​c am
obri​ga​dos a pro​du​z i-la no pra​z o mais bre​ve: o de​s a​t en​di​m en​t o des​s a de​m an​da
cau​s a​rá um tal dano à aca​de​m ia in​t ei​ra, que hei de me ver na obri​ga​ç ão de
en​t re​gar um re​la​t ó​rio a res​pei​t o à ad​m i​nis​t ra​ç ão cen​t ral, ape​s ar das
con​s e​quên​c i​as que daí re​s ul​t a​rão para os se​nho​res mes​m os”. [...]
O fi​c ha​m en​t o pro​gri​de, as in​f or​m a​ç ões con​f i​den​c i​ais cir​c u​lam, en​quan​t o
a CNIL (Com​m is​s i​on in​f or​m a​t i​que et li​ber​t és) ain​da não re​c e​beu o dos​s i​er
com​ple​t o da de​m an​da de ho​m o​lo​ga​ç ão do Mi​nis​t é​rio da Edu​c a​ç ão Na​c i​o​nal. [...]
Em pou​c as pa​la​vras, a ex​pe​ri​ên​c ia atu​al não tem base le​gal al​gu​m a. [...] Quais
são as ver​da​dei​ras ra​z ões, im​pe​ri​o​s as e se​c re​t as, des​s e fi​c ha​m en​t o de
alu​nos? (Gri​f o nos​s o)
Como acre​di​t ar, ven​do o se​gre​do que os en​vol​ve, que os tes​t es pre​c e​den​t es –
in​c lu​s i​ve Edu​c a​ç ão Cí​vi​c a – não de​ve​rão apro​xi​m ar-se des​s as ba​s es de da​dos? Como
acre​di​t ar que os tes​t es psi​c o​ló​gi​c os, des​de já di​f un​di​dos pelo Ins​t i​t u​t o Na​c i​o​nal da
Pes​qui​s a Pe​da​gó​gi​c a, não se​rão logo in​f or​m a​t i​z a​dos e uti​li​z a​dos em gran​de es​c a​la? Um
des​s es tes​t es, pu​bli​c a​do em uma obra de​di​c a​da à ava​li​a​ç ão for​m a​t i​va,150 é in​t er​pre​t a​do
se​gun​do o di​a​gra​m a de aná​li​s e apre​s en​t a​do mais adi​an​t e.
Lem​bre​m os que, se per​m i​t em de​t er​m i​nar o per​f il psi​c o​ló​gi​c o do in​di​ví​duo, os
tes​t es psi​c o​ló​gi​c os per​m i​t em igual​m en​t e a sua mo​di​f i​c a​ç ão e a in​t e​ri​o​ri​z a​ç ão, pelo su​jei​t o
ava​li​a​do, dos va​lo​res de​s e​ja​dos:
Não é gra​t ui​t a​m en​t e que mui​t os di​ri​gen​t es gos​t am de evo​c ar o ca​rá​t er
“for​m a​dor” da ava​li​a​ç ão, e tam​bém não é sem mo​t i​vo que o ape​lo aos
pro​f is​s i​o​nais da psi​c o​lo​gia per​s o​na​lis​t a (uso de tes​t es...) tem sido
im​pe​ri​o​s o.151
A pá​gi​na 521 e se​guin​t es da obra de Pe​ret​t i, já ci​t a​da, que se re​f e​rem a ou​t ro
tes​t e psi​c o​ló​gi​c o, con​t êm al​guns pa​rá​gra​f os que con​vém ci​t ar:
O mé​t o​do das con​f i​gu​ra​ç ões é uma ex​t en​s ão do mé​t o​do Q. Do pon​t o de
vis​t a te​ó​ri​c o, como o mé​t o​do Q. de Step​hen​s on, ele cen​t ra-se na sub​je​t i​vi​da​de
do in​di​ví​duo. En​t re​t an​t o, ela se fun​da​m en​t a so​bre uma am​pli​a​ç ão da no​ç ão de
eu (self), indo além da con​c ep​ç ão mais fe​no​m ê​ni​c a (Step​hen​s on-Ro​gers). O
mé​t o​do das con​f i​gu​ra​ç ões visa, por um lado, as par​t es cons​c i​en​t es do eu, as
di​f e​ren​t es ima​gens do eu, mas aten​t a igual​m en​t e às par​t es mais ou me​nos
in​c ons​c i​en​t es que cons​t i​t u​em as tensões do eu, suas an​s i​e​da​des e os
me​c a​nis​m os de de​f e​s a em face de​las. [...]
O mé​t o​do das con​f i​gu​ra​ç ões tem por ob​je​t i​vo, nes​s e caso, des​ven​dar
tan​t o o eu do in​di​ví​duo como o seu eu gru​pal. Isso for​ne​c e a pos​s i​bi​li​da​de de
apreen​der, com um mes​m o ins​t ru​m en​t o, nu​m e​ro​s as va​ri​á​veis li​ga​das ao eu de
um in​di​ví​duo bem como a en​t i​da​de gru​pal ma​ni​f es​t a​da pe​las for​ç as di​nâ​m i​c as
do gru​po. [...]
O ins​t ru​m en​t o M.I.P.G. pode ser uti​li​z a​do:
1) para ava​li​ar a mu​dan​ç a pro​du​z i​da por uma in​t er​ven​ç ão em um gru​po.
[...]
O mé​t o​do das con​f i​gu​ra​ç ões é aqui apli​c a​do à pes​qui​s a do eu dos
pro​f es​s o​res. Tem por ob​je​t i​vo evi​den​c i​ar e com​preen​der o eu pro​f is​s i​o​nal dos
pro​f es​s o​res en​quan​t o en​t i​da​de mul​t i​di​m en​s i​o​nal, in​c lu​í​das aí as re​la​ç ões
cons​c i​en​t es e as in​c ons​c i​en​t es do in​di​ví​duo, con​s i​go mes​m o, e aque​las com
ou​t ras pes​s o​as que in​t er​vêm em seu am​bi​en​t e pro​f is​s i​o​nal. [...]
O ins​t ru​m en​t o M.I.S.P.E. pode ser uti​li​z a​do:
[...]
4) Para ava​li​ar as mu​dan​ç as ocor​ri​das ao lon​go de um pe​rí​o​do de
for​m a​ç ão dos pro​f es​s o​res. Os tes​t es são re​a​li​z a​dos no iní​c io e no fi​nal da
for​m a​ç ão.
5) Para ava​li​ar, em Psi​c o​pa​t o​lo​gia, os efei​t os de uma te​ra​pia a que
es​t e​ja sub​m e​t i​do o pro​f es​s or.
127 Mi​nis​t é​rio da Edu​c a​ç ão Na​c i​o​nal, Di​re​ç ão das es​c o​las, li​vre​t o es​c o​lar in​di​vi​du​al
con​c er​nen​t e ao Cy​c le des ap​pren​t is​s a​ges fon​da​m en​t aux, cy​c le 2, 1992.
128 Mi​nis​t é​rio da Edu​c a​ç ão Na​c i​o​nal, Di​re​ç ão das es​c o​las, li​vre​t o es​c o​lar in​di​vi​du​al
con​c er​nen​t e ao Cy​c le des ap​pren​t is​s a​ges fon​da​m en​t aux, cy​c le 3, 1992.
129 OCDE/CERI, La ré​f or​m e des pro​gram​m es, Op. cit., p. 55.
130 Be​verly K. Eak​m an, Edu​c a​t ing for the New World Or​der, Por​t land, Ore​gon, USA,
Halcyon Hou​s e, 1991, p. 31.
131 Ibid., p. 224.
132 J.C. Car​roll, Me​a​s u​re​m ent of in​t el​lec​t u​al abi​li​t i​es, In P. Sup​pes ed., Im​pact of
re​s e​ar​c h in edu​c a​t i​on, Washing​t on D.C., Na​t i​o​nal Aca​demy of Edu​c a​t i​on, 1978, p. 47.
133 De Landshee​re, La re​c her​c hé ex​pé​ri​m en​t a​le en édu​c a​t i​on, Pa​ris, Unes​c o,
De​la​c haux & Ni​es​t lé, 1982, p. 53-73; des​t a​c a​m os. A Unes​c o re​no​va no pre​f á​c io “seus
ví​vi​dos agra​de​c i​m en​t os à Gil​bert De Landshee​re pela cor​t e​s ia com a qual ele res​pon​deu à
(seu) pe​di​do, as​s e​gu​ran​do, de qual​quer ma​nei​ra, o lan​ç a​m en​t o des​t a nova co​le​ç ão” e
as​s i​na​la, como de há​bi​t o, que “as idei​as e as opi​ni​ões ex​pres​s as nes​t a obra são as do
au​t or e não re​f le​t em ne​c es​s a​ri​a​m en​t e os pon​t os de vis​t a da Unes​c o” (p. 4) que fi​nan​c ia,
no en​t an​t o, a di​f u​s ão da​que​las.
134 WCE​FA, Dé​c la​ra​t i​on mon​di​a​le sur l’édu​c a​t i​on pour tous, Op. cit., Ca​dre
d’ac​t i​on, p. 11; des​t a​c a​m os.
135 Op. cit.
136 Ibid., p. 17.
137 Ibid., p. 19.
138 Ibid., p. 20.
139Ac​t i​vi​t és de la Com​m is​s i​on des com​m u​nau​t és eu​ro​péen​nes dans les do​m ains
de l’édu​c a​t i​on, de la for​m a​t i​on et de la po​li​t i​que de la jeu​nes​s e em 1989, rap​por​t ées pour
la Com​m is​s i​on des com​m u​nau​t és eu​ro​péen​nes, Task For​c e res​s our​c es hu​m ai​nes,
édu​c a​t i​on, for​m a​t i​on et je​neus​s e par l’Uni​t é eu​ro​péen​ne d’EURY​DI​CE, Bru​xel​les,
Com​m is​s i​on des com​m u​nau​t és eu​ro​péen​nes, Task For​c e res​s our​c es hu​m ai​nes, édu​c a​t i​on,
for​m a​t i​on et je​neus​s e, juin 1990. (TFRH/134/91-FR). p. 65.
140 Com​m is​s i​on of the Eu​ro​pe​an com​m u​ni​t i​es, Re​port on the ac​t i​vi​t i​es of the
Com​m is​s i​on of the Eu​ro​pe​an com​m u​ni​t i​es in the fi​eld of edu​c a​t i​on, trai​ning and you​t h
du​ring 1990 (pre​s en​t ed by the Com​m is​s i​on), Bru​xel​les, Com​m is​s i​on des com​m u​nau​t és
eu​ro​péen​nes, 24 jan​vi​er 1992 [SEC(91) 2409 fi​nal], p. 88.
141 Mi​nistè​re de l’Edu​c a​t i​on na​t i​o​na​le, de la jeu​nes​s e et des sports, Di​rec​t i​on des
éco​les, Les cy​c les à l’éco​le pri​m ai​re, Pa​ris, Ha​c het​t e, CNDP, 1991, p. 20.
142 Mi​nistè​re de l’Edu​c a​t i​on na​t i​o​na​le, Di​rec​t i​on des éco​les, [li​vret sco​lai​re
in​di​vi​du​al con​c er​nant le] Cy​c le des ap​pro​f on​dis​s e​m ents, cy​c le 3, 1992.
143 Bul​le​t in of​f i​c i​al du mi​nistè​re de l’Edu​c a​t i​on na​t i​o​na​le (BO) du 23 jan​vi​er 1992,
p. 10 e 11.
144 BO du 11 mars 1993, p. 876 sq.
145 Cor​res​pon​de à 3ª sé​rie do En​s i​no Fun​da​m en​t al.
146 6ª sé​rie do En​s i​no Fun​da​m en​t al.
147 1º ano do En​s i​no Mé​dio (an​t i​go se​c un​dá​rio).
148 Mi​nistè​re de l’ Edu​c a​t i​on na​t i​o​na​le, Di​rec​t i​on de l’éva​lu​a​t i​on et de la
pros​pec​t i​ve, Di​rec​t i​on des éco​les, Aide à l’éva​lu​a​t i​on des élè​ves, Cy​c le des ap​pren​t is​s a​ges
pre​m i​ers, 1992. Des​t a​c a​m os. Ver, igual​m en​t e, o BO de 16 jun. 1994 que re​la​t ou a ava​li​a​ç ão
no pri​m á​rio em ma​t é​ria de “edu​c a​ç ão da pes​s oa e do ci​da​dão”.
149 BO du 10 sep​t em​bre 1992; BO du 13 mai 1993, p. 1.609.
150 Sob di​re​ç ão de An​dré de Pe​ret​t i, Re​c uil d’ ins​t ru​m ents et de pro​c es​s us
d’éva​lu​a​t i​on for​m a​t i​ve, Pa​ris, INPR, 1980, Tomo I, p. 194. Onde se en​c on​t ra​rá mui​t os
ou​t ros tes​t es psi​c o​ló​gi​c os.
151 Be​au​vois et Jou​le, Sou​m is​s i​on et ide​o​lo​gi​es, Op. cit., p. 176.
CA​PÍ​T U​LO XI
A EUROPA
A OCDE, o Con​s e​lho da Eu​ro​pa e a Unes​c o não dispõem, no mo​m en​t o, de ne​nhum
po​der exe​c u​t i​vo. Ve​re​m os que, não obs​t an​t e, sua in​f lu​ên​c ia é real e que ela se exer​c e
so​bre as ins​t ân​c i​as go​ver​na​m en​t ais de nos​s o país. A Eu​ro​pa so​f re tam​bém essa
in​f lu​ên​c ia:
Re​s o​lu​ç ão do Con​s e​lho e dos Mi​nis​t ros da Edu​c a​ç ão reu​ni​dos no seio do
Con​s e​lho de 14 de De​z em​bro de 1989
Re​la​t i​va à luta con​t ra o in​s u​c es​s o es​c o​lar
O Con​s e​lho e os Mi​nis​t ros da Edu​c a​ç ão aqui reu​ni​dos,
[...]
cons​c i​en​t es de que o de​s en​vol​vi​m en​t o da di​m en​s ão mul​t i​c ul​t u​ral nos
sis​t e​m as edu​c a​c i​o​nais per​m i​t i​ria lu​t ar mais efi​c az​m en​t e con​t ra o in​s u​c es​s o
es​c o​lar;
[...]
Ado​t am a se​guin​t e re​s o​lu​ç ão:
1. Os Es​t a​dos-mem​bros, no âm​bi​t o das res​pec​t i​vas po​lí​t i​c as
edu​c a​c i​o​nais e das suas es​t ru​t u​ras ins​t i​t u​c i​o​nais, es​f or​ç ar-se-ão por com​ba​t er
o in​s u​c es​s o es​c o​lar de for​m a in​t en​s i​va e por ori​en​t ar as suas ações numa das
di​re​ç ões a se​guir es​pe​c i​f i​c a​das:
[...]
1.3. Re​f or​ç ar a es​c o​la​ri​da​de pré-pri​m á​ria, que con​t ri​bui, es​pe​c i​al​m en​t e
en​t re as cri​an​ç as dos mei​os des​f a​vo​re​c i​dos, para uma me​lhor es​c o​la​ri​da​de
pos​t e​ri​or [so​c i​a​li​z a​ç ão pre​c o​c e];
1.4. Adap​t ar o fun​c i​o​na​m en​t o do sis​t e​m a es​c o​lar, no​m e​a​da​m en​t e
atra​vés:
– da re​no​va​ç ão dos con​t e​ú​dos, ma​t e​ri​ais de apoio e mé​t o​dos de en​s i​no e
de ava​li​a​ç ão,
– da apli​c a​ç ão de pe​da​go​gi​as di​f e​ren​c i​a​das,
[...]
– da re​du​ç ão das rup​t u​ras es​t ru​t u​rais ou fun​c i​o​nais, me​di​an​t e:
• a des​c om​par​t i​m en​t a​ç ão e a in​t er​dis​c i​pli​na​ri​da​de [en​s i​no
não-cog​ni​t i​vo];
• a con​t i​nui​da​de edu​c a​t i​va de um ano para o ou​t ro, de um
ci​c lo para o se​guin​t e [pe​da​go​gia cen​t ra​da no alu​no];
– da apli​c a​ç ão de mo​da​li​da​des de aju​da in​di​vi​du​a​li​z a​das (apoio,
as​s is​t ên​c ia tu​t o​ri​al) [idem];
– da di​ver​s i​f i​c a​ç ão das for​m as de dis​t in​ç ão, de ní​vel equi​va​len​t e, no fi​nal
da es​c o​la​ri​da​de obri​ga​t ó​ria ou de um cur​s o se​c un​dá​rio e dos per​c ur​s os que
le​vam à ob​t en​ç ão das cer​t i​dões cor​res​pon​den​t es,
– do tra​ba​lho em equi​pe dos pro​f is​s i​o​nais do en​s i​no,
– de uma me​lhor for​m a​ç ão ini​c i​al e con​t í​nua des​s es pro​f is​s i​o​nais do
en​s i​no, bem como de apoio de ca​rá​t er ge​ral para o de​s em​pe​nho da sua
mis​s ão,
[...]
– do de​s en​vol​vi​m en​t o do en​s i​no das lín​guas e cul​t u​ras das cri​an​ç as de
ori​gem co​m u​ni​t á​ria ou es​t ran​gei​ra;
1.5. Re​f or​ç ar:
– a to​m a​da em con​s i​de​ra​ç ão, por par​t e da es​c o​la, do con​t ex​t o cul​t u​ral,
so​c i​al e eco​nô​m i​c o,
– a aber​t u​ra da es​c o​la à co​m u​ni​da​de ex​t er​na,
– a ar​t i​c u​la​ç ão com os mei​os so​c i​o​pro​f is​s i​o​nais;
1.6. Or​ga​ni​z ar a com​ple​m en​t a​ri​da​de en​t re ação es​c o​lar e ação cir​c umes​c o​lar, ten​do es​pe​c i​al​m en​t e em con​t a os fa​t o​res que con​di​c i​o​nam os
re​s ul​t a​dos es​c o​la​res (saú​de, fa​m í​lia, des​por​t os, la​z er);
[...]
1.10. Im​ple​m en​t ar ou re​f or​ç ar uma for​m a​ç ão es​pe​c í​f i​c a das pes​s o​as
en​vol​vi​das, quer per​t en​ç am ou não ao sis​t e​m a edu​c a​c i​o​nal.152
As ci​t a​ç ões que se se​gui​rão pro​vêm de um tex​t o153 ori​gi​na​do da pró​pria Co​m is​s ão
das Co​m u​ni​da​des Eu​ro​pei​as. Ele é des​t i​na​do “ao Con​s e​lho e [aos] mi​nis​t ros de Edu​c a​ç ão
[que] so​li​c i​t a​ram à Co​m is​s ão, o quan​t o an​t es pos​s í​vel, a apre​s en​t a​ç ão de pro​po​s i​ç ões para
uma nova eta​pa de co​o​pe​ra​ç ão con​c re​t a em ní​vel co​m u​ni​t á​rio” (p. 1). Esse tex​t o, por​t an​t o,
re​f le​t e com fi​de​li​da​de o pa​re​c er da Co​m is​s ão e nos es​c la​re​c e acer​c a de sua po​lí​t i​c a
edu​c a​c i​o​nal.
A Co​m is​s ão se po​s i​c i​o​na des​de a pers​pec​t i​va de uma in​t e​gra​ç ão eu​ro​peia dos
sis​t e​m as edu​c a​t i​vos, pre​lú​dio de uma in​t e​gra​ç ão mun​di​al:
Em cer​t o nú​m e​ro de Es​t a​dos-mem​bros, no​vas ori​en​t a​ç ões ou re​f or​m as
do en​s i​no se​c un​dá​rio, al​gu​m as em gran​de es​c a​la, es​t ão em pre​pa​ra​ç ão ou já
em vi​gor para fa​z er face aos de​s a​f i​os dos anos no​ven​t a. Den​t ro de uma
pers​pec​t i​va de cons​t ru​ç ão da Eu​ro​pa, é cru​c i​al que es​s as re​f or​m as ocor​ram
me​di​an​t e uma ar​t i​c u​la​ç ão com a evo​lu​ç ão de ou​t ras par​t es da Co​m u​ni​da​de.
Uma in​t en​s i​f i​c a​ç ão da tro​c a de ex​pe​ri​ên​c i​as e da in​t e​ra​ç ão en​t re os Es​t a​dosmem​bros faz-se in​dis​pen​s á​vel para uma mú​t ua to​m a​da de cons​c i​ên​c ia acer​c a
dos im​pac​t os que suas no​vas po​lí​t i​c as po​dem ter so​bre a Co​m u​ni​da​de e so​bre
o fu​t u​ro dos jo​vens e para con​t ri​buir na ela​bo​ra​ç ão de um qua​dro co​m um
eu​ro​peu, no qual de​vem evo​luir as po​lí​t i​c as na​c i​o​nais. (p.3)
O ob​je​t i​vo per​s e​gui​do é, na​t u​ral​m en​t e, a “mu​dan​ç a”:
A adap​t a​ç ão da edu​c a​ç ão à evo​lu​ç ão do con​t ex​t o eco​nô​m i​c o e so​c i​al e
das ne​c es​s i​da​des in​di​vi​du​ais vê-se tra​va​da pela fal​t a de ca​pa​c i​da​de dos
sis​t e​m as para ge​rar e es​t i​m u​lar a ino​va​ç ão e a mu​dan​ç a. A ges​t ão, o
fi​nan​c i​a​m en​t o e o es​t í​m u​lo à ino​va​ç ão no sis​t e​m a es​c o​lar de​vem tor​nar-se
pri​o​ri​da​de po​lí​t i​c a de pri​m ei​ra or​dem. As con​di​ç ões para a mu​dan​ç a de​vem ser
cri​a​das, e mes​m o acom​pa​nha​das de um re​c o​nhe​c i​m en​t o con​c re​t o, para
en​c o​ra​jar – no ter​re​no dos es​t a​be​le​c i​m en​t os es​c o​la​res e en​t re os pro​f es​s o​res
– o com​pro​m e​t i​m en​t o com a ino​va​ç ão e o apren​di​z a​do de como geri-la. Um
modo im​por​t an​t e de al​c an​ç ar tal ob​je​t i​vo con​s is​t e em ga​ran​t ir mai​or
au​t o​no​m ia [des​c en​t ra​li​z a​ç ão] e fle​xi​bi​li​da​de, a fim de se ca​pa​c i​t ar os
es​t a​be​le​c i​m en​t os a res​pon​der à evo​lu​ç ão das ne​c es​s i​da​des. É in​dis​pen​s á​vel
sen​s i​bi​li​z ar e for​m ar os di​re​t o​res e pro​f es​s o​res a fim de os mo​t i​var e
pre​pa​rar para a to​m a​da de tal ini​c i​a​t i​va e para a res​pon​s a​bi​li​da​de por um
tra​ba​lho as​s im ino​va​dor. Im​por​t a ain​da re​f or​ç ar o pa​pel que os ins​pe​t o​res,
con​s e​lhei​ros pe​da​gó​gi​c os e ou​t ros ser​vi​ç os po​dem de​s em​pe​nhar para o
es​t í​m u​lo e apoio des​s e pro​c es​s o nas es​c o​las. As ações de tipo pla​no-pi​lo​t o ou
zona de ino​va​ç ão edu​c a​c i​o​nal de​ve​ri​am ser uti​li​z a​das de modo mais
sis​t e​m á​t i​c o, como ins​t ru​m en​t os de de​s en​vol​vi​m en​t o e de apli​c a​ç ão da
ino​va​ç ão. (p. 3 sq.)
A for​m a​ç ão con​t i​nu​a​da dos pro​f es​s o​res tem um lu​gar im​por​t an​t e nes​s e pro​je​t o:
A mu​dan​ç a nos es​t a​be​le​c i​m en​t os es​c o​la​res pas​s a pe​los pro​f es​s o​res, e a
for​m a​ç ão con​t i​nu​a​da tem um pa​pel-cha​ve na pre​pa​ra​ç ão de​les. Em ge​ral, a
for​m a​ç ão con​t i​nu​a​da propõe aos pro​f es​s o​res que apro​f un​dem a sua dis​c i​pli​na
ou a sua di​dá​t i​c a, mas ra​ra​m en​t e lhes ofe​re​c e a pos​s i​bi​li​da​de de de​s en​vol​ver,
so​bre o pla​no in​di​vi​du​al ou no ní​vel do seu es​t a​be​le​c i​m en​t o, as ca​pa​c i​da​des
ne​c es​s á​ri​as para ge​rir a ino​va​ç ão e con​s o​li​dar no​vas res​pon​s a​bi​li​da​des. Na
mai​or par​t e dos sis​t e​m as edu​c a​c i​o​nais, a par​t i​c i​pa​ç ão em ati​vi​da​des de
for​m a​ç ão con​t i​nu​a​da é fa​c ul​t a​t i​va [!] para os pro​f es​s o​res e ofe​re​c i​da por
or​ga​nis​m os ex​t er​nos ao es​t a​be​le​c i​m en​t o es​c o​lar. A ação co​m u​ni​t á​ria nes​s e
do​m í​nio de​ve​ria, por con​s e​guin​t e, es​t i​m u​lar e re​f or​ç ar me​di​das que
per​m i​t is​s em:
– par​t ir das ne​c es​s i​da​des e dos ob​je​t i​vos de de​s en​vol​vi​m en​t o do
es​t a​be​le​c i​m en​t o es​c o​lar para a ação de for​m a​ç ão, apoi​an​do-se so​bre o pró​prio
es​t a​be​le​c i​m en​t o e en​vol​ven​do, quan​t o pos​s í​vel, o con​jun​t o dos pro​f is​s i​o​nais de
en​s i​no;
– in​c en​t i​var os es​t a​be​le​c i​m en​t os es​c o​la​res a uma au​t o​a​ná​li​s e, vi​s an​do
ao co​nhe​c i​m en​t o de suas ne​c es​s i​da​des de for​m a​ç ão, e atri​buir-lhes a
res​pon​s a​bi​li​da​de de im​ple​m en​t ar os seus pró​pri​os pro​gra​m as de for​m a​ç ão,
va​lo​ri​z an​do, nes​s e âm​bi​t o, o pa​pel da ação ino​va​do​ra como ex​pe​ri​ên​c ia
for​m a​do​ra [di​nâ​m i​c a de gru​po em es​c a​la ins​t i​t u​c i​o​nal]; […]
– in​vo​c ar sis​t e​m a​t i​c a​m en​t e o po​t en​c i​al de for​m a​ç ão ofe​re​c i​do pela
co​o​pe​ra​ç ão en​t re os es​t a​be​le​c i​m en​t os es​c o​la​res e o seu am​bi​en​t e
so​c i​o​e​c o​nô​m i​c o, por exem​plo, no âm​bi​t o de es​t á​gi​os, de vi​s i​t as ou de
des​t a​c a​m en​t os jun​t o a em​pre​s as [en​ga​ja​m en​t o da co​le​t i​vi​da​de e en​s i​nos não
cog​ni​t i​vos];
– es​t i​m u​lar no​vas for​m as de con​c er​t a​ç ão en​t re os pro​f es​s o​res de um
mes​m o es​t a​be​le​c i​m en​t o para in​t ro​du​z ir uma mai​or fle​xi​bi​li​da​de na apli​c a​ç ão
dos pro​gra​m as e para ex​plo​rar todo o po​t en​c i​al de ação ino​va​do​ra (p. 6 sq.).
Aqui, a “ino​va​ç ão” pe​da​gó​gi​c a visa ain​da a au​m en​t ar o cam​po dos
en​s i​nos não cog​ni​t i​vos:
A fu​t u​ra ação co​m u​ni​t á​ria nes​t e do​m í​nio de​ve​ria, por​t an​t o, in​c en​t i​var um
re​c ur​s o mai​or e mais di​ver​s i​f i​c a​do a no​vas ações, do tipo da ex​pe​ri​m en​t a​da
no Pro​gra​m a Tran​s i​ç ão, para per​m i​t ir uma me​lhor res​pos​t a, no en​s i​no
se​c un​dá​rio, às ne​c es​s i​da​des dos jo​vens em si​t u​a​ç ão de fra​c as​s o es​c o​lar ou
com di​f i​c ul​da​des. Nes​t a pers​pec​t i​va, con​vi​ria:
– ree​xa​m i​nar as dis​po​s i​ç ões que ori​en​t am os pro​gra​m as es​c o​la​res e os
mé​t o​dos pe​da​gó​gi​c os, e adap​t á-las de ma​nei​ra di​f e​ren​c i​a​da, de acor​do com o
ní​vel dos alu​nos;
– uti​li​z ar mais sis​t e​m a​t i​c a​m en​t e as si​t u​a​ç ões pe​da​gó​gi​c as
ex​t ra​es​c o​la​res para re​f or​ç ar a mo​t i​va​ç ão e de​s en​vol​ver as ca​pa​c i​da​des
pes​s o​ais dos jo​vens;
– aper​f ei​ç o​ar os mé​t o​dos de ava​li​a​ç ão e de cer​t i​f i​c a​ç ão a fim de va​li​dar
um le​que mais di​ver​s i​f i​c a​do de aqui​s i​ç ões, de ex​pe​ri​ên​c i​as e de ca​pa​c i​da​des
in​de​pen​den​t e​m en​t e do ní​vel dos alu​nos (p. 9).
Nes​t a pers​pec​t i​va, a Co​m is​s ão propõe que o Pro​gra​m a a es​t a​be​le​c er,
com base no su​c es​s o do se​gun​do Pro​gra​m a Tran​s i​ç ão, cons​t i​t ua tam​bém um
pla​no [...] de apoio às in​t er​ven​ç ões des​t i​na​das a de​s en​vol​ver a co​o​pe​ra​ç ão
in​t er​c ul​t u​ral nas zo​nas de po​pu​la​ç ão plu​ri​ét​ni​c as (p. 1 sq.).
Por úl​t i​m o, que​re​m os men​c i​o​nar es​t as pa​la​vras que to​m am todo o seu sen​t i​do na
pers​pec​t i​va des​t es en​s i​nos mul​t i​di​m en​s i​o​nais, um ver​da​dei​ro con​t ro​le psi​c o​ló​gi​c o dos
in​di​ví​duos:
Ob​s er​va-se igual​m en​t e uma ex​pec​t a​t i​va cres​c en​t e pe​ran​t e as es​c o​las,
no sen​t i​do de que pre​s er​vem o con​t a​t o com os alu​nos e as​s e​gu​rem uma
con​t i​nui​da​de aos que aban​do​nam a es​c o​la ao fi​nal da es​c o​la​ri​da​de obri​ga​t ó​ria e
ar​ris​c am não avan​ç ar em sua for​m a​ç ão.
A ação co​m u​ni​t á​ria de​ve​ria, por con​s e​guin​t e, aju​dar os Es​t a​dos-mem​bros
a apoi​ar os es​t a​be​le​c i​m en​t os es​c o​la​res a fim de lhes per​m i​t ir […]
im​ple​m en​t ar um dis​po​s i​t i​vo de acom​pa​nha​m en​t o dos jo​vens que ar​ris​c am não
pros​s e​guir sua for​m a​ç ão para além da es​c o​la​ri​da​de obri​ga​t ó​ria (p. 10).
O Par​la​m en​t o Eu​ro​peu não tem ne​nhum po​der le​gis​la​t i​vo real. Os do​c u​m en​t os que
pu​bli​c a, po​rém, são re​ve​la​do​res da in​f lu​ên​c ia das con​c ep​ç ões psi​c o​pe​da​gó​gi​c as so​bre as
ins​t i​t ui​ç ões eu​ro​pei​as. A re​s o​lu​ç ão154 que va​m os ago​ra ci​t ar – de 15 de maio de 1992 –
tem sido ado​t a​da re​c en​t e​m en​t e:
Re​s o​lu​ç ão […]
O Par​la​m en​t o eu​ro​peu,
[…]
con​s i​de​ran​do que cada ci​da​dão deve, ao lon​go de sua vida, ter a
pos​s i​bi​li​da​de de ob​t er uma edu​c a​ç ão e de ad​qui​rir uma for​m a​ç ão pro​f is​s i​o​nal
ne​c es​s á​ria para de​s en​vol​ver-se tan​t o na sua vida pro​f is​s i​o​nal como na sua
vida pri​va​da,
[…]
con​s i​de​ran​do que o in​t e​res​s e dos pais é ca​pi​t al para o de​s en​vol​vi​m en​t o
es​c o​lar da cri​an​ç a, a po​lí​t i​c a em ma​t é​ria de edu​c a​ç ão e os sis​t e​m as de en​s i​no
de​vem es​s en​c i​al​m en​t e vi​s ar a im​pli​c ar os pais na edu​c a​ç ão das suas cri​an​ç as
[para re​du​z ir a sua “re​s is​t ên​c ia à mu​dan​ç a”].
[…]
so​li​c i​t a à Co​m is​s ão e os Es​t a​dos-mem​bros, ten​do em con​t a o
de​s en​vol​vi​m en​t o do fe​nô​m e​no mul​t i​c ul​t u​ral na Eu​ro​pa co​m u​ni​t á​ria, o
pros​s e​gui​m en​t o e a in​t en​s i​f i​c a​ç ão de sua ação em prol da in​t e​gra​ç ão dos
mi​gran​t es (cri​an​ç as e ado​les​c en​t es) no âm​bi​t o do en​s i​no e na so​c i​e​da​de em
ge​ral, res​pei​t an​do igual​m en​t e a sua lín​gua de ori​gem e a sua di​ver​s i​da​de
cul​t u​ral [esta con​t ra​di​ç ão apa​ren​t e deve ser au​m en​t a​da];
[…]
re​c o​m en​da que se pro​m o​va a ideia da es​c o​la eu​ro​peia que for​ne​c e um
en​s i​no bi​lín​gue ou mul​t i​lín​gue dado por pro​f es​s o​res que en​s i​nam na sua lín​gua
ma​t er​na;
so​li​c i​t a que os pro​f es​s o​res e for​m a​do​res em to​dos os ní​veis se​jam
de​vi​da​m en​t e pre​pa​ra​dos e ins​t ru​í​dos so​bre o pla​no di​dá​t i​c o e par​t i​c i​pem
re​gu​lar​m en​t e de re​c i​c la​gens […]; que é ur​gen​t e re​c on​s i​de​rar cui​da​do​s a​m en​t e
a res​pon​s a​bi​li​da​de dos pro​f es​s o​res e/ou for​m a​do​res re​la​t i​va​m en​t e às ge​ra​ç ões
mais jo​vens;
[…]
so​li​c i​t a que a Co​m is​s ão, quan​do da pre​pa​ra​ç ão des​t e pro​gra​m a
[des​t i​na​do “a in​c or​po​rar a di​m en​s ão co​m u​ni​t á​ria no en​s i​no”], con​s i​de​re me​lhor
o pa​re​c er das di​f e​ren​t es ca​t e​go​ri​as de pes​s o​as en​vol​vi​das (pais, alu​nos,
pro​f es​s o​res), cri​an​do, as​s im, no do​m í​nio da edu​c a​ç ão, uma es​t ru​t u​ra
con​s ul​t i​va eu​ro​peia que de​ve​rá com​por-se de re​pre​s en​t an​t es dos gru​pos
in​t e​res​s a​dos [en​ga​ja​m en​t o];
[…]
Pa​í​s es ter​c ei​ros, or​ga​ni​z a​ç ões in​t er​na​c i​o​nais par​t i​c u​lar​m en​t e Con​s e​lho da
Eu​ro​pa
[…]
en​t en​de con​ve​ni​en​t e re​f or​ç ar as suas re​la​ç ões com o Con​s e​lho da Eu​ro​pa
em ma​t é​ria de edu​c a​ç ão.
A ex​po​s i​ç ão dos mo​t i​vos155 des​t a re​s o​lu​ç ão é igual​m en​t e re​ve​la​do​ra da in​f lu​ên​c ia
exer​c i​da pe​las con​c ep​ç ões psi​c o​pe​da​gó​gi​c as so​bre o Par​la​m en​t o eu​ro​peu:
Ex​po​s i​ç ão de mo​t i​vos
[…]
Na nos​s a so​c i​e​da​de, con​s i​de​ram-se as di​ver​s as fun​ç ões do en​s i​no
(trans​m is​s ão da cul​t u​ra, for​m a​ç ão pro​f is​s i​o​nal, adap​t a​ç ão, for​m a​ç ão da
per​s o​na​li​da​de, in​t e​gra​ç ão das jo​vens ge​ra​ç ões nas es​t ru​t u​ras so​c i​ais e/ou
in​t er​pre​t a​ç ão crí​t i​c a e cri​a​t i​va do fe​nô​m e​no so​c i​al).
[…]
O en​s i​no é, con​t u​do, mui​t o mais! Se o con​s i​de​rar​m os numa pers​pec​t i​va
mais vas​t a, de​ve​m os re​c o​nhe​c er-lhe ou​t ras fun​ç ões ain​da, no​t a​da​m en​t e o
de​s en​vol​vi​m en​t o má​xi​m o da per​s o​na​li​da​de (co​nhe​c i​m en​t os, com​por​t a​m en​t os,
ap​t i​dões) das cri​an​ç as e dos jo​vens e a reu​ni​ão dos ele​m en​t os ne​c es​s á​ri​os
para apreen​der e ava​li​ar, de ma​nei​ra crí​t i​c a, o meio de vida so​c i​o​c ul​t u​ral.
[…]
Os ma​nu​ais e ma​t e​ri​ais es​c o​la​res cons​t i​t u​em ele​m en​t os im​por​t an​t es do
en​s i​no e da for​m a​ç ão. Não obs​t an​t e, o pa​pel dos pro​f es​s o​res é mais
im​por​t an​t e ain​da: eles uti​li​z am e in​t er​pre​t am os da​dos; es​t ru​t u​ram os
de​s en​vol​vi​m en​t os e ten​dên​c i​as da so​c i​e​da​de. Tam​bém é ne​c es​s á​rio
re​c o​nhe​c er, na for​m a​ç ão dos pro​f es​s o​res, uma pri​o​ri​da​de ao âm​bi​t o eu​ro​peu.
In​t er​na​c i​o​na​li​z a​ç ão do en​s i​no
[…] [o au​t or men​c i​o​na ini​c i​al​m en​t e a co​o​pe​ra​ç ão com os Es​t a​dos
Uni​dos, cujo sis​t e​m a edu​c a​c i​o​nal está em pés​s i​m o es​t a​do, e com os pa​í​s es do
Les​t e].
Des​de 1990, exis​t e – em ma​t é​ria de en​s i​no, for​m a​ç ão pro​f is​s i​o​nal e
for​m a​ç ão dos jo​vens – acor​dos de co​o​pe​ra​ç ão com di​f e​ren​t es or​ga​ni​z a​ç ões
in​t er​na​c i​o​nais, no​t a​da​m en​t e o Con​s e​lho da Eu​ro​pa, a UNES​CO, a OCDE e a
OIT. A ne​c es​s i​da​de de as​s i​nar tais acor​dos tor​nou-se evi​den​t e quan​do se
com​preen​deu que o en​s i​no e a for​m a​ç ão as​s u​m i​ri​am uma im​por​t ân​c ia ca​pi​t al
no con​t ex​t o dos re​c en​t es de​s en​vol​vi​m en​t os na Eu​ro​pa Cen​t ral e Ori​en​t al. Essa
co​o​pe​ra​ç ão se re​s u​m e, es​s en​c i​al​m en​t e, a tro​c as de in​f or​m a​ç ões, bem como à
par​t i​c i​pa​ç ão em reu​ni​ões e con​f e​rên​c i​as.
152 Con​s eil des Com​m u​nau​t és eu​ro​péen​nes, Se​c ré​t a​ri​at ge​ne​ral, Tex​t es re​la​t ifs à
la po​li​t i​que eu​ro​péen​ne de l’édu​c a​t i​on, Sup​plé​m ent à la troi​s iè​m e édi​t i​on (dé​c em​bre 1989),
Lu​xem​bourg, 1990, p. 117 sq. (JO C 27 – 6.1.1990).
153 Com​m is​s i​on des Com​m u​nau​t ées eu​ro​péen​nes, Pro​gram​m e de tra​vail de la
Com​m is​s i​on vi​s ant à pro​m ou​voir l’in​no​va​t i​on dans l’en​s eig​ne​m ent se​c on​dai​re dans la
Com​m u​nau​t é eu​ro​péen​ne, (Com​m u​ni​c a​t i​on de la Com​m is​s i​on), Bru​xel​les, 14 oc​t o​bre 1988
[COM(88) 545 fi​nal].
154 Jour​nal of​f i​c i​al des Com​m u​nau​t és eu​ro​péen​nes du 15.6.92, n. C 150/366, 13,
Ré​s o​lu​t i​on A-3-0139/92.
155 Par​le​m ent eu​ro​péen, Do​c u​m ent de sé​an​c e, Rap​port de la com​m is​s i​on de la
cul​t u​re, de la jeu​nes​s e, de l’édu​c a​t i​on et des mé​di​as sur La po​li​t i​que de l’édu​c a​t i​on et de la
for​m a​t i​on dans la pers​pec​t i​ve de 1993 de Mme Anna M.A. Her​m ans, Stras​bourg, Par​le​m ent
eu​ro​péen, 27 mars 1993, p. 13 sq. (A3-0139/92).
CA​PÍ​T U​LO XII
A REVOLUÇÃO PEDAGÓGICA NA FRANÇA
Des​t a​c a-se com toda a cla​re​z a, a par​t ir dos re​la​t ó​ri​os des​s es pa​í​s es
[re​a​li​z a​dos em res​pos​t a a um ques​t i​o​ná​rio da OCDE/CERI], que no en​s i​no
pri​m á​rio, tan​t o ou mais que no en​s i​no se​c un​dá​rio, as​s is​t e-se a uma
re​a​va​li​a​ç ão e a uma rees​t ru​t u​ra​ç ão pro​f un​da dos pro​gra​m as. Uma re​vo​lu​ç ão
si​len​c i​o​s a. Es​t a​ria em vias de ocor​rer uma re​vo​lu​ç ão si​len​c i​o​s a e dis​c re​t a no
en​s i​no pri​m á​rio? A uma ques​t ão como essa, deve-se res​pon​der de modo
pru​den​t e. A mai​or par​t e das in​f or​m a​ç ões e das dis​c ussões acer​c a dos
con​t e​ú​dos dos es​t u​dos que se en​c on​t ram nos re​la​t ó​ri​os na​c i​o​nais –
com​preen​den​do-se aí o de​ba​t e ge​ral a res​pei​t o do tron​c o co​m um das ma​t é​ri​as
fun​da​m en​t ais – se re​f e​re im​pli​c i​t a​m en​t e ao es​t u​do se​c un​dá​rio. En​t re​t an​t o,
tudo pa​re​c e in​di​c ar – so​bre​t u​do na Fran​ç a, onde o Mi​nis​t é​rio da Edu​c a​ç ão
pre​pa​rou um pla​no pros​pec​t i​vo, e na Itá​lia, onde essa ta​re​f a foi con​f i​a​da a
uma equi​pe de es​pe​c i​a​lis​t as – que es​pí​ri​t os in​ven​t i​vos ocu​pam-se ati​va​m en​t e
do pro​gra​m a da es​c o​la pri​m á​ria. (OCDE, 1990)156
E cer​t a​m en​t e o se​nhor Lang é um es​pí​ri​t o in​ven​t i​vo. Mas o amor da jus​t i​ç a obri​ga
a di​z er que o ter​re​no ha​via sido pre​pa​ra​do des​de lon​ga data. Mos​t ra​m os já a in​f lu​ên​c ia
exer​c i​da pe​las or​ga​ni​z a​ç ões in​t er​na​c i​o​nais so​bre a con​c ep​ç ão fran​c e​s a acer​c a da for​m a​ç ão
de mes​t res (IUFM), da des​c en​t ra​li​z a​ç ão, da ava​li​a​ç ão etc. Par​t i​c u​lar​m en​t e na Fran​ç a, há
quem tra​ba​lhe com pro​f un​di​da​de nes​s e sen​t i​do, como Louis Le​grand, o qual, lem​bre​m onos, teve enor​m e in​f lu​ên​c ia so​bre o sis​t e​m a edu​c a​c i​o​nal fran​c ês. A acei​t a​ç ão das prá​t i​c as
psi​c o​pe​da​gó​gi​c as em nos​s o país deve-lhe mui​t o:
Do​ra​van​t e, o pro​ble​m a deve co​lo​c ar-se, as​s im, em três ní​veis:
1) O pri​m ei​ro é éti​c o: que ho​m ens de​s e​ja​m os for​m ar e para que tipo de
so​c i​e​da​de? É pos​s í​vel um acor​do em ní​vel na​c i​o​nal so​bre esse pon​t o?
2) O se​gun​do é psi​c o​ló​gi​c o: quais são as ne​c es​s i​da​des e as ca​pa​c i​da​des
dos alu​nos ante os ob​je​t i​vos as​s im de​f i​ni​dos?
3) O ter​c ei​ro é téc​ni​c o: quais são as si​t u​a​ç ões e os pro​c es​s os de
apren​di​z a​gem di​f e​ren​c i​a​dos mais ap​t os para con​du​z ir as di​ver​s as
in​di​vi​du​a​li​da​des à con​s e​c u​ç ão dos ob​je​t i​vos ge​rais es​pe​ra​dos?157
É nes​s a pers​pec​t i​va [do sur​gi​m en​t o de no​vas ou de re​no​va​das
con​c ep​ç ões] que se faz in​dis​pen​s á​vel o es​bo​ç o do que po​de​ria ser uma nova
dou​t ri​na pe​da​gó​gi​c a, com a es​pe​ran​ç a de que ela pos​s a, o quan​t o an​t es
pos​s í​vel, tor​nar-se um prin​c í​pio, ad​m i​t i​do con​s en​s u​al​m en​t e, de uni​f i​c a​ç ão
men​t al. Essa ati​t u​de bem po​de​ria pa​re​c er “dou​t ri​ná​ria”, com to​das as
sig​ni​f i​c a​ç ões que essa pa​la​vra com​por​t a na men​t a​li​da​de atu​al. En​t re​t an​t o, ela
se faz in​dis​pen​s á​vel, se, como eu aci​m a já ha​via afir​m a​do, não há en​s i​no
pos​s í​vel nem ins​t ru​ç ão es​c o​lar sem um con​t e​ú​do de va​lo​res e de
afe​t i​vi​da​de.158
Lem​bre​m o-nos de cer​t os prin​c í​pi​os de base que nos de​vem ilu​m i​nar:
1) Não há edu​c a​ç ão pos​s í​vel sem va​lor e sem afe​t i​vi​da​de.
2) Todo va​lor e toda afe​t i​vi​da​de que ela con​t ém es​t ão li​ga​das a uma
vi​s ão de mun​do e às fi​na​li​da​des pe​da​gó​gi​c as que dela de​c or​rem.
A pos​s i​bi​li​da​de de uma lai​c i​da​de po​s i​t i​va, mo​t or de uma edu​c a​ç ão
na​c i​o​nal, está, por​t an​t o, li​ga​da à pos​s i​bi​li​da​de de uma acei​t a​ç ão co​m um de
va​lo​res e à acei​t a​ç ão co​m um das fi​na​li​da​des. [...] O pen​s a​m en​t o mar​xis​t a
clás​s i​c o não está lon​ge, ain​da hoje, des​s a vi​s ão pro​f é​t i​c a [na qual a es​c o​la
atu​a​li​z a “o que de​ve​ria ne​c es​s a​ri​a​m en​t e ad​vir do de​s en​vol​vi​m en​t o es​pon​t â​neo
da hu​m a​ni​da​de”], a jul​gar-se pe​los úl​t i​m os li​vros de Ge​or​ges Sny​ders. Mas os
mar​xis​t as não es​t ão no po​der, e a mai​or par​t e do cor​po so​c i​al re​c u​s a, por ora,
essa even​t u​a​li​da​de. E en​t ão?159
As re​f or​m as pro​pos​t as pelo se​nhor Le​grand es​t ão mui​t o pró​xi​m as da​que​las
de​f en​di​das em pu​bli​c a​ç ões in​t er​na​c i​o​nais:
É aqui que reen​c on​t ra​m os a con​ver​gên​c ia en​t re os mé​t o​dos ati​vos e os
ob​je​t i​vos que aci​m a des​c re​vi. Nun​c a a “nova edu​c a​ç ão” foi ape​nas um con​jun​t o
de téc​ni​c as. Fora, an​t es, uma fi​lo​s o​f ia. A fi​lo​s o​f ia que hoje pro​po​nho à es​c o​la
de​m o​c rá​t i​c a é de ins​pi​ra​ç ão idên​t i​c a, tal​vez de idên​t i​c o con​t e​ú​do.
Em pri​m ei​ro lu​gar, seu ob​je​t i​vo é a so​c i​a​li​z a​ç ão po​s i​t i​va dos edu​c an​dos.
Nes​s e sen​t i​do, a edu​c a​ç ão deve con​s is​t ir pri​m or​di​al​m en​t e em ação, e so​m en​t e
de modo se​c un​dá​rio deve ser co​nhe​c i​m en​t o.160
Con​vém ha​bi​t u​ar [o alu​no] a vi​ver em co​m u​ni​da​de, numa si​t u​a​ç ão de
res​pei​t o re​c í​pro​c o e de co​o​pe​ra​ç ão. Con​vém ha​bi​t uá-lo a res​pei​t ar o am​bi​en​t e
que con​di​c i​o​na nos​s a so​bre​vi​vên​c ia.
As​s im, o mes​t re de ama​nhã de​ve​rá ele mes​m o es​t ar con​ven​c i​do des​s es
va​lo​res fun​da​m en​t ais. A for​m a​ç ão in​t e​lec​t u​al que ele re​c e​ba será en​t ão
to​m a​da em pers​pec​t i​va éti​c a, em con​f or​m i​da​de com es​s es va​lo​res. O que
sig​ni​f i​c a que o es​s en​c i​al da sua for​m a​ç ão será a cri​a​ç ão de no​vas ati​t u​des
me​di​an​t e a ação, e não so​m en​t e pela re​c ep​ç ão de no​vos dis​c ur​s os.161
É den​t ro des​s e qua​dro men​t al que se deve si​t u​ar a in​t ro​du​ç ão da re​no​va​ç ão
pe​da​gó​gi​c a nos li​c eus e nos ci​c los de edu​c a​ç ão pri​m á​ria.
A renovação pedagógica, os módulos e os ciclos
A re​no​va​ç ão pe​da​gó​gi​c a dos li​c eus, em​preen​di​da a par​t ir de 1992,162 ar​t i​c u​la-se
prin​c i​pal​m en​t e em tor​no aos te​m as se​guin​t es:
- en​s i​no não cog​ni​t i​vo e mul​t i​di​m en​s i​o​nal;163
- di​f e​ren​t es con​c ep​ç ões do sa​ber;164
- so​c i​a​li​z a​ç ão dos alu​nos;165
- ava​li​a​ç ão for​m a​t i​va;166
- au​t o​a​va​li​a​ç ão;167
- pe​da​go​gia cen​t ra​da no edu​c an​do;168
- pe​da​go​gia por ob​je​t i​vos169 [be​ha​vi​o​ris​m o e en​ga​ja​m en​t o];
- pe​da​go​gia ati​va;170
- for​m a​ç ão con​t í​nua de pro​f es​s o​res.171
Os mó​du​los, ca​pi​t al ino​va​ç ão pe​da​gó​gi​c a da re​f or​m a, cons​t i​t u​em um qua​dro
ex​t re​m a​m en​t e fle​xí​vel, per​f ei​t a​m en​t e adap​t a​do à pe​da​go​gia cen​t ra​da no alu​no, à sua
so​c i​a​li​z a​ç ão e ao en​s i​no não cog​ni​t i​vo em ge​ral:
O en​s i​no pro​f is​s i​o​na​li​z an​t e:
- Os pro​f es​s o​res aí en​vol​vi​dos [nos mó​du​los] po​de​rão pro​por aos alu​nos
ou​t ros mo​dos de apren​di​z a​gem172 dos con​t e​ú​dos do en​s i​no, e tra​ba​lhar com
eles de for​m a mais in​di​vi​du​a​li​z a​da, di​f e​ren​c i​an​do sua pe​da​go​gia se​gun​do o
caso. [...]
As ho​ras de en​s i​no por mó​du​los de​vem-se tor​nar um tem​po pri​vi​le​gi​a​do,
mas não ex​c lu​s i​vo, de ex​plo​ra​ç ão e de tra​t a​m en​t o dos re​s ul​t a​dos das
ava​li​a​ç ões su​c es​s i​vas des​de a pers​pec​t i​va de uma in​t e​gra​ç ão des​t as ao
pro​c es​s o de apren​di​z a​gem [o que nos per​m i​t e pre​ver que elas de​vem
efe​t i​va​m en​t e fa​z er-se per​m a​nen​t es, e não so​m en​t e como con​di​ç ão de
in​gres​s o no En​s i​no Mé​dio]. [...]
A cons​t i​t ui​ç ão de gru​pos res​t ri​t os de alu​nos com ne​c es​s i​da​des afins
fa​c i​li​t a o re​c o​nhe​c i​m en​t o de cada um, o que pos​s i​bi​li​t a con​vi​dar o alu​no, bem
como pos​s i​bi​li​t a aju​dá-los, se ne​c es​s á​rio, a cons​t ruir pro​gres​s i​va​m en​t e seu
pro​je​t o pes​s o​al, ofe​re​c en​do-lhe a pos​s i​bi​li​da​de de se ex​pres​s ar, fa​vo​re​c en​do,
as​s im, a so​c i​a​li​z a​ç ão me​di​an​t e tra​ba​lhos em gru​po. [...]
Po​der-se-á ofe​re​c er aos alu​nos sessões di​ver​s i​f i​c a​das [...]: ati​vi​da​des
que fa​c i​li​t em a per​c ep​ç ão do es​pa​ç o e do tem​po.173
Clas​s e de se​gun​do ano do li​c eu téc​ni​c o e ge​ral: [...]
[Os mó​du​los de​vem] de​s en​vol​ver ca​pa​c i​da​des de au​t o​a​va​li​a​ç ão. [...]
A im​ple​m en​t a​ç ão do en​s i​no mo​du​lar é res​pon​s a​bi​li​da​de de to​dos: sua
or​ga​ni​z a​ç ão quan​t o a em​pre​go do tem​po, ges​t ão de gru​pos etc. deve ser
ob​je​t o de uma re​f le​xão nas​c i​da do mú​t uo en​t en​di​m en​t o e que deve en​c on​t rar
seu meio na​t u​ral na ela​bo​ra​ç ão do pro​je​t o de es​t a​be​le​c i​m en​t o es​c o​lar.
O en​s i​no mo​du​lar deve ser uma res​pos​t a às ne​c es​s i​da​des ob​s er​va​das
pe​los pro​f es​s o​res. Tal tipo de en​s i​no po​de​rá ser​vir às mais va​ri​a​das
ini​c i​a​t i​vas: pro​je​t o ela​bo​ra​do em co​m um por di​ver​s os pro​f es​s o​res de uma
mes​m a dis​c i​pli​na ou por pro​f es​s o​res de dis​c i​pli​nas di​ver​s as per​t en​c en​t es a
uma mes​m a clas​s e, fun​c i​o​na​m en​t o pa​ra​le​lo de vá​ri​as clas​s es do
es​t a​be​le​c i​m en​t o de en​s i​no.174
É fá​c il re​c o​nhe​c er nes​s as úl​t i​m as li​nhas a uti​li​z a​ç ão das téc​ni​c as de en​ga​ja​m en​t o
e de di​nâ​m i​c a de gru​po, com o ob​je​t i​vo de ven​c er as “re​s is​t ên​c i​as à mu​dan​ç a” por par​t e
dos pro​f es​s o​res, con​f or​m e tra​t a​m os já em de​t a​lhes no ca​pí​t u​lo so​bre a des​c en​t ra​li​z a​ç ão.
De acor​do com o Le Fi​ga​ro,175 “Des​de já [...] a re​f or​m a vem ge​ran​do um re​c uo
dra​m á​t i​c o no en​s i​no da cul​t u​ra ge​ral no pri​m ei​ro ano do en​s i​no mé​dio”. Vi​s an​do a
in​t ro​du​z ir o en​s i​no não cog​ni​t i​vo e os mé​t o​dos pe​da​gó​gi​c os ati​vos nas sa​las de aula, ela
li​m i​t a mui​t o se​ve​ra​m en​t e as op​ç ões e o tem​po de​di​c a​do à cul​t u​ra clás​s i​c a. En​f im,
men​c i​o​ne​m os que os uni​ver​s i​t á​ri​os, ain​da que, por ora, em me​nor me​di​da, são do mes​m o
modo atin​gi​dos pela re​vo​lu​ç ão pe​da​gó​gi​c a.
A in​t ro​du​ç ão dos ci​c los nas es​c o​las pri​m á​ri​as visa aos mes​m os ob​je​t i​vos. De fato,
os ci​c los per​m i​t em ao pro​f es​s or acom​pa​nhar seus alu​nos du​ran​t e mui​t os anos; fa​vo​re​c em
a con​t i​nui​da​de exi​gi​da pela pe​da​go​gia cen​t ra​da no edu​c an​do. Ade​m ais, não sen​do se​pa​ra​das
as clas​s es ao fim de cada ano es​c o​lar, fica re​f or​ç a​da a so​c i​a​li​z a​ç ão dos alu​nos. O
opús​c u​lo in​t i​t u​la​do Les cy​c les à l’éco​le pri​m ai​re,176 pu​bli​c a​do em 1991 pela Di​re​ç ão das
es​c o​las do Mi​nis​t é​rio da Edu​c a​ç ão Na​c i​o​nal, e edi​t a​do pelo CNDP, é pre​c e​di​do por um
pre​f á​c io de Li​o​nel Jos​pin, en​t ão mi​nis​t ro da Edu​c a​ç ão. Par​t i​c u​lar​m en​t e, ele afir​m a que:
“Co​lo​c ar a cri​an​ç a no cen​t ro do sis​t e​m a edu​c a​c i​o​nal é so​bre​t u​do tomá-la tal como ela é,
com suas ca​pa​c i​da​des e de​f i​c i​ên​c i​as”.177
É tam​bém, e prin​c i​pal​m en​t e, pra​t i​c ar a pe​da​go​gia cen​t ra​da no alu​no. A ci​t a​da obra
de​s en​vol​ve o pen​s a​m en​t o do mi​nis​t ro:
Para atin​gir esse ob​je​t i​vo [80% de su​c es​s o no bac178], a nova po​lí​t i​c a
se propõe, con​f or​m e es​t i​pu​la a Lei de ori​en​t a​ç ão em seu ar​t i​go pri​m ei​ro, a
“or​ga​ni​z ar o ser​vi​ç o pú​bli​c o de edu​c a​ç ão (...) em fun​ç ão dos alu​nos” e a
pro​m o​ver, con​f or​m e dispõe o ar​t i​go 4º, um “en​s i​no adap​t a​do a sua
di​ver​s i​da​de, me​di​an​t e uma con​t i​nui​da​de no pro​c es​s o edu​c a​t i​vo no de​c ur​s o de
cada ci​c lo e ao lon​go de toda a for​m a​ç ão es​c o​lar”. Tra​t a-se de co​lo​c ar, de
modo mais re​s o​lu​t o, a cri​an​ç a no co​ra​ç ão do sis​t e​m a edu​c a​c i​o​nal e de
per​m i​t ir uma adap​t a​ç ão mais fina de acor​do com cada caso. As​s im, a
con​s i​de​ra​ç ão da he​t e​ro​ge​nei​da​de dos alu​nos re​de​f i​ne a ação do pro​f es​s or,
tan​t o em re​la​ç ão àque​le que apren​de quan​t o ao que ele deve apren​der.
Essa aná​li​s e con​duz na​t u​ral​m en​t e aos prin​c í​pi​os que fun​da​m en​t am a
nova po​lí​t i​c a para a es​c o​la:
- in​t ro​du​z ir uma mai​or fle​xi​bi​li​da​de no exer​c í​c io de apren​di​z a​gem dos
alu​nos e na or​ga​ni​z a​ç ão do tra​ba​lho dos pro​f es​s o​res, a fim de ga​ran​t ir uma
me​lhor con​t i​nui​da​de des​s a apren​di​z a​gem; [...]
En​f im, essa aná​li​s e evi​den​c ia a ne​c es​s i​da​de de mo​bi​li​z ar e de
res​pon​s a​bi​li​z ar os ato​res lo​c ais, os úni​c os ca​pa​z es de pro​m o​ver essa nova
po​lí​t i​c a e de fazê-la con​c re​t i​z ar-se no qua​dro do pro​je​t o da es​c o​la.
Ga​ran​t ir a con​t i​nui​da​de da apren​di​z a​gem
A con​t i​nui​da​de da cons​t ru​ç ão e da aqui​s i​ç ão de sa​be​res pela cri​an​ç a é
uma das ga​ran​t i​as do êxi​t o es​c o​lar. A or​ga​ni​z a​ç ão em ci​c los plu​ri​a​nu​ais,
de​f i​ni​da pela Lei de ori​en​t a​ç ão em seu ar​t i​go 4º e pelo de​c re​t o re​la​t i​vo à
or​ga​ni​z a​ç ão e ao fun​c i​o​na​m en​t o das es​c o​las ma​t er​nais e ele​m en​t a​res,
so​bre​t u​do em seu ar​t i​go 3º, deve per​m i​t ir a ga​ran​t ia des​s a con​t i​nui​da​de.179
Con​f or​m e o lei​t or deve ter adi​vi​nha​do, o en​s i​no não cog​ni​t i​vo não está à mar​gem
des​s as di​re​t ri​z es: “Nes​t e tex​t o, três ti​pos de com​pe​t ên​c i​as fo​ram dis​t in​gui​das: –
com​pe​t ên​c i​as trans​ver​s ais, re​la​t i​vas às ati​t u​des da cri​an​ç a [...]”:180
As ati​t u​des, os in​t e​res​s es par​t i​lha​dos, as ações em co​m um e as
dis​c ussões, as emo​ç ões ex​pe​ri​m en​t a​das co​le​t i​va​m en​t e pos​s u​em um
ini​gua​lá​vel va​lor de so​c i​a​li​z a​ç ão e de for​m a​ç ão; elas fun​da​m en​t am o
sen​t i​m en​t o de per​t en​ç a a uma co​m u​ni​da​de.181
Mui​t os pais quei​xam-se da cres​c en​t e in​f lu​ên​c ia que os gru​pos de pa​res exer​c em
so​bre seus fi​lhos. Esse fe​nô​m e​no não é es​pon​t â​neo. É o re​s ul​t a​do de uma po​lí​t i​c a de
so​c i​a​li​z a​ç ão de​li​be​ra​da, que visa a fa​z er do gru​po de pa​res o gru​po de re​f e​rên​c ia. Não é de
es​pan​t ar que, cada vez mais, tor​na-se di​f í​c il trans​m i​t ir va​lo​res às cri​an​ç as, bem como
uma cul​t u​ra e uma edu​c a​ç ão que se di​f e​ren​c ie da​que​la me​dí​o​c re vei​c u​la​da pelo gru​po. O
con​t ro​le so​c i​al efe​t ua-se en​t ão pelo gru​po de pa​res, mais re​c ep​t i​vo às in​f lu​ên​c i​as
do​m i​nan​t es do que o se​ria um in​di​ví​duo iso​la​do.182
‘La dé​c en​nie des mal-ap​pris’ de Fran​ç ois Bay​rou 183
Fran​ç ois Bay​rou, mi​nis​t ro da Edu​c a​ç ão Na​c i​o​nal, ex​pôs suas con​c ep​ç ões so​bre
edu​c a​ç ão em uma obra in​t i​t u​la​da La dé​c en​nie des mal-ap​pris,184 pu​bli​c a​da em 1990. An​t es
de apre​s en​t ar suas te​s es, con​vém si​t u​ar ra​pi​da​m en​t e o seu au​t or, a fim de bus​c ar evi​t ar
equí​vo​c os e idei​as pre​c on​c e​bi​das. O Fran​ç ois Bay​rou é, an​t es de tudo, um cris​t ão, e não
he​s i​t a em fa​z er a pro​f is​s ão do seu cre​do (p. 19). Não cau​s a​rá es​pan​t o sa​ber que sua
car​rei​ra po​lí​t i​c a se te​nha de​s en​ro​la​do no âm​bi​t o do CDS,185 par​t i​do do qual não se po​de​ria
sus​pei​t ar de crip​t o​c o​m u​nis​m o ou de ul​t ra-li​be​ra​lis​m o. Além dis​s o, o au​t or é pro​f es​s or de
le​t ras e, como tal, de​f en​s or da “cul​t u​ra de re​f e​rên​c i​as” (p. 92 sq.). Ape​s ar dis​s o, po​rém,
Bay​rou re​t o​m a te​s es pró​xi​m as o bas​t an​t e da​que​las das ins​t i​t ui​ç ões in​t er​na​c i​o​nais para
que pos​s a​m os nos con​f or​m ar a elas. Para que não nos com​preen​dam mal: não o
sus​pei​t a​m os de crip​t o​c o​m u​nis​m o ou de qual​quer ou​t ra ten​dên​c ia in​c on​f es​s á​vel. Não
sus​pei​t a​m os que tra​ba​lhe em se​gre​do para a des​t rui​ç ão ou para a sub​ver​s ão da fé,
ob​je​t i​vo mai​or do glo​ba​lis​m o. En​t re​t an​t o, nos é for​ç o​s o re​c o​nhe​c er que a in​f lu​ên​c ia
ide​o​ló​gi​c a das ins​t i​t ui​ç ões in​t er​na​c i​o​nais e das te​s es re​vo​lu​c i​o​ná​ri​as es​t en​dem-se para
além de suas fron​t ei​ras na​t u​rais. Não obs​t an​t e, se nos faz ne​c es​s á​rio pre​c i​s ar – e o lei​t or
tal​vez te​nha to​m a​do cons​c i​ên​c ia dis​s o a par​t ir das ci​t a​ç ões – que as te​s es pe​da​gó​gi​c as
re​vo​lu​c i​o​ná​ri​as ra​ra​m en​t e se mos​t ram à luz do dia. Apre​s en​t em-se como “me​lho​ra​m en​t o
do en​s i​no”, “pro​gres​s o pe​da​gó​gi​c o”, “au​t o​no​m ia dos pro​f es​s o​res” e ou​t ras fór​m u​las
se​du​t o​ras. Não ire​m os atri​buir a Fran​ç ois Bay​rou in​t en​ç ões te​ne​bro​s as. O pior de que se
pode acu​s á-lo é de dei​xar-se in​f lu​en​c i​ar, em cer​t a me​di​da, por te​s es oriun​das de
or​ga​ni​z a​ç ões como a Unes​c o, que ele cita ex​pli​c i​t a​m en​t e (p. 29), cu​jas opi​ni​ões
re​vo​lu​c i​o​ná​ri​as têm ca​rá​t er pú​bli​c o.
Fran​ç ois Bay​rou re​s u​m e sua vi​s ão acer​c a da re​f or​m a do sis​t e​m a edu​c a​c i​o​nal na
se​guin​t e fra​s e:
Tal é, a meus olhos, o triân​gu​lo de ouro des​s a re​vo​lu​ç ão ma​gis​t ral que
se cha​m a res​pon​s a​bi​li​da​de, e, par​t i​c u​lar​m en​t e, res​pon​s a​bi​li​da​de pe​da​gó​gi​c a:
em cada uma das pon​t as do triân​gu​lo es​t ão: a ino​va​ç ão [pe​da​gó​gi​c a] de​s e​ja​da
e não ape​nas to​le​ra​da, a ava​li​a​ç ão sis​t e​m á​t i​c a e anu​al de cada uma das
clas​s es de cada pro​f es​s or, e uma for​m a​ç ão con​t í​nua que se sus​t en​t a so​bre os
su​c es​s os cons​t a​t a​dos.186
Pode-se re​c o​nhe​c er aí três dos prin​c i​pais te​m as da re​vo​lu​ç ão pe​da​gó​gi​c a con​du​z i​da
pe​las ins​t i​t ui​ç ões in​t er​na​c i​o​nais bem como o en​ga​ja​m en​t o dos pro​f is​s i​o​nais, aqui cha​m a​do
res​pon​s a​bi​li​z a​ç ão. A re​f or​m a pro​pos​t a por Bay​rou dei​xa en​t re​ver igual​m en​t e uma
re​a​li​da​de, que diz res​pei​t o ao en​ga​ja​m en​t o dos pro​f is​s i​o​nais e que não apa​re​c e na ci​t a​ç ão
aci​m a: a des​c en​t ra​li​z a​ç ão. Apre​s en​t a​re​m os pas​s o a pas​s o suas te​s es acer​c a des​s es
qua​t ro pon​t os.
A avaliação
Fran​ç ois Bay​rou é um par​t i​dá​rio con​vic​t o da ava​li​a​ç ão e “fi​c ou mui​t o con​t en​t e com
a ini​c i​a​t i​va de ava​li​a​ç ão au cours élé​m en​t ai​re et en clas​s e de si​xiè​m e” (p. 171).187
Se​gun​do ele, a ava​li​a​ç ão deve pos​s i​bi​li​t ar que cada pro​f es​s or con​s i​ga ava​li​ar me​lhor seus
re​s ul​t a​dos pe​da​gó​gi​c os e, as​s im, aper​f ei​ç o​ar o seu tra​ba​lho (p. 170 sq.). Ele não pre​t en​de
com isso exer​c er qual​quer pres​s ão so​bre os pro​f es​s o​res, mas de​s e​ja ape​nas tor​ná-los
res​pon​s á​veis e ne​les fa​z er nas​c er “um es​t í​m u​lo pes​s o​al, in​t e​ri​or” (p. 176). O au​t or
pre​o​c u​pa-se ain​da com os as​pec​t os afe​t i​vo, psi​c o​ló​gi​c o, re​la​c i​o​nal, cí​vi​c o e mo​ral do
en​s i​no e da edu​c a​ç ão (p. 173), não he​s i​t an​do em em​pre​gar o ter​m o “es​pi​ri​t u​al”.
Evi​den​t e​m en​t e, es​s es as​pec​t os não po​de​ri​am ser quan​t i​f i​c a​dos. Mas a re​la​ç ão es​pi​ri​t u​al
en​t re mes​t re e alu​no es​t a​rá “des​de logo men​s u​ra​da”, uma vez que “não pode ha​ver re​la​ç ão
es​pi​ri​t u​al de qua​li​da​de sem que a qua​li​da​de do tra​ba​lho es​c o​lar na sala de aula tes​t e​m u​nhe
essa re​la​ç ão” (p. 175). En​f im, Bay​rou men​c i​o​na o IEA e o NAEP, de que já tra​t a​m os no
ca​pí​t u​lo an​t e​ri​or, bem como as cam​pa​nhas in​t er​na​c i​o​nais de ava​li​a​ç ão, e pa​re​c e fa​vo​rá​vel
a uma par​t i​c i​pa​ç ão da Fran​ç a em tais cam​pa​nhas.
Lem​bre​m os que o NAEP ava​lia, além das ma​t e​m á​t i​c as, tão ca​ras a Bay​rou,
tam​bém o ci​vis​m o e as ati​t u​des dos nor​t e-ame​ri​c a​nos, e que o IEA cri​ou a pri​m ei​ra ban​c a
in​t er​na​c i​o​nal de ques​t ões. De​s e​ja​m os que Fran​ç ois Bay​rou com​preen​da o quan​t o suas
po​s i​ç ões – mui​t o res​pei​t á​veis em si mes​m as – po​dem ser de​t ur​pa​das de modo a in​t e​grar
um pro​je​t o mun​di​al re​vo​lu​c i​o​ná​rio. É pou​c o pro​vá​vel, por exem​plo, que a ava​li​a​ç ão pos​s a
fur​t ar-se por mui​t o tem​po ao en​s i​no não cog​ni​t i​vo e que ela não sir​va para ava​li​ar os
pro​f es​s o​res. As​s im, es​t es não te​rão ou​t ra al​t er​na​t i​va se​não in​c ul​c ar em seus alu​nos os
va​lo​res de​s e​ja​dos.
A formação continuada
Fran​ç ois Bay​rou faz-se tam​bém de​f en​s or da for​m a​ç ão con​t i​nu​a​da, que ele ins​c re​ve
no cír​c u​lo da qua​li​da​de – com​pa​ra​ç ão in​f e​liz, já que o cír​c u​lo da qua​li​da​de con​s is​t e numa
téc​ni​c a ma​ni​pu​la​t ó​ria fun​da​da na di​nâ​m i​c a de gru​po e no en​vol​vi​m en​t o dos pro​f is​s i​o​nais.
Bay​rou pre​t en​de ain​da dis​pen​s ar o pro​f es​s or de suas atri​bui​ç ões du​ran​t e duas ho​ras por
se​m a​na, a fim de con​s a​grá-las à for​m a​ç ão con​t i​nu​a​da e à ava​li​a​ç ão anu​al.
Na​t u​ral​m en​t e, uma re​f or​m a des​s e tipo fa​ria todo sen​t i​do se as ins​t i​t ui​ç ões
res​pon​s á​veis pela for​m a​ç ão dos pro​f es​s o​res não fos​s em o que de fato são. Mas Bay​rou
es​t a​ria dis​pos​t o a se opor fir​m e​m en​t e às ins​t i​t ui​ç ões in​t er​na​c i​o​nais, su​pri​m ir os IUFMS e
im​pe​dir os es​pe​c i​a​lis​t as em Ci​ên​c i​as da Edu​c a​ç ão de exer​c er sua fun​ç ão, ain​da que tais
ci​ên​c i​as even​t u​al​m en​t e de​s a​pa​re​c es​s em? Cla​ro está que não se con​c e​be tal re​f or​m a
se​não mo​vi​da por uma von​t a​de po​lí​t i​c a pro​f un​da e in​f le​xí​vel. Além dis​s o, após a
eli​m i​na​ç ão das psi​c o​pe​da​go​gi​as, será ain​da as​s im im​pe​ri​o​s a a ne​c es​s i​da​de da for​m a​ç ão
con​t i​nu​a​da?
A inovação pedagógica
Fran​ç ois Bay​rou se opõe “à pa​na​c eia pe​da​gó​gi​c a” (p. 123). Apre​s en​t an​do o exem​plo
dos Es​t a​dos Uni​dos e do des​c a​la​bro de seu sis​t e​m a edu​c a​c i​o​nal, ele de​nun​c ia os equí​vo​c os
de uma for​m a​ç ão de pro​f es​s o​res in​s u​f i​c i​en​t e do pon​t o de vis​t a aca​dê​m i​c o. So​m os
obri​ga​dos a con​c or​dar com ele nes​s e pon​t o, se bem que fa​z en​do no​t ar que a
des​qua​li​f i​c a​ç ão do en​s i​no não pos​s a ser atri​bu​í​da ex​c lu​s i​va​m en​t e a isso, ao me​nos no
to​c an​t e à es​c o​la pri​m á​ria. Mas a im​pres​s i​o​nan​t e que​da do ní​vel es​c o​lar nos Es​t a​dos
Uni​dos tem ain​da uma ou​t ra cau​s a: a in​t ro​du​ç ão das psi​c o​pe​da​go​gi​as, da “ino​va​ç ão
pe​da​gó​gi​c a”, em que se ve​ri​f i​c am os ob​je​t i​vos não cog​ni​t i​vos. Ora, Fran​ç ois Bay​rou é um
ar​den​t e de​f en​s or da ino​va​ç ão pe​da​gó​gi​c a, “de​s e​ja​da, em vez de to​le​ra​da” (p. 185). So​m en​t e
uma “re​vo​lu​ç ão su​a​ve” (p. 111) nas prá​t i​c as pe​da​gó​gi​c as te​ria per​m i​t i​do evi​t ar a
de​t e​ri​o​ra​ç ão do sis​t e​m a edu​c a​t i​vo fran​c ês. Um “gran​de avan​ç o di​dá​t i​c o” (p. 186) é en​t ão
de​s e​já​vel, ten​do por base a for​m a​ç ão con​t i​nu​a​da. Ora, te​m os de​m ons​t ra​do, e pro​va-o a
ex​pe​ri​ên​c ia em to​dos os pa​í​s es em que as psi​c o​pe​da​go​gi​as fo​ram in​t ro​du​z i​das, que um
“gran​de avan​ç o pe​da​gó​gi​c o” é, tan​t o no en​t en​di​m en​t o dos psi​c o​pe​da​go​gos quan​t o no dos
fa​t os, um gran​de avan​ç o re​vo​lu​c i​o​ná​rio, e um gran​de re​c uo in​t e​lec​t u​al. Cer​t a​m en​t e, há
me​lho​ra​m en​t os pe​da​gó​gi​c os – se​c un​dá​ri​os – que po​de​ri​am ser di​f un​di​dos. Mas en​dos​s ar
um mo​vi​m en​t o de re​f or​m a pe​da​gó​gi​c a equi​va​le a des​c on​s i​de​rar os ho​m ens e as
ins​t i​t ui​ç ões, na​c i​o​nais e in​t er​na​c i​o​nais, que con​t ro​lam o do​m í​nio pe​da​gó​gi​c o; é fa​z er
abs​t ra​ç ão da in​f lu​ên​c ia po​lí​t i​c a das ins​t i​t ui​ç ões in​t er​na​c i​o​nais, de sua in​f lu​ên​c ia
pe​da​gó​gi​c a, exer​c i​da pe​los IUFMS, pelo CNDP etc., e da in​f lu​ên​c ia ide​o​ló​gi​c a que exer​c e a
pa​ra​f er​ná​lia in​t e​lec​t u​al que está na base das psi​c o​pe​da​go​gi​as. É lan​ç ar-se às go​e​las do
lobo.
A descentralização
An​t es de tudo, lem​bre​m os que, no âm​bi​t o de nos​s a aná​li​s e, des​c en​t ra​li​z a​ç ão e
des​c on​c en​t ra​ç ão po​dem ser equi​pa​ra​das.
A con​ve​ni​ên​c ia da des​c en​t ra​li​z a​ç ão, para Fran​ç ois Bay​rou, é evi​den​t e (p.138).
Di​an​t e do gi​gan​t is​m o do sis​t e​m a edu​c a​c i​o​nal fran​c ês, ela cons​t i​t ui o úni​c o modo
apro​pri​a​do de ges​t ão. En​t re​t an​t o, não ha​ve​ria como, sem cri​ar gra​ves de​s e​qui​lí​bri​os en​t re
as re​gi​ões, des​c en​t ra​li​z ar igual​m en​t e a con​t ra​t a​ç ão de pes​s o​al e a ela​bo​ra​ç ão dos
pro​gra​m as. As​s im, so​m en​t e a ges​t ão de pes​s o​al e de ma​t e​ri​al é pre​vis​t a. Par​t i​c u​lar​m en​t e,
o pa​pel do di​re​t or da es​c o​la deve ser re​f or​ç a​do (p. 136). O pro​je​t o de des​c en​t ra​li​z a​ç ão
pro​va​vel​m en​t e se ins​c re​ve, ain​da que Bay​rou não o men​c i​o​ne, na pers​pec​t i​va de uma
“mu​dan​ç a em pro​f un​di​da​de” da es​c o​la, o que “re​quer a par​t i​c i​pa​ç ão ati​va [dos]
pro​f es​s o​res” (p. 156). Da mes​m a for​m a, uma “am​pla des​c en​t ra​li​z a​ç ão” per​m i​t i​ria a toda
so​c i​e​da​de fran​c e​s a a par​t i​c i​pa​ç ão no en​s i​no (p. 191).
Con​vém re​pe​t ir que tais pro​je​t os não po​dem ser ex​t ra​í​dos do mes​m o am​bi​en​t e no
qual eles se de​vem in​s e​rir. Se eles po​dem dar ex​c e​len​t es re​s ul​t a​dos em ou​t ras
cir​c uns​t ân​c i​as, não há qual​quer ra​z ão para pen​s ar que, na si​t u​a​ç ão atu​al, o en​s i​no não
cog​ni​t i​vo, a dou​t ri​na​ç ão pre​c o​c e e a ma​ni​pu​la​ç ão psi​c o​ló​gi​c a dei​xa​ri​am de ser os pri​m ei​ros
a aden​t rar o es​pa​ç o as​s im aber​t o.
As idei​as de Fran​ç ois Bay​rou da​ri​am os re​s ul​t a​dos es​pe​ra​dos des​de que ine​xis​t is​s e
o ele​m en​t o an​t a​gô​ni​c o cons​t i​t u​í​do pelo do​m í​nio psi​c o​pe​da​gó​gi​c o. Mas os re​vo​lu​c i​o​ná​ri​os se
lan​ç am, há mui​t as dé​c a​das, a tra​ba​lhos apro​f un​da​dos, dos quais seus ad​ver​s á​ri​os
ge​ral​m en​t e fa​z em pou​c o caso. Bas​t a lem​brar​m o-nos da pou​c a con​s i​de​ra​ç ão em que se
têm a psi​c o​lo​gia e a so​c i​o​lo​gia. Na mes​m a or​dem de idei​as, é pre​c i​s o men​c i​o​nar tam​bém
o des​pre​z o que até bem pou​c o se ti​nha com re​la​ç ão às ins​t i​t ui​ç ões in​t er​na​c i​o​nais. Esse
des​c o​nhe​c i​m en​t o, essa ig​norân​c ia mes​m a, da es​t ra​t é​gia e das téc​ni​c as do ad​ver​s á​rio bem
pode con​du​z ir a er​ros de aná​li​s e que acar​re​t am pe​s a​das con​s e​quên​c i​as. Em ma​t é​ria de
edu​c a​ç ão, im​por​t a con​s i​de​rar que ad​ver​s á​ri​os e par​t i​dá​ri​os da re​vo​lu​ç ão não de​f i​nem da
mes​m a ma​nei​ra o pa​pel da es​c o​la. Se​ria en​t ão de​s e​já​vel im​ple​m en​t ar o sis​t e​m a
edu​c a​c i​o​nal que es​t es úl​t i​m os con​c e​be​ram, para mu​dar os va​lo​res, as ati​t u​des e os
com​por​t a​m en​t os, a fim de des​t ruir o en​s i​no aca​dê​m i​c o? Não ne​gli​gen​c i​e​m os o tra​ba​lho
ide​o​ló​gi​c o e pe​da​gó​gi​c o re​a​li​z a​do pela Re​vo​lu​ç ão, com to​dos os agen​t es e or​ga​ni​z a​ç ões
dos quais ela se sabe va​ler.
As primeiras medidas governamentais
Pre​vi​s i​vel​m en​t e, “Fran​ç ois Bay​rou” não so​m en​t e não re​jei​t a a ação em​preen​di​da
por seus pre​de​c es​s o​res, mas, ain​da, com re​la​ç ão a vá​ri​os pon​t os, apro​va os ob​je​t i​vos e os
prin​c í​pi​os”,188 e “mes​m o Jack Lang de​c la​rou-se ‘de acor​do so​bre o es​s en​c i​al’ com o seu
su​c es​s or”.189 As ino​va​ç ões pe​da​gó​gi​c as in​t ro​du​z i​das por Jack Lang fo​ram man​t i​das por
Fran​ç ois Bay​rou. Ele “apro​va o prin​c í​pio”190 da edu​c a​ç ão por ci​c los que in​t ro​duz a
pe​da​go​gia cen​t ra​da no alu​no. Os mó​du​los, “que fun​c i​o​nam bem”,191 fo​ram man​t i​dos,
con​t ra​ri​a​m en​t e ao pa​re​c er da co​m is​s ão en​c ar​re​ga​da des​s a ques​t ão. Eles pro​por​c i​o​nam a
in​t ro​du​ç ão do en​s i​no não cog​ni​t i​vo e da pe​da​go​gia cen​t ra​da no alu​no nas es​c o​las de En​s i​no
Mé​dio, em de​t ri​m en​t o dos cur​s os clás​s i​c os. As car​rei​ras tec​no​ló​gi​c as e pro​f is​s i​o​nais, que
pou​c o in​t e​res​s am aos de​f en​s o​res do en​s i​no, fo​ram, as​s im, as mais pre​ju​di​c a​das pela
“re​no​va​ç ão pe​da​gó​gi​c a”.192 E nem po​dem es​pe​rar qual​quer me​lho​ria, uma vez que,
se​gun​do o mi​nis​t ro, “a re​f or​m a foi boa”.193 Não se ma​ni​f es​t ou ne​nhu​m a ur​gên​c ia em
fe​c har os IUFMS, que se​ria pre​c i​s o des​m an​t e​lar – va​len​do-se da de​s or​dem de opo​s i​ç ão e
do con​s en​s o ge​ral – já nos pri​m ei​ros dias do man​da​t o de Édou​ard Bal​la​dur. A
in​f or​m a​t i​z a​ç ão per​s is​t e; os pro​f es​s o​res da es​c o​la pri​m á​ria são ago​ra ge​ren​c i​a​dos, cada
um por seu nome, me​di​an​t e um sis​t e​m a in​f or​m a​t i​z a​do que “tem por ob​je​t i​vo [...] o
gui​a​m en​t o na​c i​o​nal e aca​dê​m i​c o”,194 e, acres​c en​t a​m os, in​di​vi​du​al. A des​c on​c en​t ra​ç ão da
ges​t ão de pes​s o​al nas uni​ver​s i​da​des – ini​c i​a​da por Fran​ç ois Fil​lon, mi​nis​t ro do En​s i​no
Su​pe​ri​or e da Pes​qui​s a – está em cur​s o.195 Es​pe​ra​m os que Fran​ç ois Bay​rou tome
cons​c i​ên​c ia o quan​t o an​t es das ra​z ões do apoio, sus​pei​t o, de Jack Lang.
156 CERI/OCDE, La ré​f or​m e des pro​gram​m es sco​lai​res, Op. cit., p. 57.
157 Louis Le​grand, L’éco​le uni​que: à quel​les con​di​t i​ons?, Pa​ris, Sca​ra​bée, 1981, p.
73.
158 Ibid., p. 67 sq.
159 Ibid., p. 61.
160 Ibid., p. 97.
161
162
163
164
Ibid., p.
Bul​le​t in
Ibid., p.
Ibid., p.
190.
Of​f i​c i​el du 4 juin 1992. Ver, igual​m en​t e, BO de 3 ju​nho 1993.
1572-1 e 1573-1.
1576-2.
165
166
167
168
Ibid.,
Ibid.,
Ibid.,
Ibid.,
1574-1.
1580-2.
1576-2.
1572-1 e 1576-1.
p.
p.
p.
p.
169 Ibid., p. 1573-2 e 1577-1.
170 Ibid., p. 1580-1 e 1587-2.
171 Ibid., p. 1577-2. Ver, igual​m en​t e, BO’S de 5 nov. 1992, 28 jan. 1993, 18 mar.
1993 e 15 abr. 1993.
172 Ver a esse res​pei​t o Le​grand, L’éco​le uni​que, Op. cit., cap. XI.
173 Nós re​nun​c i​a​m os a de​c i​f rar es​s as pro​po​s i​ç ões si​bi​li​nas no qua​dro des​t a obra.
174 BO 4 jun. 1992, p. 1570 sq.
175 Le Fi​ga​ro, 9 abr. 1993, p. 11.
176 Mi​nistè​re de l’Edu​c a​t i​on na​t i​o​na​le, de la jeu​nes​s e et des sports, Di​rec​t i​on des
éco​les, Les cy​c les à l’éco​le pri​m ai​re, Pa​ris, CNDP, Ha​c het​t e Eco​les, 1991.
177 Ibid., p. 4.
178 De acor​do com o site do Mi​nistè​re de l’Édu​c a​t i​on Na​t i​o​na​le fran​c ês,
cor​res​pon​de ao di​plo​m a que mar​c a o fim dos es​t u​dos se​c un​dá​ri​os e abre aces​s o ao en​s i​no
su​pe​ri​or. Cons​t i​t ui o pri​m ei​ro es​t á​gio no en​s i​no uni​ver​s i​t á​rio – N. do T.
179 Ibid., p. 11 sq.
180 Ibid., p. 23.
181 Ibid., p. 86.
182 Re​c o​nhe​c e-se aqui a pro​xi​m i​da​de com as idéi​as de Skin​ner.
183 A dé​c a​da dos mal-ins​t ru​í​dos – N. do T.
184 F. Bay​rou, 1990-2000. La de​c en​nie des mal-ap​pris, Flam​m a​ri​on, 1990. Po​der-seá con​s ul​t ar igual​m en​t e com pro​vei​t o o BO de 23 de ju​nho de 1994, que con​t ém, sob a
for​m a de 155 pro​po​s i​ç ões do Mi​nis​t ro, o Nou​ve​au con​t rat pour l’ éco​le.
185 Cen​t res des Dé​m o​c ra​t es So​c i​aux – N do T.
186 Ibid., p. 185.
187 1º e 6º anos do en​s i​no fun​da​m en​t al, res​pec​t i​va​m en​t e – N. do T.
188 Le Mon​de, 2 maio 1993, p. 13.
189 Le Fi​ga​ro, 30 abr. 1993, p. 9.
190 Le Mon​de, 3 maio 1993, p. 13.
191 Le Fi​ga​ro, 30 abr. 1993, p. 9.
192 BO 4 jun. 1992, p. 1570 sq.
193 Li​bé​ra​t i​on, 30 abr. 1993, p. 22.
194 BO 27 maio 1993, p. 1713-1.
195 Le Mon​de, 16 maio 1993, p. 16.
CA​PÍ​T U​LO XIII
A SOCIEDADE DUAL
O baixo nível
Os ca​pí​t u​los pre​c e​den​t es mos​t ra​ram de modo sa​t is​f a​t ó​rio que não é de cau​s ar
es​pan​t o a que​da im​pres​s i​o​nan​t e do ní​vel es​c o​lar. Há mais ain​da: os pró​pri​os sec​t á​ri​os da
re​vo​lu​ç ão pe​da​gó​gi​c a re​c o​nhe​c em que ela per​s e​gue ob​je​t i​vos po​lí​t i​c os e so​c i​ais e que não
bus​c a, de modo al​gum, apri​m o​rar a for​m a​ç ão in​t e​lec​t u​al dos alu​nos. Ini​c i​al​m en​t e,
apre​s en​t a​m os uma ci​t a​ç ão que, ti​ra​da de uma obra de Louis Le​grand, con​c er​ne
di​re​t a​m en​t e à Fran​ç a. Após isso, se​guir-se-ão al​guns elo​gi​os e apo​lo​gi​as da ig​norân​c ia.
Fi​nal​m en​t e, po​rém, não é que haja uma opo​s i​ç ão fun​da​m en​t al en​t re as
téc​ni​c as dos mé​t o​dos ati​vos, re​c o​m en​da​dos ofi​c i​al​m en​t e, e os ob​je​t i​vos
la​t en​t es da es​c o​la tais como os exi​gem o sis​t e​m a de se​le​ç ão e tais como os
pro​f es​s o​res, pri​s i​o​nei​ros do sis​t e​m a, os per​s e​guem. Pois, se se pre​c o​ni​z am os
mé​t o​dos ati​vos como téc​ni​c as ca​pa​z es de me​lhor atin​gir os ob​je​t i​vos
in​t e​lec​t u​ais clás​s i​c os, a par​t ir dos quais se pro​c e​de à se​le​ç ão, está-se
to​m an​do a via er​ra​da. A pe​da​go​gia for​m al im​po​s i​t i​va é a úni​c a que con​vém
pri​m ei​ra​m en​t e a esse tipo de se​le​ç ão. A ine​f i​c á​c ia das me​di​das es​t ru​t u​rais de
de​m o​c ra​t i​z a​ç ão cau​s a es​pan​t o. Con​t u​do, pre​t en​de-se men​s u​rar essa
de​m o​c ra​t i​z a​ç ão à base de tes​t es de co​nhe​c i​m en​t os ou de ní​vel ge​ral (QI) que
re​pro​du​z em e sis​t e​m a​t i​z am os re​s ul​t a​dos es​pe​ra​dos da pe​da​go​gia clás​s i​c a. O
pro​ble​m a não é, por​t an​t o, téc​ni​c o, é um pro​ble​m a po​lí​t i​c o e fi​lo​s ó​f i​c o.196
Es​c ri​t o que faz eco àque​les de um dos “gran​des” pe​da​go​gos nor​t e-ame​ri​c a​nos do
iní​c io do sé​c u​lo, como se vê pelo tre​c ho que se se​gue:
Mui​t os ho​m ens vi​ve​ram, mor​re​ram e se fi​z e​ram cé​le​bres, mar​c a​ram
épo​c a até, sem ha​ver pos​s u​í​do ja​m ais qual​quer fa​m i​li​a​ri​da​de com os es​c ri​t os.
O sa​ber que os ile​t ra​dos ad​qui​rem é, en​f im, pro​va​vel​m en​t e mais pes​s o​al,
mais di​re​t o, mais pró​xi​m o do seu meio e, pro​va​vel​m en​t e, para uma gran​de
par​t e, mais prá​t i​c o. Além dis​s o, eles evi​t am fa​t i​gar a vis​t a tan​t o quan​t o se
res​guar​dam da ex​c i​t a​ç ão men​t al e, ain​da, são eles pro​va​vel​m en​t e mais ati​vos
e me​nos se​den​t á​ri​os. Ade​m ais, é pos​s í​vel – a des​pei​t o dos es​t ig​m as com que
nos​s a épo​c a ins​t ru​í​da mar​c ou essa in​c a​pa​c i​da​de – que aque​les que dela
pa​de​c em, não so​m en​t e le​vem uma vida útil, fe​liz e vir​t uo​s a, mas, que, além
dis​s o, se​jam ver​da​dei​ra​m en​t e cul​t os. Os ile​t ra​dos es​t ão li​vres de cer​t as
ten​t a​ç ões, como a das lei​t u​ras inep​t as e vi​c i​o​s as. Tal​vez se​ja​m os in​c li​na​dos a
atri​buir de​m a​s i​a​da im​por​t ân​c ia às ca​pa​c i​da​des e às dis​c i​pli​nas ne​c es​s á​ri​as ao
do​m í​nio des​s a arte.197
O au​t or des​s as li​nhas sur​preen​den​t es, es​c ri​t as em 1911, é o pro​f es​s or G.S. Hall,
que cri​ou o pri​m ei​ro la​bo​ra​t ó​rio de Psi​c o​lo​gia dos Es​t a​dos Uni​dos. Ele exer​c eu uma
in​f lu​ên​c ia con​s i​de​rá​vel so​bre a Psi​c o​lo​gia e a Pe​da​go​gia nor​t e-ame​ri​c a​na e, fato dig​no de
nota, foi o pro​f es​s or de John Dewey, o pe​da​go​go nor​t e-ame​ri​c a​no que es​t e​ve à fren​t e da
“re​vo​lu​ç ão pe​da​gó​gi​c a” em seus iní​c i​os. No​t e​m os, con​t u​do, que essa con​f is​s ão bru​t al nada
acres​c en​t a, em ver​da​de, à sé​rie de apo​lo​gi​as dos mé​t o​dos de en​s i​no não cog​ni​t i​vo.
John Dewey pode ser le​gi​t i​m a​m en​t e con​s i​de​ra​do o pai da Pe​da​go​gia mo​der​na, e
não há como su​bes​t i​m ar a in​f lu​ên​c ia que ele exer​c eu so​bre ela. Para que se faça uma
ideia des​s a in​f lu​ên​c ia, lem​bre​m os que um de seus alu​nos, Elwo​od P. Cub​berly, tor​nou-se
che​f e do de​par​t a​m en​t o de edu​c a​ç ão de Stan​f ord, que aco​lheu Wil​li​am C. Carr, um dos
fun​da​do​res da Unes​c o. (Pode-se es​t i​m ar me​lhor a im​por​t ân​c ia des​s as fi​li​a​ç ões in​t e​lec​t u​ais
quan​do se sabe com que cui​da​do os es​t u​dan​t es são se​le​c i​o​na​dos em cer​t as dis​c i​pli​nas,
nas quais eles são sub​m e​t i​dos, ali​ás, a uma dou​t ri​na​ç ão da qual a for​m a​ç ão dada nos
IUFMS não é se​não uma pá​li​da có​pia). Os dis​c í​pu​los de Dewey cri​a​ram cá​t e​dras de
“Ci​ên​c i​as” da Edu​c a​ç ão por todo o ter​ri​t ó​rio dos Es​t a​dos Uni​dos. Des​de aí, as​s o​c i​an​do-se
aos ra​m os so​vi​é​t i​c os, par​t i​ram para a con​quis​t a do mun​do e das ins​t i​t ui​ç ões
in​t er​na​c i​o​nais. A in​f lu​ên​c ia de Dewey so​bre a Pe​da​go​gia mo​der​na e sua ori​en​t a​ç ão
ide​o​ló​gi​c a foi, por​t an​t o, de​t er​m i​nan​t e, e é pre​c i​s o lem​brar-se dis​s o ao se ler as
es​pan​t o​s as ci​t a​ç ões adi​an​t e. So​c i​a​lis​t a fu​ri​o​s a​m en​t e con​t rá​rio a todo in​di​vi​du​a​lis​m o,
Dewey as​s a​nha-se con​t ra a in​t e​li​gên​c ia:
A úl​t i​m a re​s is​t ên​c ia do iso​la​m en​t o an​t is​s o​c i​al e oli​gár​qui​c o é a
per​pe​t u​a​ç ão da no​ç ão pu​ra​m en​t e in​di​vi​du​al da in​t e​li​gên​c ia.198
As​s im, para Dewey, a so​c i​a​li​z a​ç ão deve-se fa​z er acom​pa​nhar pela des​t rui​ç ão da
cul​t u​ra, da ins​t ru​ç ão e da in​t e​li​gên​c ia, no​ç ão “pu​ra​m en​t e in​di​vi​du​al”. Por​t an​t o, não po​de​ria
ha​ver so​c i​a​li​z a​ç ão sem a de​pre​c i​a​ç ão do pen​s a​m en​t o in​di​vi​du​al e da ins​t ru​ç ão.
Uma vez que o sa​ber seja con​s i​de​ra​do como pro​ve​ni​en​t e do in​t e​ri​or dos
in​di​ví​duos [!] e que nes​s e âm​bi​t o se de​s en​vol​va, os la​ç os que unem a vida
men​t al de cada um à dos seus se​m e​lhan​t es são ig​no​ra​dos e ne​ga​dos. Uma
vez que o com​po​nen​t e so​c i​al das ope​ra​ç ões men​t ais é ne​ga​do, faz-se di​f í​c il
en​c on​t rar os la​ç os que de​vem unir um in​di​ví​duo a seus se​m e​lhan​t es. O
in​di​vi​du​a​lis​m o mo​ral pro​vém da se​pa​ra​ç ão cons​c i​en​t e de di​f e​ren​t es en​t i​da​des
vi​vas; ele fin​c a suas ra​í​z es na con​c ep​ç ão de cons​c i​ên​c ia se​gun​do a qual cada
pes​s oa é um con​t i​nen​t e iso​la​do, ab​s o​lu​t a​m en​t e pri​va​do, in​t rin​s e​c a​m en​t e
in​de​pen​den​t e das idei​as, de​s e​jos e ob​je​t i​vos de ou​t rem.199
A trá​gi​c a de​f i​c i​ên​c ia das es​c o​las de hoje em dia [1899] re​s i​de no fato de
elas bus​c a​rem for​m ar os fu​t u​ros mem​bros de uma so​c i​e​da​de na qual o
es​pí​ri​t o so​c i​al é emi​nen​t e​m en​t e de​f ei​t uo​s o.
[...]
A sim​ples acu​m u​la​ç ão de fa​t os e de sa​be​res é uma ati​vi​da​de de tal
modo in​di​vi​du​al que ela ten​de mui​t o na​t u​ral​m en​t e a se trans​f or​m ar em
ego​ís​m o. Não há qual​quer jus​t i​f i​c a​ç ão so​c i​al para a sim​ples aqui​s i​ç ão de
ci​ên​c ia, ela não for​ne​c e qual​quer ga​nho so​c i​al ní​t i​do.
Al​gu​m as pá​gi​nas após, Dewey acres​c en​t a:
A in​t ro​du​ç ão das ocu​pa​ç ões ati​vas, do es​t u​do da na​t u​re​z a, da ci​ên​c ia
ele​m en​t ar, da Arte, da His​t ó​ria; a re​le​ga​ç ão das dis​c i​pli​nas pu​ra​m en​t e
sim​bó​li​c as e for​m ais a uma po​s i​ç ão se​c un​dá​ria; a mo​di​f i​c a​ç ão da at​m os​f e​ra
mo​ral das es​c o​las... não são sim​ples aci​den​t es, mas são fa​t os ne​c es​s á​ri​os à
evo​lu​ç ão so​c i​al em seu con​jun​t o. Fal​t a so​m en​t e re​li​gar to​dos es​s es fa​t o​res,
dar-lhes sua in​t ei​ra sig​ni​f i​c a​ç ão e en​t re​gar a pos​s e com​ple​t a de nos​s as
es​c o​las, sem con​c essões, às idei​as e aos ide​ais daí de​c or​ren​t es.200
A an​t i​ga Psi​c o​lo​gia con​s i​de​ra​va o es​pí​ri​t o como en​t i​da​de in​di​vi​du​al, em
con​t a​do di​re​t o e ime​di​a​t o com o mun​do ex​t e​ri​or. [...] A ten​dên​c ia atu​al
con​s i​de​ra o es​pí​ri​t o como uma fun​ç ão da vida so​c i​al – in​c a​paz de ope​rar e de
se de​s en​vol​ver a par​t ir de si mes​m o, mas re​que​ren​do os sti​m u​li con​t í​nuos
oriun​dos dos or​ga​nis​m os so​c i​ais e en​c on​t ran​do sua subs​t ân​c ia no so​c i​al. A
te​o​ria da he​re​di​t a​ri​e​da​de fa​m i​li​a​ri​z ou-nos com a con​c ep​ç ão de ca​pa​c i​da​des
in​di​vi​du​ais, tan​t o men​t ais quan​t o fí​s i​c as, her​da​das da raça: elas for​m am um
ca​pi​t al que o in​di​ví​duo her​da do pas​s a​do e do qual ele é de​po​s i​t á​rio para o
fu​t u​ro. A Te​o​ria da Evo​lu​ç ão nos fa​m i​li​a​ri​z ou com a con​c ep​ç ão se​gun​do a qual
o es​pí​ri​t o não pode ser con​s i​de​ra​do como uma pos​s es​s ão in​di​vi​du​al, ex​c lu​s i​va,
mas como o ter​m o dos es​f or​ç os e re​f le​xões da hu​m a​ni​da​de.201
As con​s i​de​ra​ç ões pre​c e​den​t es, que pri​vi​le​gi​am sis​t e​m a​t i​c a​m en​t e o co​le​t i​vo, ou
mes​m o o co​le​t i​vis​m o, em de​t ri​m en​t o do in​di​vi​du​al, não te​ri​am como, ab​s o​lu​t a​m en​t e,
jus​t i​f i​c ar a in​c ul​t u​ra. En​t re​t an​t o, não nos es​pan​t e​m os di​an​t e da que​da do ní​vel es​c o​lar a
que elas ine​lu​t a​vel​m en​t e con​du​z em. De​li​be​ra​da​m en​t e pro​vo​c a​da, essa des​va​lo​ri​z a​ç ão
bus​c a des​t ruir a in​t e​li​gên​c ia, “no​ç ão pu​ra​m en​t e in​di​vi​du​al”, an​t is​s o​c i​al e re​a​c i​o​ná​ria.
O déficit democrático
En​t re​t an​t o, a in​t ro​du​ç ão dos en​s i​na​m en​t os não cog​ni​t i​vos (que bus​c a​ria,
lem​bre​m o-nos, não a de​m o​c ra​t i​z a​ç ão dos es​t a​be​le​c i​m en​t os, mas sim a so​c i​a​li​z a​ç ão dos
alu​nos) te​ria be​ne​f i​c i​a​do as clas​s es me​nos fa​vo​re​c i​das? De modo al​gum, e os re​s ul​t a​dos
da “de​m o​c ra​t i​z a​ç ão” do en​s i​no, na qual se ins​c re​ve a ins​t au​ra​ç ão da es​c o​la úni​c a,202 são
ir​re​f u​t á​veis. Eis a sen​t en​ç a de​f i​ni​t i​va pro​nun​c i​a​da con​t ra ela por An​t oi​ne Prost, alto
di​ri​gen​t e do SGEN-CFDT, an​t i​go mem​bro do ga​bi​ne​t e de Mi​c hel Ro​c ard: “Os re​s ul​t a​dos
sur​preen​dem: a de​m o​c ra​t i​z a​ç ão do en​s i​no está com​ple​t a​m en​t e es​t ag​na​da há duas
dé​c a​das”.203
Ten​t ei co​nhe​c er com pre​c i​s ão, to​m an​do o exem​plo da re​gi​ão de Or​lé​ans,
o que re​al​m en​t e se ha​via pas​s a​do com o en​s i​no na Fran​ç a no úl​t i​m o ter​ç o de
sé​c u​lo. Pen​s o ha​ver mos​t ra​do que a de​m o​c ra​t i​z a​ç ão pro​gre​diu até o iní​c io dos
anos ses​s en​t a, den​t ro de uma es​t ru​t u​ra es​c o​lar pen​s a​da por con​s er​va​do​res
do​t a​dos de uma in​t en​ç ão con​ve​ni​en​t e​m en​t e re​a​c i​o​ná​ria de de​f e​s a e de
ilus​t ra​ç ão das Hu​m a​ni​da​des, en​quan​t o que, ao con​t rá​rio, as re​f or​m as de 1959,
de 1963 e de 1965, que pre​t en​di​am as​s e​gu​rar a igual​da​de de opor​t u​ni​da​de nas
es​c o​las e a de​m o​c ra​t i​z a​ç ão do en​s i​no, não fi​z e​ram de fato se​não or​ga​ni​z ar o
re​c ru​t a​m en​t o da eli​t e es​c o​lar no seio da eli​t e so​c i​al. Esse re​s ul​t a​do não me
ale​grou em nada, mas me pa​re​c e in​c on​t or​ná​vel. Tam​bém eu, no iní​c io dos
anos ses​s en​t a, fui par​t i​dá​rio con​vic​t o des​s as re​f or​m as cu​jos re​s ul​t a​dos
con​t ra​di​z em as in​t en​ç ões. Meu pri​m ei​ro li​vro foi uma de​f e​s a em seu fa​vor,
quan​do tais re​f or​m as não es​t a​vam con​c lu​í​das. A ver​da​de é que não cri​t i​c o
nin​guém: cons​t a​t a​ç ões não são con​de​na​ç ões.204
Quais​quer que te​nham sido suas li​m i​t a​ç ões, o en​s i​no das dé​c a​das an​t e​ri​o​res
ofe​re​c ia a cada um pos​s i​bi​li​da​des de eman​c i​pa​ç ão, tan​t o in​t e​lec​t u​ais como cul​t u​rais e
in​di​vi​du​ais, pro​f is​s i​o​nais ou so​c i​ais, bem su​pe​ri​o​res às do sis​t e​m a que vi​go​ra atu​al​m en​t e.
Ou​t ra coi​s a não se deve ver aí se​não a con​s e​quên​c ia ine​lu​t á​vel de uma re​f or​m a que
pre​t en​de an​t es vei​c u​lar va​lo​res e um tipo de en​s i​no não cog​ni​t i​vo, des​pre​z an​do to​t al​m en​t e
o es​t ra​go pro​vo​c a​do às cri​an​ç as que re​c e​bem uma tal for​m a​ç ão. As​s im, es​pan​t ar-se-á
al​guém quan​do a po​lí​t i​c a atu​al – a res​pei​t o da qual crip​t o​c o​m u​nis​t as e glo​ba​lis​t as es​t ão
em per​f ei​t o acor​do – sus​c i​t a opo​s i​ç ões ins​t in​t i​vas tan​t o à di​rei​t a quan​t o à es​quer​da, en​t re
os ad​ver​s á​ri​os do tra​t a​do glo​ba​lis​t a de Ma​as​t ri​c ht? Mas tais efei​t os per​ver​s os de​ve​ri​am
cau​s ar sur​pre​s a, quan​do o ob​je​t i​vo do sis​t e​m a edu​c a​c i​o​nal, após ter sido ra​di​c al​m en​t e
mo​di​f i​c a​do, con​s is​t e ago​ra em so​c i​a​li​z ar os alu​nos em vez de de​m o​c ra​t i​z ar o en​s i​no?
Em de​z em​bro de 1989, à épo​c a da ex​t in​t a URSS, o dou​t or Po​valya​ev, che​f e do
se​t or de so​c i​o​lo​gia do Mi​nis​t é​rio da Bi​e​lor​rús​s ia, em sua in​t er​ven​ç ão em um se​m i​ná​rio de
alto ní​vel da Unes​c o, de​c la​rou:
Um dos pa​ra​do​xos da so​c i​e​da​de mo​der​na é o de que ela não tem
ne​c es​s i​da​de de um gran​de nú​m e​ro de pes​s o​as ins​t ru​í​das. A se​le​ç ão se ope​ra
por meio do que se cha​m a “eli​t e so​c i​al”, que re​a​li​z a o tra​ba​lho in​t e​lec​t u​al
ne​c es​s á​rio. Aos de​m ais com​pe​t e ou a exe​c u​ç ão das de​c isões ou o exer​c í​c io de
car​gos su​bal​t er​nos. É evi​den​t e que há uma par​t e da po​pu​la​ç ão que não exe​c u​t a
ne​nhum des​s es tra​ba​lhos. Essa ten​dên​c ia di​f e​re en​t re os pa​í​s es e seus graus
de de​s en​vol​vi​m en​t o. Em sín​t e​s e, a so​c i​e​da​de ape​nas ra​ra​m en​t e con​s e​gue
equi​li​brar suas de​m an​das com as de seus ci​da​dãos e suas ca​pa​c i​da​des.
(Unes​c o)205
As li​nhas aci​m a per​m i​t em com​preen​der que o au​t or se co​lo​c a des​de a pers​pec​t i​va
de uma so​ci​e ​da​de dual, quan​do ele enun​c ia na pá​gi​na se​guin​t e que:
Exis​t em pro​f un​das di​f e​ren​ç as em ma​t é​ria de edu​c a​ç ão, di​f e​ren​t es
ten​dên​c i​as e di​f e​ren​t es pro​gra​m as. De​ve​ria ha​ver mais pos​s i​bi​li​da​des para as
clas​s es e para as uni​da​des de en​s i​no es​pe​c i​al de​di​c a​das a cri​an​ç as do​t a​das e
ta​len​t o​s as. É so​m en​t e so​bre uma base as​s im que o po​t en​c i​al in​t e​lec​t u​al da
so​c i​e​da​de pode ser re​vi​go​ra​do.206
Por essa ra​z ão, a ideia de li​c eus in​t er​na​c i​o​nais para cri​an​ç as do​t a​das
pa​re​c e mui​t o apro​pri​a​da. O con​c ei​t o de in​t e​lec​t o é um con​c ei​t o in​t er​na​c i​o​nal e
hu​m a​no. Os mais do​t a​dos e os mais ta​len​t o​s os de​vem re​c e​ber o me​lhor.207
As​s im de​ve​ria ser, por​t an​t o, a edu​c a​ç ão fu​t u​ra: para a mas​s a, o en​s i​no não
cog​ni​t i​vo, pura dou​t ri​na​ç ão es​va​z i​a​da de toda subs​t ân​c ia in​t e​lec​t u​al; para a eli​t e, uma
ver​da​dei​ra for​m a​ç ão in​t e​lec​t u​al (es​t an​do ela mes​m a su​jei​t a a al​gu​m a cau​ç ão) ne​c es​s á​ria
ao tra​ba​lho in​t e​lec​t u​al. Se​ria in​ge​nui​da​de, con​t u​do, su​por que essa eli​t e es​t a​ria a sal​vo da
dou​t ri​na​ç ão co​m u​no-glo​ba​lis​t a e que esta se​ria re​s er​va​da so​m en​t e ao povo. Con​c e​be-se
fa​c il​m en​t e que a “for​m a​ç ão ide​o​ló​gi​c a” – re​ba​t i​z a​da com o nome de “edu​c a​ç ão cí​vi​c a”–
que por ela se​ria re​c e​bi​da, ha​ve​ria de ser mui​t o mais se​ve​ra. Não obs​t an​t e, essa eli​t e
pos​s ui​rá cer​t os ins​t ru​m en​t os in​t e​lec​t u​ais que lhe per​m i​t i​ri​am a eman​c i​pa​ç ão.
Para que se​ja​m os bem com​preen​di​dos: não se tra​t a de ad​vo​gar em fa​vor de uma
es​c o​la úni​c a, que, como vi​m os, ter​m i​na por ne​gli​gen​ci​ar os mais hu​m il​des, mas sim de
dar a cada um con​f or​m e suas ca​pa​c i​da​des, em vez de sub​m e​t er a uma es​c ra​vi​dão
psi​c o​ló​gi​c a e in​t e​lec​t u​al aque​les que não ti​ve​ram oca​s i​ão de per​t en​c er, por mé​ri​t o ou por
nas​c i​m en​t o, à eli​t e. Nada te​m os a opor ao pro​je​t o de dar o me​lhor so​m en​t e àque​les que o
po​dem re​c e​ber. Mas nin​guém po​de​ria ad​m i​t ir que “a so​c i​e​da​de mo​der​na [...] não tem
ne​c es​s i​da​de de um gran​de nú​m e​ro de pes​s o​as ins​t ru​í​das”, a não ser quan​do se con​s i​de​ra a
si​t u​a​ç ão a par​t ir de uma pers​pec​t i​va mer​c an​t il e ul​t ra​li​be​ral, ou to​t a​li​t á​ria e
crip​t o​c o​m u​nis​t a. Que se ofe​re​ç a aos de​m ais o que eles po​dem as​s i​m i​lar, que não se lhes
fe​c he sis​t e​m a​t i​c a​m en​t e o aces​s o à ins​t ru​ç ão, à ver​da​dei​ra cul​t u​ra e à li​ber​da​de in​t e​lec​t u​al
e es​pi​ri​t u​al. Que não se lhes pri​ve dos ver​da​dei​ros ins​t ru​m en​t os de li​ber​t a​ç ão.
Ade​m ais, a não ser que se acre​di​t e na to​t al in​c om​pe​t ên​c ia de nos​s os go​ver​nan​t es
– des​c ul​pa sob a qual, é ver​da​de, eles se abri​gam com fre​quên​c ia –, é di​f í​c il ne​gar que a
der​ro​c a​da do pen​s a​m en​t o e o mas​s a​c re dos ino​c en​t es fo​ram pla​ni​f i​c a​dos des​de lon​ga
data, que o de​lí​rio es​c o​lar e o de​s a​len​t o do en​s i​no208 são a cul​m i​nân​c ia de um pro​c es​s o
re​vo​lu​c i​o​ná​rio em​preen​di​do, com mui​t a lu​c i​dez, des​de qua​s e um sé​c u​lo. A ques​t ão das
eli​t es se co​lo​c a de modo ine​lu​t á​vel. Como um sis​t e​m a as​s im ga​ran​t e a se​le​ç ão e a
for​m a​ç ão de suas in​dis​pen​s á​veis eli​t es? Pois, cla​ro está, nin​guém – seja à di​rei​t a, seja à
es​quer​da – pôde ja​m ais acre​di​t ar se​ri​a​m en​t e em sua de​s a​pa​ri​ç ão, e apos​t ar na so​c i​e​da​de
sem clas​s es, ou no dog​m a do par​t i​do, von​t a​de ema​na​da des​de as mas​s as po​pu​la​res, es​s as
fá​bu​las des​t i​na​das a mis​t i​f i​c ar o povo. Sem co​lo​c ar em dú​vi​da a sin​c e​ri​da​de de um
An​t oi​ne Prost, re​al​m en​t e pre​o​c u​pa​do com a que​da do ní​vel es​c o​lar, não se fica au​t o​ri​z a​do
a pen​s ar que a ques​t ão das eli​t es tal​vez te​nha es​c a​pa​do aos de​f en​s o​res da in​c ul​t u​ra? Pois
os Stan​ley Hall, os John Dewey – pro​f es​s o​res uni​ver​s i​t á​ri​os – e ou​t ros in​c en​s a​do​res do
en​s i​no não cog​ni​t i​vo têm, por sua vez, re​c e​bi​do uma ex​c e​len​t e edu​c a​ç ão, a qual lhes
per​m i​t e não se​rem en​ga​na​dos por tal dis​c ur​s o. Pró​xi​m os ao po​der, per​t en​c en​t es às eli​t es
po​lí​t i​c a e in​t e​lec​t u​al, e su​f i​c i​en​t e​m en​t e ins​t ru​í​dos para sa​ber que a Re​vo​lu​ç ão ne​c es​s i​t a de
sá​bi​os, eles não ig​no​ram que as so​c i​e​da​des não te​ri​am como ser go​ver​na​das, ou mes​m o
con​s er​va​das en​quan​t o tais, por in​di​ví​duos que não hou​ves​s em re​c e​bi​do ou​t ra coi​s a que um
en​s i​no não cog​ni​t i​vo e mul​t i​di​m en​s i​o​nal. Não se pode su​por, com re​a​lis​m o, que es​s es
ho​m ens de po​der – os quais dão pro​vas, por meio de seus es​c ri​t os, de pos​s uir gran​des
co​nhe​c i​m en​t os e pro​f un​das in​t ui​ç ões psi​c o​ló​gi​c as e so​c i​o​ló​gi​c as – che​guem a con​c e​ber,
mes​m o que por um ins​t an​t e, que nos​s as so​c i​e​da​des po​dem ser go​ver​na​das por ile​t ra​dos.
Pois, sen​do as​s im, como se da​ria a se​le​ç ão e a for​m a​ç ão das eli​t es?
Aqui, dois mo​de​los se de​f ron​t am, e logo se apro​xi​m am. Em pri​m ei​ro lu​gar, um
mo​de​lo co​m u​nis​t a de se​le​ç ão e de for​m a​ç ão das eli​t es so​bre ba​s es in​t e​lec​t u​ais ri​go​ro​s as
– mas ar​bi​t rá​ri​as –, sob o con​t ro​le do Es​t a​do; em se​gui​da, um mo​de​lo ul​t ra​li​be​ral em que
a re​pro​du​ç ão so​c i​al se efe​t ua mecâ​ni​c a e ine​xo​ra​vel​m en​t e. O tour de for​c e do glo​ba​lis​m o
con​s is​t e em ha​ver con​s e​gui​do apro​xi​m ar duas con​c ep​ç ões apa​ren​t e​m en​t e ir​re​c on​c i​li​á​veis:
a se​le​ç ão das eli​t es so​bre ba​s es in​t e​lec​t u​ais não ex​c lui a re​pro​du​ç ão so​c i​al; por ra​z ões
so​c i​o​ló​gi​c as, ela a re​quer fre​quen​t e​m en​t e. E, por ou​t ro lado, que im​por​t a?, não é a
ex​t ra​ç ão so​c i​al da eli​t e que tem im​por​t ân​c ia, mas sim a ide​o​lo​gia – glo​ba​lis​t a – que lhe é
in​c ul​c a​da. Es​s as duas fi​lo​s o​f i​as to​t a​li​t á​ri​as, igual​m en​t e he​ge​li​a​nas, che​ga​ram
de​f i​ni​t i​va​m en​t e a uma sín​t e​s e, con​c re​t i​z a​da pela De​c la​ra​ç ão Mun​di​al so​bre a Edu​c a​ç ão
para To​dos, ado​t a​da una​ni​m e​m en​t e por 155 pa​í​s es e por cer​c a de vin​t e or​ga​ni​z a​ç ões
in​t er​na​c i​o​nais – o que não deve em nada sur​preen​der. Bas​t an​t e pró​xi​m as uma da ou​t ra,
seu úni​c o de​s a​c or​do está em qual mo​de​lo eco​nô​m i​c o deve ser apli​c a​do. Es​t an​do re​s ol​vi​do
o pro​ble​m a – pro​vi​s o​ri​a​m en​t e, pois não se re​nun​c i​ou a fa​z er “evo​luir as men​t a​li​da​des” –, a
con​ver​gên​c ia en​t re ca​pi​t a​lis​m o e co​m u​nis​m o, anun​c i​a​da por Sak​ha​rov, pode en​t ão efe​t u​arse sem dar con​t ra obs​t á​c u​los mai​o​res.209 Am​bos con​c or​dam acer​c a da ne​c es​s i​da​de de
man​t er uma cas​t a di​ri​gen​t e, ins​t ru​í​da, se​pa​ra​da de um povo ig​no​ran​t e. A eli​t e pos​s ui​ria
en​t ão um modo de con​t ro​le so​c i​al ab​s o​lu​t o, e a re​pro​du​ç ão so​c i​al, as​s e​gu​ra​da por meio do
en​s i​no pri​va​do in​de​pen​den​t e,210 des​vi​a​do de sua mis​s ão, deve ga​ran​t ir a pe​re​ni​da​de de seu
po​der. Ape​nas os ele​m en​t os mais bri​lhan​t es da clas​s e po​pu​lar, se​le​c i​o​na​dos a par​t ir de
cri​t é​ri​os igual​m en​t e in​de​t er​m i​na​dos, lo​gra​ri​am es​c a​par, gra​ç as às suas qua​li​da​des, ao
“re​c ru​t a​m en​t o da eli​t e es​c o​lar no seio da eli​t e so​c i​al” tal como já ocor​re. Po​rém,
in​ver​s a​m en​t e, a eli​t e se​ria sub​m e​t i​da a uma dou​t ri​na​ç ão he​ge​li​a​na, glo​ba​lis​t a e to​t a​li​t á​ria,
que a todo mo​m en​t o ame​a​ç a​ria com o re​t or​no ao co​m u​nis​m o, de acor​do com a
ad​ver​t ên​c ia de Gor​bat​c hev, a qual, com ex​c e​ç ão dos le​ni​nis​t as, a quem ela de​c er​t o não
pas​s ou des​per​c e​bi​da, não foi su​f i​c i​en​t e​m en​t e no​t a​da:
Para co​lo​c ar um ter​m o a es​s es ru​m o​res e a es​s as es​pe​c u​la​ç ões, que se
mul​t i​pli​c am a Oes​t e, eu gos​t a​ria de uma vez mais fa​z er no​t ar que te​m os
con​du​z i​do to​das as nos​s as re​f or​m as em con​f or​m i​da​de com a via so​c i​a​lis​t a. É
den​t ro do qua​dro do so​c i​a​lis​m o, e não no ex​t e​ri​or, que ha​ve​m os de bus​c ar as
res​pos​t as a to​das as ques​t ões que se impõem. É em fun​ç ão des​s es cri​t é​ri​os
que nós ava​li​a​m os tan​t o os nos​s os su​c es​s os como os nos​s os er​ros. Aque​les
que es​pe​ram que ve​nha​m os a nos afas​t ar da via so​c i​a​lis​t a hão de
de​c ep​c i​o​nar-se pro​f un​da​m en​t e. Cada ele​m en​t o do pro​gra​m a da pe​res​t roika – e
o pro​gra​m a no seu con​jun​t o – fun​da​m en​t a-se in​t ei​ra​m en​t e so​bre a ideia de
que, quan​t o mais so​c i​a​lis​m o, mais de​m o​c ra​c ia.211
Pois não exis​t e qual​quer con​t ra​di​ç ão en​t re de​m o​c ra​c ia apa​ren​t e e so​c i​a​lis​m o,
como o pre​s en​t e tra​ba​lho bus​c a de​m ons​t rar. De​f i​ni​t i​va​m en​t e, im​por​t a com​preen​der que o
so​c i​a​lis​m o não é um sis​t e​m a eco​nô​m i​c o, mas um sis​t e​m a so​c i​al, que pode mui​t o bem
aco​m o​dar-se ao ca​pi​t a​lis​m o, para dele logo de​s em​ba​ra​ç ar-se, se ne​c es​s á​rio, uma vez que
a re​vo​lu​ç ão psi​c o​ló​gi​c a te​nha sido con​c lu​í​da. O con​t ro​le psi​c o​ló​gi​c o, por in​t er​m é​dio da
edu​c a​ç ão, da mí​dia, da ges​t ão de em​pre​s as e do con​t ro​le so​c i​al, re​a​li​z a​do gra​ç as à
des​c en​t ra​li​z a​ç ão de to​das as ati​vi​da​des, e não da edu​c a​ç ão ape​nas, con​duz a uma
so​c i​e​da​de igual​m en​t e to​t a​li​t á​ria, na qual os mo​dos pri​m i​t i​vos de con​t ro​le fo​ram
subs​t i​t u​í​dos por téc​ni​c as de con​t ro​le não aver​s i​vas, das quais o povo não tem cons​c i​ên​c ia.
Ma​ni​pu​la​do, ele não se aper​c e​be de que seu com​por​t a​m en​t o é con​t ro​la​do, de modo di​ver​s o,
com mais efi​c á​c ia do que qual​quer ou​t ro tipo de con​t ro​le a que ele es​t a​ria sub​m e​t i​do num
sis​t e​m a to​t a​li​t á​rio, no qual sua re​vol​t a la​t en​t e ha​ve​ria de lhe ga​ran​t ir sua úl​t i​m a pro​t e​ç ão
psi​c o​ló​gi​c a. O lei​t or nos há de per​do​ar por não po​der​m os de​s en​vol​ver es​s es pon​t os no
âm​bi​t o des​t e opús​c u​lo.
A sociedade dual
A Nova Or​dem Mun​di​al ins​t a​la seus re​pre​s en​t an​t es so​bre cada con​t i​nen​t e –
cha​m a​do “re​gi​ão” pe​los ini​c i​a​dos – e em cada país. As​s im se cria uma cas​t a de
tec​no​c ra​t as, se​pa​ra​da do povo, coi​s a que os eu​ro​peus já co​nhe​c em. De​c er​t o, a so​c i​e​da​de
deve ser, se​gun​do os ide​ó​lo​gos glo​ba​lis​t as, uma so​c i​e​da​de dual. Tra​t a-se aqui de um
con​c ei​t o de base, sem o qual não é pos​s í​vel com​preen​der as re​f or​m as em cur​s o, tan​t o no
se​t or do en​s i​no quan​t o nos de​m ais. So​c i​e​da​de dual: os di​ri​gen​t es e os di​ri​gi​dos, a eli​t e e o
povo. Há quem diga: os se​nho​res e os es​c ra​vos.
A si​t u​a​ç ão pre​s en​t e não ins​pi​ra qual​quer oti​m is​m o. Em cer​t os pa​í​s es
de​s en​vol​vi​dos, a de​lin​quên​c ia ju​ve​nil au​m en​t a. As dro​gas, o rou​bo, o ho​m i​c í​dio
e a pro​m is​c ui​da​de es​pa​lham-se en​t re a ju​ven​t u​de. Se, uma vez che​ga​dos à
ida​de adul​t a, es​s es jo​vens ve​nham a ter em suas mãos o nos​s o fu​t u​ro, nos​s o
des​t i​no será a ca​t ás​t ro​f e. A pers​pec​t i​va deve ser ain​da mais an​gus​t i​an​t e
des​de que a mes​m a si​t u​a​ç ão ve​nha a ocor​rer nos pa​í​s es em de​s en​vol​vi​m en​t o.
O sis​t e​m a atu​al de edu​c a​ç ão não pode fur​t ar-se à sua res​pon​s a​bi​li​da​de na
ta​re​f a de evi​t ar essa ca​t ás​t ro​f e imi​nen​t e.212
No que con​c er​ne aos pa​í​s es de​s en​vol​vi​dos, per​c e​be-se, no do​m í​nio da
cul​t u​ra, di​ver​s as ten​dên​c i​as fun​da​m en​t ais e de lon​go pra​z o, de​f i​ni​das por,
en​t re ou​t ros, Wil​lis Har​m an:213 [...] d) de​s en​vol​vi​m en​t o de uma “eli​t e do
sa​ber”, ou seja, uma eli​t e di​ri​gen​t e me​ri​t o​c rá​t i​c a, cuja as​c en​s ão seja
fun​da​m en​t a​da no sa​ber [tec​no​c ra​t as não elei​t os e, por​t an​t o, dis​pen​s a​dos de
res​pon​der so​bre seus atos di​an​t e dos elei​t o​res].214
Tal​vez a ca​rac​t e​rís​t i​c a mais im​pres​s i​o​nan​t e do de​ba​t e re​la​t i​vo ao
uni​ver​s a​lis​m o seja, em se tra​t an​do de di​rei​t os hu​m a​nos, o abis​m o que se​pa​ra
as “pes​s o​as de den​t ro” (as que par​t i​c i​pam do de​ba​t e a tí​t u​lo pro​f is​s i​o​nal,
como di​plo​m a​t as, re​pre​s en​t an​t es de or​ga​ni​z a​ç ões não go​ver​na​m en​t ais [ONGS]
e al​guns uni​ver​s i​t á​ri​os) das “pes​s o​as de fora” (cujo in​t e​res​s e ge​ral​m en​t e é
tem​po​rá​rio e que con​s i​de​ram o pro​je​t o des​de uma po​s i​ç ão re​m o​t a).215
O tra​ba​lho in​t e​lec​t u​al, bem como o po​der, será en​t ão re​s er​va​do a uma eli​t e
tec​no​c rá​t i​c a que terá re​c e​bi​do, so​m en​t e ela, a for​m a​ç ão in​t e​lec​t u​al (con​c e​bi​da por quem e
se​gun​do quais cri​t é​ri​os?) ne​c es​s á​ria à re​a​li​z a​ç ão des​s e tra​ba​lho. Uma vez que “a
so​c i​e​da​de mo​der​na [...] não tem ne​c es​s i​da​de de um gran​de nú​m e​ro de pes​s o​as ins​t ru​í​das”,
a so​c i​e​da​de dual deve ter um sis​t e​m a edu​c a​c i​o​nal igual​m en​t e dual:
Ao mes​m o tem​po, a fun​ç ão so​c i​al da edu​c a​ç ão, que se ex​pri​m e por sua
de​m o​c ra​t i​z a​ç ão, ge​rou um igua​li​t a​ris​m o vul​gar que se ma​ni​f es​t a pela
se​pa​ra​ç ão da edu​c a​ç ão em dois ti​pos: a edu​c a​ç ão para as mas​s as e uma
edu​c a​ç ão de qua​li​da​de, re​s er​va​da a uma eli​t e. Pode-se cons​t a​t ar que os
re​s ul​t a​dos quan​t i​t a​t i​vos da edu​c a​ç ão são in​ver​s a​m en​t e pro​por​c i​o​nais à sua
qua​li​da​de e que a se​le​ç ão so​c i​al vem-se tor​nan​do cada vez mais re​f i​na​da e
in​f or​m al.216
Ora, con​f or​m e já vi​m os, não se pode afir​m ar que “os re​s ul​t a​dos quan​t i​t a​t i​vos da
edu​c a​ç ão são in​ver​s a​m en​t e pro​por​c i​o​nais à sua qua​li​da​de”; o sis​t e​m a edu​c a​c i​o​nal fran​c ês,
que se de​m o​c ra​t i​z a​va “até ao iní​c io dos anos ses​s en​t a”, se​ria a pro​va do con​t rá​rio se não
ti​ves​s e sido fei​t o em pe​da​ç os pela re​vo​lu​ç ão psi​c o​pe​da​gó​gi​c a. Ao con​t rá​rio, foi a pre​t en​s a
de​m o​c ra​t i​z a​ç ão do en​s i​no – que visa, na re​a​li​da​de, à so​c i​a​li​z a​ç ão dos alu​nos – que
“or​ga​ni​z ou o re​c ru​t a​m en​t o da eli​t e es​c o​lar no seio da eli​t e so​c i​al”. Por​t an​t o, por que
per​s e​ve​rar no ca​m i​nho do en​s i​no não cog​ni​t i​vo e da so​c i​a​li​z a​ç ão dos alu​nos, que con​du​z iu
à si​t u​a​ç ão ca​t as​t ró​f i​c a que co​nhe​c e​m os? Ape​nas a von​t a​de de man​t er o povo na
ig​norân​c ia e de im​por o glo​ba​lis​m o ex​pli​c a​ria tudo isso?
Qual é, por​t an​t o, a ra​z ão des​s e ódio à cul​t u​ra au​t ên​t i​c a e à in​t e​li​gên​c ia, des​s as
agressões inin​t er​rup​t as con​t ra as fa​c ul​da​des da abs​t ra​ç ão? Que​rer-se-ia ba​nir os
trans​c e​den​t ais e os uni​ver​s ais do en​s i​no fran​c ês e do es​pí​ri​t o dos ho​m ens? Não ces​s a​rá
esse pro​c es​s o an​t es que Aris​t ó​t e​les, Pla​t ão, São To​m ás de Aqui​no e San​t o Agos​t i​nho
te​nham sido tor​na​dos ina​c es​s í​veis às ge​ra​ç ões fu​t u​ras? De​s e​jar-se-ia in​t er​di​t ar a elas o
aces​s o aos uni​ver​s os in​t e​lec​t u​ais?
Ai de vós, le​gis​t as, por​que to​m as​t es a cha​ve da ci​ên​c ia! Vós mes​m os
não en​t ras​t es e im​pe​dis​t es os que que​ri​am en​t rar!217
A mas​s a, a quem toda a for​m a​ç ão in​t e​lec​t u​al será re​c u​s a​da, re​c e​be​rá, não
obs​t an​t e, uma “edu​c a​ç ão” des​t i​na​da a evi​t ar a pre​t en​s a “ca​t ás​t ro​f e imi​nen​t e”. Con​f or​m e já
ha​ví​a​m os afir​m a​do, é um erro pen​s ar que a eli​t e es​c a​pa​rá to​t al​m en​t e a essa “edu​c a​ç ão”,
a essa dou​t ri​na​ç ão, ain​da que di​f e​ren​ç as im​por​t an​t es pos​s am exis​t ir en​t re a ide​o​lo​gia
des​t i​na​da às mas​s as e aque​la en​s i​na​da à eli​t e. A ide​o​lo​gia glo​ba​lis​t a será, des​s e modo,
im​pos​t a tan​t o às mas​s as quan​t o à eli​t e, por meio de mé​t o​dos psi​c o​pe​da​gó​gi​c os e se​gun​do
a re​f or​m a es​t ru​t u​ral do sis​t e​m a edu​c a​c i​o​nal que ana​li​s a​m os.
A eli​t e, que será es​s en​c i​al​m en​t e co​op​t a​da – ter​m o ele​gan​t e a mas​c a​rar uma
di​t a​du​ra –, ape​s ar de uma apa​rên​c ia de de​m o​c ra​c ia que se po​de​rá man​t er du​ran​t e al​gum
tem​po, deve ser re​c ru​t a​da ex​c lu​s i​va​m en​t e en​t re os glo​ba​lis​t as. Ade​rir à ide​o​lo​gia
glo​ba​lis​t a será, por​t an​t o, e já o é fre​quen​t e​m en​t e, a con​di​ç ão sine qua non, o pas​s a​por​t e
que per​m i​t e aban​do​nar a ma​na​da:
A edu​c a​ç ão de​ve​rá le​var em con​t a as pro​vá​veis di​visões do mun​do
du​ran​t e um pe​rí​o​do que será de tur​bu​lên​c ia. En​quan​t o al​gu​m as so​c i​e​da​des
apren​de​rão a se in​t e​grar no con​jun​t o, ou​t ras vi​ve​rão mais ou me​nos para e no
in​t e​ri​or de cer​t os gru​pos – mes​m o que se tra​t e dos tra​di​c i​o​nais “Es​t a​dosna​ç ões” –, cor​po​ra​ç ões ou “gan​gues”. Ain​da no in​t e​ri​or das so​c i​e​da​des po​de​rá
ha​ver um du​a​lis​m o: de um lado, gru​pos fre​quen​t e​m en​t e de base ge​o​grá​f i​c a,
re​la​t i​va​m en​t e cons​c i​en​t es e se​gu​ros de si mes​m os, po​rém igual​m en​t e
sen​s í​veis ao con​t ex​t o glo​bal, no qual eles evo​lu​em, e tam​bém à sua di​m en​s ão
fu​t u​ra. Ao mes​m o tem​po, ha​ve​rá ou​t ros gru​pos, re​la​t i​va​m en​t e in​c ons​c i​en​t es
de si mes​m os ou da si​t u​a​ç ão do pla​ne​t a, vi​ven​do ao azar. Es​t es úl​t i​m os se​rão
os que de​vem con​c luir que a ques​t ão da so​bre​vi​vên​c ia só diz res​pei​t o a uma
tri​bo, a uma cas​t a, a um de​t er​m i​na​do âm​bi​t o ge​o​grá​f i​c o ou mes​m o a um
Es​t a​do-na​ç ão.218
Es​c re​ve​m os aci​m a a pa​la​vra “ma​na​da” pro​po​s i​t al​m en​t e, uma vez que ela su​ge​re
mui​t o bem a con​c ep​ç ão que os glo​ba​lis​t as têm dos po​vos, re​ba​nho que se con​duz ao
aba​t e​dou​ro. To​dos aque​les que já en​c on​t ra​ram fun​c i​o​ná​ri​os in​t er​na​c i​o​nais – ou seus
clo​nes, que gos​t am de as​s i​na​lar sua pre​s en​ç a nas inu​m e​rá​veis ra​m i​f i​c a​ç ões das
or​ga​ni​z a​ç ões su​pra​na​c i​o​nais – não po​dem dei​xar de fi​c ar es​pan​t a​dos com o des​pre​z o, e
mes​m o a rai​va, que a mai​or par​t e den​t re eles de​di​c a aos po​vos e, par​t i​c u​lar​m en​t e, às
suas men​t a​li​da​des: “di​f e​ren​t e​m en​t e do im​pa​lu​dis​m o e de ou​t ras cau​s as de mor​t a​li​da​de
en​t re adul​t os nos pa​í​s es em de​s en​vol​vi​m en​t o, a AIDS não pou​pa as eli​t es”.219
FI​GU​RA 3.5A – TAXA DE IN​FEC​ÇÃO POR HIV E NÍ​VEL SO​CIO-ECO​NÔ​MI​CO
EM DI​VER​SAS AMOS​T RAS UR​B A​NAS; ÁFRI​CA-SUB​SA​A​RI​A​NA
Ocor​re que, de fato, é no do​m í​nio das men​t a​li​da​des, dos psi​quis​m os, que se si​t ua
o hi​a​t o en​t re os glo​ba​lis​t as e o povo. Os pri​m ei​ros co​m un​gam de um ide​al mes​s iâ​ni​c o e
mun​di​al, e já ado​t a​ram um novo sis​t e​m a de va​lo​res, uma nova men​t a​li​da​de e um novo
psi​quis​m o, re​le​gan​do à “li​xei​ra da his​t ó​ria” o le​ga​do das ci​vi​li​z a​ç ões an​t e​ri​o​res, fru​t o de
evo​lu​ç ões so​c i​ais mi​le​na​res, de inu​m e​rá​veis fra​c as​s os e ajus​t a​m en​t os su​c es​s i​vos, com a
in​c or​po​ra​ç ão, de ma​nei​ra orgâ​ni​c a, do gê​nio das ge​ra​ç ões an​t e​ri​o​res:
Os di​f e​ren​t es fa​t o​res que con​di​c i​o​nam o es​t a​be​le​c i​m en​t o de uma
so​c i​e​da​de de paz têm sido fre​quen​t e​m en​t e evo​c a​dos, a co​m e​ç ar pelo da
di​m en​s ão po​lí​t i​c a. A re​vi​s ão ra​di​c al da per​c ep​ç ão de con​jun​t o dos pro​ble​m as
da co​o​pe​ra​ç ão in​t er​na​c i​o​nal, que im​pli​c a a abor​da​gem evo​c a​da aci​m a, re​quer
uma men​t a​li​da​de po​lí​t i​c a nova.220
Os po​vos, mais pru​den​t es e me​nos pro​pen​s os a se dei​xar se​du​z ir pela úl​t i​m a
uto​pia da moda,221 li​ga​dos à re​a​li​da​de do tra​ba​lho, cur​va​dos so​bre a ter​ra ou su​jei​t a​dos à
má​qui​na, tal​vez re​c o​nhe​ç am ins​t in​t i​va​m en​t e, sem po​der jus​t i​f i​c á-lo, mas com jus​t e​z a,
todo o va​lor de quan​t o her​da​ram e os pe​ri​gos imen​s os de uma re​vo​lu​ç ão tan​t o so​c i​al
quan​t o psi​c o​ló​gi​c a. As​s im, os glo​ba​lis​t as cho​c am-se con​t ra dois obs​t á​c u​los mai​o​res: a
es​t ru​t u​ra so​c i​al que se re​pro​duz a par​t ir de uma evo​lu​ç ão mui​t o li​m i​t a​da quan​t o a seus
ei​xos prin​c i​pais; e a men​t a​li​da​de po​pu​lar, trans​m i​t i​da de ge​ra​ç ão em ge​ra​ç ão:
Ain​da que o mun​do de​c la​re sua in​t en​ç ão de co​o​pe​rar para a ins​t au​ra​ç ão
de um de​s en​vol​vi​m en​t o sus​t en​t á​vel, fun​da​do so​bre a uni​c i​da​de do mun​do,
re​c o​nhe​c en​do que a épo​c a atu​al re​pre​s en​t a um pe​rí​o​do de tran​s i​ç ão, os
pa​ra​dig​m as e os mé​t o​dos de pen​s a​m en​t o não es​t ão adap​t a​dos.222
A Nova Or​dem Mun​di​al tra​ba​lha so​bre a re​pro​du​ç ão so​c i​al, no que re​s i​de o do​m í​nio
das ci​ên​c i​as so​c i​ais que es​t u​dam, par​t i​c u​lar​m en​t e, os “fa​t o​res que fa​vo​re​c em a mu​dan​ç a
so​c i​al”, o que, tra​du​z i​do da lín​gua de pau glo​ba​lis​t a, sig​ni​f i​c a: as téc​ni​c as de in​f lu​ên​c ia e
de con​t ro​le so​c i​al que con​du​z em à re​vo​lu​ç ão si​len​c i​o​s a e doce (men​c he​vi​que). Mas não é
as​s im tão fá​c il trans​f or​m ar a men​t a​li​da​de de um povo e, ain​da que os co​m u​nis​t as te​nham
ob​t i​do sig​ni​f i​c a​t i​vos re​s ul​t a​dos nes​s e do​m í​nio, a re​vol​t a la​t en​t e dos po​vos que lhes
es​t a​vam sub​m e​t i​dos de​nun​c ia os li​m i​t es com os quais as téc​ni​c as ele​m en​t a​res co​li​dem. É
des​s e modo que o des​pre​z o dos glo​ba​lis​t as pe​los po​vos, di​an​t e da re​s is​t ên​c ia pas​s i​va
des​t es, se trans​f or​m a ra​pi​da​m en​t e em ódio, dado o obs​t á​c u​lo enor​m e que essa re​s is​t ên​c ia
re​pre​s en​t a à con​s e​c u​ç ão de seus pla​nos, por trans​m i​t ir, de ge​ra​ç ão a ge​ra​ç ão, uma
he​ran​ç a e uma men​t a​li​da​de so​bre as quais se pu​de​ram cons​t ruir to​das as obras de arte e
os mi​la​gres do es​pí​ri​t o que a hu​m a​ni​da​de ad​m i​ra – e que a Nova Or​dem Mun​di​al de​s e​ja
es​va​z i​ar de sua subs​t ân​c ia ou apa​gar da me​m ó​ria dos ho​m ens. Não nos dei​xe​m os en​ga​nar.
Após dé​c a​das de tra​ba​lho, é che​ga​da a hora de em​pre​gar de​t er​m i​na​das téc​ni​c as para
mo​di​f i​c ar a men​t a​li​da​de dos in​di​ví​duos e dos po​vos. A re​f or​m a da edu​c a​ç ão mun​di​al em
cur​s o visa pre​c i​s a​m en​t e a in​t ro​du​z i-las em nos​s as so​c i​e​da​des.
196 Louis Le​grand, L’éco​le uni​que, à quel​les con​di​t i​ons?, Op. cit., p. 96.
197 G. Stan​ley Hall, Edu​c a​t i​o​nal pro​blems, Nova Ior​que, 1911, II, p. 443-444. Ci​t a​do
por S.L. Blu​m en​f eld, N.E.A., Tro​jan hor​s e in ame​ri​c an edu​c a​t i​on, Boi​s e, Ida​ho, USA,
Pa​ra​digm Com​pany, 1990, p. 107.
198 J. Dewey, Li​be​ra​lism and so​c i​al ac​t i​on, Nova Ior​que, G.P. Put​nan’s Sons, 1935,
p. 52. Ci​t a​do por Blu​m en​f eld, Ibid, p. 106.
199 J. Dewey, De​m o​c racy and edu​c ac​t i​on, Nova Ior​que, Mac​m il​lan, 1916, Free Press
Pe​per​back Edi​t i​on, 1966, p. 297. Ci​t a​do por Blu​m en​f eld, Ibid, p. 106.
200 J. Dewey, The scho​ol and so​c i​ety, Chi​c a​go, 1889; reim​pres​s o em: J. Dewey,
The midd​le works, 1899-1924, vol. 1: 1899-1901, Jo​ann Boyds​t on, Sou​t hern Il​li​nois
Uni​ver​s ity Press, 1976, p. 19. Ci​t a​do por Blu​m en​f eld, Ibid., p. 106.
201 J. Dewey, Ibid., p. 69. Ci​t a​do por Blu​m en​f eld, Ibid., p. 106.
202 Es​c o​la úni​c a: no âm​bi​t o edu​c a​c i​o​nal fran​c ês, con​c ep​ç ão, de pre​t ensões
de​m o​c rá​t i​c as, de um sis​t e​m a es​c o​lar ba​s e​a​do na se​le​ç ão para o en​s i​no su​pe​ri​or me​di​an​t e
o cri​t é​rio do mé​ri​t o, e não se​gun​do con​di​ç ões so​c i​o​e​c o​nô​m i​c as – N. do T.
203 A. Prost, L’en​s eig​ne​m ant s’est-il de​m o​c ra​t i​s é?, PUF, coll. “So​c i​o​lo​gi​es”, 1986.
Ci​t a​do por Ph. Nemo, Pour​quoi ont-ils tué Ju​les Ferry?, Pa​ris, Gras​s et, 1991, p. 32.
204 Ibid., p. 201 ss., ci​t a​do por Ph. Nemo, Ibid., p. 33.
205 Sim​pó​s io in​t er​na​c i​o​nal e mesa re​don​da, Qua​li​t i​es re​qui​red of edu​c a​t i​on to​day...,
Op. Cit., Unes​c o, p.38. Gri​f o nos​s o.
206 Ibid., p. 37.
207 Ibid.
208 M. Ju​m i​lhac, Le mas​s a​c re des in​no​c ents, Pa​ris, Plon, 1984. A. Finki​elk​raut, La
dé​f ai​t e de la pen​s ée, Pa​ris, Gal​li​m ard, 1987. J. Ca​pe​lo​vi​c i, Em plein dé​li​re sco​lai​re, Pa​ris,
Carrè​re, 1984. J. de Ro​m illy, L’en​s eig​ne​m ent en dé​t res​s e, Pa​ris, Ju​li​ard, 1984.
209 Se​ria abu​s i​vo re​la​c i​o​nar di​rei​t a e es​quer​da a ca​pi​t a​lis​m o e co​m u​nis​m o. Por
ou​t ro lado, as eli​t es po​lí​t i​c as acham-se lon​ge de es​t ar to​t al​m en​t e con​ver​t i​das ao
glo​ba​lis​m o e, em to​dos os par​t i​dos, en​c on​t ram-se opo​s i​t o​res a essa po​lí​t i​c a. O pró​prio
par​t i​do co​m u​nis​t a a com​ba​t e, ata​c an​do o seu con​t in​gen​t e ul​t ra​li​be​ral. Não obs​t an​t e, di​rei​t a
e es​quer​da so​f rem a in​f lu​ên​c ia in​t e​lec​t u​al de ide​o​lo​gia glo​ba​lis​t a, sen​do a di​rei​t a mais
sen​s í​vel ao seu com​po​nen​t e ul​t ra​li​be​ral, e a es​quer​da ao seu com​po​nen​t e so​c i​al
(crip​t o​c o​m u​nis​t a). Cla​ro está que tal po​lí​t i​c a cons​t i​t ui uma trai​ç ão tan​t o da di​rei​t a como
da es​quer​da, e um dos ob​je​t i​vos do pre​s en​t e tra​ba​lho é o de cha​m ar a aten​ç ão dos
elei​t o​res e das eli​t es po​lí​t i​c as para esse fe​nô​m e​no e para o que aí está re​al​m en​t e em
jogo.
210 “En​s eig​ne​m ent li​bre hors con​t rat”, no ori​gi​nal; cor​res​pon​de a uma ini​c i​a​t i​va de
es​c o​las ca​t ó​li​c as que pro​m o​vem uma edu​c a​ç ão ori​en​t a​da por va​lo​res cris​t ãos tra​di​c i​o​nais,
à mar​gem das di​re​t ri​z es do Mi​nis​t é​rio da Edu​c a​ç ão Na​c i​o​nal fran​c ês – N. do T.
211 M. Gor​bat​c hev, Pe​res​t roïka, J’ai lu, p. 44.
212 Sim​pó​s io in​t er​na​c i​o​nal e mesa re​don​da, Qua​li​t i​es re​qui​red of edu​c a​t i​on to​day...,
Op. Cit., Unes​c o, p. 104.
213 Ver seu ar​t i​go: “La so​c i​e​t é ame​ri​c ai​ne em chan​ge​m ent”, em: Pers​pec​t i​ves
di​f e​ren​t es d’ave​nir de l’en​s eig​ne​m ent aux Etats-Uni​es d’Amé​ri​que et em Eu​ro​pe, Pa​ris,
OCDE, 1972.
214 S. Ras​s ekh, G. Vai​de​a​nu, Op. Cit., p. 89.
215 Co​ló​quio or​ga​ni​z a​do pela ONU, em Ge​ne​bra, dias 16 e 17 de de​z em​bro de 1985,
L’uni​ver​s a​li​t é est-elle me​na​c ée?, Nova Ior​que, Na​ç ões Uni​das, De​par​t a​m en​t o da
In​f or​m a​ç ão, 1987, p. 56. Esse co​ló​quio con​t ou com a pre​s en​ç a de vá​ri​os mi​nis​t ros.
216 Sim​pó​s io in​t er​na​c i​o​nal e mesa re​don​da, Qua​li​t i​es re​qui​red of edu​c a​t i​on to​day...,
Op. Cit., Unes​c o, p. 93.
217 Lc 11, 52 (da Bí​blia de Je​ru​s a​lém) – N. do T.
218 Sim​pó​s io in​t er​na​c i​o​nal e mesa re​don​da, Qua​li​t i​es re​qui​red of edu​c a​t i​on to​day...,
Op. Cit., Unes​c o, p. 35. Gri​f o nos​s o.
219 Ban​c o Mun​di​al: Rap​port sur le dé​ve​lop​pe​m ent dans le mon​de 1991,
Washing​t on, Ban​c o Mun​di​al, 1991, p. 73. Esse im​por​t an​t e re​la​t ó​rio é pre​c e​di​do de um
pre​f á​c io as​s i​na​do pelo pre​s i​den​t e do Ban​c o Mun​di​al.
220 Con​gres​s o In​t er​na​c i​o​nal so​bre a Paz no Es​pí​ri​t o dos Ho​m ens, Rap​port fi​nal,
Op. Cit., Unes​c o, p. 23.
221 “O pei​xe mor​re pela ca​be​ç a”. Pro​vér​bio rus​s o.
222 Ibid., p. 15.
CA​PÍ​T U​LO XIV
O TOTALITARISMO PSICOPEDAGÓGICO
A re​vo​lu​ç ão psi​c o​pe​da​gó​gi​c a é, por​t an​t o, es​s en​c i​al​m en​t e to​t a​li​t á​ria. Nas​c i​da nos
mei​os re​vo​lu​c i​o​ná​ri​os que, com a pe​res​t roika e a re​f or​m a es​t ru​t u​ral, mu​da​ram, não de
ob​je​t i​vo, mas de es​t ra​t é​gia, ela pre​t en​de le​var a cabo uma re​vo​lu​ç ão psi​c o​ló​gi​c a que será
se​gui​da, ine​lu​t a​vel​m en​t e, de uma re​vo​lu​ç ão so​c i​al. Glo​ba​lis​t a e crip​t o​c o​m u​nis​t a, he​ge​li​a​na,
ela bus​c a sub​m e​t er o in​di​ví​duo ao Es​t a​do, tan​t o em seu com​por​t a​m en​t o quan​t o em seu
psi​quis​m o e em seu pró​prio ser:
Na ver​da​de, toda a ta​xo​no​m ia dos ob​je​t i​vos pe​da​gó​gi​c os su​ben​t en​de um
mo​de​lo de adul​t o ide​al. É pre​c i​s o al​gu​m a co​ra​gem, nos dias de hoje, para
ad​m i​t ir que se es​c o​lheu este ou aque​le den​t re os inu​m e​rá​veis mo​de​los que
nos são pro​pos​t os. (Unes​c o)223
Pre​c i​s a​m os ter uma con​c ep​ç ão do tipo de pes​s oa que de​s e​ja​m os for​m ar,
para que só en​t ão pos​s a​m os ter uma opi​ni​ão pre​c i​s a so​bre a edu​c a​ç ão que
con​s i​de​ra​m os ser a me​lhor. (Unes​c o)224
A re​vo​lu​ç ão psi​c o​ló​gi​c a é vei​c u​la​da, ini​c i​al​m en​t e, pelo sis​t e​m a edu​c a​c i​o​nal. Mui​t os
ou​t ros do​m í​ni​os são igual​m en​t e en​vol​vi​dos nes​s a ta​re​f a, tais como a mí​dia, a
ad​m i​nis​t ra​ç ão de em​pre​s as e a ges​t ão de re​c ur​s os hu​m a​nos, os se​t o​res or​ga​ni​z a​dos da
so​c i​e​da​de ci​vil e mes​m o as ins​t i​t ui​ç ões re​li​gi​o​s as, que se bus​c a in​c luir no pro​c es​s o. To​dos
são, por​t an​t o, en​vol​vi​dos, tan​t o cri​an​ç as como adul​t os. Por ou​t ro lado, a sub​ver​s ão do
sis​t e​m a edu​c a​c i​o​nal não en​vol​ve uni​c a​m en​t e os pri​m ei​ros, mas sim o con​jun​t o da
po​pu​la​ç ão – adul​t os in​c lu​s i​ve. A re​f or​m a psi​c o​ló​gi​c a e a la​va​gem ce​re​bral em es​c a​la
mun​di​al não po​de​ri​am dei​xar nin​guém ile​s o. Eis as pa​la​vras pro​f e​ri​das por um con​s e​lhei​ro
de Es​t a​do chi​nês em seu dis​c ur​s o de aber​t u​ra de um se​m i​ná​rio de alto ní​vel, ocor​ri​do na
Unes​c o:
Aden​t ra​m os o sé​c u​lo XXI. O de​s a​f io que a edu​c a​ç ão deve en​f ren​t ar é
glo​bal e se​ve​ro. Por essa ra​z ão, a mis​s ão da edu​c a​ç ão será, ao mes​m o tem​po,
ár​dua e glo​ri​o​s a. Nes​s e vi​gé​s i​m o pri​m ei​ro sé​c u​lo, aque​le que con​t ro​lar a
edu​c a​ç ão terá a ini​c i​a​t i​va. O con​c ei​t o de edu​c a​ç ão deve ser ain​da re​no​va​do. A
edu​c a​ç ão será per​m a​nen​t e; a so​c i​e​da​de em seu con​jun​t o a terá sob os olhos;
a es​t ru​t u​ra da edu​c a​ç ão será mais fle​xí​vel e mais di​ver​s i​f i​c a​da, for​m an​do
uma rede que se es​t en​de por todo o con​jun​t o da so​c i​e​da​de. (Unes​c o)225
Tais re​f le​xões não apa​re​c em iso​la​das:
A edu​c a​ç ão é um modo de vida que se es​t en​de ao lon​go da du​ra​ç ão de
toda a vida. Todo ano, todo mês, todo dia, do ber​ç o ao tú​m u​lo, todo mun​do
apren​de​rá, es​t a​rá pron​t o a apren​der e terá pos​s i​bi​li​da​de de apren​der, em seu
do​m i​c í​lio, na es​c o​la, na uni​ver​s i​da​de, na usi​na, na fa​z en​da, no hos​pi​t al, no
es​c ri​t ó​rio, na co​o​pe​ra​t i​va, no tem​plo, no ci​ne​m a, no seu sin​di​c a​t o, no seu
par​t i​do po​lí​t i​c o, no seu clu​be. (Unes​c o)226
O pro​je​t o do seu [da Unes​c o] Ter​c ei​ro Pla​no de Mé​dio Pra​z o (1990-1995)
pre​vê a im​ple​m en​t a​ç ão de um Pla​no in​t e​gra​do de edu​c a​ç ão para a paz e os
di​rei​t os hu​m a​nos [ex​t en​s i​vos, con​vém lem​brar, ao di​rei​t os so​c i​ais] que,
res​pei​t an​do to​t al​m en​t e a es​pe​c i​f i​c i​da​de de cada um des​s es do​m í​ni​os,
de​s en​vol​ve​rá uma es​t ra​t é​gia glo​bal que en​vol​ve os di​f e​ren​t es ele​m en​t os do
pro​c es​s o edu​c a​c i​o​nal – ela​bo​ra​ç ão de ma​t e​ri​al di​dá​t i​c o, de​s en​vol​vi​m en​t o de
pro​gra​m as de es​t u​do, for​m a​ç ão de pro​f es​s o​res – e que se di​ri​ge a to​dos os
ní​veis e a to​das as for​m as de edu​c a​ç ão: edu​c a​ç ão es​c o​lar, edu​c a​ç ão não
for​m al, edu​c a​ç ão e in​f or​m a​ç ão do gran​de pú​bli​c o, en​s i​no uni​ver​s i​t á​rio e
for​m a​ç ão des​t i​na​da a de​t er​m i​na​das ca​t e​go​ri​as pro​f is​s i​o​nais di​re​t a​m en​t e
im​pli​c a​das (ma​gis​t ra​dos, mé​di​c os, ofi​c i​ais de po​lí​c ia etc.). (Unes​c o)227
Do mes​m o modo, o Qua​dro de ação apro​va​do jun​t o com a De​c la​ra​ç ão mun​di​al
so​bre a edu​c a​ç ão para to​dos, na pre​s en​ç a de de​le​ga​dos de 155 pa​í​s es, as​s e​ve​ra tam​bém
(p. 13) que os
or​ga​nis​m os fa​m i​li​a​res e co​m u​ni​t á​ri​os, or​ga​ni​z a​ç ões não go​ver​na​m en​t ais,
e ou​t ras as​s o​c i​a​ç ões vo​lun​t á​ri​as, sin​di​c a​t os de pro​f es​s o​res, ou​t ros gru​pos
pro​f is​s i​o​nais, em​pre​ga​do​res, a mí​dia, par​t i​dos po​lí​t i​c os, co​o​pe​ra​t i​vas,
uni​ver​s i​da​des, ins​t i​t ui​ç ões de pes​qui​s a, or​ga​nis​m os re​li​gi​o​s os, etc. – além de
au​t o​ri​da​des res​pon​s á​veis pela edu​c a​ç ão e por ou​t ros de​par​t a​m en​t os
mi​nis​t e​ri​ais e ad​m i​nis​t ra​t i​vos (tra​ba​lho, agri​c ul​t u​ra, saú​de, in​f or​m a​ç ão,
co​m ér​c io, de​f e​s a etc.)
de​ve​ri​am ser “mo​bi​li​z a​dos de modo efi​c az a fim de de​s em​pe​nha​rem seu pa​pel
du​ran​t e a im​ple​m en​t a​ç ão do pla​no de ação”.
223 S. Ras​s ekh, G. Vai​de​a​nu, Op. cit., p. 138, ci​t an​do o pre​f á​c io de Dr. F. Ro​ba​ye,
tomo II, Ta​xo​no​m ie des ob​jec​t ifs pé​da​go​gi​ques, B. S. Blo​om (Mon​t ré​al, 1978).
224 Ibid., p. 228. As pro​pos​t as ci​t a​das são de Ber​t rand Rus​s ell.
225 Sim​pó​s io in​t er​na​c i​o​nal e mesa re​don​da, Qua​li​t i​es re​qui​red of edu​c a​t i​on to​day...,
Fi​nal Re​port, Op. Cit., Unes​c o, p. III 21.
226 Sim​pó​s io in​t er​na​c i​o​nal e mesa re​don​da, Qua​li​t i​es re​qui​red of edu​c a​t i​on to​day...,
Op. Cit., Unes​c o, p. 53.
227 Con​gres​s o in​t er​na​c i​o​nal so​bre a paz no es​pí​ri​t o dos ho​m ens. Ci​t a​ç ão fi​nal, Op.
cit., Unes​c o, p. 81.
CONCLUSÃO
O pa​pel da es​c o​la está em vias de ser ra​di​c al​m en​t e re​de​f i​ni​do por meio de um
pro​c es​s o an​t i​de​m o​c rá​t i​c o no qual as re​f or​m as são in​t ro​du​z i​das sub-rep​t i​c i​a​m en​t e, sem
ex​por nada do que está ne​las im​plí​c i​t o e sem ja​m ais mos​t rar nem sua ló​gi​c a nem sua
fi​na​li​da​de real: a “mu​dan​ç a” so​c i​al.
A esse res​pei​t o, po​dem ser opos​t as di​f e​ren​t es con​c ep​ç ões des​s a
for​m a​ç ão [dos pro​f es​s o​res]: “aca​dê​m i​c a” (que en​f a​t i​z a a só​li​da aqui​s i​ç ão de
co​nhe​c i​m en​t o da dis​c i​pli​na); “prá​t i​c a” (que dá mais im​por​t ân​c ia à ex​pe​ri​ên​c ia
como base da com​pe​t ên​c ia pe​da​gó​gi​c a); “tec​no​ló​gi​c a” (na qual a efi​c á​c ia do
en​s i​no é ava​li​a​da ci​en​t i​f i​c a​m en​t e); e “crí​t i​c a” ou “so​c i​al” (na qual os
pro​f es​s o​res são con​s i​de​ra​dos como os agen​t es da mu​dan​ç a na es​c o​la e na
so​c i​e​da​de).228
Os ele​m en​t os es​s en​c i​ais da re​vo​lu​ç ão psi​c o​pe​da​gó​gi​c a são a re​vo​lu​ç ão éti​c a e a
re​vo​lu​ç ão cul​t u​ral na vi​s ão de mun​do dos pro​f es​s o​res, a “ino​va​ç ão” pe​da​gó​gi​c a que
in​t ro​duz nas es​c o​las as téc​ni​c as de la​va​gem ce​re​bral, a for​m a​ç ão ini​c i​al e per​m a​nen​t e dos
pro​f es​s o​res, a des​c en​t ra​li​z a​ç ão do sis​t e​m a edu​c a​c i​o​nal e a in​f or​m a​t i​z a​ç ão do pro​c es​s o de
ava​li​a​ç ão dos alu​nos. To​dos es​s es ele​m en​t os es​t ão pre​s en​t es nas re​f or​m as in​t ro​du​z i​das
nes​s es úl​t i​m os anos na Fran​ç a, e ame​a​ç am mu​dar ra​di​c al​m en​t e a fi​na​li​da​de de nos​s o
sis​t e​m a edu​c a​c i​o​nal.
O fe​c ha​m en​t o dos IUFMS, do CNDP, dos CRDPS, da INRP, a su​pres​s ão da for​m a​ç ão
con​t i​nu​a​da de pro​f es​s o​res e de​m ais pro​f is​s i​o​nais do en​s i​no, o ba​ni​m en​t o das
psi​c o​pe​da​go​gi​as, o re​t or​no aos pro​gra​m as an​t e​ri​o​res etc, são tam​bém me​di​das a se to​m ar
com ur​gên​c ia. Da mes​m a for​m a, o des​m an​t e​la​m en​t o (coi​s a bem mais de​li​c a​da) das re​des
pe​da​gó​gi​c as in​t er​na​c i​o​nais de​ve​ria ser re​a​li​z a​do, co​m e​ç an​do-se por in​f or​m ar nos​s os
vi​z i​nhos acer​c a dos pe​ri​gos a que es​t ão ex​pos​t os.
Te​rí​a​m os afas​t a​do, com isso, todo o pe​ri​go? O pro​ble​m a é, na ver​da​de, mais
vas​t o. Tra​t a-se da apli​c a​ç ão das Ci​ên​c i​as Hu​m a​nas e So​c i​ais à re​vo​lu​ç ão, apli​c a​ç ão esta
que não se li​m i​t a ape​nas ao do​m í​nio do en​s i​no. Em par​t i​c u​lar, as téc​ni​c as de
des​c en​t ra​li​z a​ç ão e de en​ga​ja​m en​t o de pes​s o​al são bem co​nhe​c i​das dos ad​m i​nis​t ra​do​res e
al​c an​ç am, por seu in​t er​m é​dio, um nú​m e​ro con​s i​de​rá​vel de in​di​ví​duos. Tais téc​ni​c as
per​m i​t em a in​t e​ri​o​ri​z a​ç ão si​m ul​t â​nea de va​lo​res co​le​t i​vis​t as (tra​ba​lho em equi​pe) e de
va​lo​res li​be​rais, ma​t e​ri​a​lis​t as e mer​c an​t is (pro​du​t i​vi​da​de, per​f or​m an​c es). Mais ain​da do
que so​bre as nos​s as, é pos​s í​vel es​t i​m ar o im​pac​t o pro​di​gi​o​s o que téc​ni​c as as​s im po​dem
ter so​bre as so​c i​e​da​des do Ter​c ei​ro Mun​do. No​t e​m os, de pas​s a​gem, que es​s as
ob​s er​va​ç ões co​lo​c am em evi​dên​c ia os mo​vi​m en​t os que agi​t am atu​al​m en​t e os mei​os
co​m u​nis​t as e o sin​di​c a​lis​m o fran​c ês, di​vi​di​dos en​t re de​f en​s o​res e ad​ver​s á​ri​os do
en​ga​ja​m en​t o, me​di​an​t e com​pen​s a​ç ão, de pes​s o​al. Com​preen​da-se bem: o que de fato está
em jogo é algo mui​t o mais pro​f un​do. Tra​t a-se da acei​t a​ç ão ou da re​c u​s a do mo​de​lo
con​s en​s u​al glo​ba​lis​t a, as​s im como dos va​lo​res – dos con​t e​ú​dos la​t en​t es – que ele vei​c u​la
e obri​ga a in​t e​ri​o​ri​z ar. Tra​t a-se da acei​t a​ç ão ou da re​c u​s a de uma di​t a​du​ra psi​c o​ló​gi​c a
in​s i​di​o​s a.
Da mes​m a for​m a, se pôde com​preen​der o se​guin​t e: a ou​t ra ame​a​ç a pro​vém das
ins​t i​t ui​ç ões in​t er​na​c i​o​nais, cujo pa​pel de​t er​m i​nan​t e em ma​t é​ria de edu​c a​ç ão dei​xa​m os
cla​ro. Mos​t ra​m os tam​bém toda a im​por​t ân​c ia que es​s as ins​t i​t ui​ç ões dão à pes​qui​s a e à
apli​c a​ç ão das Ci​ên​c i​as Hu​m a​nas e So​c i​ais, cujo cam​po de atu​a​ç ão es​t en​de-se para além
do âm​bi​t o do en​s i​no. Vi​m os tam​bém que es​s as or​ga​ni​z a​ç ões con​du​z em uma po​lí​t i​c a
re​vo​lu​c i​o​ná​ria crip​t o​c o​m u​nis​t a e glo​ba​lis​t a. Além dis​s o, o seu pa​pel cres​c e a cada dia.
Será pre​c i​s o lem​brar da con​f e​rên​c ia do Rio ou das ne​go​c i​a​ç ões do Gatt,229 para fi​c ar​m os
ape​nas com as mais es​pe​t a​c u​la​res? In​s en​s i​vel​m en​t e, con​f or​m e aos prin​c í​pi​os
men​c he​vi​ques, o cen​t ro de de​c i​s ão da po​lí​t i​c a fran​c e​s a se des​lo​c a em di​re​ç ão a ou​t ros
lu​ga​res. In​s en​s i​vel​m en​t e, es​s es no​vos cen​t ros de de​c i​s ão es​t a​be​le​c em uma di​t a​du​ra
psi​c o​ló​gi​c a mun​di​al que nada dei​xa a de​s e​jar ao Ad​m i​rá​vel mun​do novo; tam​pou​c o a 1984.
A opres​s ão psi​c o​ló​gi​c a, da qual vi​m os os pri​m ei​ros sin​t o​m as, ba​s eia-se nas idei​as
de Skin​ner so​bre os mo​dos de con​t ro​le “não aver​s i​vos”, que não sus​c i​t am opo​s i​ç ão. Sen​do
por isso mes​m o di​f í​c il de com​ba​t er, ela deve ser ini​c i​al​m en​t e des​m as​c a​ra​da e de​nun​c i​a​da,
mos​t ran​do-se o que ela é: uma di​t a​du​ra psi​c o​ló​gi​c a. So​m en​t e de​pois dis​s o, quan​do os
po​vos te​nham to​m a​do cons​c i​ên​c ia da ma​lig​ni​da​de dos pro​c es​s os em​pre​ga​dos con​t ra eles,
para mo​di​f i​c ar seus va​lo​res e sua psi​c o​lo​gia, para aten​t ar, en​f im, con​t ra o seu ser, só
en​t ão a opo​s i​ç ão será pos​s í​vel.
Tra​t a-se, evi​den​t e​m en​t e, de uma ma​no​bra po​lí​t i​c a que deve, para tra​z er to​das as
van​t a​gens a seu lado, apoi​ar-se so​bre to​dos os par​t i​dos po​lí​t i​c os li​ga​dos ao res​pei​t o pela
de​m o​c ra​c ia, pela li​ber​da​de e pela dig​ni​da​de hu​m a​na. En​quan​t o mem​bro da so​c i​e​da​de – que
não con​f un​di​m os com o Es​t a​do –, ape​la​m os a to​dos os par​t i​dos po​lí​t i​c os para que
pu​bli​c a​m en​t e to​m em po​s i​ç ão so​bre essa ques​t ão que, não du​vi​de​m os dis​s o, cons​t i​t ui um
dos de​s a​f i​os mais im​por​t an​t es dos pró​xi​m os anos. Ape​la​m os ain​da para que, as​s im que o
pos​s am, aten​dam à ur​gên​c ia das me​di​das que se impõem para dar cabo a esse pro​c es​s o
to​t a​li​t á​rio.
En​f im, gos​t a​rí​a​m os de nos di​ri​gir a to​dos aque​les que, se​gu​ros de pos​s uir a
ver​da​de e ce​gos o bas​t an​t e para não du​vi​dar da no​bre​z a de sua cau​s a, co​lo​c am tan​t o
ar​dor re​vo​lu​c i​o​ná​rio em la​var o cé​re​bro de seus se​m e​lhan​t es, em pôr fogo na men​t e dos
ho​m ens, em ne​les in​c u​t ir a re​vol​t a e em ul​t i​m ar a re​vo​lu​ç ão psi​c o​ló​gi​c a: es​t ão se​gu​ros de
que não fa​z em o jogo do ad​ver​s á​rio? Es​t ão se​gu​ros de que ele não os con​du​z i​rá aon​de não
que​rem ir?
228OCDE/CERI, La for​m a​t i​on des en​s eig​nants, Aden​do ao CERI/CD(89)11, Pa​ris,
OCDE, 1990, p. 10. Nota do Se​c re​t a​ri​a​do da OCDE/CERI.
229Acor​do Ge​ral de Ta​ri​f as e Co​m ér​c io. Em in​glês: Ge​ne​ral Agree​m ent on Ta​riffs
and Tra​de – N. do T.
BIBLIOGRAFIA SELETIVA
Nós não ig​no​ra​m os o tem​po dis​pen​s a​do para a mai​or par​t e de nos​s os lei​t o​res.
As​s im, re​du​z i​re​m os nos​s a bi​bli​o​gra​f ia a uma úni​c a obra, ca​pi​t al, que nos abriu os olhos
so​bre a re​vo​lu​ç ão do sis​t e​m a edu​c a​c i​o​nal ame​ri​c a​no e ao qual nós de​ve​m os mui​t o. Nós
re​c o​m en​da​m os en​f a​t i​c a​m en​t e a lei​t u​ra des​s a obra.
Be​verly K. Eak​m an, Edu​c a​t i​on for the New World Or​der, Por​t land, Ore​gon, USA,
Halcyon Hou​s e, 1991. ISBN: 0-89420-278-2.
Essa obra pode ser en​c o​m en​da​da por in​t er​m é​dio de uma li​vra​ria fran​c e​s a.
Ma​qui​a​vel Pe​da​go​go – ou o mi​nis​t é​rio da re​f or​m a psi​c o​ló​gi​c a
Copy​right © Pas​c al Ber​na​din
Edi​ç ão bra​s i​lei​ra au​t o​ri​z a​da ao Ins​t i​t u​t o Ola​vo de Car​va​lho pelo au​t or.
1ª edi​ç ão – ja​nei​ro de 2013 - CE​DET
Ima​gem da capa: Goya, ‘Asta su Abu​e​lo’ (sé​rie Ca​pri​c hos, n. 39 – 1799).
Os di​rei​t os des​t a edi​ç ão per​t en​c em ao
CE​DET – Cen​t ro de De​s en​vol​vi​m en​t o Pro​f is​s i​o​nal e Tec​no​ló​gi​c o
Rua An​ge​lo Vi​c en​t in, 70
CEP: 13084-060 - Cam​pi​nas - SP
Te​le​f o​ne: 19-3249-0580
e-mail: li​vros@ce​det.com.br
Ges​t ão Edi​t o​ri​al:
Sil​vio Gri​m al​do de Ca​m ar​go
Tra​du​ç ão:
Ale​xan​dre Mül​ler Ri​bei​ro
Re​vi​s ão:
Fer​nan​do de Mo​rais
Re​vi​s ão de pro​vas:
Tom Per​ro​ni
Capa & Di​a​gra​m a​ç ão:
Di​o​go Chiu​s o
De​s en​vol​vi​m en​t o de eBo​ok
Lo​o​pe – de​s ign e pu​bli​c a​ç ões di​gi​t ais
www.lo​o​pe.com.br
Re​s er​va​dos to​dos os di​rei​t os des​t a obra.
Proi​bi​da toda e qual​quer re​pro​du​ç ão des​t a edi​ç ão por qual​quer meio ou for​m a, seja ela
ele​t rô​ni​c a ou mecâ​ni​c a, fo​t o​c ó​pia, gra​va​ç ão ou qual​quer ou​t ro meio de re​pro​du​ç ão, sem
per​m is​s ão ex​pres​s a do edi​t or.
Da​dos In​t er​na​c i​o​nais de Ca​t a​lo​ga​ç ão na Pu​bli​c a​ç ão (CIP)
Ber​nar​din, Pas​c al
Ma​qui​a​vel Pe​da​go​go: ou o Mi​nis​t é​rio da Re​f or​m a Pe​da​gó​gi​c a / Pas​c al Ber​nar​din; Tra​du​ç ão
de Ale​xan​dre Mül​ler Ri​bei​ro
Cam​pi​nas, SP: Ec​c le​s i​ae e Vide Edi​t o​ri​al, 2012.
Tí​t u​lo Ori​gi​nal: Ma​c hi​a​vel pé​da​go​gue ou Le Mi​nistè​re de la ré​f or​m e psy​c ho​lo​gi​que.
e-ISBN 978-85-67394-10-7
1. Con​t ro​le So​c i​al 2. Psi​c o​lo​gia 3. Edu​c a​ç ão I. Pas​c al Ber​nar​din II. Tí​t u​lo
CDD 303.3
Ín​di​c es para ca​t á​lo​go sis​t e​m á​t i​c o:
1. Con​t ro​le So​c i​al – 303.3
2. Psi​c o​lo​gia Edu​c a​c i​o​nal – 370.15
3. Edu​c a​ç ão para Ob​je​t i​vos Es​pe​c í​f i​c os – 370.11
Descargar
Fichas aleatorios
Prueba

4 Tarjetas Arthas Quinzel

test cards set

10 Tarjetas Антон piter

tarjeta del programa pfizer norvasc

0 Tarjetas joseyepezsumino

tarjeta del programa pfizer norvasc

0 Tarjetas joseyepezsumino

tarjeta del programa pfizer norvasc

0 Tarjetas joseyepezsumino

Crear fichas